Ao paralisar a construção civil, Lava Jato ampliou a crise econômica e o desemprego

Segundo associação de economistas pela democracia, operação pode não ser a única culpada pela crise que atingiu o país, mas seu impacto negativo é inegável

'Castigos' dados pela Lava Jato às empresas levaram ao encolhimento de 85%, em três anos, das principais construtoras do país, com impactos no emprego,na renda e na atividade econômica do país | Reprodução

da Rede Brasil Atual

Ao paralisar a construção civil, Lava Jato ampliou a crise econômica e o desemprego

 por Tiago Pereira, da RBA

São Paulo – Quando a Operação Lava Jato começou, em março de 2014, o Brasil ainda passava ao largo dos efeitos da crise internacional, iniciada seis anos antes, nos Estados Unidos, com a quebra do banco Lehman Brothers. No final daquele ano, o país registrava o mais baixo índice de desemprego da sua história, de 4,3% em dezembro, segundo o IBGE. Menos de dois anos e meio depois, em abril de 2017, o número de desempregados chegava a 14,2 milhões de pessoas, um recorde, e vem se mantendo em patamares elevados.

Entre 2015 e 2016, a queda acumulada do PIB  foi de 6,9%, com lenta recuperação posterior. Segundo as consultorias Tendência e GO Associados, a Lava Jato teria contribuído negativamente entre 2 e 2,5 pontos percentuais ao ano nas quedas de 3,8% e 3,6% nesses dois anos, respectivamente.

Dados divulgados pelo jornal Valor Econômico nesta segunda-feira (1º) indicam que as principais empreiteiras do país envolvidas na investigação liderada pelos procuradores de Curitiba e pelo então juiz Sérgio Moro perderam 85% da receita  líquida – passando de  71 bilhões para R$ 10,6 bilhões – entre 2016 e 2018. Segundo o Sindicato Nacional da Indústria de Construção Pesada e Infraestrutura (Sinicon), o setor registrou perdas de 1 milhão de vagas de emprego entre 2014 e 2018. No conjunto da economia, a perda de postos formais chegou a 2,6 milhões no mesmo período.

Segundo o economista André Calixtre, integrante da Associação Brasileira de Economistas pela Democracia (Abed), se a Lava Jato não pode ser culpada pela crise que atingiu o país, como um todo, é inegável o seu impacto negativo, principalmente no setor da construção civil.

Leia também:  Previdência: as entranhas expostas do bolsonarismo, por Antonio Martins

“O que se pode dizer é que, quando a crise estava começando, esse setor teve peso importante na formação de expectativas negativas sobre a economia e na desorganização de cadeias estratégicas. Estamos falando da construção de pontes, rodovias, portos, prédios, casas. Com uma investigação que bloqueou os negócios, sem alternativa para garantir o funcionamento das empresas, a consequência foi o aprofundamento de uma crise que era iminente”, diz Calixtre.

Onda

“É muito difícil cravar o total do impacto negativo da Lava Jato na economia”, diz o economista, “Mas com toda a certeza, foi muito superior ao valor recuperado.” A operação diz ter recuperado R$ 2,6 bilhões nos acordos de delação firmados com empreiteiros. Já os acordos de leniência somaram outros R$ 10,8 bilhões devolvidos aos cofres da União. Contudo, o primeiro desses acordos foi firmado apenas em 2018.

Reprodução
Consequências: mais importante empreiteira brasileira assinou, no mês passado, o maior acordo de recuperação judicial da história do país

Segundo Calixtre, a demora em reabilitar as empresas envolvidas nos casos de corrupção fez com que a crise do desemprego se “espraiasse” do setor da construção civil para o restante da economia. As demissões em massa das grandes construtoras acabaram impactando na demanda interna, levando a onda de desemprego para o setor de serviços, por exemplo, o que mais emprega em todo o país. Outro prejuízo, segundo ele, é que a desorganização do setor da construção também dificulta estratégias de retomada do crescimento.

“Tem que ter um grande programa de investimentos em infraestrutura. Para isso, é necessária a articulação entre o investimento público e privado. É o investimento público que puxa, mas não adianta nada fazer esse gasto se não tem a empresa de engenharia para tocar essas obras de grande envergadura”. Além disso, sem grandes empreiteiras, a inserção do Brasil no cenário econômico internacional também é prejudicada. “Acaba enfraquecendo também a capacidade do Brasil de se colocar no resto do mundo. Hoje não é só com diplomacia que se faz a inserção internacional”, afirma o economista da Abed.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Há uma má vontade em se contabilizar o valor do prejuizo imputado a economia brasileira pela Lava Jato…

    Em 2015 este montante era de 150 bi, com certeza, ultrapassa os trilhoes de reais, se levarmos em conta que o entreguismo que ai está foi parido pela lava jato: façamos as contas: quanto custam : Embraer, Base de Alcantara, Industria Naval, Industria de Defesa, Desenvolvimento Eletronuclear, pre-sal….

    Este artigo é de 2015, publicado pelo insuspeito G1:

    Um estudo divulgado pelo G1 nesta terça-feira (11) mostra que a Operação Lava Jato pode gerar um impactos negativos – diretos e indiretos – de R$ 142,6 bilhões na economia brasileira. Isso significaria uma retração de 2,5% do PIB (Produto Interno Bruto), apesar da redução na previsão, pois , o montante foi revisado para baixo, tomando como base o novo plano de negócios da Petrobras, que reduziu em 37% o volume de investimentos previstos entre 2015 e 2019, para US$ 130,3 bilhões. Antes disso, a estimativa era de R$ 187,2 bilhões negativos (o equivalente a 3,4% do PIB). “O impacto será um pouco menor, mas ainda muito significativo. No último cálculo consideramos uma redução de 42% nos investimentos da Petrobras”, afirmou o professor da Fundação Getúlio Vargas Gesner Oliveira, um dos responsáveis pelo levantamento. O cálculo da GO Associados procura estimar os efeitos derivados da Lava Jato na redução dos investimentos da Petrobras e do setor de construção de obras públicas, contabilizando as perdas no valor bruto da produção, nos empregos, nos salários e na geração de impostos. A metodologia considera os efeitos do corte de gastos da petroleira sobre a cadeia de fornecedores, além de uma retração nos investimentos de empresas líderes do setor da construção civil que estão sob investigação, estimada em 30%.

    http://www.avozdocampo.com/noticias/brasil/brasil-pode-ter-prejuizo-de-quase-r-150-bi-por-causa-da-operacao-lava-jato-diz-estudo/

  2. Finalmente alguém percebeu: A Lavajato causou muito mais mal ao Brasil do que aqueles que ela pretendeu punir. Os castigados foram os trabalhadores brasileiros, perderam seus empregos quando a Lavajato paralisou de mais de doze mil obras. O mercado consumidor encolheu e jogou o país num círculo vicioso recessivo. A única maneira de reaquecer a economia é reativar estas obras. Dinheiro não falta, basta utilizar a décima parte das reservas cambiais. Hoje temos quatorze milhões de desempregados, mais vinte e oito milhões que só eventualmente conseguem algum bico e cinco milhões que desistiram de procurar emprego. Total: quarenta e sete milhões de desempregados numa população em idade produtiva de cento e vinte e um milhões. Os dados não são meus, são do IBGE.

  3. Bra bra bra! É vamos deixar eles fazerem propinas e a gente fingi que tá tudo certo, igual ao portugueses quando colonizou o Brasil dando presentinhos baratos e levando todo Ouro.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome