Le Monde: Jair Bolsonaro acredita que “podemos perdoar” o Holocausto

'Episódio contribui para uma controvérsia anterior que começou logo após a visita de Jair Bolsonaro ao Muro das Lamentações, quando presidente apoiou que nazismo é de esquerda', pontua a publicação francesa

Presidente Jair Bolsonaro. Foto: Zeca Ribeiro / Agência Câmara dos Deputados

Do Le Monde 

Por Claire Gatinois

As palavras do presidente brasileiro provocaram a ira de Israel, país do qual ele afirma estar mais próximo.

Tentando justificar o injustificável, seus parentes evocam a impulsividade do presidente, outros falam mais cruelmente de sua ignorância. Sábado, 13 de abril, Jair Bolsonaro lutou, sem sucesso, para extinguir uma nova controvérsia provocada por seu discurso irrompido e inconsistente. Depois de atacar homossexuais, mulheres, negros, depois de elogiar os torturadores e elogiar a ditadura militar (1964-1985), o ex-capitão do exército escorregou sobre o Holocausto. O chefe de Estado brasileiro afirmou na quinta-feira, diante de uma audiência de pastores evangélicos, que “poderíamos perdoar, mas não esquecer” o Holocausto.

A conversa provocou a ira de Israel, país do qual Jair Bolsonaro afirma estar mais próximo. “Nós sempre nos oporemos àqueles que negam a verdade ou querem apagar nossa memória, sejam indivíduos, grupos, líderes partidários ou primeiros-ministros”, respondeu no sábado pelo Twitter, o presidente da Estado hebreu, Rouven Rivlin. Acrescentando: “O povo judeu sempre lutará contra o anti-semitismo e a xenofobia. Os líderes políticos devem desenhar o futuro. Historiadores descrevem o passado (…). Nenhum deles deve se desviar para o território do outro. O centro do Yad Vashem, dedicado à memória dos seis milhões de vítimas do Holocausto, também falou de seu desacordo com o presidente brasileiro.

Más intenções de seus inimigos

Confuso e espantado com a excitação causada por sua derrapagem, Jair Bolsonaro separou no sábado uma carta dirigida ao povo judeu. Em sua mensagem, o líder da extrema-direita brasileira lembra a palavra que havia deixado no livro do memorial do Holocausto durante sua visita a Jerusalém no início de abril: “Quem esquece seu passado está condenado a não ter futuro. O chefe de Estado também confessa que “perdão é algo pessoal”. Mas longe de se desculpar, ele se limpa, atribuindo problemas às chamadas más intenções vindas de seus inimigos, “aqueles que querem se afastar de meus amigos judeus”, escreve ele.

Leia também:  Allende sacrificou a vida, Lula a liberdade, por Francisco Celso Calmon

O episódio contribui para uma controvérsia anterior que começou logo após a visita de Jair Bolsonaro ao Muro das Lamentações. O presidente então apoiou seu ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araujo, dizendo que ele “não tinha dúvidas” de que “o nazismo é de esquerda”.

“Jair Bolsonaro é um presidente impulsivo e incontrolável. Com essa conversa provavelmente não planejada sobre o Holocausto, ele demonstra mais uma vez que não tem noção ou compreensão de fatos históricos capazes de provocar crises diplomáticas. Isso é preocupante e perigoso para as relações entre o Brasil e o resto do mundo “, disse Oliver Stuenkel, professor de relações internacionais da Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo, temendo que o presidente brasileiro seja gradualmente considerado um aliado ” tóxico” para as democracias ocidentais.

Claire Gatinois (São Paulo, Correspondente)

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome