Podemos usar as reservas internacionais?, por Paulo Nogueira Batista Jr.

As reservas podem ser usadas de forma criteriosa para intervir no mercado de câmbio, combinadas com outros instrumentos, mas devem ser preservadas como elemento indispensável para garantir a posição externa do país

Podemos usar as reservas internacionais?

por Paulo Nogueira Batista Jr.

Ressurgiu o debate sobre se seriam excessivas as reservas do Brasil, atualmente em torno de US$ 380 bilhões. Não seria possível dar melhor uso a esses recursos em vez de deixá-los parados, rendendo juros modestos em aplicações no exterior?

A discussão foi desencadeada, desta vez, pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, que começou a vender reservas gradualmente para suprir a falta de moeda estrangeira no mercado. Ele disse, também, que o Banco Central passaria a operar com o conceito, supostamente mais relevante, de “posição cambial líquida”, isto é, a diferença entre o estoque de reservas e o de swaps cambiais.

Fiquei um pouco inquieto. As reservas internacionais constituem um elemento central da segurança externa do país. O conceito de “posição cambial líquida” não é o mais relevante, uma vez que mistura coisas essencialmente diferentes – ativos de reservas com swaps. Estes últimos são indexados ao câmbio, mas liquidáveis em reais, que são emitidos pelo próprio Banco Central. Reduzir as reservas e, na mesma medida, o estoque de swaps, deixa a “posição cambial líquida” constante, mas aumenta a vulnerabilidade externa do país. O conceito relevante é o de reservas em moeda estrangeira.

Economistas ligados ao mercado logo se animaram a ressuscitar teses perigosas, valendo-se às vezes de argumentos ligeiramente ridículos. Alguns passaram a falar em vender algo como US$ 70 bilhões das reservas, celebrando a redução da dívida pública bruta que adviria dessa venda. Um desses economistas calculou que a venda permitiria economizar cerca de R$ 2,8 bilhões por ano, dizendo que a economia não seria desprezível para um país em situação fiscal apertada. Um outro economista de banco chegou a sustentar que, com a aprovação da reforma da Previdência, não haveria mais necessidade de manter reservas tão elevadas.

Leia também:  Uma crítica ao modelo primário exportador brasileiro como estratégia de inserção global, por Heldo Siqueira

Tudo isso é bobagem. Para muitos propósitos, o conceito relevante de dívida pública é o de dívida líquida, que deduz da posição bruta ativos do setor público, notadamente as reservas internacionais. Vender reservas para recomprar dívida interna, por exemplo, reduz a dívida bruta, mas mantém inalterada a dívida líquida. E, se feito em montante expressivo, como US$ 70 bilhões, aumenta a vulnerabilidade externa do Brasil.

O contra-argumento é que a troca seria benéfica do ponto de vista fiscal, pois as reservas rendem menos que a dívida interna custa para o governo. Mas esse custo de carregamento das reservas, caiu muito nos anos recentes com a queda dos juros internos e, em menor medida, a alta dos juros nos EUA. Daí que a economia acima referida seria de apenas R$ 2,8 bilhões por ano.

Veja, leitor, o absurdo que se propõe. Vender US$ 70 bilhões de reservas, ou seja, reduzi-las em quase 20%, para obter uma economia fiscal que representaria algo como 0,6% do déficit nominal do setor público consolidado!

Contrariamente ao que se diz com frequência não há evidências de que o Brasil tenha de fato muitas reservas excedentes, disponíveis para manobras de diferentes tipos. Não há, claro, forma tecnicamente inequívoca de determinar o nível ideal de reservas para um país. Mas os indicadores disponíveis não mostram grande folga para o Brasil. O FMI calcula uma “métrica de adequação das reservas”, usando para o Brasil 30% da dívida externa de curto prazo, 15% de outros passivos de portfólio, 5% de M2 e 5% das exportações. Por essa fórmula, que contém evidentemente elementos de arbitrariedade, as reservas brasileiras representavam 165% da métrica em março de 2019.

Leia também:  Polarização Política II: Pluralismo contra Intolerância, Fake News e Individualismo, por Fernando Nogueira da Costa

O próprio FMI reconhece, entretanto, o grau de incerteza associado ao uso da sua métrica e a tendência que ela apresenta de subestimar o nível de reservas requerido. Tanto que se refere em seus documentos a uma “faixa de adequação” de 100 a 150% da métrica. Por esse critério, o Brasil estaria apenas ligeiramente acima da faixa, observa o staff do FMI. A média dos países emergentes é 140% da métrica. Em termos de M2, agregado monetário que é usado como proxy para fuga potencial de capitas, as reservas brasileiras são baixas quando comparadas às de outros países emergentes, como também observa o staff do FMI.

Cuidado, em resumo. As reservas podem ser usadas de forma criteriosa para intervir no mercado de câmbio, combinadas com outros instrumentos, mas devem ser preservadas como elemento indispensável para garantir a posição externa do país, impedindo-nos de cair nas armadilhas em que caímos no passado e em que caiu agora a Argentina.

Paulo Nogueira Batista Jr é economista, foi vice-presidente do Novo Banco de Desenvolvimento, estabelecido pelos BRICS em Xangai, e diretor executivo no FMI pelo Brasil e mais dez países.

E-mail: paulonbjr@hotmail.com

Twitter: @paulonbjr

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. Quem conseguiu elevar as reservas internacionais a esses patamar? Foi o PT com o presidente Lula e com a presidenta Dilma ? Foi! então,para essa gente,é preciso desfazer tudo o que foi feito e,podem ter certeza,essa será mais uma das coisas a ser desfeita.

    • Exatamente. Foi o PT, PT, PT? Foi. Então, desfaz; pouco importam argumentos, ciência ou coisa parecida: as reservas foram acumuladas para cubanizar, para transformar o pais em uma Venezuela, pronto.

    • Exatamente. Foi o PT, PT, PT? Foi. Então, desfaz; pouco importam argumentos, ciência ou coisa parecida: as reservas foram acumuladas para cubanizar, para transformar o pais em uma Venezuela, pronto.

      Enquanto isso, a brincadeira da gangorra torra torra de reservas fica divertida, e, depois, a gente volta pro joguinho crise e chantagem cambial/aumento de juros.

  2. ECONOMIA DOLARIZADA é o alicerce do Plano Real. E tem quem queira negar. Dólar hoje está na casa de 4 Reais. Coloquem a inflação do período sobre os 2,75 da URV. O Real se inicia a 2,75 numa Moeda extremamente e artificialmente valorizada. E seguimos com esta tragédia por estas décadas. E não saímos deste discurso. É inacreditável !!! Continuemos lastreando Nossa Economia, Nosso Futuro, Nossas Garantias, não no gigantismo e potenciais de uma Nação Continente como o Brasil. Continuemos atrelados à uma Moeda Internacional. Com seus interesses nacionais na defesa da sua Pátria. Algum dia, alguns tem certeza que levaremos alguma vantagem. Alguns creem que um dia, abacateiro produzirá laranjas. Estão esperando por este dia há 9 décadas. Pobre país rico. Mas de muito fácil explicação.

  3. Um fator a ser considerado é o aumento significativo das exportações de petróleo no médio prazo, o que se traduz em entrada de dólares no Brasil e pressão por valorização do real, o que pode diminuir a competividade do Brasil. Naturalmente, países que são grandes exportadores acumulam grandes reservas para evitar uma super valorização da moeda local. Noruega e China são grandes exemplos.
    Então, penso ser correto a venda de parte das reservas cambiais ao preço atual, visto que em um futuro próximo, o Brasil precisará recompor ou aumentar as reservas a fim de evitar uma super valorização do real para absorver excessos de dolares no mercado brasileiro, devido ao aumento das exportações de petróleo e retorno da produção/exportação da Samarco.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome