OCDE sinaliza que não aceitará o Brasil de Bolsonaro, por Larissa Ramina, Gisele Ricobom e Carol Proner

A inabilidade em aprovar as reformas desejadas pela OCDE, o isolamento político e o caos provocado por Bolsonaro em crise pandêmica, colocaram a Organização em alerta

OCDE sinaliza que não aceitará o Brasil de Bolsonaro

por Larissa Ramina, Gisele Ricobom e Carol Proner

Um dos alvos prioritários da política externa brasileira, a quase sexagenária OCDE – Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico – acaba de jogar um balde de água bem gelada nas pretensões do governo de Jair Bolsonaro de promover o ingresso do Brasil como membro pleno no clubão dos 36 países mais ricos do mundo.

Desde o início de seu lamentável governo, o atual presidente vem se prestando ao papel de lambe-botas de seu homólogo estadunidense, entre outras coisas, para obter posições favoráveis de Trump em troca do ingresso na Organização. A pretensão de ingressar na OCDE é um dos marcos da guinada da posição tradicional do Itamaraty a partir do governo Temer, transformando-se em diretriz da Política Externa Brasileira na gestão de Ernesto Araújo.

Pela tese do governo, a entrada atrairia capital estrangeiro ao adotar um rígido programa de liberalização comercial, por meio de uma política agressiva de privatizações, bem como da desregulação econômica e da flexibilização da proteção social, ainda que essa estratégia coloque o Brasil de joelhos diante da OCDE, sobretudo porque há maior rigidez nas determinações aos países em desenvolvimento.

O processo de adesão implica uma rigorosa revisão das práticas e das políticas públicas nacionais de acordo com os mais de 100 parâmetros da Organização. Na prática, traduz-se por uma ingerência direta dos países ricos que compõem a OCDE nos assuntos internos exclusivamente estatais, em áreas como saúde, educação, ciência e tecnologia, governança corporativa, meio ambiente, agricultura, pesca, produtos químicos, seguros e previdência, desenvolvimento territorial, entre tantas outras.

Leia também:  Vacina, Política e Ideologia, por Edmundo de Moraes

Ademais, a Organização historicamente tem sido promotora dos interesses do capital privado. No final dos anos 90, por exemplo, buscou implantar sem sucesso um indecoroso “Acordo Multilateral de Investimentos” – AMI que visava deslocar litígios para cortes internacionais, evitando assim que empresas transnacionais fossem obrigadas a se submeterem aos tribunais estatais dos países hospedeiros de investimentos.

Portanto, o congelamento do teto dos gastos públicos e as reformas estruturais liberalizantes de Paulo Guedes que beneficiam o sistema financeiro e o capital privado estão indiscutivelmente em sintonia com a lógica da Organização, razão do otimismo brasileiro anunciado pelo governo Bolsonaro em janeiro, quando recebeu o tímido apoio dos Estados Unidos.

Desde então, o governo Bolsonaro está em franco e acelerado declínio. A inabilidade em aprovar as reformas desejadas pela OCDE, o isolamento político e o caos social provocado por Bolsonaro em uma crise pandêmica colocaram a Organização em alerta.

Recentemente, Drago Kos, atual chefe do grupo de trabalho anticorrupção da entidade afirmou que o Brasil deverá explicar os motivos do desembarque de Sergio Moro, vendo enorme preocupação na ingerência de Bolsonaro na polícia federal. A Organização solicitou também ao governo que adotasse as medidas corretas de confinamento para conter a crise do coronavírus.

O OECD Economic Survey of Brazil 2020 é um documento prévio do grupo que relata as condições do Brasil para que os membros analisem seu pedido de ingresso. O relatório secreto vazou para imprensa, revelando seríssimas críticas ao governo em relação à proteção da Amazônia, à fragilização das estruturas anticorrupção, a previsão de convulsões sociais como as que ocorreram no Chile e a até indica um fortalecimento do bolsa família, como critério indispensável de combate à pobreza. Sinais claros que a Organização está longe de avalizar os desmandos do governo, aceitando o ingresso do Brasil.

Quando o ingresso do Brasil for oficialmente rejeitado pela OCDE, será a maior das derrotas do atual governo nas relações internacionais.  Não é por acaso que ex-chanceleres brasileiros, de variadas posições no espectro político, denominaram a atuação do Ministério das Relações Exteriores sob a batuta do olavista Ernesto Araújo de “diplomacia da vergonha”. Até a Organização busca afastar sua imagem do governo brasileiro por estar ruborizada diante de tanto desmando.

Leia também:  A refundação do Brasil no corredor do Carrefour, por Fábio de Oliveira Ribeiro

Larissa Ramina, Gisele Ricobom e Carol Proner, Doutoras em Direito, Professoras de Direito Internacional Público, membras da ABJD

Sergio Moro é a pauta do novo projeto jornalístico do GGN.
Saiba mais clicando aqui

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. A GRANDE SOLUÇÃO PARA O FUTURO DO BRASIL: OS BRICS, estão sendo jogados fora em troca de uma SUPOSTA ajuda americana (NUNCA houve nenhuma, só nos roubaram até hoje) ao Brasil. A CHINA e a RUSSIA principalmente, que hoje detém a melhor tecnologia, as melhores condições econômicas(a China detém a maior parte da dívida externa americana) para INVESTIR e AJUDAR os Países Pobres como o Brasil a crescerem, como estão fazendo na ÁFRICA (ATÉ O 5G está em implantação por lá) e outras partes do MUNDO. A CHINA, junto com CUBA, está enviando MÉDICOS e especialistas em SAÚDE para DEZENAS DE PAÍSES (notícia proibida na nossa mídia) DO MUNDO, com remédios, equipamentos, insumos que , como se sabe, RESOLVERAM O PROBLEMA para 1,35 BILHÕES DE SERES HUMANOS. A OCDE é solução para OS MESMOS.

  2. As atitudes do Bolsonaro fecharam as portas da OCDE para o Brasil?
    Então, posso contabilizar duas coisas boas feitas por ele: isso e o fim do horário de verão.
    Não duvido que pessoas como Haddad, Proner, Mercadante, Dilma, talvez até mesmo o Lula, estejam torcendo para o Brasil entrar para a OCDE. Afinal, quando foi mesmo que os bancos lucraram como ‘nunca antes nesse país’?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome