Ronaldinho, o que somou Pelé e Garrincha

Enfim, um jogador com a arte de Pelé e com a doce ingenuidade de Garrincha.

Com esses meus olhos cansados, vi Pelé jogar, vi Garrincha e Canhoteiro, vi Gerson e Pedro Rocha, me encantei com Zico e Reinaldo, com Bené (do qual poucos se lembram) e Careca, com Romário e Pagão, Ronaldo e Rivaldo.

Mas posso garantir que, igual a Ronaldinho, só vi Pelé.

Tempos atrás publiquei um artigo ousando apontar Ronaldinho como o maior jogador pós-Pelé e fui bastante questionado. Agora, à medida que se espalham os vídeos do YouTube com suas jogadas, há uma unanimidade – entre os grandes jogadores de futebol – de considerá-lo um dos maiores.

Diria que só não foi maior que Pelé pela longevidade do rei, seus cuidados com a forma física, em contraposição ao comportamento farrista de Ronaldinho. Mas nos 3 ou 4 anos de seu auge, acho até que superou Pelé.

Tinha tudo. Como Pelé, tinha uma forma física invejável, capaz de grandes piques em campo. Tinha uma visão de jogo de 360 graus. Como Pelé, era capaz de dar passes para um lado enquanto olhava para outro, de usar as costas para tabelinhas, de usar todo o repertório do futebol, de conseguir se equilibrar depois de uma sucessão de trancos de adversários, bater faltas magistralmente.

Enfim, um jogador com a arte de Pelé e com a doce ingenuidade de Garrincha.

É só avaliar o que dizem dele seus colegas e competidores. Romário, o maior ego do futebol brasileiro, foi confrontado com todos os grandes nomes do futebol de sua época: Romário ou Zidane? Romário ou Messi? Romário ou Ronaldo? O único que ele admitiu ser melhor foi Ronaldinho.

Luis Nassif

9 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Bom dia,pessoal!!
    Pra mim,
    Um dos maiores jogadores que já vi jogar.
    É um jogador quase perfeito a maior parte das coisas que fazia dentro do futebol dava certo, ele já nasceu com a arte que Deus lhe deu, magnífico, faz coisas com a bola que nunca vi ninguém fazer até hoje e não vai existir.
    Tem uma visão panorâmica do que está a seu redor,um amigo até fala comigo que Messi é mais objetivo.
    Não acho Messi aprendeu com Ronaldinho,meu ídolo já barra ele porque sabe jogar com as duas pernas e de tanto vê lo jogar no Barcelona desenvolveu mais seu futebol.
    O Messi já conquistou muita coisa dentro do futebol e Ronaldinho também.
    Não tenho mais palavras pra classificar um gênio da bola, que se chama;
    Ronaldinho Gaúcho.
    Grato a ele por tantas emoções!
    Que Deus abençoe a ele e sua Família.
    Deus é contigo!!

  2. Prezado Nassif, dos que você citou só não vi Garrincha e Canhoteiro, os outros, tive o prazer de assistir ao vivo no Maracanã. Uma crônica que escrevi sobre Reinaldo,o rei eterno do Galo (agora com a companhia ilustre do gênio Ronaldinho Gaúcho) você alçou a post há alguns anos. Nela eu narrava que, flamenguista “roxo”, confessava que quando o Galo enfrentava o Flamengo, eu não ia ao Maracanã ver Zico, Júnior, Adílio e Leandro: eu ia assistir meu ídolo-mor: Reinaldo! O único jogador que me trouxe a mesma alegria, o mesmo prazer – no grau de intensidade – que Reinaldo me proporcionava foi esse gênio absoluto que você homenageia no seu artigo: Ronaldinho, “o bruxo” ou “o mago”, epítetos que lhe caem à perfeição.
    Por coincidência, antes de ler seu artigo eu estava pensando exatamente sobre essa questão ao ver alguns dos lances inacreditáveis de Ronaldinho: “Terá ele, no quesito habilidade e capacidade de faze o que quiser com a bola, sido maior do que Pelé?” E minha mente gritou um “sim” muito convicto para essa pergunta.
    Explico o que concluí exatamente: Pelé foi maior do que Ronaldinho como jogador de futebol? Sim, e não há paradoxos insolúveis nessa afirmação. Pelé foi completo, Ronaldinho não. Pelé era um “selvagem” em relação à competitividade, visava os gols e as vitórias. Ronaldinho, acredito eu, mal pensava em um e outro ao entrar em campo, se compararmos tais intentos com seu objetivo maior: ser aquilo que é chamado até hoje: mago, bruxo, fazedor de coisas impossíveis e inacreditáveis, etc. etc. Ouso dizer que nem Pelé, sim, nem o maior de todos os tempos, alcançou a dimensão de MAGIA, técnica absoluta de fazer com a bola literalmente o que quisesse e bem entendesse, como Ronaldinho.
    Nossa imprensa esportiva atual (últimas décadas talvez) com raras exceções, tem se mostrado pobre, narcísica, adoram “causar”. No Flamengo, Ronaldinho era comparado ao Ronaldinho do Barcelona, algo que, evidentemente, ele não era mais. Eram tantos massacres e comentários às vezes perversos, mais a nível de uma turba do que a nível de jornalistas de verdade, que ele se cansou e foi ser feliz no Galo. Deu shows memoráveis, dribles, passes, gols, tudo a que tinha direito e o Atlético venceu a Libertadores da América.
    No futuro falarão dos cinco maiores de todos os tempos, eu acho: Pelé, Messi, Maradona, Garrincha e Ronaldinho Gaúcho.
    Mas de todos eles, o mago absoluto, o bruxo, o capaz das jogadas mais encantadoras e que nos transportavam ao mundo do “inacreditável futevol clube”, um tico acima dos outros gênios, ele: Ronaldinho Gaúcho!

  3. Considero Pelé uma quase divindade, mais de mil gols, mais conhecido que JC em determinada época, já Ronaldinho Gaúcho é um fenômeno inexplicável e incomparável, basta ver aquele momento em que manda e recebe, por tres vezes, a bola no travessão, algo tão absurdo que logo saíram a dizer que aquilo era fake. Não era.

  4. Com todo o respeito, o Ronaldinho nada tinha de ingênuo, nas bolas divididas sempre entrou sempre entrou mostrando as travas da chuteira, vide expulsão no jogo com a Inglaterra pwl cOPA DO mUNDO DE 2002.Jogador genial e muito maldoso.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador