Lula na prisão, por Luis Felipe Miguel

Que a empatia que o drama de Lula produz em qualquer pessoa dotada de humanidade contribua para que pensemos também nessa imensa população carcerária.

Lula na prisão

por Luis Felipe Miguel

Vão se completar dez meses da prisão de Lula. Uma prisão motivada por perseguição política. Uma prisão que ocorreu sem que tenham sido apresentadas evidências dos crimes que a justificariam. Uma prisão determinada em desacordo com a Constituição e mantida por pressão militar. Uma prisão que está ligada à derrocada da democracia no Brasil. A prisão de Lula é um fio que liga o golpe de 2016 à vitória do bolsonarismo em 2018.

As circunstâncias da prisão de Lula e a estatura política do prisioneiro fazem com que a gente acompanhe, quase que diariamente, o que acontece em Curitiba. A rotina de privação, de humilhação. Um septuagenário afastado da família, dos amigos, do mundo. Impedido de ir ao enterro de pessoas próximas. Tendo que implorar para uma inimiga, para uma juíza que já demonstrou seguidas vezes sua má vontade e menosprezo pela justiça, o direito de dar o último adeus ao netinho.

Lula é um prisioneiro político. Lula não poderia estar preso, caso as leis vigentes no país fossem respeitadas. Lula é um refém daqueles que destroem a democracia no Brasil.

Por tudo isso, a bandeira “Lula livre” é central para todos os que lutam por um Brasil mais justo.

Mas devemos pensar também que o drama que acompanhamos com relação a Lula é o drama de outros 700 mil brasileiros. Alguns são também inocentes, outros são culpados dos crimes que lhes são atribuídos. Alguns destes crimes são graves, outros nem tanto e há aqueles que nem deveriam ser considerados crimes. E estão todos presos – como Lula, mas em geral em condições ainda mais desumanas.

Se Lula sofre com o ódio e o pânico que nossa classe dominante lhe devota, esses outros todos sofrem com o desprezo e a negligência. O raciocínio maniqueísta e raso que é deliberadamente alimentado na nossa sociedade diz que, se estão presos, são bandidos; e, se são bandidos, não têm nenhum direito.

Mas são humanos. São seres humanos enjaulados. São retirados de nossas vistas e submetidos a um tratamento que nenhum, absolutamente nenhum ser humano deveria suportar.

Sei que é difícil pensar no fim da pena privativa de liberdade, em uma sociedade como a nossa – uma sociedade que empurra tantas pessoas para a brutalidade e a animalidade. Mas é preciso encarar de frente a realidade penitenciária do país. Abolir a prisão é um sonho que não está ao alcance da mão, mas é possível esvaziar as cadeias, reduzindo penas, facilitando progressões, estabelecendo punições alternativas, agilizando recursos. O contrário do que hoje é a voz dominante, mas essa voz dominante é outra faceta da brutalidade e da animalidade que permeiam nossa sociedade.

Lula na prisão tem um significado político imediato: a destruição do experimento democrático iniciado em 1988. Nossas prisões lotadas de jovens pretos pobres representam, por outro lado, os limites históricos deste experimento. Que a empatia que o drama de Lula produz em qualquer pessoa dotada de humanidade contribua para que pensemos também nessa imensa população carcerária.

15 comentários

  1. Uma imagem marcante da estupidez que chegamos. Os jornais insistem em falar na condenação de Lula, cada vez que vão ao ar. Qualquer pessoa inteligente ou com um mínimo de formação, sabe que a condenação de Lula é uma farsa. Os jornais estampam, que a ” Juiza Permitiu”. Como se esta juíza estivesse a altura de um ex presidente. E não foi um presidente comum. Foi o presidente Lula, de quem tem tanto medo. Atemorizados querem mantê-lo fora da mídia e fora da sociedade. Tem tanto medo que não o deixaram sair para ver o irmão, pois estavam atemorizados com o seu poder. Agora acuados, pois a figura do neto, uma criança inocente da qual expropriaram um tablet, poderia mostrar a real face destes que um dia disseram que iam acabar com a corrupção e convivem com ela no dia a dia em seus novos afazeres. Ou então vão usufruir de 2 bilhões de reais, num acordo mais do que suspeito com a Petrobrás. Enquanto isto, um certo deputado com claras deficiências sociais, vocifera pelas redes e ataca o ex presidente. Quem é o que fez este deputado?
    Eu não sei quem são estes policiais ao lado. Podem ser apenas boas pessoas cumprindo ordens, ou podem estar muito orgulhosos do que fazem. Mas concursados que são, não podem negar o inegável. A condenação de Lula é uma farsa política E este ato é de uma crueldade, perpetrada pelos mesmos que perseguem Lula, seus filhos seus netos e todos os seus amigos. A política medieval de salgar a terra conquistada e assassinar, física ou moralmente os inimigos, continua, na mão de deficientes legais que populam nosso judiciário.
    Toffoli é provavelmente um dos piores, mas deve estar em casa contando o vil metal.

  2. E se o tempo que Lula permanecer trancafiado fosse convertido numa poupança-crime ? Simples, como não há culpa, quando sair, recebe um “salvo-conduto” para cometer crimes até zerar a conta. E como seria isso ? Também simples. Todos se lembram de quando suas excelências superiores “dosimediram” as penas do mensalão, tipo “se o vértice do triângulo apontar para o Norte geográfico aumenta em 5% diminuindo gradativamente, data venia, se as condições propricias não se demonstrarem contrárias”. Nada disso é agora necessário, temos jurisprudência. Basta uma regra de três. Se um doleiro ou delator lavajatino desviou 50 milhões e ficou preso 6 meses, Lula já tem uma poupança beirando os 100 milhões de crime. Pra ser mais justo pode se fazer uma média de todos, aí é só acrescentar umas continhas de verdureiro a mais. Não há preocupação com possibilidade de crime de sangue, que poderia dar o salvo-conduto para um assassinato, isso é impossível, a única arma que Lula tem é sua inocência que não mata ninguém.

  3. Homem assustador esse LULA cuja presença grandiosa, traz pavor e medo a pior elite que existe no planeta !!!

+ comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome