O massacre de Paraisópolis e o apartheid social, por Aldo Fornazieri

O massacre de Paraisópolis não é um fato isolado: é a expressão cruel e cruenta do apartheid, da injustiça, da desigualdade, da falsa democracia que impera no Brasil.

O massacre de Paraisópolis e o apartheid social

por Aldo Fornazieri

Os nomes dos nove jovens massacrados em Paraisópolis ecoaram nas redes sociais para não serem esquecidos. Não dá para esquecer. Não podemos e não devemos esquecer. São nove vidas em pleno florescimento que foram brutalmente ceifadas. Aquela brutalidade é o retrato do abandono das periferias, das periferias sem futuro, dos jovens sem futuro. É o futuro do Brasil que está sendo massacrado. É o futuro do Brasil que está sendo assassinado.

As versões de João Dória e da polícia não se sustentam pelas evidências que existem. O cenário do massacre foi alterado. O SAMU sequer apareceu. Pessoas foram impedidas de socorrer os jovens. Culpar os policiais é fácil. Na verdade, os policiais são usados por essa elite assassina para matar pobres. São pobres matando pobres; são negros matando negros. Enquanto isso, os verdadeiros assassinos estão nos gabinetes, nos escritórios, nos palácios.

O massacre é a manifestação de uma elite cruel e predatória, de um capitalismo criminoso, que não quer admitir os mínimos direitos. O massacre é a evidência do gigantesco apartheid social que impera no Brasil e que é, ao mesmo tempo, um apartheid racial, um apartheid da juventude pobre. As periferias são os guetos da pobreza e do desprezo e abandono a que os pobres são relegados. A prova mais indesmentível desse apartheid é que a metade da população brasileira vive com pouco mais de R$ 400 por mês. São os milhões de desempregados, de desalentados, de subempregados.

As lideranças políticas e sociais precisam compreender que os termos da atual equação social e econômica do Brasil é absolutamente inaceitável e que é preciso agir de forma desmedida contra essa equação, contra essa indignidade. O massacre de Paraisópolis não é um fato isolado: é a expressão cruel e cruenta do apartheid, da injustiça, da desigualdade, da falsa democracia que impera no Brasil.

Leia também:  Framboesa de Ouro aos golpistas, por Henrique Matthiesen

Os partidos de esquerda não podem tratar o massacre de Paraisópolis como um caso estadual. É preciso um pronunciamento nacional das direções partidárias. Existem parlamentares combativos nos partidos de esquerda. Mas, no geral, as bancadas têm atuações aquém do necessário para enfrentar a guerra que as elites promovem contra os pobres.

No discurso que Lula fez em São Bernardo depois de ganhar a liberdade incitou que os parlamentares de esquerda a se tornem leões. Esta é uma necessidade urgente. O fato é que os governos tucanos de São Paulo nunca tiveram uma oposição efetiva. Os parlamentares progressistas não podem ser gatinhos manhosos de Alckmin, de Dória ou de quem quer que seja. Precisam estar onde está o povo. Precisam enfrentar junto com o povo as vicissitudes que o povo sofre. É preciso escolher: para ser progressista não se pode estar junto com os apartadores. É preciso caminhar junto com os apartados. É preciso colocar-se à frente dos apartados lutando com eles, liderando-os.

O secretário de Segurança precisa pedir demissão ou deve ser demitido. O comandante da Polícia Militar também. Dória massacra os pobres e precisa ser denunciado nas Cortes Internacionais de Direitos Humanos, na ONU, na OEA. A repressão violenta dos jovens que não têm alternativas de lazer não foi episódica em Paraisópolis. Ela é sistemática em toda a cidade de São Paulo. Sem alternativas, os jovens da periferia, para se divertirem, precisam se expor à violência policial, à violência do crime organizado, ao risco das doenças contagiosas, ao abandono cultural e social.

Leia também:  Legítima Defesa, por Wilson Ramos Filho

Dizer que a situação dos fluxos é complexa, todo mundo sabe. Dizer que não há soluções é mentira. Tive a oportunidade de conhecer esta realidade, instado por um gestor da administração Haddad a colaborar na elaboração de um projeto de intervenção de políticas públicas para buscar saídas para o problema dos fluxos. Infelizmente, as recorrentes trocas de gestores por intercorrências políticas fizeram com que a projeto não tivesse solução de continuidade. Mas ficou claro que soluções existem e são factíveis. Ocorre que não tem vontade política. Ocorre que o poder público é absolutamente incapaz de resolver os grandes problemas urbanos. Ocorre que os pobres e as periferias não são prioridades para o poder público e para os partidos políticos. Os pobres são massa de manobra, contam apenas na hora das eleições.

Os equipamentos públicos, a segurança pública, as prioridades estão concentrados nos bairros ricos de São Paulo. Ali, os filhos das classes médias e das elites, além de contar com a proteção do poder público, com os benefícios dos equipamentos públicos de saúde, educação, cultura e lazer, contam com os seguranças particulares, com os condomínios fechados, com os prédios protegidos, com os carros para deslocamentos, com dinheiro para se divertirem.

Aos jovens pobres, filhos de pobres, resta a rua, as bombas, os cassetetes, a coação do crime organizado, as bebidas de péssima qualidade, o alcoolismo, as drogas dos becos, a violência sexual. Os fluxos são os ambientes onde os jovens se encontram para fugirem de si mesmos, para fugirem de um cotidiano sem alternativas, sem esperanças e sem um amanhã.

Leia também:  “Gosto de manifestação para bater nas pessoas”, disse PM em São Paulo

São esses jovens, em sua maioria pobres e das classes médias baixas, que compõem a mais da metade do total de estudantes que não concluem o ensino médio, dos 60% que egressam do ensino universitário, que não têm qualificações para o trabalho, que não têm empregos qualificados, que não terão acesso ao sistema de saúde de qualidade e que terão aposentadorias precárias na velhice. É para esses jovens que os partidos de esquerda e os movimentos sociais precisam se voltar e resgatar. São esses jovens que precisam ser politizados e organizados. Mudanças se fazem com ideias, projetos e força organizada. Somente deles poderá vir a força e a energia necessárias à mudança.

Sem o engajamento ativo desses jovens não haverá mudanças. Sem esses jovens, os paridos, os sindicatos e os movimentos sociais não passarão de aparatos burocráticos que servem seus próprios interesses, que miram seus próprios recursos, que acalentam seus próprios altos salários, que se regozijam no conforto de seus próprios gabinetes, que se comprazem com os hotéis e restaurantes luxuosos. Sem a força e a energia desses jovens a mudança estará morta, a esquerda estará morta e o Brasil estará morto.

Aldo Fornazieri – Professor da Escola de Sociologia e Política (FESPSP).

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. “…O massacre de Paraisópolis e o apartheid social…” Violência, Negligência, Crimes, Ameaças, Barulho, Importunação, Drogas, Sexo, Armas, Criminosos, Facções, Abandono, Impedimento de circulação, Obstrução de vias, Menores e Crianças expostos a tudo isto. A População do bairro exposta a tudo isto. 90 anos de Bandidolatria. Indústria da Vitimização do Estado Absolutista Esquerdopata Fascista e suas Elites, replicando esta barbárie por mais 40 anos de farsante Redemocracia. País de muito fácil explicação.

  2. Pois é, depois de refletir durante alguns dias o professor Aldo Fornazieri nos premia com um verdadeiro artigo de platitudes em relação ao tudo que foi falado e escrito em todo este período entre o fato e o seu texto, porém o mais importante que é a dissolução das polícias militares, transformando-as em polícias civis para policiais civis, coisa que é totalmente lógica em Estados mais evoluídos em termos da democracia burguesa.
    Por que chamo a atenção a isto? Simplesmente porque países que tem polícias militarizadas estas trabalham dentro da lógica militar em que estruturas democráticas dentro do Estado Burguês não tem sentido.
    Uma estrutura militar jamais foi feita para trabalhar democraticamente pois ela é feita para combater inimigos externos, logo quando o poder civil declara uma guerra, nunca ninguém pensou em fazer grupos de discussão dentro das forças armadas sobre a entrada ou não na guerra. Ou seja, a estrutura militar é feita para obedecer e não para tomar iniciativas, logo ações espontâneas de pequenos grupos de militares tomando a si a tática para cumprir os ditames dos seus comandantes, no caso os governadores dos Estados, resulta em dois grandes erros: 1) Governadores de espírito autoritários, resultarão em ordens autoritárias. 2) dentro da lógica do comando central, os quadros inferiores responderão exatamente como responderam, odiando e matando o povo.

    2
    1
  3. Nassif: o caso é complicado. Porém, a violência praticada pelos policiais tem que ser tratada com o devido cuidado. Não estou dizendo que não houve agressão pelos policiais. Estou apenas reafirmado o que venho dizendo desde o Carandiru — os responsáveis não são os praças-de-pré e outros bagrinhos. A ordem veio de cima, pra descer o cassete, com vontade. E ai do milico que não obedecer. Corre o risco de ser punido pelo CódigoMilitar (o mesmo dos VerdeSauvas) e até expulso da corporação. O governador, o Secretário de Segurança, o ComandanteGeral, o coronel responsável pela região, estes sim haveriam de ser julgados e condenados. Mas a grande mídia prefere dar show e mostrar o policial dando porrada, coisa que lhe mandaram fazer, com todos os requintes de crueldade dos seus superiores, ao invés de apurar quem deu a ordem. É preciso separar joio do trigo.

  4. A Policia Militar tornou-se no Brasil um grupo de bandidos que têm como lema a eliminação dos pobres e miseraveis, os quais eles tratam como marginais que merecem ser a morte. Por que predomina essa conjunto de ideias dentro das policias? Porque ha incentivo e apoio de uma maioria dentro da sociedade brasileira. Por isso os partidos, mesmo à esquerda, fazem tão pouco. A morte desses meninos não comove os governos no poder nem seus eleitores. Expliticamente é isso que Doria, Witzel e outros demandam de seus secretarios de Segurança. Eles querem uma “cidade limpa”, higienizada, com o minimo de pobres, apenas aqueles que trabalham em suas casas e usinas. E quando esses “ousam” a manifestar de alguma forma suas preferências ou a falta de oportunidades, são aniquilidos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome