Dona Marisa e morte como triunfo, por Aldo Fornazieri

Dona Marisa e morte como triunfo

por Aldo Fornazieri

Escrever ou não escrever acerca da morte de Dona Marisa tornou-se um dilema e um risco, seja qual for a opção. Escrever pode representar apenas o acréscimo de mais um texto dentre tantos textos que foram escritos. Não escrever pode parecer omissão, dada a gravidade das circunstâncias humanas e desumanas que sua morte suscitou e os aspectos políticos que ela assumiu. Neste caso, o mais recomendável é não pecar por omissão, mesmo correndo o risco da irrelevância.

Não conheci Dona Marisa. Apenas a vi em alguns encontros políticos quando se fazia presente. Assim, nada há que falar acerca do que os outros já contaram da sua luta, da  sua perseverança ao lado de Lula, da sua coragem, etc. Há que se dizer apenas da impressão, e isto é subjetivo, que sua fisionomia suscitava. Lembrava sempre uma mãe, muitas mães, todas as mães. Ela parecia integrar aquele grupo de pessoas dotadas de espíritos que se identificam com a mansuetude dos cordeiros, com a inocência das pombas, com a leveza suave das rosas.

E se esta era a expressividade do seu semblante aqui já começa um enorme problema. O que fez Dona Marisa ou por que teve sua dignidade profanada no leito de morte, por médicos, por um procurador da República ou por violentadores que se esparramam pela internet e pelas ruas deste triste país? Nada! Dona Marisa não fez absolutamente nada para merecer este inominável sacrilégio de seres que não merecem ser qualificados nem de humanos e nem de animais, pois os animais ostentam mais dignidade do que eles.

Praticamente todas as religiões ensinam que é preciso se deter diante da morte. Até mesmo nas cruentas guerras existem estes códigos. As tragédias gregas antigas ensinavam a mesma coisa. Creonte, que não quis permitir que Polinices, filho do rei Édipo, fosse enterrado dignamente foi severamente punido pela tragédia por não se conter diante da morte. Quis que o corpo Polinices fosse  jogado a esmo para ser devorado pelas aves de rapina e pelos cães. Ninguém merece isto e Antígona, irmã do morto, deixou claro que lutaria para dar um destino digno ao corpo do irmão, mesmo que fosse necessário violar as leis humanas, pois as leis divinas são superiores à aquelas. Estava disposta a pagar com a própria vida por esta última demanda de dignidade humana.

Leia também:  Lava Jato pauta mídia com Lulinha no dia em que CNMP julga Dallagnol

Ter dignidade na morte faz parte das leis divinas e este é um limite que todo ser humano precisa respeitar. Não foi o que se viu no caso de Dona Marisa. A punição dos profanadores da sua dignidade precisa ser severa. Os médicos precisam ter seu registro caçado pelo Conselho de Medicina, caso contrário, o Código de Ética Médica não vale nada. O procurador da República deve ser destituído do cargo, caso contrário também não haverá ética e nem República. Esses violadores da dignidade humana merecem viver pelo resto da vida com o castigo, assim como Creonte teve que conviver com o suicídio do filho e da esposa por conta da sua tirania e pelo sacrilégio cometido contra um morto.

Lula afirmou que Dona Marisa se foi triste. Foi como se ela tivesse requisitado a morte em face do seu sofrimento. Sofrimento por Lula, pelos seus filhos e por ela. Existem duas atitudes  em face das falsas acusações: os belicosos, como Lula, lutam até o fim para provar a sua inocência e combater seus acusadores. Os mansos, como era o caso de Dona Marisa, sofrem em silêncio e muitos definham até a morte. Vejam as crianças e mulheres, vítimas de violências inauditas, o quanto sofrem caladas.

Dona Marisa foi vítima de uma violência moral e psicológica indizível por parte de procuradores, do juiz Moro, da mídia e das hordas fascistas que pululam em vários ambientes. Conferiram uma escandalização de grandes proporções aos pedalinhos dos seus netos, que custavam dois mil reais, e do barquinho de latão que comprou a custo de quatro mil e quinhentos reais. Foi como se Dona Marisa tivesse assaltado os cofres do Banco Central.

Leia também:  Após privatização da companhia de energia, setor produtivo vive pesadelo em Goiás

Empalaram Dona Marisa publicamente porque ela foi ver um triplex de uma cooperativa habitacional que, no final das contas, terminou nem comprando, ou por ter frequentado um sítio dos amigos da família. Esses mesmos empaladores da dignidade e da moral alheias calam-se covardemente em face dos maiores corruptos da República, que hoje estão no governo. Os inocentes que carregam a mansuetude na alma preferem morrer a viver com as canalhices humanas, principalmente quando são vítimas dessas canalhices.

Nestes casos, a morte não é uma perda, uma derrota, mas um triunfo. Em sua morte Dona Marisa triunfou sobre o juiz Moro e seus procuradores que deveriam sentir o gosto dos cadáveres morais em suas bocas como castigo por sua arrogância, pela sua vaidade e pelo seu narcisismo que não se detém na destruição de reputações, não porque há convicções morais mesmo que sem provas, mas porque há a ambição da fama e dos benefícios materiais que ela pode proporcionar. Em sua morte, Dona Marisa triunfou sobre boa parte da mídia que a vilipendiou num massacre inescrupuloso para atingir objetivos políticos e econômicos. Em sua morte Dona Marisa triunfou sobre os médicos e carniceiros em geral que profanaram a sua dignidade quando ela estava no leito da morte.

A politização da morte

Tanto políticos ligados ao governo, quanto políticos ligados ao PT e ao PC do B viram nos encontros, nas solidariedades, nas condolências e nos abraços suscitados pelo desenlace como que um sinal dos céus para que se restabeleça o diálogo no Brasil entre as forças que alimentaram contendas em torno do golpe para uns e do impeachment para outros. “Mais do que nunca o Brasil precisa de diálogo”, proclamaram alguns.

Leia também:  Caso Lulinha: Procurador ataca (de novo) com "não temos provas, mas temos convicção"

Se este governo é fruto de um golpe não pode haver um diálogo pelo diálogo em nome de uma tese abstrata dos chamados “interesses do Brasil” que ninguém sabe quais são. Quando se conversa com um inimigo é preciso estabelecer pré-condições. As pré-condições de conversas com esse governo devem exigir: a) a suspensão da tramitação da reforma da Previdência; b) a suspensão da reforma trabalhista que revoga direitos dos trabalhadores; c) a busca de mecanismos para anular a PEC do teto; d) a garantia de que esse governo, por ilegítimo, não encaminhará nenhuma proposta que represente a supressão de direitos. Estes são os verdadeiros interesses do Brasil porque são os interesses do povo.

Qualquer “diálogo” com esse governo que não tenha os pré-requisitos, não é diálogo, mas capitulação. É uma aceitação tácita de que esse governo é legítimo, o que é inaceitável. Qualquer aceitação de conversas sem pré-requisitos consiste em promover o velho conciliábulo das elites para enganar o povo e fazer com que ele pague o custo da crise, como já está pagando com mais de 12 milhões de desempregados. Qualquer diálogo sem pré-requisitos, o abraço entre Lula e Fernando Henrique foi apenas um abraço pessoal, solidário, necessário, nesses momentos tristes. Ademais, os calços que estes pré-requisitos devem ter não estão nos gabinetes, nas mesas dos palácios, mas nas lutas das ruas.

Aldo Fornazieri – Professor da Escola de Sociologia e Política.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

16 comentários

  1. Lula deveria dizer em

    Lula deveria dizer em público:

    “A todos aqueles que dirigiram seus pensamentos para Mariza e eu nos últimos tempos, agradecemos e desejamos de coração:

    QUE DEUS LHES DÊEM EM DOBRO E PARA SEUS FAMILIARES: PAIS, MÃES, FILHOS, NETOS, TUDO AQUILO QUE PARA NÓS DESEJASTES”

  2. Os golpistas estão dando a

    Os golpistas estão dando a “lição” de que o “ser humano” antes de tudo, deve ser um calhorda. Tudo com verniz de “religiosidade – ético – politico democratica”. 

    Vão se catar, CORJA !

  3. Dona Marisa sofria calada

    “E le foi oprimido e humilhado, mas não abriu a boca; como cordeiro foi levado ao matadouro; e, como ovelha muda perante os seus tosquiadores, ele não abriu a boca”

  4. Sobre esse episódio triste,

    Sobre esse episódio triste, lamentável, da morte de Dona Marisa e as pobres ações de médicos e procuradores em desrespeito completo ao ser humano, um comentário de um amigo, advogado, foi esse: “A gente semeia o que planta. Quem mandou ela mandar os paneleiros ,,,”.

    Não fosse pessoa tão amiga, que considero tanto, o delataria da minha vida, mas preferi calar,

    Veja que o mundo ficou sabendo o que disse Dona Marisa sobre os paneleiros porque ela estava sendo mesmo perseguida, com suas falas gravadas. Qualquer um de nós diria aquilo e mais outras coisas, se não soubesse que no outro dia teria sua conversa íntima divulgada pela imprensa. Foi apenas uma das covardias imensas praticadas contra a família de Lula. 

    Ninguém desejaria ao inimigo passar por uma circusntâncias tão brutais como a que Dona Marisa passou. Acho até que enquanto era apenas o marido a ser perseguido ela aguentou as pontas. Mas, como destacou Aldo Fornaziere, a doença aflorava na medida em que eram seus filhos os mais aviltados, porque ela era, acima de tudo, uma mãe, como todas as mães do mundo. 

    • Um dos motivos pelos quais cancelei todas as minhas redes…

      Um dos motivos pelos quais cancelei todas as minhas redes sociais foi justamente não ter que dar intimidades para parentes e conhecidos com mentes doentias. As redes sociais se transformaram em verdadeiros esgotos a céu aberto. Locais onde qualquer um excreta suas misérias humanas. 

      Foi uma das melhores decisões da minha vida. 

      • Já pensei

        Estou pensando sinceramente nessa possibilidade.

        Por que a avalanche de idiotias supera o mínimo suportável.

        A gente não consegue difundir as mensagens que realmente interessa a grande maioria das pessoas, a não ser trocar figurinhas com aqueles que nós já sabemos que compartilham dos nossos pensamentos.

        Então fica um negócio de conversa em círculo fechado.

        E nós estamos perdendo a batalha.

      • Compartilho o mesmo ponto de vista.

        Caro Wilton Santos,

        Uso o computador e a internet há mais de 20 anos. O que hoje chamam de ‘e-mail’ era chamado pelo equivalente em português, correio eletrônico, já era usado por mim, primeiramente no ambiente corporativo, depois com a difusão da internet, por meio de uma conta pessoal.

        As chamadas redes sociais digitais, cuja febre teve início com o Orkut, jamais me seduziram. Nunca tive conta em nenhuma delas e sempre procurei manter distância de todas elas. Esses aplicativos de bate-papo também não  me seduzem; whatsapp? Não uso e não me faz falta.

        Não sou tão velho assim (sequer chei a 5ª décadad e vida), mas considero os malefícios maiores que os benefícios dessas tais ‘edes sociais digitais’, como o facebook.

        Ivan Lessa também não se deixava levar pelos ‘você tuba’ e ‘livros da face’. 

        Esteja certo de que muitos pensam da mesma forma que você e não entram nessas arenas primitivas.

  5. Tambem acreditamos que o

    Tambem acreditamos que o Brasil está invadido pelo tráfico de drogas. Precisamos de dialogar com os chefões do tráfico para acabar com as drogas que estão devastando a sociedade brasileira. Estamos achando interessante a teoria do diálogo, e elegemos os defensores dessa teoria para serem nosso porta voz… Então aldo, vai lá dialogar com os chefões e pedir para êles pararem com o tráfico. Obs: qualquer semelhança entre chefões do tráfico de drogas com a máfia demotucana peemedebista fomentada pelo chefão fernado henrique cardoso clinton é mera coincidência. 

    • São os próprios

      O grande tráfico, não o merreca dos morros, é um dos braços, ou seria garras, dos tucanos, do PSDB.

      Opus Dei e Al Capone de mãos dadas!

      Há toda uma geopolítica mundial atuando, mas quem deu o golpe e derrubou a Dilma aqui dentro do País foi uma quadrilha, foram bandidos; não tem ideologia, neo-liberalismo, essa conversa mole.

      Uma quadrilha tomou o Brasil de assalto, não é uma questão política portanto, é uma questão, um problema, exclusivamente policial. 

      • 1.000% APOIADO!!! ESTAMOS DE

        1.000% APOIADO!!! ESTAMOS DE SACO CHEIO DA INOPERÂNCIA DAS FORÇAS MILITARES / POLICIAIS / JUDICIAIS, QUE ALEM DE PARTICIPAREM DO ESQUEMA, EMPURRAM O PROBLEMA PARA O POVO!!! ABAIXO ESSES DITADORES PICARETAS MAFIOSOS!!!

  6. ótimo artigo.
    o povo é a

    ótimo artigo.

    o povo é a chave em todas sociedades, educação é o processo fundamental e nele tem q haver o dialogo – o debate entre todos. nesse se consolida o entendimento, se apresenta argumentos e se concorda sobre o plano a ser adotado.

    o plano está posto e aprovado desde 2014: a presidente permanece eleita, 4a vez seguida do mesmo partido devido sucesso de suas medidas e desenovlimento alcançado com elas.

    o erro já foi identificado: impeacheament sem ter havido crime.

    o processo de correção necessário passa pelo dialogo e apresentação das evidências – não adjetivos nem convicções pessoais.

    a conclusão aponta para onde vamos: corririr nosso erros.

    BRASIL, re-DILMA-se!

  7. Concordo com Miola que

    Concordo com Fornazieri que escrever qualquer coisa sobre os absurdos que cercaram a agonia e morte de D. Marisa é arriscado nesse momento. Na linha de raciocínio dele, para o diálogo franco e respeitoso com o conjunto dos profissionais de saúde brasileiros, caberia pedir aos conselheiros de classes, regionais e federais, que apresentassem renúncia coletiva, para convocarem novas eleições para os conselhos e iniciar da estaca zero a elaboração de novos códigos de ética profissionais. O ódio e o desejo de vingança não podem triunfar sobre a vida humana.

  8. Seu lindo texto sobre a inocência de D. Mariza.

    Professor, achei seu texto maravilhoso, mas achei o termo empalar um tanto forte, considerando ser uma condenação terrível, ter uma estaca enfiada no ânus, e D. Mariza não foi exposta em nada parecido, resguardada a sua intimidade física. Pelo menos isso. Uma vez questionado o termo, parabenizo-o por sua não omissão, e pelo texto brilhante. Abraço. ML

  9. A palavra caçado está grafada
    A palavra caçado está grafada incorretamente. Talvez o computador tenha dado uma rasteira em você. Se não, é cassado mesmo. Melhor ainda, cassados. Ou não?

  10. Quiseram retirar sua dignidade

    Dona Marisa, em conversa privada, estava certa: esses paneleiros – o populacho que amplia e endossa as demandas da elite – vão levar no traseiro aquilo que tanto foi motivo de suas gritarias histéricas.

  11. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome