O voto impresso merece atenção, por Luis Felipe Miguel

A agitação que o bolsonarismo promove tem eficácia porque, de fato, o sistema de votação eletrônica é completamente opaco para o cidadão comum. Nós simplesmente confiamos nos especialistas.

(José Cruz/Agência Brasil)

O voto impresso merece atenção, por Luis Felipe Miguel

Há que separar a discussão sobre o voto impresso da agitação bolsonarista em torno do voto impresso.

O que Bolsonaro e Bia Kicis estão fazendo é – transparentemente – criar tumulto. Serve para alimentar a lenda de que Bolsonaro é a voz da imensa maioria do povo brasileiro e inimigo nº 1 da velha política, por isso as eleições de 2018 teriam sido fraudadas contra ele.

O fato de que ele ganhou as eleições – e o fato de que a fraude institucional que então ocorreu foi no sentido de beneficiá-lo? Bom, são só fatos. E fatos, como todos sabemos, nada importam para Bolsonaro e sua base.

Mais importante ainda, a agitação sobre o voto impresso serve para lançar uma sombra sobre as eleições do ano que vem, permitindo ao bolsonarismo contestar uma derrota hoje bastante provável, justificar uma tentativa de golpe e trabalhar para inviabilizar o próximo governo.

Justamente por isso, Kicis bate pé que o voto impresso tem que estar 100% implementado antes das eleições, o que mesmo ela sabe que é absolutamente inviável.

Tudo isto é verdade. Assim como é verdade que nunca houve suspeitas sérias de fraude em relação às urnas eletrônicas brasileiras.

E é verdade, sobretudo, que as maiores ameaças à lisura do processo eleitoral vêm de outros lugares: as pressões dos militares, a violência das milícias, a violência de outro tipo das igrejas, a parcialidade e a covardia do Judiciário, a manipulação da informação pela mídia, as redes de fake news, o poder do dinheiro.

Ainda assim, o voto impresso merece atenção.

Lembrando, em primeiro lugar, que voto impresso não é – ao contrário do que às vezes se tenta insinuar – a volta do velho voto manual, ele sim tão propício a fraudes de todo o tipo.

O voto impresso é o voto eletrônico em que a opção do eleitor é registrada em papel, de maneira que ele possa confirmar que está correto. Depois, a cédula em papel é depositada na urna, automaticamente ou pelo próprio eleitor, permitindo eventual aferição do resultado.

Clique na imagem para ser redirecionado(a) ao CATARSE do GGN

São duas, portanto, as vantagens.

A primeira é que dá mais segurança ao processo aos olhos dos próprios eleitores.

A agitação que o bolsonarismo promove tem eficácia porque, de fato, o sistema de votação eletrônica é completamente opaco para o cidadão comum. Nós simplesmente confiamos nos especialistas.

Mas não podemos esquecer: vivemos um período de desconfiança crescente na palavra de especialistas.

Se queremos reconstruir a democracia eleitoral no Brasil, é importante garantir que as pessoas tenham segurança quanto ao funcionamento de seu mecanismo central, que é o processo de escolha dos governantes. Se o voto impresso ajuda nisso, então já tem um ponto positivo.

A segunda vantagem é a possibilidade de recontagem.

Não existe nenhum motivo para acreditar que os mesmos grupos que fazem de tudo para desvirtuar a expressão da vontade eleitoral por outros meios teriam algum pudor de fraudar a contabilização dos votos.

Não tinham esse pudor na época do voto manual – por que teriam agora?

Também não existe nenhum motivo para acreditar que o Tribunal Superior Eleitoral é inexpugnável, imune a erros ou mesmo bem intencionado.

As eleições de 2018 foram presididas primeiro por Fux, depois por Weber – lembram?

Uma vez que, por definição, a discrepância entre a totalização eletrônica e os votos impressos tem que ser igual a zero, a recontagem de uma pequena fração de urnas escolhidas aleatoriamente garantiria a lisura do processo.

A agitação bolsonarista tem sentido golpista. Mas a implantação gradual do voto impresso é uma medida que merece ser considerada com seriedade.

Este artigo não expressa necessariamente a opinião do Jornal GGN

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. Pior do que o voto eletronico, mas responsavel por ele e a justica eleitoral, essa jabuticaba paquidermica brasileira.

    A justica eleitoral nao apenas supervisiona as eleicoes. Ela controla candidatos e partidos, mas principalmente, controla os votos. Ela projeta, especifica, fabrica, contrata, transporta, opera, grava e copia os arquivos nas maquinas produzidas por ela e, finalmente, avalia e julga o proprio desempenho.

    Se admitir que houve erro ou fraude estara confessando e produzindo prova contra si propria.

    Evidentemente um conflito de interesses dessa envergadura, nas maos de nossos doutos magnanimos e iluministas supremo ministros como Rosa Weber, Carminha, Fuz, Barroso, Fachin, Kassio Conka sempre foi e continuara sendo uma ameaca a justica e a democracia.

    Essa e a maior de todas as fraudes e suspeito que ela seja a grande responsavel por tudo que estamos vivendo. Basta apurar, recontar e auditar. Tudo que a urna eletronica brasileira nao permite. Cui bono?

  2. “O voto impresso é o voto eletrônico em que a opção do eleitor é registrada em papel, de maneira que ele possa confirmar que está correto”

    Pergunto: se o eleitor disser que a opção que ele digitou não bate com a impressa, vai fazer o quê? Interditar a urna? Trocar e chamar todo mundo para votar novamente?

    Nem falo de fraude, mas dada a indigência mental do brasileiro, coisas pitorescas acontecem… https://www.otempo.com.br/hotsites/eleições-2018/eleitor-de-bh-nao-consegue-votar-em-flavio-bolsonaro-e-vai-a-pm-1.2052582

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome