Chile e Itália usam Pfizer ou Moderna como segunda dose para a Astrazeneca

Chile suspende a aplicação da segunda dose da Astrazeneca em homens com menos de 45 anos, devido ao caso de um paciente de 35 anos que sofreu uma trombose

Do Clarín

Vacina AstraZeneca: o que fará a Argentina depois que seu uso for interrompido no Chile em homens com menos de 45 anos de idade

Um fato da vida: a vacina AstraZeneca salvou muito mais vidas do que prejudicou devido aos seus graves efeitos adversos – esses coágulos sanguíneos “muito raros”, trombose ou doenças que foram recentemente listadas como uma reação nova e extremamente incomum, potencialmente decorrentes da fórmula desenvolvida em conjunto com a Universidade de Oxford.

Outro fato da realidade (na região): o Chile acaba de suspender a aplicação da segunda dose desta vacina em homens com menos de 45 anos, devido ao caso de um paciente de 35 anos que sofreu uma trombose. Em vez disso, eles receberão a segunda dose da Pfizer.

Entre os dois dados – somado ao fato de a Itália ter adotado a iniciativa de alguns de seus vizinhos europeus de permitir que Pfizer ou Moderna fossem recebidas como segunda dose, após a morte de uma jovem de 18 anos por trombose cerebral – é surpreendente que o Governo [argentino] não tenha se manifestado, nem mesmo informalmente, em entrevista, sobre este assunto.

Segundo o Clarín, a Comissão Nacional de Imunizações (CoNaIn) disse que suspender ou não a vacina AstraZeneca para menores de 45 anos “não é um assunto que esteja sendo analisado”.

AJUDE O GGN A MANTER-SE NA TRINCHEIRA DO JORNALISMO CRÍTICO E INDEPENDENTE. CLIQUE AQUI

As definições de quem continuará a ser inoculado com a AstraZeneca foram um dos temas discutidos nesta terça-feira pelo Conselho Federal de Saúde (Cofesa). Lá foi decidido seguir as orientações da Agência Europeia de Medicamentos (EMA), que viabiliza a vacina AstraZeneca para todas as idades. Isso foi destacado por Juan Manuel Castelli, Subsecretário de Estratégias de Saúde da Argentina.

Com a AstraZeneca foi assinado um contrato de 22,4 milhões de doses, e é a bandeira da imunização levantada hoje pelo Governo argentino. Antes era com a Sputnik V. Mas agora é a Universidade de Oxford, que nas últimas semanas acelerou a chegada de unidades. Neste final de semana, os primeiros lotes produzidos na Argentina chegaram e foram embalados no México.

Vale lembrar o primeiro e o segundo dado da realidade sobre esse medicamento: a vacina AstraZeneca é segura e comparada ao que está acontecendo em outros países, não há nenhuma mudança na idade ou no sexo de quem deveria recebê-la para garantir essa segurança.

“A incidência [de reação grave] é de 1 em 100.000 vacinados, onde pode haver algum efeito nas plaquetas sanguíneas, facilitando alguns coágulos ou trombose. A incidência é relativamente pequena, mas preocupante para quem a sofre”, disse nesta terça-feira o ministro da Saúde da Cidade argentino, Fernán Quirós .

E observou que tanto a agência europeia de saúde como a ANMAT “continuam a validar a vacina para pessoas com mais de 18 anos, especialmente porque a incidência é de 1 em 100.000 de um efeito adverso, mas a doença [coronavírus] para cada 100.000 que adoece gera muito mais danos”.

Diante da pergunta do Clarín, o ministério de Buenos Aires confirmou que “não há definições do CoNaIn ou da Nação” sobre se haverá uma mudança na indicação das faixas etárias que receberão essas doses. Nesta terça-feira, no Município, a vacinação da população em geral foi ativada a partir dos 45 anos. Em La Pampa, para citar uma jurisdição que nas últimas semanas foi gravemente atingida pelo vírus, começarão a vacinar os maiores de 40 anos com a AstraZeneca. No AMBA, há cerca de duas semanas, aqueles entre 18 e 59 anos com comorbidades foram vacinados com essa fórmula.

“O Governo deveria dizer algo (sobre a AstraZeneca), porque embora seja verdade que são efeitos adversos extremamente raros, especialmente em adultos com menos de 40-50 anos, [sua suspensão para análise] está a ser notificada em muitos países. E algumas medidas têm sido tomadas ultimamente, como na Itália ou no Chile. Além da equação risco-benefício, o risco de complicações graves da Covid-19 é muito maior do que o risco de trombose, mesmo em jovens, o problema é que a maioria das vacinas no país são da AstraZeneca, ou são o Sputnik V, que também é uma vacina com vetores adenovirais não replicativos, muito parecida com a da AstraZeneca”, conta Adolfo Rubinstein, ex-ministro da Saúde da Nação, médico em Medicina e mestre em Epidemiologia , diz ao Clarín Clinic.

Rubinstein insiste que o Ministério da Saúde “deveria pelo menos dizer alguma coisa” e que “não o faz porque, ao contrário de países europeus ou do Chile, onde você tem vacinas com diferentes plataformas tecnológicas (como Pfizer, RNA mensageiro) aqui a seleção é mais limitada.”

Para Javier Farina, infectologista da Sociedade Argentina de Doenças Infecciosas (SADI), por enquanto, só fala-se da AstraZeneca. Ele diz com razão que a decisão sobre a quem dar “é uma questão que tem gerado muito ruído, mas ainda não há evidências conclusivas de que os riscos são maiores do que os benefícios (para o grupo mais jovem). Acho que os benefícios são maiores e que devemos continuar optando pela vacinação ”, comenta a este jornal.

Uma remessa com mais de 930 mil doses da vacina AstraZeneca, feita com o princípio ativo produzido na Argentina, chegou nesta segunda-feira dos Estados Unidos, com a qual o país ultrapassou os 20 milhões de medicamentos contra o coronavírus recebidos desde dezembro, quando iniciou o Plano Estratégico Nacional de Vacinação. Elas se somam às 843.600 doses recebidas no dia 27 de maio, às 2.148.600 que chegaram no dia 31 e às 811.000 que chegaram na noite de sábado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome