Brasil registra primeira morte por coronavírus

A vítima era um homem de 62 anos que estava sob cuidados em São Paulo

Jornal GGN – O Brasil registrou nesta terça (17) a primeira morte por coronavírus. A vítima era um homem de 62 anos que estava sob cuidados em São Paulo.

O secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann, e o coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus de São Paulo, David Uip, farão coletiva de imprensa às 13 horas para informar os detalhes.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. Nassif: à parte da tragédia, o Coronavirus é democrático. Não distingue quem prejudica ou mata. Entra e pimba… Perigo mesmo é a praga do BolsonaVirus. Esse, sim, é seletivo. Mata e mutila tão somente negros (com mais de 4 arroubas), pobres (de esquerda), índios (que têm terras com minerais raros e madeira) e boa parcela daqueles 91 milhões de eleitores que disseram não aos VerdeSauvas, no ano passado.

  2. Lamentável.
    As pedras do dominó da vida começam a cair.
    Enquanto isso, no maior produtor de álcool do mundo, uma pequena garrafa do produto está custando 30 Reais no câmbio negro.
    Ora, por que não carrear a maior parte da produção de álcool para o combate à doença?
    Diminuanos a produção do álcool combustível para disponibilizarmos álcool gratuito à população.
    Na ditadura, o proálcool subsidiava o produto para incentivar o uso em carros, por que agora nada é feito para salvar vidas?
    A face cruel do Brasil se mostra mais contundente nesses momentos e nos mostra que estamos longe, muito longe de sermos aquele povo hospitaleiro cantado em verso e prosa nas marchinhas de carnaval.
    Aqui no RJ, principalmente nas comunidades mais pobres, onde a tuberculose aflora em cada barraco, motivada pela aids, a fome ou drogas, com certeza, jazem doentes e corpos que sequer aparecerão nos jornais, pois não passaram pelo Einstein, Copa D or ou Samaritano.
    Todos no RJ temiam que o morro, tomado por consciência, descesse um dia para cobrar as injustiças cometidas contra ele. Mas, agora, o que dele descerá será a peste e a morte caso nada seja feito a tempo.
    A quantidade enorme de pessoas nas ruas do RJ, as vezes famílias inteiras, cracudos, doentes mentais, engrossarão o número de vítimas sem que nada seja feito para minimizar esse drama.
    Nem a violência de um Pereira Passos moderno deterá o avanço dessa tragedia sobre o RJ, governado por outro louco que diz que essa doença é “obra do demônio”.
    Bem, se ele se referir ao demônio que aboletou se no Palãcio da cidade, concordo.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome