As Forças Armadas são um ensaio de intervenção no Rio, por Luis Nassif

Aparentemente, a estratégia por trás da intervenção militar no Rio de Janeiro é a seguinte:

  1. Aprofundar a intervenção, com o governo federal assumindo outras setores do governo estadual, especialmente o controle do orçamento estadual.

  2. Tirar o governo Temer da defensiva atual e dotá-lo de poderes políticos extraordinários, em nome do combate à violência.

  3. Contaminar a opinião pública com as ameaças de perda de controle para o crime organizado, permitindo ampliar o estado de exceção para outros estados, sempre tendo como álibi a ampliação da violência.

  4. Transformar a perda de controle para o crime organizado no novo bicho papão, capaz de substituir o clima de comoção nacional da luta contra a corrupção.

A fundamentação da intervenção

A intervenção militar no estado do Rio de Janeiro se baseou no inciso 3 do artigo 34.

Diz o artigo 34:

A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Federal, exceto para:

I – manter a integridade nacional;

II – repelir invasão estrangeira ou de uma unidade da Federação em outra;

III – pôr termo a grave comprometimento da ordem pública;

IV – garantir o livre exercício de qualquer dos Poderes nas unidades da Federação;

V – reorganizar as finanças da unidade da Federação que:

a) suspender o pagamento da dívida fundada por mais de dois anos consecutivos, salvo motivo de força maior;

b) deixar de entregar aos Municípios receitas tributárias fixadas nesta Constituição, dentro dos prazos estabelecidos em lei;

VI – prover a execução de lei federal, ordem ou decisão judicial;

VII – assegurar a observância dos seguintes princípios constitucionais:

a) forma republicana, sistema representativo e regime democrático;

b) direitos da pessoa humana;

c) autonomia municipal;

d) prestação de contas da administração pública, direta e indireta.

e) aplicação do mínimo exigido da receita resultante de impostos estaduais, compreendida a proveniente de transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino e nas ações e serviços públicos de saúde. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 29, de 2000) A intervenção militar se baseou no inciso 3.

A estratégia do governo será ampliar, com base no inciso 5. Ou seja, a intervenção militar foi a forma destrambelhada de preparar-se para uma intervenção maior, na qual a União assumirá também o controle das contas públicas.

Outras intervenções

Provavelmente, se conseguir os votos para as reformas pretendidas, o governo Temer apelará para a intervenção branca, figura que foi usada pelo governo FHC em Alagoas.

Na ocasião, o governador renunciou e o vice assumiu e nomeou um coronel para Secretário da Fazenda.

No Rio de Janeiro, o maior defensor da intervenção federal junto ao governo Temer tem sido justamente o vice-governador Francisco Dornelles. E a maior propagadora do caos foi a Rede Globo.

Com a intervenção branca, não haveria interrupção das votações das reformas.

Também são possíveis intervenções via convênio, adotada pelo ex-Ministro da Justiça Nelson Jobim.

No caso do Rio de Janeiro, o mais provável será uma intervenção branca geral. E, como o governo federal terá que chegar lá com um caminhão de dinheiro, não haverá como abrir mão de um controle geral das finanças.

Um observador bem situado do governo Temer explica: como se poderá impor a ordem em um Estado em que a polícia não está recebendo salários e o Judiciário chega a receber três vezes o teto?

A estratégia Temer

Evidentemente, o episódio cai como uma luva para uma releitura do governo Temer. Segundo esse observador, o sucesso dependerá da sua implementação.

No mundo ideal de Temer, a intervenção ganharia apoio popular, mais ainda em função do terrorismo implantado pela Globo. Junto virá a criação do tal Ministério da Segurança Pública, criaria as condições para o governo Temer cavalgar novas medidas de exceção, maneira de tirá-lo da defensiva atual e provê-lo de mais poder.

Conhecendo-se a profunda incompetência do governo Temer, é possível que seja mais um tiro na água.

De qualquer modo, há três motivos para o não protagonismo do Ministro da Justiça Torquato Jardim:

  1. O fato de admitir que nada entende de segurança pública.

  2. O indulto de Natal, que o queimou junto ao grupo de Temer.

  3. Provavelmente sua não aprovação a esse semi-golpe político.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

58 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Antonio Carlos Silva - Brasil

- 2018-02-18 01:25:01

RJ esverdeado !!

Vazou uma informação (relação) dos novos comandantes dos Batalhões da PMRJ .

SÓ GENERAIS !!

(Não vou expor os nomes aqui no blog porque não é oficial e não quero dar uma "barriga") .

 

Jarbas Similevinsk

- 2018-02-17 15:47:23

Sociedades secretas.

Arkx:

Me parece que a primeira sociedade secreta tentada por esse povo admirável (e também temível) que são os criadores da bíblia, foi... o cristianismo. Que de Cristo, aliás, não tem nada, absolutamente nada. E tem tudo de Saulo. Aquele povo, super-inteligente, queria uma rede de apoio formado por gentios. Plano magnífico. Não deu certo porque o cristianismo teve, a partir de Justiniano, se não me engano, um sucesso estrondoso. Tanto que todo o mundo queria ser cristão. E com todo o mundo sendo cristão, "eles" perderam o controle.

Retomaram o projeto mais tarde, muito mais tarde, com a maçonaria. Que deu certo porque limitou a entrada de neófitos. Limitou com a tal história do "bode preto", que eles seriam adeptos da satanismo, etc. Isto afasta muita gente, principalmente aquelas pessoas que não tem dificuldade para ajustar-se a critérios éticos.

Tenho para mim que toda sociedade secreta exige duas coisas de seus membros: 1) obediência absoluta (quando for necessário para a organização; a famosa cena do diabo vindo buscar a alma do contratado); 2) tendência para a ilegalidade (ou, de outra forma, excesso de ambição e carencia de competência). A organização estimula o vício do membro, para depois obrigá-lo a seguir uma ordem determinada, senão... interrompe o vício e vai para a cadeia ou a desmoralização perante a sociedade.

Outra tese: depois da primeira sociedade secreta que deu certo, nenhuma outra é possível no campo de atuação daquela. Só na China, Japão, talvez Russia.  Você funda uma sociedade secreta e dos primeiros 10 membros 5 serão da sociedade secreta já estabelecida. Infiltrados. Os árabes levarão mil anos para se livrarem de todos os infiltrados (a maioria deles, "insuspeitos") nas suas hostes...

Portanto, não use a arma do adversário, fundando uma nova sociedade secreta "para combatê-los". 

E não adianta ser anti esse povo e nem pense em "destrui-los". Não funciona. Eles estão tão infiltrados em toda a sociedade ocidental, que você, "anti" apaixonado, pode ser colocado diante da realidade de que você... é um deles. Isto é, você tem sólidas ligações genéticas com esse povo. Como combater seus próprios genes?

Que fazer? Nada. Se você tem um quintal, faça um jardim ou uma horta.  Divirta-se com as plantas (e os animais), que são confiáveis. E peça para nascer em outra galáxia, na próxima encarnação...

Temo e respeito essa gente. Mas não gosto deles, e não os considero "superiores". Bom, com exceções; de alguns deles sou fã incondicional, sem preconceito.

 

DANTE FRANCESCHINI

- 2018-02-17 15:34:56

só acrescentando

Para mim há um dado que está sendo esquecido. A intervenção ser decretada alguns dias antes da greve geral marcada para o dia 19 de fevereiro não é mera coincidência. Basta lembrar da violenta repressão ocorrida no Rio de Janeiro em 28 de abril do ano passado. Naquele dia as forças repressoras não só coibiram as manifestações, como interferirarm no direito de ir e vir das pessoas. É bom lembrar também que a situação do Estado é crítica, e deverá piorar, com a implementação das medidas de austeridade "acertadas" entre os governos estadual e federal. Isto fora outros fatos como este: https://www.ocafezinho.com/.../carmen-lucia-suspende.../ . A intervenção é para cortar pela raiz a revolta que estaria para eclodir.

Gilson AS

- 2018-02-17 15:08:45

A intervenção militar não vai
A intervenção militar não vai resolver nada do RJ. A médio prazo, depois desse impacto inicial, tudo voltará ao normal. O dupla Tráfico/Corrupção é quem comando e regula a violência do RJ. Quem mora em comunidades ou tem contato com policiais sabe como isso funciona. A polícia é abastecida pelo dinheiro do Tráfico, até na Evaristo da Veiga, onde fica o quartel central da PM, ganha mesada. Quando o tráfico diminui a cota da corrupção , a violência policial aumenta. Alguns traficantes dizem que a polícia é gulosa. Quando essa relação é equilibrada, existe paz e tranquilidade no RJ. Alguns policiais sérios e honestos dizem: Se a polícia quiser, acaba a violência no RJ em um ano. É só asfixiar o tráfico. Não ter mais mineira, arrego, e conversa de acerto. Mas qual a polícia está disposta a abir mão dos seus complementos salariais. PM ?, Civil ? Alguns membros do judiciais ?. Por isso que o dinheiro do Tráfico é retroalimentado, todo mundo ganha. Quem vai abrir mão. Agora, achar que os militares vão resolver os problemas de segurança do RJ só colocando soldados nas ruas, ou é inocente ou mal informado. Colocar militares na rua, a grande maioria são jovens na faixa dos vinte e poucos anos, muitos oriundos de comunidades, para vigiar, tomar conta, e evitar que o tráfico não prospere numa determinada região, é o mesmo que acreditar em disco voador. Tem gente que jura que existe. Num prazo de um ano, com a convivência diária entre traficante aliciador, e soldadinho pobre e duro, essa relação vira amizade fraternal. O problema no RJ é Tráfico/Corrupção, um não vive sem o outro. Agora, resta saber se quem alimenta o Tráfico, alguns membros das classe mais abastadas, querem parar de " cheirar brizola". São esses grupos que também reclamam da violência gerada em parte por eles. General, se queres acabar com a violência no RJ, vá o senhor pessoalmente tomar conta das bocas de fumo na cidade. Agora cuidado, os traficantes são simpático, educados, convincentes. Alguns são alegres e sorridentes. Fique espero general.

Leandro Ferrari

- 2018-02-17 12:02:34

É a geopolítica

Acho que você ainda não viram a figura toda. Saiam um pouco mais do foco atual. Claro que pode estar servindo a tudo isso, mas também tem o seguinte (para quem não sabe, Tillerson é ex-CEO da EXXON):

 

https://www.state.gov/secretary/remarks/2018/02/277840.htm

U.S. Engagement in the Western HemisphereRex W. Tillerson - Secretary of StateFebruary 1, 2018

 

http://www.trt.net.tr/portuguese/programas/2018/02/16/e-se-os-eua-quiserem-regressar-novamente-a-america-latina-911544

E se os EUA quiserem regressar novamente à América Latina?A América Latina vive uma transformação muito séria. A análise de Mehmet Ozkan.16.02.2018 [...]Apesar da perda de influência da esquerda contra o Ocidente na América Latina, também a direita do continente tem sérias dúvidas em relação a Trump. As antigas alianças naturais, pouco a pouco dão lugar a dúvidas. A visita de Tillerson, serviu antes de mais para desenvolver uma nova perceção e criar relações com base em antigas plataformas. Outra questão atual nas relações entre as duas partes, é a Venezuela. Os Estados Unidos, que se colocam bem ao lado de grupos como o Lima e que atuam em conjunto com a América Latina acerca da Venezuela, não sabem o que fazer na questão venezuelana. Nos primeiros meses do seu mandato, Trump falou da possibilidade de uma intervenção militar na Venezuela. Mas todos os países latino-americanos recusaram esta possibilidade. Trump baixou parcialmente o tom sobre esta questão, e com a visita de Tillerson aconteceu pela primeira vez uma séria troca de opiniões entre o norte e o sul do continente, acerca da Venezuela. Quando olhamos de forma geral, os países da América Latina também dificultam o desenvolvimento de uma política para a Venezuela. Não foi proposta nenhuma opção concreta, exceto o reafirmar da oposição contra Nicolás Maduro e a acusação de que o regime em Caracas é uma ditadura. Até hoje, e mesmo com a visita de Tillerson, não surgiu nenhuma posição clara sobre a Venezuela. Mas pelo menos os Estados Unidos já parecem considerar opções que renunciam à via militar.[...] 

arkx

- 2018-02-17 09:52:22

As Forças Armadas são um ensaio de intervenção no Rio

últimas linhas do livro, após o golpe militar e a invasão em busca do petróleo: "A Ilha", Aldous Huxley.

.

arkx

- 2018-02-17 09:51:05

As Forças Armadas são um ensaio de intervenção no Rio

sério. por aqui (Sul de Minas, proximidade de Caxambu) estão sempre sobrevoando. em círculos, fazendo simulações de combate, dando rasantes.

.

arkx

- 2018-02-17 09:50:06

As Forças Armadas são um ensaio de intervenção no Rio

“O Horla”, Guy de Maupassant.

.

alexis

- 2018-02-17 07:30:31

Brasil criminaliza o crime

Pela falta de investigação policial e de “inteligência”, as ações policiais têm recorrido para o enfrentamento, criminalizando o crime, e agindo diretamente na sua punição. A chegada das FFAA para tomar conta da segurança de RJ comprova isso, a radicalização deste conceito. A polícia não mais investiga e procura provas para culpar alguém de determinado crime e logo o leva à justiça, mas já tipifica um crime geral, identifica e rotula os inimigos e apenas os combate. Brasil é tudo mais ou menos assim, como a lava jato, o setor policial e judiciário já definem o crime, logo por convicção política e social os culpados são identificados, e logo eles são simplesmente combatidos.

jcordeiro

- 2018-02-17 00:58:14

Evolução

Nassif: não se pode ignorar a evolução no caso do Rio de Janeiro. Saiu do estado de bala perdida, a mando dos miliantes do tráfico de drogas, para o estado da bala institucional, agora a mando da quadrilha de Brasilia, onde também tem gente do pó.

Marcos Carvalho

- 2018-02-17 00:46:01

Não ficou bom! Vou refazer...

Faltou colocar a mão manipulando a Manifestoche ao lado.

Júnior 5 Estrelas

- 2018-02-17 00:44:26

Verdade arkx,leio seus
Verdade arkx,leio seus comentários e nunca li alguma coisa sua que se referisse a lulopetismo.Alias meu amigo arkx,temos alguma coisa em comum em relação a essas estrelas corruptas daqui.Com uma pequena diferença.Você alimenta o bate boca.Eu não.Na maioria das vezes,levo a mão ao coldre em busca da minha. 40,eles levantam a bandeira branca e sem opção agraciam-me com essas estrelinhas despudoradas.Noutras ocasiões,não da tempo e eles se escondem debaixo da cama,mas pelo menos um eu acerto entre as sombranceiras.

Marcos Carvalho

- 2018-02-17 00:39:35

Manifestoche

AMORAIZA

- 2018-02-17 00:25:00

Acho que é por aí, Janine
 

Um novo Ministério, o da Segurança Pública, com  remanejamento de pessoal,  enfraquecimento da PF, desmantelamento das forças-tarefa e finalmente, o fim da lava-jato e quejandas.

Dividir para governar.

  

AMORAIZA

- 2018-02-17 00:20:34

Arkx
 

Explique o que é F5 sobrevoando a área  e adeus sinal de internet.

Pensei que eles sobrevoassem somente as 3 da manhã em momentos pré-golpe ou de intervenções específicas.

E eu não estou brincando com você.

 

AMORAIZA

- 2018-02-17 00:05:37

Razões da intervenção
 

Transcrevo o que disse em comentário ao post de Hildegard Angel

 

A falta de segurança é uma estratégia de poder e sempre funciona.

Quando ela se torna insustentável o Estado aparece vestido de superman, executando ações pontuais e fazendo promessas de providências "urgentes".

Acalmados os ânimos da população, o estado mantém-se indiferente como de hábito, até que se chegue à excepcionalidade do que vemos agora - o limite.

Fatos que detonaram essa "providência do estado"

1-Desfile da Tuiuti

2-Promessa de descida do morro pela população favelada

3-Incapacidade do contingente local de segurança

Reação - O medo das "zelites"

Que o povo seja assaltado ou morto por bala perdida ou achada, o Estado está pouco se lixando.

Podem gritar à vontade.

Para socorrer às elites, entretanto, basta um sussurro e o Estado comparece obediente.

Complementando:

Essa é uma mostra do que se diz  Estado mínimo

 

Fernando J.

- 2018-02-17 00:01:50

Mestre, fiquei confuso

O Google não ajudou em nada, só fez aumentar a confusão. Mainás (ave), Karuna! (Reiki), sapos, insetos tudo misturado remete à Amazônia, por acaso tem a ver com o Santo Daime e o chá do cipó ayahuasca? É algum rito de iniciação alucinógeno? 

j.marcelo

- 2018-02-16 23:56:12

ATENÇÃO!Lula poderá ser preso
ATENÇÃO!Lula poderá ser preso no dia da votação da previdência e como eu sei disso?Ora o único acontecimento capaz de abafar a repercussão da votação safada será a prisão de Lula e não esqueçamos q lidamos com COVARDES por favor levem em consideração este alerta,Lula precisa pedir paz caso aconteça a prisão pois td q os golpistas querem é desculpas para intervenções factóides, me chama a atenção a divulgação insistente q "Carmen poderá julgar a prisão já em Março" PURO DESPISTE o q está em jogo para os golpistas empresários são bilhões de reais e farão de tudo com a ajuda de nossas "instituições' para conseguir seus objetivos, necessário Lula já firmar os seus candidatos em carta ou vídeo de apoio para ficar mais tranquilo,o FBI está por aí para o bem ou mal !Entendem !?

Somebody

- 2018-02-16 23:55:43

Temer e os conspiradores

Temer e os conspiradores jogaram a constituição brasileira no lixo, agora são as "leis deles" que estão valendo.

E vocês não fizeram nada contra.

arkx

- 2018-02-16 23:40:21

As Forças Armadas são um ensaio de intervenção no Rio

já me conformei que vcs são ruim de entender prá caramba, mas aí vai uma réplica coletiva:

O último carro blindado acabou de passar e, embora esquecida na escuridão, a verdade da sabedoria permanecia. O rugir dos moto­res diminuiu. A retórica esganiçada se converteu num amontoa­do de sons sem sentido. Morreram os ruídos estranhos. Os sa­pos, os insetos incessantes e os mainás estavam de volta.

- Karuna! Karuna!

E num semitom abaixo:

- Atenção!

.

gonzales

- 2018-02-16 23:32:56

....
Existe o aspecto político, SP sofre muito mais com violência q RJ, no entanto a oligarquia de SP jamais permitiriam uma intervenção, eles sabem o quanto pode perder politicamente ou em seus negócios, que oligarquia vagabunda o RJ tem ! não deveria ser assim !

arkx

- 2018-02-16 23:23:52

As Forças Armadas são um ensaio de intervenção no Rio

-> Não usou sua frase chavão: lulopetismo.

primeiramente, jamais escrevi, ou falei, ou empreguei seja como for, o termo "lulopetismo". mostre-me em alguma de minhas 10.545 intervenções, até agora aqui neste Blog do Nassif, uma única vez que usei o termo, e ganharás uma Bolsa Deduração-Premiada ainda maior do que Moro. digamos, uns US$ 5 milhões mais um George Washington.

depois: comedido?! como assim, comedido? prá vc ver o quanto comedido que sou, a cada vez que posto algo aqui, 15 minutos depois os F-5 estão sobrevoando a área, e adeus sinal de Internet!

tôu tão comedido que vou lhe revelar algo: Temer é um morto-vivo. os sinais vitais estão mantidos, mas às custas de muita grana e tecnologia. não quer e não querem que morra agora de modo algum. mas logo, logo chegará o momento em que ele suplicará pela morte, enquanto esta sairá andando sorrateiramente de lado, com um sorriso debochado...

.

 

jossimar

- 2018-02-16 23:20:21

"O principal foco de

"O principal foco de instabilidade no Rio não é a violência propriamente dita, isso é consequência. O que está gerando o caos no Rio de Janeiro e no Brasil é o desemprego, a crise econômica, o atraso dos salários dos servidores públicos, a precarização do trabalho, a perda de direitos, o aumento do custo de vida e assim por diante."

A principal vítima da associação globoxlava jatoxmpf foi o estado do rio de janeiro. Sua economia foi praticamente destruída por obra da vagabundice dessa gente golpista.

Isto é o que deveria ser mostrado claramente para a população do Rio; que eles são vítimas do golpe de estado perpetrado por um bando de ladrões em nome de um suposto combate a corrupção.

marcobergam

- 2018-02-16 23:13:55

Pensei exatamente isto, lendo

Pensei exatamente isto, lendo os comentários do cidadão, ficamos com a impressão que foi o PT e os governos petistas que deram o golpe. Bom, pelo menos, segundo o mesmo, a culpa de tudo não é só do PT, tem o clima também. Ufa, talvez São Pedro seja petista também, né?

peregrino

- 2018-02-16 23:07:48

é como querer combater uma desordem produzida...

levando a ordem para um duelo.................................

o que a mídia mais deseja é que o povo sofrido passe a odiar o Exército

Serjao

- 2018-02-16 23:02:33

Paneleiras

Por que não bateram panelas trinta anos atrás?

Serjao

- 2018-02-16 22:59:08

Bienvenue

marcobergam

- 2018-02-16 22:54:56

Concordo, é mais um fase do

Concordo, é mais um fase do golpe. Passou de golpe midiático-judicial-parlamentar-financeiro (2016) para golpe militar de fato (2018). o que virá é a eliminação da oposição e o calar das vozes dissonantes, repetindo 1968.

Guimarães Roberto

- 2018-02-16 22:53:05

O passo seguinte é cancelar as eleições.

Como os golpistas não conseguiram um candidato resolveram cancelar as eleições. A intervensão é o primeiro passo. Vamos aguardar os seguintes.

Joao Carlos Campos

- 2018-02-16 22:42:52

Efeitos da Coligação

Olha aonde a coligação PT e PMDB nos trouxe?

paulovi

- 2018-02-16 22:39:50

arkx, de quem ou de onde é

arkx, de quem ou de onde é esse último parágrafo? Obrigado!

twoprong

- 2018-02-16 22:25:55

O decreto quebra o pacto

O decreto quebra o pacto federativo. 

Diz que o iinterventor não está sujeito a nenhuma lei estadual.

Serjao

- 2018-02-16 22:23:44

Os amarelinhos nas calçadas
Como os franceses https://encrypted-tbn3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcT84nnmmvfZWu7aBQM878NccdsFCvYkFTGXVhUW8PEFIFShAs4zT6OYmiVb

Fernando J.

- 2018-02-16 22:20:40

Gaudério Maestri,

O menino aí do Psol está impossível. A intervenção é no RJ, em 2018, mas ele conseguiu encaixar a golpes de porrete o seguinte:

"...promovida por Dilma Roussef no Complexo da Maré, ...das forças de ocupação do Lula (uau!!), ... 13 anos de Lulismo ...e sobrou até para a ...mudança climática!!! Um espanto. Em seguida, o pastor roga ao altíssimo: " ...que Deus tenha misericórdia desta nação." Ufa!!!

É tipo assim...num sei! É o autêntico samba do crioulo doido. 

Paulo Dantas

- 2018-02-16 22:16:58

Tá mas

Tá mas quem mora no RJ vive com medo , ir na porra da padaria com medo é foda , foda.

O tal do Conselho da República não foi ouvido , um advogado entrou no STF contra o decreto.

bfcosta

- 2018-02-16 22:13:19

Acho que falta ligar alguns

Acho que falta ligar alguns pontos aqui nessa análise.

O primeiro ponto é lembrar que essa não é a primeira vez que Temer faz um movimento no sentido de militarizar a segurança pública. Em 2017, ele editou um decreto (e depois voltou atrás quando viu que ficou isolado) no sentido de criar na capital federal uma área de segurança nacional por uma semana, depois de protestos na capital federal. A alegação era proteção do patrimônio público por conta do vandalismo ocorrido no dia do protesto, sendo que não haviam outros protestos programados para o resto da semana.

O segundo ponto é que, ao tentar criar a figura da "suspensão temporária" da intervenção, Temer dá a entender que não a quer usá-la como escudo para a não votação da reforma da previdência.

O terceiro ponto é que o decreto tenta claramente criar a figura do interventor militar, tal como diz seu texto: Parágrafo único. O cargo de Interventor é de natureza militar.

O quarto ponto é a movimentação em torno da criação do ministério da segurança nacional, onde a figura de Sérgio Etchegoyen surge como provável nome para a pasta.

O quinto ponto é que, se Temer realmente quisesse uma intervenção mais ampla no RJ, seria muito mais fácil de obtê-la, pois a parte financeira entre outras no estado está em pior situação do que a segurança. Isso me faz duvidar um pouco dessa estratégia que Nassif escreve, de usar a segurança como ponte de entrada para fazer uma intervenção maior depois. A princípio, os movimentos tem cara de ser justamente o contrário, focar na segurança e deixar o resto ao Deus dará.

Há quem diga que isso tem a ver com a desistência de Huck de se tornar candidato e a percepção do Planalto, durante o carnaval, de que eles estavam em estágio avançado de decomposição, tal foi a recepção do público do desfile da Tuiuti. Pode ter a ver também, mas a ideia de militarizar a segurança pública vem de longe no Governo Temer.

franciscopereira neto

- 2018-02-16 22:13:11

Comedido

Arkx, ao que parece, está mais comedido.

Não usou sua frase chavão: lulopetismo.

Usou lulismo.

Já é um avanço.

Quanto ao fato de Lula e Dilma usarem do mesmo expediente, existe uma diferença abissal.

Os dois foram eleitos para tais medidas e nem de longe houve qualquer especulação que tal medida estava embutida num possível golpe dentro do golpe, usando a mão de gato dos militares. 

O que evidentemente não se pode afirmar com as intenções do bandido quadrilheiro do Temer e seus auxiliares não menos ladrões. Mais uma vez o filme não muda.

Tanto Lula como Dilma tinham aprovação dos seus governo pela maioria da população.

Diferente do Vampirão; sua aprovação está na margem do erro.

Se bobear, vai ficar devendo.

arkx

- 2018-02-16 22:09:06

As Forças Armadas são um ensaio de intervenção no Rio

-> Enquanto a maçonaria não for denunciada ...

meu nobre,

compreendo perfeitamente seu ponto de vista. e concordo com ele.

mas você sabe muito melhor do que eu que os citados são "maçons" só para efeito de suas próprias estúpidas vaidades. são uma cambada de rola-bostas misóginos e racistas, um bando de mané-bundas rastaqueras provincianos.

o título de "maçons" os faz sentir parte do "Povo Eleito", mas ainda assim não passam de párias a serem descartados ao primeiro dos arrotos dos Proprietários da Humanidade - estes sim os autênticos maçons, adoradores de Mammom, fundadores do Nazismo e do Sionismo.

sua capital é Brasília, com suas arquitetura stalinista combinada a um planejamento esotérico repleto de simbologia maçon. jamais poderiam permitir que a capital de Hy-Brazil continuasse a ser o Rio de Janeiro.

já passou da hora de entendermos o que está em jogo na Batalha do Brasil, muito além de seus aspectos menos complexos e superficiais.

“Agora eu sei, eu adivinho. O reino dos homens terminou. Chegou Aquele que o terror dos povos receava. Aquele que os padres inquietos exorcizavam; que os feiticeiros evocavam nas noites sombrias, sem o ver ainda; a quem os pressentimentos dos mestres passageiros do mundo emprestaram todas as formas monstruosas ou graciosas dos gnomos, dos espíritos, dos gênios, das fadas, dos duendes. Após as grosseiras concepções dos primitivos pavores, os homens mais perspicazes pressentiram-no com maior clareza. E descobriram a natureza do seu poder antes que ele próprio o tenha exercido. Desgraçados de nós ! Desgraçado do homem ! Ele chegou, o.., o.. Como se chama ele ? ... o.. parece-me que ele grita o seu nome, e eu não o ouço... sim... ele grita... o.. escuto... não posso... repete ... o.. ouvi... é ele... ele chegou !”

.

gonzales

- 2018-02-16 22:06:52

...
Você é uma daquelas que decoram fatos mas não entende o significado, é como aquelas pessoas que sabem q existiu Hitler e a segunda guerra, mas não compreendem razão de sua existência.

Wilton Santos

- 2018-02-16 21:59:09

Por mais que o Temer tente recrudescer o golpe e intensificar a

Por mais que o Temer tente recrudescer o golpe e intensificar a repressão, nada vai melhorar a sua situação. O que poderia melhorar a sua imagem seria aumentar os empregos com carteira assinada e aumentar o salário dos trabalhadores. Se as pessoas estão desempregadas e sem perspectiva de melhora não há ações que melhore a imagem de um governante.

O principal foco de instabilidade no Rio não é a violência propriamente dita, isso é consequência. O que está gerando o caos no Rio de Janeiro e no Brasil é o desemprego, a crise econômica, o atraso dos salários dos servidores públicos, a precarização do trabalho, a perda de direitos, o aumento do custo de vida e assim por diante.

Essa intervenção do Temer será inócua e causará mais constrangimentos ao governo e aos militares. A população brasileira já compreende que o maior problema do país atualmente é o próprio Temer e sua quadrilha. Estão tentando apagar incêndio com gasolina.

rdmaestri

- 2018-02-16 21:55:38

E desde quando se respeita a constituição?

Não adianta falar em leis, o Brasil se tornou um Estado sem lei.

rdmaestri

- 2018-02-16 21:53:37

Tá Ark(o que?) depois da intervenção militar igual a da ......

Tá Ark(o que?) depois da intervenção militar igual a da Dilma vem o golpe militar igual o do PT(?????).

Já começam a ficar ridículas as tuas intervenções.

Janine Cardoso

- 2018-02-16 21:50:50

Intervenão no Rio e "novo" ministério
Caro Nassif, leio com atenção seu blog, principalmente, suas análises. Mas, creio que subestima o q está em curso. Em parte, por reproduzir o foco da mídia na intervenção no Rio e não na sua articulação com o "novo" ministério. Temperado com a ênfase nas trapalhadas do governo Temer, acho que deixamos de avaliar o que está de fato acontecendo: mais um grave e imenso golpe na frágil democracia brasileira. Comparável, como já se disse, ao AI5. Não acho q é mais uma trapalhada, foi um golpe certeiro e esperto, vai conseguir apoio e paralisar as investigações q a PF mantinha sobre o porto de Santos. Trapalhada???

naldo

- 2018-02-16 21:49:14

Crime organizado se combate

Crime organizado se combate com ções de inteligência........

 

ou acreditam que os que os cabeças gordas estão trepados nas favelas??? Outra estória da carochinha para retirar um naco da liberdade do povo pobre, como falar em combate aso crime organizado quando se faz vistas grossas a helicópteros e aviões com meia tonelada de pó???

Janine Cardoso

- 2018-02-16 21:48:54

Intervenão no Rio e "novo" ministério
Caro Nassif, leio com atenção seu blog, principalmente, suas análises. Mas, creio que subestima o q está em curso. Em parte, por reproduzir o foco da mídia na intervenção no Rio e não na sua articulação com o "novo" ministério. Temperado com a ênfase nas trapalhadas do governo Temer, acho que deixamos de avaliar o que está de fato acontecendo: mais um grave e imenso golpe na frágil democracia brasileira. Comparável, como já se disse, ao AI5. Não acho q é mais uma trapalhada, foi um golpe certeiro e esperto, vai conseguir apoio e paralisar as investigações q a PF mantinha sobre o porto de Santos. Trapalhada???

ze sergio

- 2018-02-16 21:30:14

Jack....

40 anos de Redemocracia. 30 anos de Constituição Cidadã.  As promessas da Anistia de 1979 eram isto? Espetacular resultado das nossas Forças Progressistas. O investimento em Políticas Sociais e ampliação da Educação de nossos cidadãos resultaram neste triunfo? As crianças de 1979 estão às véperas de 40 anos. A maioria dos criminosos entre 12 e 25 anos. Não conheceram outra realidade. Parabéns. 

Fernando J.

- 2018-02-16 21:17:49

Jack Vasconcelos

A essa hora, nos barracões da Paraíso do Tuiuti, há um trabalho febril para aprontar um carro alegórico novo a tempo de participar do desfile de amanhã. 

arkx

- 2018-02-16 21:06:32

As Forças Armadas são um ensaio de intervenção no Rio

- mas êta karma pesado, hein! vai ter que ser pelo sofrimento atroz mesmo! desta vez, não vai sobrar pedra sobre pedra! todos irão se desmoralizar. vamos ao zero absoluto da crise de representação. com todas as instituições necrosadas, já sem qualquer mesmo longínquo compromisso com a soberania poipular...

- a intervenção atual no Rio é um remake. ela já ocorreu outras vezes antes, promovida por Dilma Roussef no Complexo da Maré, em 2014, para garantir a segurança dos negócios dos mega-eventos, aqueles mesmos negócios responsáveis pela crise financeira do Rio de Janeiro;

- tudo que agora ocorre é déjà-vu. em 2010 o Morro do Alemão também foi tomado militarmente, sob o comandante-em-chefe das forças de ocupação Lula;

- todos os erros monstruosos dos 13 anos de Lulismo agora voltam com ímpeto brutal para nos assombrar e cobrar seu alto preço, acima de tudo que suportamos pagar;

- mas desta vez os milicos gorilas vão se desmoralizar instantaneamente. e a própria Maré é um notável exemplo disto. ao contrário de 1964/1968, nenhum Milagre Brasileiro ocorrerá. nenhuma possibilidade remota de crescimento do PIB, ainda que sem repartição do bolo, para sustentar com míseras migalhas a multidão de pobres e miseráveis;

- se já não haverá explosão social, devido a uma sangrenta repressão, temos todos um encontro inexorável com a entropia, a decomposição do tecido social. uma superposição de colapsos: político, institucional, social, financeiro, econômico... e para culminar, a irreversibilidade de uma extrema mudança climática;

- nenhum lugar para correr. nenhum retorno. ninguém será poupado. Que Deus tenha misericórdia desta nação.

vídeo: A Volúpia Fascista

[video: https://www.youtube.com/watch?v=nVguG7nrojg]

.

 

Marcus Tulio

- 2018-02-16 21:01:57

Test drive para um golpe

Test drive para um golpe militar amplo geral e irrestrito?

mcn

- 2018-02-16 21:01:53

Outras leituras

Celso Amorim: “Intervenção é um instrumento extremo e muito perigoso” - https://goo.gl/vmB9VE

Marcelo Zero: Golpe abriu a caixa de Pandora do autoritarismo brasileiro e pode estar ensaiando uma ditadura
- https://goo.gl/HjYPpA

Giuilherme Coutinho: Intervenção no Rio: o medo do morro traz de volta os generais - https://goo.gl/DcQeqU

Fernando Brito: Intervém-‘desintervém’-intervém. A vergonha que vai parar no Supremo - https://goo.gl/nP8L4M

Roberto Requião - Intervenção no Rio de Janeiro - https://twitter.com/requiaopmdb/status/964546070108954625

mcn

- 2018-02-16 20:54:23

Há várias inconstitucionalidades no decreto de Temer

"Estou absolutamente convencida de que o parágrafo único do artigo 1º do decreto de Temer é inconstitucional", me disse agora Eloísa Machado, da Escola de Direito da FGV, especialista em direito constitucional.

Decreto de intervenção federal no Rio de Janeiro é inconstitucional
Eloísa Machado de AlmeidaEloísa Machado de Almeida, Coordenadora da FGV Direito, para o site Justificando - https://goo.gl/YtKKyA

Não é o Americano Feio

- 2018-02-16 20:46:22

Crime organizado. O nosso

Crime organizado.

O nosso Plano Colômbia.

Não é por acaso que o empregado dos States nem passou pelo Brasil.

Nem precisava.

jura

- 2018-02-16 20:42:35

ADEG informa
Sai o bandido rico e entra o bandido pobre. No lugar das organizações criminosas entra o crime organizado. 

Fábio de O. Ribeiro

- 2018-02-16 20:41:29

Essa intervenção militar não

Essa intervenção militar não vai reduzir o poder do crime organizado. Ela vai apenas organizar melhor os criminisos que assaltaram o poder em 2016.

Orlando Soares Varêda

- 2018-02-16 20:40:31

Certamente a CIA confia à TV

Certamente a CIA confia à TV Globo, o tarefa de centro irradiador do terrorismo de Estado no Brasil. E, provavelmente estão muito satisfeitos com o desempenho dos capachos.

Orlando

 

Fábio de O. Ribeiro

- 2018-02-16 20:31:12

Essa intervenção militar não

Essa intervenção militar não vai reduzir o poder do crime organizado. Ela vai apenas organizar melhor os criminisos que assaltaram o poder em 2016.

Fernando J.

- 2018-02-16 20:24:03

Mara Paredão e a Rede Globo

1. Luís Nassif - "E a maior propagadora do caos foi a Rede Globo."

2. Fernando Morais e o mantra - "A Rede Globo é inimiga do Brasil e dos brasileiros, e assim deve ser tratada"

3. Hildegard Angel, hoje: "Sabendo dessa súbita decisão de se intervir militarmente no Rio, temos que dar o devido crédito à Globo, que fomentou, através de seus veículos, esse clima de horror e insegurança na população do Rio de Janeiro, onde não parece que houve carnaval. Só crimes."

No último mês todos os telejornais da emissora iniciaram com crianças mortas em tiroteios no Rio. Todos. E flagrantes de assaltos. Três ou quatro imagens de celulares, que eles repetiam à exaustão. Carnaval do Recife só tinha frevo. Da Bahia, só axé. Do Rio, só destacaram violência, o carnaval vinha depois. Vergonha. Como os jornalistas da emissora se prestam a isso? Vão arder no mármore do inferno dos comunicadores.

4. Professora Mara Paredão Sem Noção - Entra nos estúdios da Rede Globo para participar do BBB abanando o rabinho. 

joel lima

- 2018-02-16 20:16:15

Já escrevi isso num outro

Já escrevi isso num outro post = 16 de fevereiro de 18 tem tudo pra entrar nas datas macabras desse país - 1 de abril de 64, 13 de dezembro de 68, 17 de abril de 2016. 

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador