Dores de cabeça e delírio: o coronavírus pode invadir o cérebro, diz estudo

O estudo preliminar sugere que o vírus é capaz de se replicar dentro do cérebro, e sua presença priva as células cerebrais próximas de oxigênio

Da AFP

Dores de cabeça, confusão e delírio experimentados por alguns pacientes com Covid-19 podem ser o resultado do coronavírus invadindo diretamente o cérebro, de acordo com um estudo publicado na quarta-feira.

A pesquisa ainda é preliminar – mas oferece várias novas linhas de evidência para apoiar o que antes era uma teoria em grande parte não testada.

De acordo com o artigo, liderado pela imunologista de Yale Akiko Iwasaki, o vírus é capaz de se replicar dentro do cérebro e sua presença priva as células cerebrais próximas de oxigênio, embora a prevalência disso ainda não seja clara.

O Dr. S. Andrew Josephson, chefe do departamento de neurologia da Universidade da Califórnia, em San Francisco, elogiou as técnicas usadas no estudo e disse que “entender se há ou não envolvimento viral direto do cérebro é extremamente importante”.

Mas ele acrescentou que permanecerá cauteloso até que o artigo seja submetido à revisão por pares.

Não seria completamente chocante se o SARS-CoV-2 fosse capaz de romper a barreira hematoencefálica, uma estrutura que envolve os vasos sanguíneos do cérebro e tenta bloquear substâncias estranhas.

O vírus Zika, por exemplo, também faz isso – causando danos significativos ao cérebro dos fetos.

Mas os médicos acreditavam até agora que os impactos neurológicos observados em cerca de metade de todos os pacientes poderiam ser o resultado de uma resposta imunológica anormal conhecida como uma tempestade de citocinas que causa inflamação do cérebro – em vez da invasão direta do vírus.

Iwasaki e seus colegas decidiram abordar a questão de três maneiras: infectando minicérebros cultivados em laboratório conhecidos como organóides cerebrais, infectando ratos e examinando os tecidos cerebrais de pacientes com Covid-19 que haviam morrido.

Leia também:  Pais são obrigados a vacinar filhos se autoridades sanitárias recomendarem

Nos organóides cerebrais, a equipe descobriu que o vírus SARS-CoV-2 é capaz de infectar neurônios e, em seguida, sequestrar a maquinaria da célula neuronal para fazer cópias de si mesmo.

As células infectadas, por sua vez, promoveram a morte das células vizinhas, sufocando seu suprimento de oxigênio.

Um dos principais argumentos contra a teoria da invasão direta do cérebro era que o cérebro carecia de altos níveis de uma proteína chamada ACE2, à qual o coronavírus se agarra, e que é encontrada em abundância em outros órgãos, como os pulmões.

Mas a equipe descobriu que os organóides tinham ACE2 suficiente para facilitar a entrada do vírus, e as proteínas também estavam presentes no tecido cerebral de pacientes falecidos.

Eles também realizaram uma punção lombar em um paciente hospitalizado da Covid-19 sofrendo de delirium e descobriram que o indivíduo tinha anticorpos neutralizantes contra o vírus em seu fluido espinhal – mais uma evidência a favor de sua teoria.

A equipe então analisou dois grupos de camundongos – um conjunto que foi geneticamente alterado para que tivesse receptores ACE2 apenas em seus pulmões e o outro apenas em seu cérebro.

Aqueles infectados nos pulmões mostraram alguns sinais de lesão pulmonar, enquanto os infectados no cérebro perderam peso rapidamente e morreram rapidamente, indicando letalidade potencialmente elevada quando o vírus entra neste órgão.

Finalmente, eles examinaram os cérebros de três pacientes que morreram de complicações graves relacionadas ao Covid-19, encontrando evidências do vírus em todos os seus níveis.

Curiosamente, as regiões infectadas não mostraram sinais de terem sido infiltradas por células do sistema imunológico, como as células T, que correm para o local de outros vírus como o zika ou herpes para matar as células infectadas.

Isso pode sugerir que a resposta imunológica sobrecarregada conhecida como tempestade de citocinas, que é responsável por muitos dos danos observados nos pulmões de pacientes com Covid-19, pode não ser a principal causa dos sintomas neurológicos.

Foi levantada a hipótese de que o nariz poderia fornecer o caminho para o cérebro, mas os autores escreveram que isso precisava ser validado por meio de mais estudos.

Eles acrescentaram que mais autópsias serão necessárias para descobrir o quão prevalente pode ser a infecção cerebral.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. “Vai ter promoção no supermercado: ‘Compre 1 kg de tainha, ganhe 1 tubaína’. Já que a carne está cara —o preço já começou a cair—… a tainha é mais barata”. – Bolsonaro

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome