Brasil é alvo de denúncia inédita na ONU

A Ordem dos Advogados do Brasil denuncia nas Nações Unidas o que qualifica de “retrocesso político” brasileiro. Um documento criticando o governo de Jair Bolsonaro será entregue na Comissão de Direitos Humanos da ONU por representantes da OAB nesta quarta-feira (11).

Representantes da OAB organizaram uma reunião em Genebra para divulgar a iniciativa de denúncia visando o governo brasileiro - Foto Rui Martins

do RFI

Brasil é alvo de denúncia inédita na ONU

Rui Martins, correspondente da RFI na Suiça

A Ordem dos Advogados do Brasil decidiu utilizar seu espaço de foro consultivo na Comissão de Direitos Humanos da ONU para chamar a atenção para a situação atual brasileira. A entidade vai entregar ao relator da Comissão de Direitos Humanos um documento sintetizando “desvios antidemocráticos” sob forma de denúncia para conhecimento da comunidade internacional.

Segundo Hélio Leitão, presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB, encarregado de entregar o documento, o Brasil assiste a uma espécie de “revisionismo ou negacionismo histórico”.

Nessa terça-feira (10), foi organizado um encontro paralelo, aberto aos outros países e à imprensa internacional para divulgar a iniciativa. Esse evento, embora já programado, coincide com o recente ataque de Jair Bolsonaro à Alta Comissária dos Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet, no qual o presidente brasileiro também evocou o ditador chileno Augusto Pinochet. O episódio provocou reações em vários países. No Brasil, a OAB e o Instituto Vladimir Herzog alegaram que os comentários de Bolsonaro eram uma apologia à ditadura chilena.

O documento entregue em Genebra não é um pedido de processo, e sim uma denúncia que será acrescentada às irregularidades já mencionadas pela Alta comissária no seu relatório sobre a situação brasileira. Como o Brasil é candidato à reeleição como membro da direção da Comissão de Direitos Humanos, a iniciativa pode isolar o país, reforçando o número de nações contrárias à sua escolha.

Leia também:  Aparelhamento no governo Bolsonaro, por Gregório Duvivier

Mudança de posição brasileira na ONU

Desde a chegada de Bolsonaro ao poder, o Brasil vem registrando uma mudança de posição na ONU. O país deixou de apoiar a igualdade entre os sexos, rejeita textos que referem aos homossexuais, transexuais ou bissexuais, e adotou uma postura conservadora sintetizada na promoção da família.

Brasília, que antes de Bolsonaro votava sempre com os países democráticos europeus na ONU, apoiou indiretamente o governo de extrema-direita das Filipinas, deixando de votar no pedido de abertura de investigações sobre execuções extrajudiciais pelo governo filipino.
O Brasil também apoiou ao governo militar egípcio e o Iraque num pedido de exclusão de um texto da ONU sobre o direito à saúde sexual e reprodutiva das mulheres. Nessa mesma linha, as autoridades brasileiras apoiaram ainda a proposta paquistanesa de se retirar a menção relativa à educação sexual numa resolução da ONU.

O GGN prepara uma série de vídeos explicando a interferência dos EUA na Lava Jato. Quer apoiar esse projeto? Acesse www.catarse.me/LavaJatoLadoB e saiba mais.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Lula continua preso apesar da VazaJato….Moro e Dalanhol inabaláveis apesar dos crimes praticados por ele para levar Bozo ao poder, mais do que evidentes…..

    Preta Ferreira há meses presa sem que que haja provas…crimes ambientais….perseguição e censura, só pra ficar em alguns exemplos…

    …..tudo isso mesmo antes que a Familia tenha controle sobre PGR, PF, STF, TCU, sistemas judicial, educacional, religioso e midiático…o controle absoluto sobre estas instancias de poder estão conseguindo, não é…

    Já está claro que a Familia Bozo não tá nem ai para a Comunidade Internacional: o Brasil está cada vez mais parecidos com a Arábia Saudita, ou seja, o pais nas mãos de uma familia de ditadores:

    ……aliás, a Familia Bozo busca se indispor com outros paises para isso mesmo: como inimigo da Comunidade Internacional, não terá que prestar contas sobre abusos, mortes e torturas sob a batuta do pacote anti-crime de Moro, a reencarnaçao de Felinto Muller…vem logo, meteorito

    7
    1
  2. OAB? O primeiro dos Feudos do Projeto Ditador Fascista de 1930? Mas deve ser apena coincidência. Afinal estamos na Pátria das Coincidências !! Contas obscuras sem qualquer transparência com Comando Centralizador e indireto com cabresto ditador do Monopólio e obrigatoriedade da escravização da Profissão de Advogado. Ditadura de Federações. Não parece o Estado Brasileiro destas 9 décadas? Tudo isto abençoado pela parceria e conluio unânime de STF. Unanimidade é raridade no STF. Coincidência? ‘Toda unanimidade é burra’, já disseram. Mas caros Advogados, escravos do monopólio da carteirinha e da Entidade que não comandam, quem está sendo burro nesta história? Comissão de Direitos Humanos da OAB? O 1.o dos Direitos Humanos não é a Liberdade? Pobre país rico. Mas de muito fácil explicação.

    2
    2
  3. O STF só se preocupou com a imagem do Brasil lá fora quando as forças progressistas eram governo : a ministra Rosa Weber ameaçou e processou Dilma pq no exterior a presidenta afirmou acertadamente que o golpe era golpe : agora o país tem sua imagem destroçada e tudo bem, certo Dona Rosa…..kd vc. ..oi Globo kd vc….oi Dodge, tdo bem….

    3
    1
  4. “Historias de bobos, bocos, burraldos e paspalhões” de Ricardo Azevedo. Leiam esse livro, classico da literatura juvenil, com seus filhos para que nunca venham a ser bobos, burraldos, bocos, paspalhões, patéticos e ridiculos como esse governo.

    1
    1

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome