Poesia ou o amor escorrendo em palavras, por Mariana Nassif

Poesia ou o amor escorrendo em palavras, por Mariana Nassif

…pronome pessoal do caso reto.

…união de eu e você.

…laços que se misturam, se cruzam, se atam.

É assim, com a língua portuguesa como apoio, que começo a pensar devaneios sobre este presente por escrito.

Pessoal, intransferível, predicados desconhecidos e irreconhecíveis permeiam algum lugar do meu corpo que não é físico, e de tão abstrato chego a duvidar destas sensações que me provocam estar perto de nós. A dúvida então vira beijo, e o beijo transforma em abraço o que eu quero que a gente entenda e nossos olhos se encontram numa intimidade tamanha que o sorriso é conseqüência natural.
Sorriso. É muito nosso o meu sorriso, e quando a gente retribui o carinho de algo tão simples e intenso o mundo pára. Piegas, o amor é piegas – como eu não seria? Meu mundo pára, e trocaria todas as palavras do mundo por nós pra definir o que anda acontecendo, porquê estão todos os outros a dizer que meus olhos, tão seus, transbordam felicidade, e outros tantos arriscam o palpite de ter recuperado minha infância na alma. Acerto os ponteiros e redescubro a troca, o cuidado, a lágrima de saudade e a não avaliação nua e crua dos fatos, mas as entrelinhas. As nossas frestinhas.

É indecente o que nós temos: simples, complexo, completo, interrogações, sempre faltando alguma coisa, vontade de que vá embora só para ver chegar. Indecente de tão puro. Nós não precisamos de definição, embora encontre grande graça em explicar o que é que existe entre nossos laços, e de repente parar, olhar pra um lugar qualquer do espaço e sacar que palavra é pouco pra esse tanto da gente.

Hoje, e sempre, todo aquele sempre que temos por aí, os verbos, sujeitos e predicados estão à espera de nós, juntos no nosso agora. Vai comigo?

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

4 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

MAAR

- 2018-07-21 19:07:06

AMO LOGO EXISTO

Já disse o saudoso poeta que ‘Amar Se Aprende Amando’ e, de fato, o amor é exercício de aprendizado incessante. Amar é virtude que enleva a alma e eleva o espírito. Para quem tem sensibilidade, o amor é a razão maior da existência.

P.S.: Segue poeminha sobre o tema, que escrevi há muitas luas.

 

AMO LOGO EXISTO

 

Viver e amar, é o misto

Da vida que vivo e que assisto.

Bastante daquilo, e mais disto...

Se quero alcançar, não desisto.

Revejo o que eu tenho visto.

Preservo, alimento, persisto.

Venturas, vitórias, conquisto...

Viver é amar, creio nisto...

Pois amo este amar, logo existo.

Fábio de Oliveira Ribeiro

- 2018-07-21 13:41:14

Indecência é a completude

Indecência é a completude divina. Ser incompleto é o que impele cada um de nós a buscar em outra pessoa os pedaços que faltam.  Os que continuarem faltando seremos obrigados a procurar e procurar e procurar...

joel lima

- 2018-07-21 13:02:25

Você – é pessoa de primeira,

Você – é pessoa de primeira, singular,

Andrógina, ora passiva, ora ativa, dando nós

Em minha primeira pessoa do singular:

Atar egos deixa – nus cegos e fora de nós!

Você – é direto objeto do desejo sem nome!

Pelos seus predicados a Você estou sujeito!

Você – é maiúscula, o mais belo dos nomes:

Unir num som só Vós com cê é o seu feito!         

Você – é senhor(a) dos seus e, contra a atual lei, dos teus:

Ora vem ficando só na sua, ora vem aprontando das tuas!

Você terá o destino de Vós: o de não ter mais voz nas ruas?

Por temor e tremor, nun se chama de Você o nosso Deus!

Mesmo estando nest’instante a palavra  com Você,

Mesmo a[ ]mando [de] Você, nunca vou ser – Você!

 

Odonir Oliveira

- 2018-07-21 11:52:34

A gramática do lirismo

Vi isso em você nos longes.

Belo texto.

Abraço da Odonir

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador