Contra “descalabros” de Bolsonaro, intelectuais apoiam “Carta ao Povo de Deus”

Projeto Brasil Nação, movimento de intelectuais e artistas, manifestou apoio às críticas feitas por 152 bispos brasileiros

No texto, intelectuais criticam "descalabros" do governo federal e denunciam que Bolsonaro age de forma deliberada para "para destruir o Brasil" - Marcos Corrêa/PR

do Brasil de Fato

Contra “descalabros” de Bolsonaro, intelectuais apoiam “Carta ao Povo de Deus”

As duras críticas a Jair Bolsonaro (sem partido) feitas por 152 bispos, arcebispos e bispos eméritos brasileiros na Carta ao Povo de Deus seguem recebendo manifestações de apoio. Nesta sexta-feira (31), intelectuais e artistas do Projeto Brasil Nação endossaram publicamente o posicionamento dos religiosos, criticando “descalabros” do governo federal e denunciando que Bolsonaro age de forma deliberada para “para destruir o Brasil e subordiná-lo aos interesses estrangeiros”.

O Projeto Brasil Nação é um movimento suprapartidário que reúne intelectuais, artistas, cidadãos de diferentes visões políticas, como Margarida Genevois, Fábio Konder Comparato, Luciano Coutinho, Maria Victoria Benevides e os ex-ministros Luiz Carlos Bresser-Pereira e Celso Amorim (veja a lista completa ao final desta matéria).

Na Carta ao Povo de Deus, divulgada na segunda-feira (27), e endossada posteriormente por mais de mil padres, os religiosos criticaram a incapacidade de enfrentar as crises no Brasil. O texto também rechaça a postura do presidente ao difundir “discursos anticientíficos, que tentam naturalizar ou normalizar o flagelo dos milhares de mortes pela covid-19”.

Leia na íntegra a manifestação de apoio do Projeto Brasil Nação:

O Projeto Brasil Nação apoia e se solidariza com a “Carta ao Povo de Deus”, assinada por mais de 150 de bispos brasileiros. O texto aponta os descalabros produzidos pelo governo Bolsonaro, que impõe ao país milhares de mortes na pandemia, ataques à democracia, desagregação social, desastre ambiental, uma “economia que mata”.

De forma deliberada, Bolsonaro age para destruir o Brasil e subordiná-lo aos interesses estrangeiros, colocando a Nação como vassala dos Estados Unidos. Roendo as instituições, desprezando a população e aniquilando pequenas empresas, o governo se transforma em inimigo da vida, da saúde, da democracia, da soberania, da diplomacia, de direitos, da ética, da educação, da cultura, do desenvolvimento com justiça, igualdade e paz.

Como reforça o documento dos bispos, “o momento é de unidade no respeito à pluralidade!”. Seus signatários propõem “um amplo diálogo nacional que envolva humanistas, os comprometidos com a democracia, movimentos sociais, homens e mulheres de boa vontade”.

O Projeto Brasil Nação, movimento suprapartidário que reúne intelectuais, artistas, cidadãos de diferentes visões políticas, apoia essa ideia e se soma a esse chamamento. É preciso, como afirmam os religiosos, despertar “do sono que nos imobiliza e nos faz meros espectadores da realidade de milhares de mortes e da violência que nos assolam”.

São Paulo, 31 de agosto de 2020

Projeto Brasil Nação

Luiz Carlos Bresser-Pereira

Celso Amorim

Margarida Genevois

Fábio Konder Comparato

Luciano Coutinho

Maria Victoria Benevides

Luiz Gonzaga Belluzzo

Paulo Sérgio Pinheiro

Eleonora de Lucena

Paulo Nogueira Batista Júnior

Maria Auxiliadora Arantes

Rodolfo Lucena

Luiz Felipe de Alencastro

Maria Aparecida Aquino

Fernando Morais

João Pedro Stedile

Silvio Almeida

Leda Paulani

José Luiz Del Roio

Antonio Elpídio da Silva

Rosane Borges

Edson Carneiro Índio

Tata Amaral

Edson França

Mario Vitor Santos

Gilberto Maringoni

Eduardo Fagnani

Benedito Tadeu Cesar

Ismail Xavier

Henri Arraes Gervaiseau

William Nozaki

Paulo Kliass

Cassia Damiani

Ângela Cristina dos Santos Ferreira

Altamiro Borges

Rodrigo Medeiros

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Feminicídios aumentam e denúncias de violência a mulheres diminuem na pandemia

2 comentários

  1. O sujeito ja fazia bobagem direto.
    E agora que, segundo o (im)próprio, “mofo deu” no pulmão — correndo sério risco de subir e atrofiar ainda mais seu já minúsculo cérebro — deverá rolar merda sobre merda. Então, sem dúvida,.este manifesto veio em muito boa hora.
    Pode ser o início.

  2. De parabéns todos esses intelectuais brasileiros, por sua iniciativa em prol da cidadania, da CF, da democracia e pelo apoio desses Bispos e Padres católicos, que convidam todos a conhecer, a debater e juntos, encontrarmos uma saí justa para todas essas dificuldades por que atravessa nosso país no momento e, ela não aparecerá se Deus e a CF, não for o centro de tudo.
    A verdade, que é a própria Palavra de Deus, divindade que é só amor por nós, não continue a ser desvalorizada e, o direito e a justiça, que sempre deverão ser a expressão da prática da verdade, sejam luz nos corações de muitos cidadãos que sabem que ela existe mas, preferem as sombras da insinuação, da mentira e da injustiça, no Brasil.
    Não há dúvidas de que, as manifestações de Bispos e Padres católicos, são na verdade, uma ofensa e ameaça àquelas autoridades que se dizendo cristãos, se afastaram de Deus, do povo e da Constituição Federal do Brasil, cujo preâmbulo, para os que não sabiam disso, está registrada: ” promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte Constituição da República Federativa do Brasil “.
    Oportuno também lembrar, que este país, o Brasil, ao ser conquistado pelos portugueses, aos nativos do lugar, ao pisarem terra firme, já rezaram a 1ª Missa no Brasil. Daí, a prova do Brasil ser um país cristão e católico, desde o seu nascimento, isto porque, Cristo o seu protetor, já o havia sinalizado no firmamento desta pátria com Sua Cruz Sagrada, o seu destino de, irradiador da Palavra de Deus, de pacificidade e de acolhimento e de solidariedade, a todos os povos da terra.
    As vozes desses Bispos e Padres da Igreja Católicas, devem ser entendidas como alertas proféticas, quando a omissão, a opressão, a injustiça, etc, são práticas aéticas de rotina, que prejudicam e maltratam a população que, muitos vêm mas, não agem, apesar dos Artigos da CF, mostrarem a todos e, dizer à essas autoridades dos 03 Poderes, como deveriam proceder e trabalharem pelo bem-estar do povo, por um Salário Mínimo Justo e mais humano, por criar oportunidades de geração de emprego e rendas, pela justiça imparcial para todos e, pela soberania da nação que todos os brasileiros amam e querem para seus filhos e para às gerações vindouras.
    Sobre isso que acontece com o povo brasileiro, é bom lembrarmos da passagem bíblica na qual diz que, quando Jesus entrou em Jerusalém, montado no burrico, sinal da humildade e serviço ao povo, representava a esperança e o caminho a seguir. Numerosos discípulos, no relato de Lucas, levantaram a voz e saudaram o fulcro de vida que Jesus representava em meio à tanta injustiça, morte e opressão. Os poderosos, representados na voz dos doutores da lei, fariseus, etc, exigiam seu silêncio.
    “Do meio da multidão, alguns fariseus lhe disseram: ‘Mestre, repreende teus discípulos’. Mas ele respondeu: ‘Eu lhes digo: se eles calarem, as pedras gritarão’.” Lc 19, 39-40.s .
    Então, foi Jesus quem disse, lembrem-se todos, “se o povo se calar, às maldades, à opressão e às injustiças, as pedras gritarão”.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome