Os evangélicos e sua sombra ameaçadora, por Fábio de Oliveira Ribeiro

Imediatamente após a morte de Ricardo Boechat, evangélicos maliciosos começaram a divulgar na internet que ele foi morto por deus

Os evangélicos e sua sombra ameaçadora

por Fábio de Oliveira Ribeiro

Imediatamente após a morte de Ricardo Boechat, evangélicos maliciosos começaram a divulgar na internet que ele foi morto por deus. Esse ato de vingança ocorreu por causa da polêmica envolvendo o jornalista e um pastor fanático.

A morte trágica de Boechat deixou de ser uma tragédia nas vidas dos familiares, dos amigos e colegas de trabalho dele para se transformar num ato divino que supostamente confirma a validade da crença daqueles que se consideravam inimigos do jornalista. A humanidade do jornalista falecido e daqueles que eram próximos a ele não vem ao caso? 

Os evangélicos adoram desumanizar seus adversários políticos e/ou religiosos. Eles já dizem abertamente que os católicos e umbandistas não são filhos de deus, que eles são criaturas infernais. A morte de Ricardo Boechat foi transformada por alguns deles num culto macabro. O sofrimento experimentado pelos familiares, amigos e colegas de trabalho do jornalista é irrelevante. Tudo indica que alguns evangélicos acreditam que se tornam mais humanos, sobre humanos ou seres celestiais desprezando a humanidade daqueles que não compartilham suas crenças.

A mim parece evidente que esses evangélicos que comemoraram a morte de Boecht, sucumbiram às suas sombras. Eles não são os primeiros a fazer isso:

“Justamente na história do Cristianismo, percebe-se como é difícil para nós, às vezes até mesmo insolucionável, o problema da sombra, mesmo nas ideais essencialmente humanas, pelas quais pessoas importantes e exemplares se sacrificaram: começando com uma religião empenhada em trazer às pessoas o amor, a paz, a redenção do sofrimento, e pregando a humildade, seus seguidores acabam sucumbindo a uma sombra verdadeiramente satânica, sem hesitar em fazer uso da violência, quando se tratava de impor suas concepções aos fiéis ou hereges e de se defender ou ampliar seu poder. Eles pregavam com o fogo e a espada, organizando cruzadas e a inquisição, perseguindo bruxas e hereges. Quase nenhuma outra religião trouxe tanto sangue e sofrimento como ela, que atuava em nome de Cristo e sob o signo do Senhor.” (O herói, Lutz Müller, Cultrix, São Paulo, 2017. p. 87)

Leia também:  A grande mentira da ineficiência das estatais, por Andre Motta Araujo

Os fiéis e pastores que se apresentam como inimigos mortais de Ricardo Boechat, aqueles que usam a internet para comemorar a morte dele como um ato de confirmação divino da verdadeira fé, se consideram heróis da religião evangélica. No entanto, a atitude desumana deles para com os familiares do jornalista confirma as palavras do eminente psicólogo alemão:

“O perigo, tanto social como pessoal, de sucumbir à sobra do herói é muito grande, pois a sombra é extraordinariamente sedutora e muito bem apropriada para encobrir nossos sentimentos inconscientes de inferioridade, finitude e dependência. Nem os heróis míticos conseguiram escapar dela. Justamente quando acreditavam tê-la matado ou vencido é que mais caíam em sua esfera secreta de poder.” (O herói, Lutz Müller, Cultrix, São Paulo, 2017. p. 90)

É evidente que os evangélicos que comemoram a morte de Boechat como se ele não tivesse direito à vida, como se aos parentes dele não fosse outorgada a garantia jurídica de ver a imagem e a memória do jornalista preservada contra os ataques rasteiros feitos para confirmar crenças exotéricas, estão sob a influência psicótica de suas próprias sombras. A única maneira civilizada colocada pelo Estado à disposição dos familiares de Boechat nesse momento para interromper o processo de criminalização teológica do morto é processar os fiéis e pastores evangélicos que divulgaram na internet que foi deus que matou o jornalista.

O júbilo manifestado publicamente pelos inimigos de Boechat é prova satisfatória de que eles desdenham o sofrimento imposto aos familiares do jornalista, cuja morte e imagem estão sendo indevidamente exploradas por membros de uma religião a qual ele não pertencia. O Direito Civil possibilita a condenação por danos morais de todos os fiéis e pastores que divulgaram na internet que a morte do jornalista foi um ato de vingança divina.

14 comentários

  1. O fundamentalismo religioso é o retorno da humanidade à barbárie.
    É evidente, para quem esteja um pouco atento, que os extremistas religiosos brasileiros da linha evangélica-neopentencostal afastaram-se por inteiro da doutrina cristã.
    Sustentam seus ataques em citações descontextualizadas do Velho Testamento, como terroristas do Oriente Médio citando o Alcorão.
    Para eles Jesus é o grande ausente e suas palavras de amor, tolerância e perdão não têm qualquer valor.

  2. deus não seria tão bom.

    Por isso não acredito nele.

    Ora, bolas, cada um tem o direito de comemorar a morte de um desafeto seja lá por qual motivo lhe aprouver.

    Ou ficaremos sentidos com a morte de malafaia?

    Ou ficaremos sentidos se as tripas do coiso apodrecerem de vez?

  3. Se Deus dotou o homem de livre arbítrio, porque ele iria se vingar do homem que não acredita nele?
    Aliás, Deus é vingativo?

    Jesus Cristo não disse “Aquele que não crê em mim, será morto’ mas “Aquele que crê em mim, ainda que esteja morto, viverá”.

  4. Mentes acorrentadas através do medo e da punição não dão valor à vida nem ao amor…
    não demora estarão estarão matando em nome de Deus como milicianos da fé

  5. Há uns oito ou dez anos atrás eu já comentava com minha esposa que num futuro não muito distante o Brasil passaria a ter sérios problemas de conflitos religiosos por causa de pregação fundamentalista e completamente idiotizada de pastores como edir macedo, r r soares, valdemiro santiago , marcos feliciano, etc etc
    Para mim, estes sujeitos, além de canalhas e estelionatários são bandidos perigosos e que já deveriam ter sido presos há tempos.
    Este futuro chegou e o Brasil será levado às trevas dessa gente.

  6. Como se a “justissa” que leva dez, vinte anos para julgar, com seus ritos intermináveis apenas para ganhar tempo e justificar suas regalias, servisse pra trazer justiça a quem não é poderoso…

  7. Estes falsos cristãos, que não seguem os ensinamentos de Cristo (na verdade fazem praticamente o contrário) estão cada vez mais entranhados nos nossos meios de comunicação e agora no nosso governo. Isto é extremamente perigoso e pode tornar nosso país (se é que já não o fizeram) em um país fundamentalista evangélico radical, semelhante ao Estado Islâmico. Diga-se que os reais evangélicos (igrejas tradicionais protestantes, como a batista, luterana e outras de fé cristã) não estão envolvidas com isso, apenas as neo petencostais que são geridas por ateus sem escrúpulos que visam tão somente ganhar dinheiro às custas da inocência de pessoas despreparadas.

  8. Nesse caso do deus vingador, Deus está sendo feito à imagem do homem e não o contrário, como pregam as escrituras. Deus feito à imagem do homem intolerante, raivoso. Boechat era irreverente e corajoso, características dos grandes.
    O que deveria fazer esse Deus perante as mentiras e manipulações da tia Damares?

    • De maneira alguma. Os iranianos são nacionalistas. Os evangélicos entregam nossas riquezas aos gringos.

  9. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome