MPF: 10 pontos que comprovam omissão do governo no derramamento de óleo no Nordeste

Após 60 dias, Plano Nacional de Contingenciamento, criado em 2013 por decreto, ainda não foi acionado

Segundo o Ibama, manchas de óleo já chegaram a 249 localidades do Nordeste / (Foto: Salve Maracaípe/Fotos Públicas)

Brasil de Fato

MPF: 10 pontos que comprovam omissão do governo no derramamento de óleo no Nordeste

O Ministério Público Federal (MPF) apresentou recurso ao Tribunal Federal da 5ª Região (TRF-5) na segunda feira (28), para pressionar o governo Bolsonaro a adotar o Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo (PNC). Na primeira instância judicial, o pedido foi negado após o governo alegar que já estaria cumprindo as medidas.

No recurso, o MPF lista dez pontos que provam que o Plano que o governo estaria mentindo. O Plano de Contingenciamento, criado por decreto presidencial em 2013, no governo Dilma Rousseff (PT), apresenta em detalhes os procedimentos a serem adotados em casos de acidentes como o que atinge todo o litoral nordestino desde o final de agosto.

No entendimento do órgão, ao dizer que o PNC está em funcionamento “com as devidas adaptações necessárias”, o governo descumpre as regras normativas, pois “escolhe o que fazer, não o que determina a legislação”.

O recurso reforça os pedidos para que o Plano seja acionado em 24 horas, sob pena de multa diária de R$ 1 milhão.

Ainda segundo a ação, é necessário que seja reconhecida formalmente a “significância nacional do desastre ambiental”, o que, na visão do MPF, ainda não ocorreu.

A inexistência de reuniões do Comitê de Suporte do PNC, que abrange diversos ministérios e institutos como Ibama, ICMBio e Agência Nacional de Águas, assim como a não participação de representantes de cada órgão ambiental dos 9 estados da região, são elencados pelo Ministério Público como evidências do não acionamento do plano de contingência.

A ação discorre ainda sobre outros aspectos que não estão sendo cumpridos. Entre eles, garantir, em ordem de prioridade, a segurança da vida humana, a proteção do meio ambiente e a integridade das propriedades e instalações atingidas pela descarga de óleo; assegurar o apoio logístico e as condições de trabalhos adequadas para as pessoas envolvidas com ações de limpeza ambiental; realizar o resgate da fauna por indivíduos capacitados e especializados e  adequação da coleta e do armazenamento dos resíduos gerados no incidente.

Leia também:  Salles nomeia empresário sem experiência para comandar Ibama em SC

Também estão previstas no PNC ações de comunicação social e institucional que assegurem a transparência das ações com registro de comunicação ao poluidor, às autoridades, às comunidades envolvidas e ao público em geral sobre o andamento das operações. Na avaliação do MPF, as iniciativas não estão sendo realizadas.

Para o órgão, o governo também tem ignorado instrumentos previstos no plano, fruto de estudos interdisciplinares “absolutamente relevantes” para combater o desastre ambiental, a exemplo da Carta de Sensibilidade ao Óleo, assim como o Mapeamento de Sensibilidade Ambiental ao Óleo da Zona Costeira e Marinha.

“O que se quer é que os regramentos existentes sejam cumpridos. As diretrizes estão nas leis e regulamentos. Não podem surgir dos ocasionais detentores do poder. Assim é que deve ser o Estado Democrático de Direito. Essa é a República Federativa do Brasil. A normatividade precisa ser restabelecida, sobretudo quando se trata de um grave desastre ambiental e cujo principal texto normativo, que é o Plano Nacional de Contingência, foi elaborado, anos a fio, de modo a garantir, em situações como a atual, o emprego das melhores técnicas e de tudo que a ciência, inclusive como prevenção e precaução, produziu e produz para dar a melhor resposta possível”, afirma o Ministério Público na ação.

De forma enfática, o recurso alega que o governo não tem utilizado o emprego das técnicas adequadas para proteção de áreas sensíveis e vulneráveis, além da não utilização do Mapeamento Ambiental para Resposta à Emergência do Mar (Marem).

De acordo com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), as manchas de óleo já chegaram a 249 localidades do Nordeste, incluindo 14 unidades de conservação localizadas em 92 municípios ao longo de 2.500 quilômetros da costa.

Além do recurso do MPF, uma comissão externa também deve ser instalada na Câmara dos Deputados nesta semana com o objetivo de propor medidas para minimizar os impactos do derramamento de óleo nas praias nordestinas e identificar as causas da tragédia ambiental. O requerimento foi apresentado pelo deputado João Daniel (PT-SE) na semana passada.

Leia também:  São Paulo multará cidadão sem máscara em R$ 500, em todo o Estado

Edição: João Paulo Soares

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. É um absurdo o ponto em que chegamos de insurgência contra todas as medidas legais que esse governo tem realizado, vai de encontro a ciência, aos meios técnicos que dispomos, e que são extremamente competentes, falta entendimento do que é uma República Federativa, é muita irresponsabilidade junta de uma vez só, é desumano a negligência frente ao povo e ao meio ambiente deste país.

  2. A conclusão parece simples: este (des)governo sabe a origem e td leva a crer em vazamento num poço. Contudo, por ser um governo de amadores e incompetentes voltados apenas para fofocas, ideologias e fundamentalismo religioso, não têm a minima noção do que precisa ser feito para resolver esta crise.

  3. O que me ocorreu sobre essa tragédia absurda e criminosa. O petroleo é venezuelana mas estava sendo transportado por um ou mais navios clandestinos, só que, foi comprado por alguma das grandes multinacionais da indústria petrolífera. Porque utilizaram esse tipo de embarcação? Porque a compra foi feita clandestinamente provavelmente a um preço de barril aviltante, uma vez que a Venezuela sofre embargo dos EUA,ao mesmo tempo se alguma empresa negociar com a Venezuela também sofrerá sanções. Assim a opção pela clandestinidade e pela transferência em alto mar de uma navio para outro e é claro que os riscos ambientais pouco importam uma vez que não há registros dessa operação e muito provávelmente nossas autoridades foram avisadas para não investigarem a origem assim que o óleo apareceu nas praias. Teoria da conspiração? Vc acha?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome