A CPI das Universidades Públicas e a criminalização do ensino superior, por Luís Felipe Miguel

A CPI tem claramente como único objetivo alimentar uma campanha contra as universidades e ameaçar sua autonomia.

A CPI das Universidades Públicas e a criminalização do ensino superior

por Luís Felipe Miguel

Convém olhar com atenção a CPI das Universidades Públicas da Assembleia Legislativa de São Paulo. É o piloto da nova etapa da intimidação, criminalização e perseguição contra o ensino superior público, a ciência e o pensamento crítico.

A CPI tem claramente como único objetivo alimentar uma campanha contra as universidades e ameaçar sua autonomia.

A iniciativa mais interessante é a exigência de uma listagem de todas as pesquisas realizadas na Unicamp, na USP e na Unesp. Depois de terem passado pelo crivo de especialistas reconhecidos, como é obrigatório no ambiente universitário, as pesquisas terão sua qualidade científica avaliada por gente do quilate de Arthur Mamãe Falei, Janaína Paschoal e Coronel Telhada.

Abaixo, notas da coluna de hoje de Mônica Bergamo sobre o tema:

A CPI da Assembleia Legislativa que investiga as universidades de SP requisitou informações de sigilo bancário da Unicamp, da Unesp e da USP. Elas terão que enviar aos deputados extratos mensais de todas as contas que mantêm, do período de 2011 a 2019.

PONTA
Só a USP faz mais de 30 mil movimentações bancárias por mês. Serão, portanto, no total, 3 milhões de linhas que os parlamentares terão que ler para decifrar a origem e o destino dos recursos.

PUNHADO
A deputada Maria Izabel (PT-SP), conhecida como Professora Bebel, pediu vista e argumentou que não haveria condições de a CPI analisar os dados. Já o presidente da CPI, Wellington Moura (PRB-SP), diz que a análise será feita por amostragem.

Leia também:  Na periferia de São Paulo, morte chega 20 anos mais cedo que em bairros ricos

PUNHADO 2
Nesta semana, a CPI deve aprovar requerimentos exigindo que as universidades enviem à Assembleia a “relação de todas as pesquisas realizadas”, com título, objeto, valor e resultado do estudo. São milhares de projetos feitos a cada ano.

ÀS CEGAS
“A CPI perdeu o rumo”, diz a professora Bebel. Segundo ela, as iniciativas estão gerando insegurança nas instituições, que gozam de autonomia universitária. Moura diz que se trata apenas de buscar a “transparência”.

IDEIAS
As instituições têm recebido, além da CPI, enxurradas de pedidos de informação. O deputado Douglas Garcia (PSL-SP), por exemplo, enviou à USP requerimento pedindo informações sobre todos os eventos “ministrados” no campus de São Carlos desde o início do ano até agora. E pede que sejam discriminados quais deles foram organizados por movimentos sociais.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome