Limite de juros do cheque especial, certíssimo!, por Andre Motta Araujo

Uma coisa é concorrência livre em uma rua com dez restaurantes, outra coisa é um CARTEL DE BANCOS a estipular taxas de juros absurdas e iguais para todos

Limite de juros do cheque especial, certíssimo!

por Andre Motta Araujo

A porta-voz de economia da Rede GLOBO, e espécie de farol da mídia econômica brasileira Miriam Leitão está chocada com a decisão sobre o LIMITE DE 8% na taxa de juros do cheque especial. Os neoliberais brasileiros são primitivos, ignorantes, tratam a cartilha neoliberal como Bíblia, como regras sagradas, quando a economia de mercado é apenas um sistema de organização da economia cheio de falhas e defeitos, de curta vivência histórica. No mundo dos impérios, do domínio da Igreja na Idade Média, nos 10 mil anos de história escrita a organização política e econômica variou em épocas, ciclos e latitudes, nunca houve um sistema perfeito e imutável, há tentativa e erro, acertos e derrotas, crises que revertem um sistema e trazem outro, NADA É SAGRADO.

Na maior economia de mercado do mundo, a dos Estados Unidos, ocorreram as duas maiores intervenções do Estado em 100 anos, o New Deal de Roosevelt, para tentar sair da crise de 1929 e o programa TARP, da Presidência Obama, quando o Tesouro dos EUA salvou com dinheiro público 185 bancos e empresas que iriam quebrar.

Em muitas outras ocasiões o governo em Washington interviu na economia. Em 11 de abril de 1962, o Presidente Kennedy deu ordem para uma redução de 25% nos preços do aço e ameaçou de prisão os presidentes das maiores siderúrgicas.

How JFK forced steel price roll back

O Governo dos EUA tem uma gigantesca política de subsídios a produtos agrícolas, algodão, etanol de milho. O Brasil ganhou uma ação contra o governo dos EUA na OMC contra subsídios ao algodão e embolsou 400 milhões de dólares de indenização. Há muitas outras intervenções que os neoliberais fingem que não enxergam, nunca a economia de mercado nos EUA foi tratada como algo sagrado, como pretende Miriam Leitão e seus seguidores aqui.

Leia também:  As coisas simples de um artista único, por Carlos Motta

Na Inglaterra, berço do capitalismo, entre 1945 e 1951 vigorou racionamento e tabelamento de preço de alimentos. Por toda a Europa há fases de tabelamento de tudo, na França impera um sistema de grande intervenção do Estado com subsídios agrícolas, muitas estatais, é outra visão de economia.

A receita dos bancos brasileiros com os juros altíssimos do cheque especial e do rotativo do cartão de crédito gera 10% do lucro dos bancos sobre apenas 2% da carteira de crédito. Como os endividados nessa modalidade são os pobres, significa uma brutal transferência de renda da pobreza para os bancos, o que é um dos fatores de concentração de renda e riqueza, sai do pouco dinheiro dos miseráveis para os bilionários bolsos dos acionistas de bancos.

Uma coisa é concorrência livre em uma rua com dez restaurantes, outra coisa é um CARTEL DE BANCOS a estipular taxas de juros absurdas e iguais para todos, quer dizer, NÃO HÁ CONCORRÊNCIA, caso em que é absolutamente lógica a fixação de um limite. Acho 8% ao mês muito alto, deveria ser a metade disso, mas para Miriam Leitão “não pode”, ´é como desobedecer a Bíblia para certas igrejas. Economia não combina com ignorância.

AMA

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. De qualquer maneira, o tabelamento dos juros (escorchantes ou não) é algo fora “da curva” do liberalismo dito praticado por aqui pelo rentista-negocista-guedista. Tomara que funcione e não pereça como o gado-no-campo do sarney.
    Mas, gostaria de conhecer a opinião sobre o assalto-sem-mão-armada da criação da tal tarifa de 0,25% ao mês sobre o limite disponível e não utilizado pelo correntista no cheque-especial.
    Há mais de 50 anos que o cheque-especial está entre os produtos bancários e, nunca (NUNCA) alguém falou sobre o tal contingenciamento do crédito ocioso sobre os lucros banqueiros-bancários.
    Então, só agora algum “gênio-sem-lâmpada” descobriu o “furo”? Ou seria, como sempre, simples apropriação indébita?
    Por favor.

    • prezado, essa taxa ajuda o consumidor, pois ele só irá pagar pelo limite disponível.. ele poderá diminuir esse limite para diminuir a taxa ou simplesmente cancelar o cheque especial, é assim escapará desta armadilha. nesse ponto palmas pro bozo.

  2. O artigo só esqueceu de mencionar um pequeno detalhe: o juros do cheque especial está limitado MAS AS TARIFAS FORAM LIBERADAS.
    Isto é, os bancos podem ganhar AINDA MAIS, cobrando o dobro, por exemplo, para se tirar um extrato 🙂
    Não há nada de bom na medida, vamos dançar de qualquer jeito.

  3. “Sabíamos que viria uma boa notícia”. – Bolsonaro, referindo-se ao crescimento não de 0,5% mas de 0,6% do PIBinho no terceiro trimestre.

    Enquanto o Bolsonaro comemora o Pibinho, o povo está comendo ovos.

    “Se o capitalista tupiniquim quer alimentar os brasileiros com ovos, em vez de carne, ou com aveia em vez de trigo, deveis acatar a sua vontade como uma lei da economia política e vos submeter a ela. Se num país, por exemplo, nos Estados Unidos, as taxas de salários são mais altas do que em outro, por exemplo na Inglaterra, deveis explicar esta diferença no nível dos salários como uma diferença entre a vontade do capitalista norte-americano e a do capitalista inglês; método este que, sem dúvida, simplificaria imenso não já apenas o estudo dos fenômenos econômicos, como também o de todos os demais fenômenos” – Karl Marx

  4. Como mencionado em seu último parágrafo, é só uma cortina para enganar nós trouxas, já que 8% am é mais de 20 (vinte) vezes a taxa Selic, que já é das mais altas.
    Sem mencionar que adicionaram um ganho FIXO, independente de uso, que é a TAXA de “disponibilidade”, que os cretinos da banca dizem que é o dinheiro “reservado” para o cliente.
    Ora, “todo mundo sabe” (na verdade, poucos) que este “dinheiro” NÃO EXISTE, devido a escandalosa RESERVA FRACIONÁRIA, uma invenção histórica de banqueiros para banqueiros, onde os depósitos existentes podem ser cerca de 1/10 (10%) do que podem “emprestar”.
    Um dinheiro inexistente, onde ~10 pessoas pagam juros pelo “mêsmo dinheiro”. E querem aumentar isso.
    Num mundo onde a dívida mundial já é um múltiplo do PIB mundial (acho que 3 vezes maior, confiram), pertencer à pequena parcela de detentores de juros é estar no paraíso.
    E deve piorar!
    Pra nós, é claro.

  5. “…Acho 8% ao mês muito alto, deveria ser a metade disso, mas para Miriam Leitão “não pode”, ´é como desobedecer a Bíblia para certas igrejas. Economia não combina com ignorância…” Sua outra matéria já havia esmiuçado todo este assunto e novamente encontramos outro artigo quase perfeito. Novamente batendo nas ‘Trombetas das Privatarias’ que anunciam a salvação via capital internacional e especulação. Mas isto foi a promessa em Privatarais de FHC há quase 3 décadas. Para que serviu PROER? O que mudou fora concentração de Mercado e destruição de Economia Nacional, empurrando para a Divida Pública, bilhões e bilhões de passivos e títulos podres, entregando o ‘filé mignon ‘ às Privatarias, com a chegada de Santander, BBVA, Citibank, Banco de Boston,…Onde estão as promessas do anos 90? Gostaria de ler, quando possível, alguma coisa sobre PRECATÓRIOS. Outra promessa de solução pela Elite Socialista. Sabemos, agora ninguém mais é Socialista, nem de Esquerda. Sabemos. O Brasil dos mesmos problemas em Educação, Saúde, Transporte, Nacionalização, Empregos, Segurança,…40 anos depois…. Pobre país rico. Às vezes parece até uma conversa entre dementes. Mas de muito fácil explicação.

  6. O Conversa Afiada não se surpreende, portanto, com o relato que recebeu de um empresário indignado:
    A situação no Brasil é tão absurda que, se alguém tivesse ido a um banco para depositar R$ 100 na caderneta de poupança no dia 1º de janeiro de 2009, em janeiro de 2019 teria na conta R$ 192,12. Mas se essa mesma pessoa tivesse usado os R$ 100 no cheque especial, na mesma data, no mesmo banco, teria uma dívida de R$ 6.951.065,28. São números que beiram o surrealismo.
    R$ 100 na poupança não chegam a R$ 200 em 10 anos.
    R$ 100 no cheque especial viram R$ 7 milhões de dívida!
    O Banco não remunera o dobro do seu dinheiro em 10 anos, mas tira 70 mil vezes se você ficar com dívida no cheque especial!!! SURREAL!!!

  7. O Estadão, representante sei lá de que – não vou acreditar que dos “barões” das indústrias – também batendo. Vá entender. Indo a favor de quê?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome