Jovem cineasta Luan Cardoso lança Deságua

Cineasta estreia filme com a banda pernambucana MOMBOJÓ no dia 1 de maio no canal Music Box Brazil

Jornal GGN – No momento em que comemora 20 anos de carreira, o grupo pernambucano Mombojó, o cineasta Luan Cardoso e a roteirista Ana Souto,  apresentam Deságua, longa metragem de ficção dividido em nove episódios (clipes) da banda. O lançamento será no dia 1 de maio, no canal Music Box Brazil, às 22h35. O filme conta a saga de um pai, que após a morte de sua esposa,  vem do Nordeste com os dois filhos para viver na caótica cidade de São Paulo, no fim da década passada e passam por situações instáveis que acabam tocando em temas específicos do mundo contemporâneo: a sensação de deslocamento, a fragilidade dos relacionamentos, vícios, a perda e a divisão de um país. O projeto ainda conta com as participações de Lenine, Guilherme Arantes e Herve Salters da banda francesa General Elektriks.

“A idéia era lançar os clipes fazendo que o público aos poucos fossem sacando os personagens repetidos e que a história, devido aos diálogos gigantes, não ficava só em um clipe, dando pistas de uma história maior. Com as novas peças desse quebra-cabeças, vamos apresentar novos personagens e contar as histórias que não têm música de fundo, ouvindo então a voz dessas personagens”, conta Luan Cardoso.

Nesse momento, Luan, aos 26 anos, também comemora a participação e a premiação de seu primeiro longa de ficção “Ménage” (2020) em alguns festivais, como o “8° Festival de Cinema de Caruaru”, o “2°Inhapim CineFest”, o reconhecido “XVII FANTASPOA” em Porto Alegre e as competição anuais e mensais do “Lisbon Cine Festival 2021” em Portugal, onde levou o prêmio de “Melhor Filme de Baixo Orçamento”, o “Anatolia International FilmFest” em Istambul, o Grego “Athens International Montly Art Film” que escolheu o filme como “Melhor Roteiro Original” e o “5º Festival Rio Fantastik”, onde ganhou o “Cramulhão” de Melhor Filme, Melhor Diretor e Menção Honrosa de Melhor Ator para Vinicius Ferreira no papel de Ariel Albuquerque. O filme conta sobre três políticos que se envolvem em uma trama de sexo, corrupção e traição.

Sem nenhum incentivo fiscal, Luan trabalhou nas duas produções com um orçamento pequeno e contou com uma equipe de parceiros e apoiadores nessa sua missão de produzir cinema com pouco. “Esses projetos foram desenvolvidos na raça, contando com o total apoio de amigos e também com muitas trocas de trabalho, escambos, principalmente para a finalização dos filmes que é a fase mais cara por vezes.” Mas conclui, “Claro que essa não é a situação ideal para se produzir arte nem de longe, mas tem sido a forma que temos encontrado para defender a existência de projetos como esse através do cinema, que é uma arte muito excludente quando não se é bem nascido no Brasil.” 

E por fim, comemora-se em setembro, os 10 anos da Quixó Produções, produtora pela qual Luan e seus colaboradores assinam os projetos. 


SERVIÇO

Longa-metragem ‘Deságua’

Canal de TV por assinatura: Music Box Brazil

Exibições:  01/05, 22h35. 2/5, 10h30. 11/5, 12h. 27/5, 20h25

Duração: 72 minutos

Classificação indicativa: Livre

Principais operadoras: Claro HD/Net HD (623), Claro/Net (123), Oi TV (145) Vivo TV (637)

Para conhecer, acesse: www.quixo.com.br

A história de Luan Cardoso 

Nascido em Guarulhos, filho de pai segurança e mãe costureira, ambos Alagoanos que vieram para SP no início dos anos 90. Com o crescimento da violência da capital paulista no começo do novo século e as políticas afirmativas na região norte do país, a família de Luan faz o caminho de volta e permanece por cinco anos entre as cidades de Cândido Salles, na Bahia e Maceió, em Alagoas. As dificuldades financeiras e a luta incansável para sobrevivência de uma família de pai, mãe e dois filhos, nunca foram empecilhos para os sonhos de Luan. Desde muito cedo, o garoto sabia que só o estudo o permitiria viver da arte, e determinado, volta a viver em São Paulo no Jardim Fontalis, zona norte da capital, onde efetivamente começa a trilhar seu caminho. Em 2008, com 12 anos, Luan e mais três amigos publicam “O Segredo dos Amuletos”, um projeto de escrita coletiva. Dois anos depois, o grupo escreve um segundo volume do livro, e passa pela Bienal de São Paulo e também pela FLIP, em Paraty (RJ). Mas em 2010, Luan deixa a literatura como segundo plano e já estudando na Escola Técnica Estadual Carlos de Campos, passa a se interessar ainda mais pelo cinema. Luan e os amigos decidem contar pequenas histórias através de curtas metragens, utilizando o que tinham  à disposição. Era o início da Quixó Produções. Mesmo sem grande pretensão, enviaram seus pequenos curtas para festivais e, logo em 2011, uma dessas experiências ganhou o prêmio Festival do Minuto. Com o dinheiro do prêmio, o grupo adquiriu seus primeiros equipamentos que permitiram novas experimentações e projetos mais ousados, como o documentário me média metragem “Cine Belas Artes – Consolação, 2423” dirigido por Luan Cardoso em 2012. 

Mesmo realizado com os precários equipamentos e as economias do jovem estudante do segundo ano do ensino médio que vendia algodão doce aos fins de semana, o filme de 35 minutos teve boa recepção do público, ganhando a atenção dos movimentos de resistência da cultura e do patrimônio histórico, tornando o filme um dos documentos fundamentais na negociação instaurada em torno da reabertura do cinema entre 2013 e 2014, legitimando o papel do Cine Belas Artes como património cultural da cidade. 

Ganhando seu primeiro edital em 2014 – Programa VAI da Prefeitura de SP para a produção de um curta metragem, o grupo produz “Identidades”. Como contrapartida, em parceria com a ETEC das Artes – Zona Norte de SP, realiza o embrião do curso de formação que fariam no ano seguinte apoiado pelo mesmo edital. Em 2015, o curso formou mais de 70 jovens de zonas periféricas da cidade, incentivando o despertar de cineastas independentes. O curso deu tão certo, que ganhou continuidade em parceria com o núcleo “Teatro da Rotina”, coordenado pelo ator Leonardo Medeiros, em 2016 e 2017. Em 2018 o projeto de formação passou a integrar o programa de difusão cinematográfica do Museu da Imagem e do Som – MIS SP – através do programa “Pontos MIS” como curso regular, com aulas ministradas por Luan Cardoso, acontecendo em cidades do interior de São Paulo. 

Nesses 10 anos, Luan já realizou mais de 30 trabalhos como Diretor de Fotografia, dirigiu e fotografou 12 curtas, mais de 40 videoclipes e diversas web séries documentais como “Acessa” série sobre os mestres e mestras da Cultura popular Pernambucana e Paraibana ao lado da cantora Alessandra Leão, do pesquisador e músico Rodrigo Caçapa e a artista plástica Vânia Medeiros. Na música, trabalhou criativamente com diversos artistas importantes como João Donato, Ná Ozzetti, Juçara Marçal, Alessandra Leão, Mombojó, Lenine, Salomão Soares, Alaíde Costa, Hermeto Pascoal, Vitor Araujo, Fafá de Belém, Manu Maltez, Toninho Ferragutti, Filipe Catto, Ayrton Montarroyos, Rodrigo Campos, Kiko Dinucci, Romulo Fróes, Metá Metá, Tom Zé, Siba Veloso, Vicente Barreto, Maria Alcina, Angela Maria, Agnaldo Timóteo, Benjamim Taubkin, Ricardo Herz, Nelson Ayres e muitos outros. Entre os projetos que estão inéditos mas prontos junto a produtora, está o documentário de longa metragem “Precárias e Resilientes” sobre a gritante precariedade que recai sobre mais da metade da população brasileira – que é feminina. O filme ainda inédito no Brasil, participa em Novembro na cidade de Lyon na França do “15° Documental – L’Amérique latine par l’image” e conta com depoimentos inéditos de personalidades como Raquel Trindade.  

Para conhecer, acesse: www.quixo.com.br

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora