Porto Rico é o modelo do novo Brasil, por Andre Motta Araujo

Que tal o Congresso aprovar uma moção de oferecimento a Washington para o Brasil ser Estado associado aos EUA, na categoria de Porto Rico?

Porto Rico é o modelo do novo Brasil

por Andre Motta Araujo

Porto Rico é um Estado associado aos Estados Unidos, mas não faz parte dos EUA. Seus cidadãos podem votar para Governador, mas não para Presidente.

No entanto, a elite porto-riquenha acha que isso está bom demais e nem pensam em ser um País independente. Tem nesse ponto a mesma visão da elite brasileira, especialmente daquela ligada ao mercado financeiro, que está muito bem, a recessão não só não incomoda mas a favorece, o lucro dos bancos cresce sem falha todos os trimestres desde o começo da recessão, o ambiente neoliberal torna possível vender todos os bens do Estado com ligeireza, pedaços da PETROBRAS sem leilão, licitação, avaliação pública, os comandantes da economia brasileira, todos especuladores do Leblon que nunca produziram um tomate, podem vender o que quiserem, pelo preço que quiserem a quem quiserem, segundo cheque em branco que lhes foi dado pelo STF, pelo qual podem vender todo o patrimônio das estatais, até a última mesa e cadeira, desde que não vendam o CNPJ e  placa na porta.

Como é possível um grande País entregar o CONTROLE TOTAL de sua economia a indivíduos sem qualquer experiência anterior de serviço público, sem um livro publicado, sem que tenham se destacado pela vida em alguma produção intelectual no campo da política econômica, só conhecem pela pratica mesa de câmbio e bolsa, não tem nada a ver com administração complexa de uma das maiores nações do planeta, não tem QUALQUER interesse em políticas públicas de educação, saúde, renda de sobrevivência dos miseráveis, tudo isso é estranho a seu mundo O que eles vão fazer?

Vão vender ativos que pertencem a toda população brasileira PORQUE É SÓ ISSO QUE ELES SABEM FAZER, vão também garantir o pagamento de juros da dívida pública, já que eles são os credores dessa dívida, por isso é fundamental a REFORMA DA PREVIDÊNCIA, para gerar dinheiro para os credores.

Leia também:  O Brasil que espera, mas não deveria, por Paulo Endo

Que essa autorização tenha sido aprovada pelo STF, sem a mínima reação do Congresso, do Tribunal de Contas da União, das Forças Armadas ou de qualquer outra instituição da República, é a prova final da abdicação de qualquer noção ou interesse das elites em manter um País soberano.

Que tal o Congresso aprovar uma moção de oferecimento a Washington para o Brasil ser Estado associado aos EUA, na categoria de Porto Rico?

A dificuldade vai ser os EUA aceitarem a oferta, mas tenho uma ideia. Trump quer varrer dos EUA os imigrantes “indocumentados”, aqueles que mesmo estando no País há 20 ou 30 anos não tem “green card”. O Brasil pode ser a solução, em troca de nos aceitarem como ESTADO ASSOCIADO (com deveres, mas sem direitos) o Brasil recebe os 10 ou 15 milhões de indocumentados, podemos colocá-los na Amazônia devastada, vai ter espaço.

AS ELITES DO EIXO GALEÃO-MIAMI

A partir da entrega da política econômica aos “economistas de mercado”, que odeiam o Estado e que fizeram cursos nos EUA, grande parte com bolsas pagas pelo Estado, como Paulo Guedes, foram criadas  as sementes de uma “nova elite” que hoje governa o Brasil e que NÃO TEM LEALDADE ALGUMA COM O PAÍS, COM SUA HISTÓRIA, COM SEUS POBRES, COM A IDEIA DE NAÇÃO E ESTADO BRASILEIRO. Só não estão morando definitivamente em Miami porque é muito mais fácil ganhar dinheiro no Brasil, com um Banco Central operando para Nova York 24 horas do dia, que desconhece o tema DESEMPREGO.

Mas o que tem a ver essa elite do mercado financeiro com as elites fora dele? Tudo. O poder e a glória do mercado financeiro influenciam as demais elites, que ficam fascinadas com o dinheiro que gira na Faria Lima, no Leblon, na turma dos clubes de golfe e são mimetizadas pela elite maior, a das finanças.

Leia também:  Movimento que "quebrou" site de Steve Bannon chega ao Brasil, mirando a extrema-direita

Tudo isso não é tão novo. Quando, a partir do ninho do Plano Real, apareceu na cena política esse grupo de economistas, houve uma mudança de patamar, de palco, de alma, de roteiro da vida nacional. O Brasil perdeu identidade e passou a ser governado PARA FORA. Os governos do PT nem tocaram no comando do Banco Central por esse grupo,  o PT foi apenas um “biombo” atrás do qual o “grupo de mercado” geria o País, tanto que foi facílimo derrubar o PT quando o “biombo” se tornou redundante, o domínio do “grupo do Leblon-Faria Lima” já era tão profundo que o PT podia ser descartado com um sopro.

O PARALELO DA CHINA

Um grande País na primeira metade do Século XX foi governado “PARA FORA”. Foi a China. Até a Revolução de 1949 o Estado chinês era uma ficção.

Até a invasão japonesa de 1933 (sem declaração de guerra) Shangai tinha bairros controlados por países, onde era vetada a entrada de chineses, havia juízes ingleses em Shangai e a moeda era emitida por um banco inglês. Um governo fascista e corrupto garantia as ruas.  Foi só em 1949 que se criou um Estado chinês de fato, que é o mesmo Estado da China atual. Países sem Estado não são novidade na História, basta não ter elite digna desse nome.

O BRASIL ESTADO ASSOCIADO

Não se atribua ao presente Governo a perda de soberania. O processo é muito anterior e começa no Governo FHC e sua adesão a um neoliberalismo tardio, que ignora as condições reais do País, este jamais será um País sem fortes políticas públicas, com espaços para o mercado, MAS não com o domínio do Estado pelo mercado, como se dá agora. A ousadia de se entregar a um especulador de bolsa o comando da economia do País é apenas mais uma etapa do processo. A falta absoluta de líderes nacionais nas instituições não é causa, já é sintoma de um processo anterior de abandono da soberania.

Leia também:  Nos próximos dias, Brasil passará EUA em casos e óbitos na média semanal

AMA

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

12 comentários

  1. Por causa de vazamentos do Telegram, o Governador de Porto Rico caiu. Já o Moro e o Dallagnol não caem, mas os Vazadores, sim

    10
  2. “A falta absoluta de líderes nacionais ”
    Poucos brasileiros pertencem à essa categoria.
    O principal deles está há mais de um ano preso em Curitiba.
    O povo? Continua acreditando na globofake.

    10
  3. Mil vezes pior que Bolsonaro é a nossa elite miseravel. No seu auge ela chegou á segunda divisão. Hoje é de quinta. Chegou-se no ponto em que um horizonte de caos fara que surja forças políticas que saiam desse trilho de suicídio a céu aberto ( e não será pela via democrática pois esse grupo que se instalou no governo so sairá a força, eles não aceitarão resultados contrários sem levar o país a derramamento de sangue ) . Se não surgirem o país acabará se dividindo como a América espanhola no século 19.

  4. André, andré, não dá ideia. Os 4 Fanáticos podem correr para Trump e propor a ideia.

    Agora, mudando um pouco de assunto. Sempre tive a curiosidade de saber como funcionam os Bancos Centrais dos estados americanos, visto que em nenhum outro país isso existe. Banco Central Estadual, dá para fazer uma analogia com os antigos bancos e caixas estaduais que havia por aqui antes de FHC acabar com tudo. Escreva um artigo sobre isso, se não for pedir muito. Aproveita tambem e diga a função da Câmara Alta (sebado) nos estados.

    Um abraço.

    PS. Quando a redação vai tirar o aviso mentiroso: “Comentário repetido parece que você já disse isso” depois que eu posto um comentário?

    5
    1
  5. Excelente artigo. Mas como disse o comentarista Rui Ribeiro, a população de Porto Rico, depois do furacão que devastou o país, está demonstrando mais dignidade e amor-próprio do que o povo brasileiro. Aí entram diferenças de tamanho, de composição populacional, de processos históricos próprios que não podem ser comparados, mas o que se vê em Porto Rico não é isolado, só porque não deram um nome qualquer de estação do ano ou jornada mensal, rs, não estão sendo estudados nem noticiados: na África, os povos estão fazendo sublevações com resultados práticos e com forte politização popular – o Sudão e a Argélia são dois casos emblemáticos, eu acompanhava mais quando assistia o canal France 24 (em inglês).
    Na América Latina e Caribe, os povos golpeados pelos colonizadores USeiros estão reagindo, em Honduras, na Guatemala, na Venezuela, no Haiti, e nas ondas de migrantes centro-americanos que estão ajudando a expor o outro lado das invasões USeiras em países do grande continente americano. Mas no Brasil quem ocupa as ruas ou são “rebeldes” de controle remoto (2013 em SP) ou a elite e a classe média recalcada (a partir de 2015). Aqui, a gravidade funciona de cima para baixo, rs. Deve ser por isso a dificuldade de as pessoas compreenderem seu lugar no mundo e adotarem a síndrome de Estocolmo – agora é moda as pessoas se definirem por algum transtorno, “sou bipolar”, para explicar sua autenticidade, ou esquisitice, não aceita socialmente – como sua identidade política. Pelo menos é chique, o mais próximo que chegaremos da Suécia, rs.

    Democracy Now! – “A Victory for the People of Puerto Rico”: Gov. Ricardo Rosselló Resigns Following Mass Protests (em tradução livre: ‘Uma vitória para o povo de Porto Rico’: Gov. Ricardo Rosselló renuncia depois de protestos massivos”)
    https://www.youtube.com/watch?v=YwbV8E0Koj8

    Sampa/SP, 25/07/2019 – 16:04

  6. Caro sr., mas isto é o resultado de 9 décadas de Estado sem Povo. Ainda hoje estão culpando as caravelas e a escravidão. Esta matéria (como outra matéria também havia citado) exemplifica com a China. China que é uma Colônia ‘implodida e dividida’ até 1949, quando se transforma numa Ditadura Socialista até 1979, quando constrói os alicerces para sua abertura econômica que assombra o Mundo. Muitos dos Jornalistas e Articulistas deste Veículo e da nossa Imprensa já eram nascidos em 1949. A maioria já o era em 1979. Uma Nação que faz duas revoluções, sem contar com a Revolução Cultural, num prazo de 30 anos. A maldita inércia doutrinada por Nossa Elite Estatal Pública Ditatorial Fascista Esquerdopata AntiCapitalista ainda culpa as caravelas e a escravidão. Somos a Pátria que quer se manter no Mapa da Fome, gastando 500 milhões de reais em Biometria castradora de Urnas Eletrônicas de Voto Ditatorial Obrigatório. 500 MILHÕES !!! Do protagonismo do Presidente da Câmara, que ‘não deixa barato’ para o Poder Executivo e coordena a Reforma Previdenciária. O Nosso Novo Salvador. O Protagonista. O Congresso coordenando. Logicamente, transformando o Fundo Partidário de 1,4 bilhão de reais em 3,6 bilhões de reais (R$ 3.600.000.000,00). E o pior, não entendemos como chegamos a este grau de subserviência e mediocridade?!!! Cremos que isto é apenas um fenômeno deste Governo?!!! Como queríamos chegar a um resultado diferente num Estado Ditador Caudilhista Absolutista Fascista cuja População que era de 60 milhões e passou para 220 milhões nunca chegou a comandar este Estado, em 9 décadas? Somos resultado das nossa omissões, das nossas escolhas, mas principalmente da falta destas escolhas. Uma Sociedade que aceitou doutrinar-se ao cabresto. Tanto faz se puxado para a direita ou esquerda. Obedecemos e seguimos. Pobre país rico. Mas de muito fácil explicação.

  7. “Que tal o Congresso aprovar uma moção de oferecimento a Washington para o Brasil ser Estado associado aos EUA, na categoria de Porto Rico?”

    Não dá ideia, pô! É perigoso o Bozo e seus “acepipes” levarem a sério.

  8. Em 2005 eu ouvi uma entrevista, na aepet, do general Durval Nery que dizia que a “a nova disputa entre as nações será pela água”, que “o aqüífero Guarani estava prometido pelos governos da Argentina, Paraguai, Brasil e Bolívia”, que “por isto os americanos estavam implantando uma base militar na tríplice fronteira, para proteger seu patrimônio”, que “a água da chuva, da Bolívia, fora privatizada pelo governo anterior” ( ao de Evo Morales), “sendo assim, se alguém tivesse uma calha em sua casa, a companhia de águas cobrava um valor mensal”.
    Esse é o tom, meu caro André.
    A exploração de todas as riquezas de um povo. Tudo sendo sugado por “corporações” que tem poucas pessoas como proprietárias e poucas orbitando nesse nível. Abaixo, a exploração e a miséria. É claro que a exploração feita nas neo colônias. Que fique claro!
    Pois bem, estamos caminhando para esse destino e “sorrindo”, como se por um ato de bondade de Deus ( e Deus é brasileiro!) fossemos arrumar tudo que está errado e voltar ao caminho da soberania.
    E o que mais me deixa desnorteado é ver exatamente os militares participando deste festival neoliberal, de entrega e submissão.

  9. As potências europeias dividiram a Africa entre si para poderem explorar seus recursos naturais. Não duvido nem um pouco que vem aí uma nova divisão territorial dos países subdesenvolvidos que não conseguem alimentar seus habitantes. O objetivo será o mesmo: explorar recursos naturais. O Brasil não vai se livrar dessa nova ordem mundial.

  10. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome