O “Gordo” e a “Portuguesa”, por Rui Daher

Muito mais do que os cargos no governo e na política, o professor Delfim deve ser reconhecido como economista e intelectual.

Reuters

O “Gordo” e a “Portuguesa”, por Rui Daher

Na edição do “Valor”, de 12 de março, terceiro ano do mandato de RIP, Regente Insano Primeiro, o ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura, em diversos períodos entre 1967 e 1985, Antônio Delfim Netto, concedeu entrevista à jornalista Claudia Safatle.

Muito mais do que os cargos no governo e na política, o professor Delfim deve ser reconhecido como economista e intelectual.  

Ressalto três observações do entrevistado:

  1. Lula será o próximo presidente do Brasil.

“Amadureceu dramaticamente e, talvez, para mais ninguém esse longo tempo na prisão tenha sido tão produtivo”.

  • Votaria nele outra vez.

“Sem dúvida, dado o quadro [atual], votaria nele de novo”.

Quando o fez, em 2002, confessa ter sido por motivos equivocados. Esperava tão desastrosa a gestão “que nunca mais o PT voltaria ao Poder”.

  • O discurso [pós-Fachin] revelou um orador brilhante.

“Ideia clara sobre o país que queremos, democrático, vigoroso e mais igualitário”.

Delfim nasceu em 1 de maio de 1928. Logo o “Gordo” irá completar 93 anos. Por que assim, galhofeiramente, tomo a liberdade de me referir ao professor? Para lembrar seus brilhantes debates com a também economista e professora Maria da Conceição Tavares, que no próximo 24 de abril completará 91 anos.

Delfim a tratava de a “Portuguesa”.

Durante esse quase um século de vida desses gênios da raça, o país sofreu rupturas no estado democrático e de direito. Nem sempre pode estabelecer crescimento econômico com inserção social. Temos os piores índices do planeta.

Mas fora da atualidade negacionista e terraplanistas de um país em que salta, diariamente aos nossos olhos, o ilusionismo imposto à “boiada”, prefiro o tempo em que o “Gordo” e a “Portuguesa”, nos davam meios de reflexão.

Espero eles dois vacinados. Eu irei a partir de segunda-feira.

Inté!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora