Brasil foi atingido por uma tempestade perfeita de problemas, por Paul Krugman

Vencedor do Prêmio Nobel de Economia explica a sucessão de eventos que levou o país de um quadro de crescimento constante para uma profunda recessão

Foto: Reprodução - Wikipedia

Jornal GGN – Além da escolha dos eleitores brasileiros por Jair Bolsonaro na última disputa presidencial, analistas e acadêmicos internacionais começaram a se debruçar para avaliar os fatores que levaram o Brasil a mergulhar no recente ciclo de recessão.

Um desses acadêmicos é o norte-americano Paul Krugman, vencedor do Prêmio Nobel de Economia em 2008. Em seu artigo no jornal The New York Times, ele explica que o pano de fundo da eleição presidencial do ano passado foi a crise econômica de 2015/2016, onde “uma nação que estava em trajetória ascendente, que parecia ter encerrado o ciclo de instabilidade, sofreu uma terrível recessão e experimenta uma recuperação extremamente lenta”.

As análises de Krugman mostram que o Brasil foi atingido por uma “tempestade perfeita de má sorte e má política”, que pode ser definida em três aspectos: a acentuada piora do cenário internacional, a queda dos gastos privados domésticos (muito por conta do excesso de dívidas acumuladas pela população) e o aperto da política monetária, que ajudou a exacerbar a crise ao invés de combatê-la.

Krugman ressaltou que o Brasil ainda é fortemente dependente de exportações de commodities, e a queda dos preços de itens básicos no mercado internacional afetou diretamente a balança comercial. “Os termos de troca do Brasil (a proporção entre os preços de exportação e os de importação) sofreram um grande golpe”, pontua o articulista, ressaltando que essa piora levou o real a se depreciar fortemente, fazendo a inflação subir temporariamente – o que trouxe pânico às autoridades monetárias.

Leia também:  Em artigo, ombudsman da Folha destaca força do debate racial

Isso já seria ruim de qualquer maneira. Soma-se a esse quadro o aumento das dívidas das famílias nos últimos anos, o que gerou uma queda acentuada nos gastos do consumidor. “No entanto, o que realmente afetou a economia do Brasil foi a maneira como respondeu a esses choques, com uma política monetária e fiscal que piorou as coisas”, diz Krugman.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Ora….de saco cheio de gente que aponta problemas, quero soluções….

    Li que o Japão passou fome durante a guerra, e decidiu ser autosufiente em arroz, mesmo que custasse caro ao país…….isso é apontar soluções…. problemas já os conhecemos…..

    Se o Brasil, com todo o território, seu povo, fauna e flora não conseguir ter um rumo como país, qual teria??

  2. Faltou o economista mencionar algo importante: a interferência dos EUA na política brasileira.

    Deltan Dellagnol e Sérgio Moro receberam dos norte-americanos todas as instruções necessárias para destruir a economia brasileira criando condições para o golpe de estado disfarçado de Impeachment que foi imediatamente reconhecido como válido pelos EUA.

    O Brasil não naufragou numa tempestade perfeita. Nosso país foi nocauteado pelo Tio Sam como parte de um plano calculado para transformar a América Latina num quintal onde os norte-americanos podem defecar a vontade.

    14
  3. Este povo deve achar-nos uns néscios! Só assim para inventar este sexo dos anjos para justificar o golpe Brazil promovido pela direita brasileira e orientado pelos EUA. Quebrando o país e bombardeando que a culpa era do PT, parte de um povo, este sim néscio, acreditou na conversa mole da mídia. Foi uma tempestade perfeita sim, mas teve pai e mãe! EUA e Golpistas composto pela elite econômica brasileira. Só assim conseguiram transformar o PT em vilão.

  4. De “economia” eu ando cheio. Quero ver falar em arroz, feijão, três refeições, saúde e educação pra todos, moradia pra todo mundo. Tudo isso é possível. A Argentina produz alimentos para uma população de 400 milhões de pessoas. Tem alguém comendo o feijão do argentino! Portanto, o que é preciso é mudar quem faz a política. E é exatamente a quem está sendo roubada toda essa riqueza que cabe o Poder a partir de agora. Do contrário, é a ladainha dos economistas. É só ver o que Jean Ziegler escreve em seu último livro sobre o capitalismo. A cada cinco segundos é assassinada pela fome uma criança no mundo, e este mundo já produz alimentos que podem alimentar duas vezes a população mundial. Para resolver este problema os cursos de economia do mundo inteiro não têm solução. Até agora só agravaram os problemas com suas teorias de meia tigela.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome