Prefeitura havia pedido interdição do CT do Flamengo em 2017

Na madrugada desta sexta-feira, dez atletas das categorias de base do time morreram em um incêndio no CT

Um incêndio no centro de treinamento do Flamengo, na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro, deixou dez mortos - Foto: ABr

Da Agência Brasil

A prefeitura do Rio informou na noite desta sexta-feira (8) que emitiu um edital de interdição do Centro de Treinamento (CT) do Flamengo no dia 20 de outubro de 2017. Na madrugada desta sexta-feira, dez atletas das categorias de base do time morreram em um incêndio no CT. O município informou também que, por não possuir alvará de funcionamento, a Secretaria de Fazenda lavrou quase 30 autos de infração contra o Clube de Regatas do Flamengo em pouco mais de um ano.

O Centro de Treinamento do Vasco da Gama e do Fluminense Futebol Clube também funcionam sem alvará de licenciamento para edificações, segundo a prefeitura.

Segundo a nota da prefeitura, o Centro de Treinamento George Helal, conhecido como Ninho do Urubu, tem a atual licença com validade até o dia 30 de março deste ano. A área de alojamento dos atletas das categorias de base, distribuída em seis contêineres, totalmente destruídos pelo incêndio, “não consta do último projeto aprovado pela área de licenciamento, em 5 de abril de 2018, como edificada”.

A prefeitura explica que, em nenhum pedido feito pelo Flamengo, existe a presença de um alojamento na área. No projeto protocolado na Secretaria de Urbanismo, “a área está descrita como um estacionamento de veículos e não como um alojamento de atletas de base do clube”.

A nota esclarece que não há registros de novo pedido de licenciamento da área para uso de dormitórios e que na área de alvará de funcionamento há registro de pedido de setembro de 2017. A consulta prévia foi deferida pela prefeitura, mas exigidos, conforme determina a legislação, os documentos necessários para a obtenção do alvará de funcionamento, “mas o certificado de aprovação do Corpo de Bombeiros não foi apresentado, portanto, o alvará não foi concedido”.

Leia também:  Aumento da mortalidade no país está diretamente ligado a corte de verbas no SUS

A prefeitura diz ainda que “diante de tudo acima listado, o município vai determinar a abertura de um processo de investigação para apurar as responsabilidades no caso do incêndio ocorrido hoje”.

Vasco

Na nota, a prefeitura do Rio diz que não existe registro de pedido de licenciamento para edificações para o Centro de Treinamento do Vasco da Gama, conhecido como CT das Vargens, localizado na Vargem Grande. O que existe é um pedido de licenciamento de um loteamento feito em 2014.

“Do ponto de vista de alvará, não há registro de pedido de alvará para a unidade. Por conta disso, a Secretaria Municipal de Fazenda decidiu acionar as gerências responsáveis para realizar fiscalização e tomar as devidas providências legais”, diz a nota

Fluminense

Quanto ao Centro de Treinamento do Fluminense, conhecido como CT Pedro Antônio, instalado em Xerém, distrito de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, a prefeitura diz que existe um registro de licença de obras, com validade até 23 de outubro de 2019.

O CT do Fluminense, segundo a nota, também não tem registro de pedido de alvará e a Secretaria Fazenda do Rio realizará fiscalização para tomar as medidas legais devidas.

O Flamengo, Vasco e Fluminense foram procurados para comentar a nota da prefeitura mas, até a publicação da matéria, não retornam à reportagem.

4 comentários

  1. É sempre a mesma ladainha. A fiscalização vem depois do ocorrido.
    O que existe,na verdade,é uma”proibição” de se fiscalizar e tomar as devidas providências,inclusive judiciais,se for o caso,de determinados infratores,entre eles,grandes clubes de futebol,igrejas,shoppings,indústrias,grandes comércios etc,etc.
    Tudo isso ocorre diante do nariz de todos nós e nada fazemos,a não ser criticar a famosa indústria das multas,esquecendo que a verdadeira indústria é a das infrações.
    Enquanto não nos acostumarmos a seguir as normas e as leis continuaremos sempre comentando como o caos poderia ter sido evitado mas,sempre partindo para uma nova tragédia.

  2. Deixando de lado o amor, a paixão e/ou fanatismo pelo clube de futebol, do qual se é um torcedor, e pela própria instituição esportiva da futebol, eu penso que o texto ” Os meninos não morreram por falta de alvará, foi o dinheiro” de Fernando Brito toca com a intensidade merecida, na escandalosa e gananciosa orgia que milionárias, e até bilionárias, negociatas entre clubes, empresários, empresas, federações, mídias e até alguns governos tramam, participam, incentivam e fazem vista grossa. Uma das justificativas da prefeitura por não de ter interditado o CT do Flamengo foi que não tem poder de polícia. Porém, quando lhe interessa e/ou quando também interessa a grupos poderosos, ela é a primeira a convocar forças policiais e judiciais para desapropriar pobres em favor da ganância dis ricos. Todas as convocações, iniciadas pela prefeitura estão em arquivos doa principais jornais e na própria Internet. Portanto, além de ser uma espécie de réu confesso da sua completa omissão e da covardia em não querer assumir sua parte de co-responsável nesta tragédia, ela subestima a inteligência de todos nós agravando ainda mais a sua irresponsável e inconfiável forma de fiscalizar e impor autoridade ao que a sua fiscalização constatou que além de ilegal representava uma situação de perigo.

  3. A culpa por não ter evitado esta tragédia com os meninos no CT do Flamengo , nunca mais sairá da memória e do coração dos brasileiros. É responsavel a prefeitura do Rio que não impediu sua ocupação . É responsavel a diretoria do clube por ter permitido que crianças ficassem em situação de total vulnerabilidade dentro de conteiners . Um absurdo. Tem que pagar caro por tamanha displiscência. Que Deus olhe por estas familias que perderam seus entes queridos .

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome