Temer: resposta da Lava Jato?, por Ricardo Cappelli

A Lava Jato sofre uma grande derrota no STF, que decide tirar das mãos da “Operação” e enviar para a justiça eleitoral os inquéritos relacionados aos fatos envolvendo a prática de caixa dois.

Temer: resposta da Lava Jato?

por Ricardo Cappelli

Circula nos bastidores que o juiz Marcelo Bretas pode ser candidato à prefeitura do Rio em 2020. Após Moro abandonar a carreira, o magistrado carioca parece estar com sede de assumir a liderança da operação pelo judiciário.
Claro que isso não tem nenhuma relação com a espetacular prisão preventiva de Temer, sem condenação ou trânsito em julgado, nem mesmo em segunda instância.
Vamos reconstituir os fatos.
A Lava Jato sofre uma grande derrota no STF, que decide tirar das mãos da “Operação” e enviar para a justiça eleitoral os inquéritos relacionados aos fatos envolvendo a prática de caixa dois.
Enlouquecido, Deltan”Torquemada” Dallagnol desfere ataques virtuais contra membros da corte, estimulando uma onda de milícias digitais que atuam no submundo da internet difamando e destruindo reputações. Alguns chegam a fazer ameaças físicas.
Como o STF reage? Sob protesto da ala “neoiluminista” e “neopositivista da corte, aliada da “República de Curitiba”, o presidente Dias Toffoli abre inquérito para apurar as origens do ataque. Quem estimula? Quem financia? Quem está por trás da desestabilização das instituições? Serão encontradas “pegadas” de Curitiba?
A Ordem dos Advogados do Brasil se pronuncia na defesa do inquérito e das instituições.
O “ex-todo-poderoso” Sérgio Moro vê o presidente da Câmara criar uma comissão com sete membros para avaliar seu projeto de combate ao crime organizado por 90 dias. Na prática, joga sua apreciação para o segundo semestre.
O Ministro da Justiça reage indignado e passa a provocar Maia, que responde chamando-o de “funcionário de Bolsonaro”, “que ele está trocando as bolas”, e fazendo pouco caso de seu projeto dizendo que ele é “um copia e cola” dos projetos apresentados pelo ex-ministro da justiça Alexandre de Moraes.
Qualquer recém-nascido com mais de cinco quilos filho de um esquimó da Antártida consegue perceber que é o pior momento vivido pela Lava Jato. Some a isso que Bolsonaro enfrenta uma queda de 15 pontos percentuais de popularidade em apenas 60 dias, um recorde histórico.
Está clara a necessidade de reagir? E a reação veio. Por coincidência, claro, sai da manga a prisão de Temer e de Moreira, por outra coincidência, sogro do “Botafogo”.
Ratificando: sem julgamento. Sem condenação. Sem trânsito em julgado. Nem mesmo em segunda instância.
Quem está comemorando a reação da “Operação”?
Bolsominions que desviam o foco do problema central, a falta de projeto para retomada do crescimento no Brasil, e políticos oportunistas e perdidos da esquerda que, numa postura esquizofrênica, condenam ou comemoram as prisões ilegais, dependendo da filiação do preso.
A Lava Jato é um projeto de poder. Utiliza-se, em alguns casos, de problemas reais de nossa jovem democracia para, rasgando o Estado Democrático de Direito, pavimentar seu caminho para o poder.
A corrupção precisa ser enfrentada, claro. Mas vem sendo usada como pretexto para rasgar a constituição de 88 e implantar no país um estado de exceção. O alvo não é o fim da corrupção. A seleção dos presos é demonstração cabal disso. O que eles buscam é o poder.
Quem não entender isso não vai entender nada do que está acontecendo no Brasil.

9 comentários

  1. Embora os fatos sejam reais, há quem gostasse de pensar que Temer seria preso no primeiro minuto de 1o. de janeiro. Levou quase 3 meses.
    O cara é chefe de Padilha, digo, quadrilha há 40 anos. Não precisa ser polícia, MP, judiciário ou mídia para saber. Mesmo quem não é ninguém, sabe disso há vários e vários anos. Qual a surpresa?
    O pedido de prisão de Bretas é anterior ao bate-boca entre Moro e Maia.
    A zona no país está tão grande, no limite do descontrole (proposital?), que tudo agora vira motivo de intriga, fofoca, maledicência.
    Pobres de nós, neobraZileiros…

  2. O fato de Temer ter traído Dilma, mesmo sabendo que seria o próximo na churrasqueira, não serve de motivo para a esquerda comemorar?

    Assim, se a esquerda não se der o valor que tem, ou se ela ficar eternamente sisuda, quem vai ficar por perto?

  3. Muito bem posto Cappelli.
    Cortina de fumaça para esconder a verdadeira luta pelo poder no Brasil atual, onde a democracia não é bem vinda. O país irá ficar mais tempo ainda refém dessa bandidagem de toga que outra coisa não faz senão ajudar a destruir o Brasil, entregando-o ao capital estrangeiro, sob as ordens vindas de Washington?
    Acorda Brasil e consiga uma união cívico/militar democrática, nacionalista, patriota, como fizeram na Venezuela.
    Deixemos de brigar entre nós por protagonismos fora de horas e nos unamos contra o fascismo e a bandidagem que está destruindo o Brasil.

  4. “Quem está comemorando a “Operação”?”
    No post não foi citado o povo porque este não conta. A esquerda também não comemora porque, justificadamente , o inimigo do passado é cachorro morto.

  5. Seguindo esta excelente linha de interpretação…
    podemos dizer que em todo projeto de poder as reações são instintivas e de desforra

    no popular: sem a lava jato, os que sonham governar o Brasil a seu modo, como faz Bolsonaro agora, mais prejudicando do que melhorando, ficam órfãos

  6. La vai pato o amarelo atras da Lava Jato babando de odio ao saber que mais corruptos foram presos. Essa estratégia dos operadores da Lava Jato continua dando certo porque a imensa maioria do povo brasileiro tem pouco ou nenhum apreço à Constituição tampouco conhece as atribuições de cada instituição. E como a imprensa trabalha em cima do parco conhecimento do povo brasileiro sobre todas essas questões, fica facil manipular o manifestoches e leva-los ao seu graal que é a prisão de seus inimigos politicos. Deltan Dallagnol esta nos portais da imprensa dizendo que é muito dificil tocar nos poderosos. Eles sabem como manipular os fios para que os patos reajam e vão fazendo escola. Bretas, Sergio Moro, Dallagnol e outros desse naipe demonstram o quanto o Brasil tomou um rumo duvidoso. E perigoso.

  7. Quem não vê? Tentaram uma “nova” denúnfia do Paloffi contra o PT e ganhou um quadradinho nos sites de notícia. A PF & outros (um grupo específico, ligado à ilegalidades jurídicas) indicia Lula e o filho. Novo quadradinho, menor e na segunda página. Moro acuado e menosprezado por conta de seu provincianismo e incapacidade política (nisso bem afiado com o recordista de decadência presidencial) é socorrido pelo seu amigo e pipoqueiro de cinema Bretas, em busca de holofotes e favorecimento público que ao fim acaba atravessando difíceis negociações, que agora estão para quase impossíveis… De quebra Temer preso na mesma rede de injustiças que colaborou. Que falta ainda para que os Câmara, Senado, Judiciário e Executivo ajam com firmeza, exonerações e simples prisões para os Lavajateiros?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome