Andersen, nestas horas do Brasil, por Urariano Mota

Então é por estas linhas tortas que lembro o imortal Hans Christian Andersen, o escritor máximo de todas as infâncias. 

Andersen, nestas horas do Brasil

por Urariano Mota

Certa vez, o Barão de Itararé publicou este pensamento genial:

“Houve um tempo em que os animais falavam. Hoje, no Brasil, eles até escrevem”

 Notem o quanto o Barão era profético. Pois na presidência do Brasil, no começo do ano um asno, ou no começo do asno um ano escreveu: 

“Você lembra como eram os livros p/ nossos filhos em governos anteriores? Carregados de ideologias, ofendiam as famílias, atentavam contra a inocência das crianças. Isso mudou. Estamos ensinando o correto, aquilo que os pais sempre desejaram para seus filhos” 

Então é por estas linhas tortas que lembro o imortal Hans Christian Andersen, o escritor máximo de todas as infâncias. 

O mundo civilizado comemorou no último 2 de abril o nascimento do escritor Andersen.  Ele é um caso raro do escritor que ao escrever para crianças com mais gosto é lido por adultos. 

Olhem, por exemplo, o maravilhoso conto A pequena vendedora de fósforos. Aquela trajetória da pequena menina que sai a vender fósforos em uma véspera de Ano Bom, nas ruas geladas de uma cidade, que vislumbra pelo vidro da janela a ceia posta na casa burguesa, e com profunda fome fica encantada e nos encanta, seria uma coisa que nas mãos de um falso artista daria uma cena piegas. Mas não nas de Andersen. A fome e o lar, doce lar, vemos, nas suas linhas. Ah os perus rosados, pingues, da noite de Ano, ah as tortas fresquinhas, deliciosas, da calma e pacífica e confortável vida burguesa dos lares que se fecham egoístas à dor em volta, toda essa felicidade, esse calor da lareira que vemos pelos olhinhos da menina, nos chegam como uma repulsa, como um cancro, como um fel, dos lares que rejeitamos com todas nossas forças. 

Então Andersen vai mais longe e nos fere mais dentro do coração. Se o artista é o criador de imagens que são o próprio domínio do divino, Andersen é um destes. Ele faz então a menina virar uma estrela – que coisa sublime!, uma estrela no céu escuro, em que se torna, ao cair morta de fome. Enregelada, a pequena vendedora sobe “em um halo de luz e de alegria, mais alto, e mais alto, e mais longe… longe da Terra, para um lugar, lá em cima, onde não há mais frio, nem fome, nem sede, nem dor, nem medo”. Esse é um conto que por várias vezes tentei ler em voz alta em aulas de português para adolescentes pobres, e por mais de uma vez não consegui. A voz não me saía, embargava, quando chegava ao trecho da menininha sem vida que vira estrela. Eu não conseguia vencer o conflito entre chorar e lhes gritar: “Se não mudarmos este mundo, nada mais tem sentido. Vamos ser assaltantes, vamos roubar e matar”. Mas, covarde, para não me mostrar o fraco que sou, e para não ser incurso no Código Penal, apenas lhes dizia: 

– Mudemos de página. 

E me virava para o quadro. Mas a menina havia virado uma estrela, eu sabia, e por isso o branco da lousa estava embaciado, ainda que não fosse de vidro como a janela por onde olhava a pequena vendedora de fósforos. 

Este é o Andersen do qual não conseguimos falar sem paixão. O criador de imagens extraordinárias, delicado até a sutileza, até o perfume da poesia rara. Uma crônica bem escrita sobre ele iria do Soldadinho de Chumbo ao Patinho Feio. Da Pequena Sereia à Roupa Nova do Imperador. Ele é o outro nome com que chamamos um homem de revolta mais que moderna, porque eterna. Um criador de humanidade, porque da humanidade. O filho mais ilustre da Dinamarca, porque um dos irmãos mais ilustres de todos os povos. O homem a quem a sociedade hipócrita deixa na segura estante dos autores infantis. Mas que, à maneira de sorrir, de falar da fantasia, dos animais, dos seres inanimados, dos lugares distantes, nos fere como os melhores autores adultos. Não tanto por ser um autor agressivo. Mas porque nos fere e nos morde pela verdade que conta. 

Se usássemos do mesmo tom que se usa em discursos de homenagem,  diríamos: Hans Christian Andersen, como se fosse insuficiente a tua humanidade de amor pelos rejeitados, de dar voz e afeto a qualquer objeto físico, tu nos deixas a luz da existência da dor no mundo da fantasia. E de passagem, no teu halo de face triste, como se fosse um brilho inocente, a lição de que a criança não é um homem bobo. Ela é um homem em permanente descoberta, um ser que escuta o preconceito, antes de ela própria ser atingida pelo preconceito, tu nos contas, em palavras de narração viva. Não fosses o escritor que és, com muita felicidade serias um educador de meninos de todas as idades, deveríamos dizer. 

E num acréscimo: enquanto houver pequenas vendedoras de fósforos que viram estrelas no céu escuro; enquanto houver soldadinhos de chumbo que amam dançarinas de papelão; enquanto houver figurinhas de porcelana que se apaixonam e vivem até o dia em que se desfazem em cacos; enquanto houver bonequinhos que ardem abraçados no fogo da lareira, tu és, Andersen, o patinho feio mais bonito, até mesmo nestas horas do Brasil.

*Vermelho https://vermelho.org.br/coluna/andersen-nestas-horas-do-brasil/

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Quem mente?, por Rui Daher

1 comentário

  1. O que caminha mais rápido?
    A FIFA demorou 115 anos para chegar a 211 países
    A ONU em um século chega ao número de 193 estado membros
    O COI com seus 125 anos tem 105 países como membros ativos
    O coronavírus em apenas 3 meses, só faltam 19 países para que todos do planeta tenham registros.

    Mas o que parece ser mais rápido que o coronavírus, já vem atuante no mundo. É a epidemia do ódio que tem largo alcance em nosso meio. A raiva pelo oposto e ao que ele representa é capaz de cegar a pessoa e endurecer o coração e sequestrar a razão.
    Matéria do Mauro Donato para o DCM mostra como o caso do até então mais jovem brasileiro a ter morte confirmada por covid-19, já indica a velocidade da agressividade.
    Pois, após o caso ter tido notoriedade pela mídia, descobriram que o pai do jovem faz algumas semanas estava postando em suas redes sociais o discurso do presidente que é contra as medidas protetivas ao alastramento da epidemia, ridicularizando os panelaços e até chacotas com a morte da vereadora carioca, Marielle Franco. Foi o suficiente para de imediato seu feed receber as fortes e agressivas mensagens do tipo:
    – “Você matou o seu filho”.
    – “A gripezinha levou o seu filho, gado. Põe na conta do seu ‘presijegue’ essa morte”

    Parece aquelas rixas sem fim, como uma famosa entre três famílias do Nordeste onde já morreram algumas dezenas de pessoas. Às vezes aquieta, mas nunca para.

    https://www.diariodocentrodomundo.com.br/o-que-a-morte-por-corona-do-filho-de-um-bolsonarista-revela-sobre-o-clima-de-odio-atual-por-donato/

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome