Governo estourou prazo e quebrou cláusulas para obter Covaxin

Processo de compra entrou na mira do Ministério Público Federal, que aponta indícios de crime na aquisição do imunizante

Agência Senado

Jornal GGN – O Ministério da Saúde admitiu que o prazo para a compra da vacina Covaxin foi estourado, e procurou reduzir os impactos da quebra de contrato pela Precisa Medicamentos.

O processo entrou na mira do MPF (Ministério Público Federal) e da CPI da Covid, no Senado Federal – em inquérito civil público, a Procuradoria da República no DF apontou a existência de cláusulas benevolentes no contrato assinado entre a Precisa Medicamentos e a pasta.

Também foram encontrados sinais de quebra de contrato, já que os prazos acertados não foram cumpridos, além da suspeita de favorecimento da empresa, que intermediou a aquisição da vacina mais cara dentre todas as obtidas pelo ministério.

Por encontrar sinais de crime, o MPF desmembrou a investigação, e a parte ligada à compra das vacinas foi encaminhada para um ofício da Procuradoria responsável pelo combate à corrupção. As informações são do jornal Folha de São Paulo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome