Bolsonaro corta orçamento ambiental após promessas na Cúpula do Clima, denuncia The Guardian

Falando na quinta-feira na cúpula organizada pelo presidente dos EUA Joe Biden, Bolsonaro prometeu dobrar o orçamento para fiscalização ambiental e acabar com o desmatamento ilegal até 2030

Gado pastando em terras recentemente queimadas e desmatadas por fazendeiros próximos a Novo Progresso, no estado do Pará, Brasil Foto: André Penner / AP

The Guardian

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro , aprovou um corte de 24% no orçamento ambiental para 2021 em relação ao nível do ano anterior, apenas um dia depois de prometer aumentar os gastos para combater o desmatamento.

Falando na quinta-feira na cúpula organizada pelo presidente dos EUA Joe Biden, Bolsonaro prometeu dobrar o orçamento para fiscalização ambiental e acabar com o desmatamento ilegal até 2030.

O governo dos Estados Unidos aplaudiu essas metas, parte de uma mudança de tom do líder brasileiro de extrema direita, embora muitos ambientalistas tenham dito que não levariam a retórica a sério antes de ver um progresso real.

Menos de 24 horas depois, Bolsonaro aprovou o orçamento federal de 2021 que incluía 2 bilhões de reais (US $ 365,30 milhões) para o ministério do meio ambiente e agências que supervisiona, abaixo dos 2,6 bilhões inicialmente aprovados para 2020, de acordo com o diário oficial do governo. Os gastos podem ser ajustados ao longo do ano.

“O gesto de fazer um discurso ontem não é suficiente”, disse o deputado Rodrigo Agostinho, líder da bancada ambiental no congresso. “O governo brasileiro precisa fazer o dever de casa.”

Bolsonaro vetou uma lista de provisões de orçamento ambiental no valor de 240 milhões de reais, incluindo despesas para fiscalização ambiental.

O gabinete de Bolsonaro dirigiu perguntas ao ministério da economia. O ministério disse que o orçamento do meio ambiente agora está em linha com o que o presidente propôs originalmente e que os vetos neutralizaram os aumentos de gastos aprovados pelo Congresso.

Na noite de sexta-feira, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, postou nas redes sociais um pedido dirigido ao Ministério da Economia no valor de 270 milhões de reais em recursos adicionais ao Ibama e ao serviço de parques ICMBio.

Um orçamento detalhado listando as despesas individuais ainda não foi divulgado, então não estava claro quanto é reservado para a fiscalização ambiental. Uma análise dos vetos de Bolsonaro listou 11,6 milhões de reais sendo cortados do orçamento de fiscalização do Ibama.

Depois de anos de orçamentos cada vez mais apertados, os últimos cortes ameaçaram paralisar completamente os órgãos ambientais, disse Agostinho.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora