Uma nova variante de Covid não é nenhuma surpresa quando os países ricos estão acumulando vacinas

Os países ocidentais estão destruindo as doses excedentes da vacina, enquanto as nações mais pobres ficam sem. Isso deve mudar

do The Guardian

Uma nova variante de Covid não é nenhuma surpresa quando os países ricos estão acumulando vacinas

Por Gordon Brown

Apesar das repetidas advertências dos líderes de saúde, nosso fracasso em colocar vacinas nos braços das pessoas no mundo em desenvolvimento agora está voltando para nos assombrar. Fomos avisados ​​- mas aqui estamos.

Na ausência da vacinação em massa, a Covid não está apenas se espalhando desinibida entre as pessoas desprotegidas, mas também em mutação, com novas variantes emergindo dos países mais pobres e agora ameaçando se espalhar até mesmo sobre pessoas totalmente vacinadas nos países mais ricos do mundo.

Na quinta-feira, o Departamento de Saúde do Reino Unido, que proibiu viagens ao sul da África, alertou que a variante B.1.1.529 “Omicron” era a mais “complexa” e “preocupante” vista até agora. E, no entanto, com 9,1 bilhões de vacinas já fabricadas e 12 bilhões esperados até o final do ano – o suficiente para vacinar o mundo inteiro – esta foi a “corrida armamentista” que poderíamos ter vencido. Nenhum país deve enfrentar mais um inverno com a incerteza de uma nova onda de Covid pairando sobre nós.

Na segunda-feira, a Assembleia Mundial da Saúde, órgão de decisão da Organização Mundial da Saúde, se reunirá em sessão especial. Eles ouvirão que as taxas de vacinação nos seis países agora sujeitos à proibição de viagens ao Reino Unido ainda estão perigosamente abaixo da meta de 40% que foi estabelecida para dezembro. No Zimbábue, apenas 25% receberam a primeira vacina e apenas 19% da população está totalmente vacinada. No Lesoto e Eswatini, que receberam as vacinas de injeção única Johnson e Johnson, apenas 27% e 22%, respectivamente, foram vacinados. Na Namíbia, o número é ainda menor: 14% vacinados com apenas 12% totalmente vacinados.

Embora a África do Sul tenha alcançado taxas de vacinação de 27%, suas áreas rurais costumam ter números únicos e todo o continente está justificadamente irritado porque seus próprios esforços de vacinação foram impedidos por meses pelo neocolonialismo da União Europeia. Mesmo com a disparidade entre as vacinas que têm na Europa e as que não têm na África, a UE insistiu em confiscar milhões de vacinas descartáveis ​​da Johnson & Johnson produzidas na África do Sul e enviá-las da África para a Europa.

Em junho, Boris Johnson prometeu que ele e os países do G7 usariam suas vacinas excedentes para imunizar o mundo inteiro. Em setembro, em uma cúpula presidida pelo presidente Biden, uma meta de dezembro de vacinação de 40% foi estabelecida para os 92 países mais pobres. Dois meses e meio depois, há pouca chance de essa meta ser atingida em pelo menos 82 deles. Até quinta-feira, os EUA, que para seu crédito eram responsáveis ​​por metade das vacinas doadas, tinham entregado apenas 25% das vacinas que prometeram.

A aritmética do fracasso no resto do mundo é ainda mais embaraçosa. De acordo com a Airfinity, a União Europeia entregou apenas 19%, o Reino Unido apenas 11% e o Canadá apenas 5%.

China e Nova Zelândia entregaram mais da metade do que foi prometido, mas suas promessas totalizaram apenas 100 milhões e 1,6 milhões, respectivamente. A Austrália deu apenas 18% do que ofereceu e a Suíça apenas 12%.

O resultado é que mesmo agora apenas 3% das pessoas em países de baixa renda estão totalmente vacinadas, enquanto a cifra ultrapassa 60% tanto em países de alta quanto em países de renda média alta. Todos os dias, para cada vacina administrada como primeira vacina nos países mais pobres, seis vezes mais doses estão sendo administradas como terceira vacina e vacinas de reforço nas partes mais ricas do mundo. A desigualdade da vacina é a principal razão pela qual a OMS está prevendo 200 milhões de casos a mais em cima dos 260 milhões até agora. E depois de 5 milhões de mortes na Covid, acredita-se que outros 5 milhões sejam possíveis no próximo ano e mais.

O que é mais irritante é que essa falha de política não ocorre porque faltam vacinas ou contratos de fabricação para garanti-las. O problema agora não está na produção (2 bilhões de doses da vacina são fabricadas a cada mês), mas na injustiça de distribuição. O estrangulamento exercido pelos países mais ricos do G20 é tal que eles monopolizaram 89% das vacinas e, mesmo agora, 71% das futuras entregas estão programadas para eles. Como resultado, a agência global de distribuição de vacinas, Covax, conseguiu garantir apenas dois terços dos 2 bilhões de vacinas prometidas aos países mais pobres.

A boa notícia é que nosso gênio médico garantiu que a nova variante do Omicron fosse identificada rapidamente; está sendo sequenciado em velocidade; e, se for não apenas mais transmissível, mas imune às vacinas atuais, uma nova vacina poderá surgir em breve. Mas, dado o contraste entre o sucesso de nossos cientistas e o fracasso de nossos líderes globais, apenas um esforço hercúleo começando esta semana pode acalmar os temores de que novas mutações entre pessoas não vacinadas nos lugares menos protegidos levem Covid a um terceiro ano – até mesmo quinta, sexta e sétima ondas.

Podemos agir rapidamente. A partir de hoje, 500 milhões de vacinas não utilizadas estão disponíveis em todo o G7. Em dezembro, o número subirá para 600 milhões e, em fevereiro, serão 850 milhões de vacinas, que podem ser enviadas aos países mais necessitados. Na última contagem, os EUA têm 162 milhões de doses de vacina que podem distribuir imediatamente para o resto do mundo, um número que cresce para 250 milhões no próximo mês. Atualmente, a Europa tem ainda mais: 250 milhões, que em fevereiro podem ultrapassar 350 milhões. O Reino Unido tem 33 milhões de vacinas – deve aumentar para 46 milhões nos próximos três meses.

A alternativa é terrível demais para contemplar; vacinas estão sendo destruídas enquanto vidas estão sendo perdidas por falta delas. De acordo com a agência de pesquisa de dados Covax, cerca de 100 milhões das vacinas dos países ocidentais terão seu prazo de validade vencido em dezembro e podem facilmente ir para o lixo. Claro, haverá problemas de absorção na África, mas o maior problema é que muitas das vacinas dadas aos países mais pobres estão dentro de 12 semanas de seu “prazo de validade”. Esses prazos curtos entre a doação e o vencimento mostram por que um G20 fortalecido e um cronograma de entrega mês a mês agora são urgentes; e por que a rápida transferência de datas de entrega, de países ricos para pobres – como aconteceu com a recente transferência da Suíça para Covax- é a melhor forma de acelerar a transferência de vacinas não utilizadas para onde são mais necessárias.

Nada ilustra tão dramaticamente a necessidade urgente do que pode ser chamado de tratado de não proliferação de pandemia. Um novo acordo internacional vinculativo que a Assembleia Mundial da Saúde irá considerar na próxima semana deve melhorar nossos sistemas de vigilância e alerta precoce, garantir a transferência antecipada de suprimentos médicos para os países necessitados e, finalmente, concordar com financiamento suficiente de um esforço mundial para entregar o que é claramente o bem público global mais importante de todos: o controle transfronteiriço de doenças infecciosas. Somente quando rejeitarmos o nacionalismo de vacinas e o protecionismo médico é que impediremos que os surtos se transformem em pandemias.

Gordon Brown é o embaixador da OMS para o financiamento global da saúde e foi primeiro-ministro do Reino Unido de 2007 a 2010

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Antonio Uchoa Neto

- 2021-11-27 18:12:50

“...cerca de 100 milhões das vacinas dos países ocidentais terão seu prazo de validade vencido em dezembro e podem facilmente ir para o lixo...” O resultado disso? Novos contratos, e mais alguns bilhões de faturamento para a indústria farmacêutica. Os ricos, cada vez mais ricos; os pobres cada vez mais pobres, e, o que é melhor, mortos; entre a vala comum, e cadastro de necessitados de renda básica, melhor e menos dispendiosa a primeira opção. Epidemias, tal e qual as guerras, dão lucro. É claro que o vírus não foi criado em laboratório, como as guerras, que são criadas em gabinetes. Mas que é muito bem vindo pela indústria, lá isso é, não há como negar. Sejam muito bem vindas, guerras, pestes, epidemias. A indústria vos saúda e agradece, o contribuinte paga. E, de quebra, esse trio e sua filha dileta, a fome, eliminam um punhado de seres humanos cuja força de trabalho já não tem utilidade. Conveniente, não?

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador