Xadrez de Guedes e Moro, as âncoras levadas pelo vento, por Luis Nassif

Um não faz nada, esperando as dez medidas. O outro nada faz, esperando a Previdência.

Peça 1 – a impaciência e a economia

O nível de paciência da opinião pública com o governante é diretamente proporcional ao bem-estar econômico. Com a economia indo bem, há paciência até com governantes ligados a milícias. Com a economia indo mal, nem Dom Pedro 2º resistiu.

Com suas pirações, Bolsonaro gastou mais cedo do que se esperava o bônus de início de mandato. Além disso, as consideradas duas âncoras do seu governo – os Ministros Paulo Guedes e Sérgio Moro – se mostraram despossuídos de qualquer peso político.

No front do combate ao crime, o Ministro Sérgio Moro, é incapaz de qualquer articulação operacional. No front do combate à crise, Paulo Guedes, incapaz de qualquer atuação pro-ativa.

Ambos se refugiam no álibi da responsabilização de terceiros, no caso o Congresso. Sérgio Moro nada faz e diz aguardar a votação do tal pacote das dez medidas – criticado pela maioria dos juristas e especialistas. Paulo Guedes, menos ainda, aguardando a reforma da Previdência.

Sendo aprovadas ou não, as duas propostas desnudarão definitivamente a falta de estatura de ambos os Ministros. Nem a reforma da Previdência resolverá a questão da crise econômica, nem os dez mandamentos de Moro deterão o avanço das organizações criminosas, piorando ainda mais a imagem de Bolsonaro, estreitamente ligado à mais barra-pesada de todas as organizações, as milícias.

Não é por outro motivo que os templários do liberalismo, como Marcos Lisboa, começam a alertar que a reforma da Previdência não será suficiente para tirar o Brasil do sufoco.  Em breve aparecerão outros álibis para a não recuperação da economia.

Com 13 milhões de desempregados, o desalento tomando contra do país, não tem foro de São Paulo, marxismo cultural, lavagem de pênis que fortaleça o governo. A cada dia que passa aumentará a intolerância com a incompetência de Bolsonaro.

Leia também:  Bolsonaro deixa presidentes sem reação com provocações e gafes em discurso na Cúpula do Mercosul

Peça 2 – investimentos externos

A manutenção do governo Jair Bolsonaro compromete profundamente a entrada de capital estrangeiro no país. A atuação internacional da dupla Bolsonaro e Ernesto Araújo, os vínculos de Bolsonaro com as milícias, sua retórica antidemocrática, o aumento estrondoso da violência policial, com os fatores Sérgio Moro-Wilson Witzel, as maluquices do Ministro da Educação, o terraplanismo do Ministério, o desmonte das leis de proteção ambiental, tudo isso  transformou o Brasil em um pária internacional.

Quem irá investir em um país governado por terraplanistas sanguinários?

A miragem das reformas durará até o momento em que forem aprovadas (ou não). Aí acontecerá o mesmo que na reforma da legislação trabalhista. Foi prometida a volta do emprego, e o desemprego aumentou por conta da política econômica, e a informalidade explodiu, por conta da mudança legal. Caindo na real, a opinião pública se dará conta da mediocridade generalizada do governo.

Dificilmente haverá muito espaço para novos blefes.

Peça 3 – a desfuncionalidade da política interna

Hoje em dia, o Congresso se tornou avalista da reforma da Previdência, muito mais do que Bolsonaro. Na política interna, ele se comporta como macaco em loja de louças, atrapalhando todas as articulações com uma falta de discernimento que beira a idiotia.

A queda vertiginosa de sua aprovação no mercado é prova maior dessa perda de referência. O mercado tem pouca importância econômica, como proporção do PIB, mas grande importância na geração de expectativas. O pessimismo do mercado está se alastrando por outros setores do empresariado. Cada vez mais, Bolsonaro passa a ser visto como impedimento para a normalização da economia.

Leia também:  Uma oposição sonolenta, por Aldo Fornazieri

Peça 4 – o desmonte do país

Por outro lado, todas as políticas públicas estão sendo submetidas a um desmonte irresponsável. Educação, segurança, vigilância sanitária, meio ambiente, saúde, tudo coroado por essa irresponsabilidade de fixar uma Lei do Teto inviável.

Peça 5 – o fator Bolsonaro

Em alguns momentos, Bolsonaro toma a dose de remédios adequada, segura o caçula Carlos, e permite alguns dias sem crise. Mas logo em seguida tem recaídas. Não adianta esperar que ele ganhe juízo. Um presidente não pode permanecer permanentemente em silêncio, ainda mais uma pessoa como Bolsonaro, que se fez pelas redes sociais. Tendo de falar, Bolsonaro é irremediavelmente idiota. Não há a menor possibilidade de uma frase inteligente, uma observação de bom senso. E há o efeito potencializador de neuras, do ambiente familiar. Pai e três filhos são inseparáveis e a única maneira de se sentirem vivos, enquanto clã, é provocando conflitos a torto e a direito.

Finalmente, leve-se em conta que, cessado de vez o período de carência de alguém recém-eleito – e o período de graça de Bolsonaro foi encurtado pelas impropriedades cometidas – haverá bem mais de um motivo para ser impichado, das ligações com milícias ao recebimento de parte do dinheiro arrecadado pelos assessores do filho Flávio Bolsonaro.

Duas coisas podem prorrogar um pouco sua vida política. A primeira, a percepção de que sua saída poderá atrapalhar a aprovação da reforma da Previdência. A segunda, o fator Lula.

Por outro lado, levar Bolsonaro nas costas durante todo seu mandato será comprometer definitivamente, para as próximas eleições, a bandeira do antilulismo – a única que mantem coeso o grupo que se articulou para o impeachment.

Leia também:  Sem ver parcialidade de Moro, PGR se diz contra absolvição de Lula no caso triplex

Por tudo isso, a probabilidade maior continua sendo de queda de Bolsonaro.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Algumas observações: 1. Nassif é um otimista. Isso é bom em tempos tão sombrios; 2. Este blog e muitos outros cansaram de avisar que isso ia acontecer; 3. Todo mundo sabia quem era Bolsonaro. Não houve engodo. Povo votou porque quis. Ponto. Pra mim este mesmo povo é o responsável pela própria desgraça; 4. Nunca, em nossa história, tivemos um presidente que encarna tão bem nossa classe média. Para usar um termo leve: um jejuno. Não entende nada de nada e só sabe repetir banalidades e frases feitas. Indicio claro de profundo despreparo intelectual, próprio na nossa classe média obtusa, egoísta e primitiva; 5. O problema do país sempre foi a mediocridade, como atestam Moro e Guedes; 6. FFAA não servem para nada. São PIORES do que os acima citados; 7. Nossa esquerda serve pra quê, mesmo? Resumo da ópera: com estamos f**** com tanta mediocridade. Temos urgentemente que repensar o país. Tudo, de alto a baixo.

Marcos K

Nunca esquecer que a responsabilidade por toda a destruição do Brasil, na economia, na política e na sua soberania, foi o tarefeiro do capital internacional e do departamento de justiça dos Estados Unidos - MORO e seu ESQUADRAO da LAVA JATO. Se esse sujeito não for desmascarado, nenhuma instituição terá coragem de mudar o rumo do país.

Ivete Caribe Da Rocha

15 comentários

  1. Mourão da Globo é o trunfo para consolidar as mudanças escravocratas do ultra liberalismo, Bolsossaurus foi somente a isca de povão, com sua derrubada e a entrada de Mourão ganharão novo fôlego e apoio popular para pegar as chibatas com luvas de pelica, a situação não é simples, as instituições estão cooptadas e o bolsonarismo está com a chave do cofre…!!

    3
    2
  2. Fizeram tanta merda, o desmonte será tanto…
    que no caso de o primeiro que encontrar o fio de salvação e não se enforcar com ele, não haverá salvação para ninguém

    para o mundo só sairemos dessa com a renúncia geral, de todos

    3
    2
  3. Algumas observações:
    1. Nassif é um otimista. Isso é bom em tempos tão sombrios;
    2. Este blog e muitos outros cansaram de avisar que isso ia acontecer;
    3. Todo mundo sabia quem era Bolsonaro. Não houve engodo. Povo votou porque quis. Ponto. Pra mim este mesmo povo é o responsável pela própria desgraça;
    4. Nunca, em nossa história, tivemos um presidente que encarna tão bem nossa classe média. Para usar um termo leve: um jejuno. Não entende nada de nada e só sabe repetir banalidades e frases feitas. Indicio claro de profundo despreparo intelectual, próprio na nossa classe média obtusa, egoísta e primitiva;
    5. O problema do país sempre foi a mediocridade, como atestam Moro e Guedes;
    6. FFAA não servem para nada. São PIORES do que os acima citados;
    7. Nossa esquerda serve pra quê, mesmo?
    Resumo da ópera: com estamos f**** com tanta mediocridade. Temos urgentemente que repensar o país. Tudo, de alto a baixo.

    4
    1
  4. Você continua subestimando o PODER dos GOLPISTAS de permanecerem, ou de se reinventarem no comando.

    Quem deu o golpe – que demorou ANOS pra maioria perceber – não deu pra devolver tão cedo ..eles continuam IMPUNES e arrogantes, inimputáveis e ARMADOS.

    ..2018 foi uma fraude que esta assimilada com naturalidade.

    ..VIVEMOS tempos de escuridão e de exceção ..o POVO não se comoveu ..NÃO HÁ liderança, nem LULA conseguiu levar o PARVO à rua ..2022 tende a repetir do MESMO, ou vai ou racha

    em tempo – sua tese esta equivocada ..BOZO detém de 20-30% do núcleo DURO ..TEMER, o traidor, não deu crescimento nem desenvolvimento pro povo; por todos foi considerado um VERME MORAL, sua popularidade bateu no chão, mas mesmo assime se manteve até o fim, com STF, FFAA, EUA e tudo

    ..a FORÇA repulsiva pelo retorno dos progressistas fará com que estes radicais permaneçam até o fim em BRASÍLIA, afinal, se precisar, eles mesmos já tem no banco outro predador pronto pra assumir, o Mourãossauro.

    7
    2
  5. Tem que desmontar mesmo muita coisa, privilégios , salários acima do merecimento, ineficiência, desvios de conduta, incompetência.

  6. Essa turma de golpistas que se apossou do governo está fazendo exatamente aquilo que lhe foi pedido para fazer.
    Independentemente de qualquer avaliação que se possa fazer dos atuais mandatários do país,é preciso entender que o que está em jogo,para eles,é muito grande,daí a discussão monocórdica da previdência,onde os bancos e seus rentistas se apoderarão da bufunfa (se existir,claro) e,posteriormente a isso,o pacote policialesco do camisa preta do Paraná.
    É preciso entender que essa gente não está aí para governar.eles estão aí para obedecer ordens que atendam aos interesses da mão nada invisível do golpe onde o Brasil,pelo seu potencial de população e fornecimento de commodities,pode ajudar a retardar o protagonismo chinês que será inevitável ,possibilitando assim aos falcões do norte e a seus patrões sionistas uma sobrevida no poder mundial.

    3
    1
    • Perfeito “possibilitando assim aos falcões do Norte e a seus patrões sionistas uma sobrevida no poder mundial”.

  7. Nunca esquecer que a responsabilidade por toda a destruição do Brasil, na economia, na política e na sua soberania, foi o tarefeiro do capital internacional e do departamento de justiça dos Estados Unidos – MORO e seu ESQUADRAO da LAVA JATO. Se esse sujeito não for desmascarado, nenhuma instituição terá coragem de mudar o rumo do país.

    6
    1
  8. A bem da verdade é que fazem muito diversinismo nas redes sociais e o governo não tem nada para mostrar. Eh um Pais sem direção. E não se pense que Bolsonaro vai renunciar. A tendência pelo que se vê do personagem é se agarrar ao poder até o fim. E do outro lado do espelho tem-se Mourão e os militares… Que aderiram ao golpe institucional para se vingar de Dilma e das Camissões da Verdade e, também, a maioria ali dentro ainda acredita que o comunismo é o mal maior a se combater, quem defende “pobre”, como diz Bolsonaro-sem-noção, é o PT.
    O governo Bolsoanro é uma catastrofe e agora ninguém sabe como retirar o bode da sala Enquanto isso… Ministro do Supremo tem que passar vergonha ao lado dessa gente, que faz arma e coração em fotos com representantes das instituições. Eh é Pais em transe.

  9. No livro “a imaginação economica” de Silvia Nasar, livro que recomendo, aprendi que o Egito no final do seculo 19 recebeu grandes investimentos estrangeiros (lembrar que na epoca era protetorado britanico) o que fez que o pais crescesse enormemente. Devido a mudanças economicas e a divida externa, o Egito afundou e nunca mais se levantou. Um investidor comentou “o Egito poderia ser o Japão do seculo 20”.

    Casa vez mais me convenço que o Brasil poderia ser o Japão do seculo 21.

  10. “Por outro lado, levar Bolsonaro nas costas durante todo seu mandato será comprometer definitivamente, para as próximas eleições, a bandeira do antilulismo – a única que mantem coeso o grupo que se articulou para o impeachment.”
    Lula ainda estará inelegível em 2022 e sem nenhuma garantia de que esteja solto. Além disso, nada garante que o fracasso de Bolsonaro será a redenção do Lulismo e Lula.

  11. quando as falácias e as fake newa e o golpismo infame
    da grande midia golpista deixarem de surtir efeito
    em favor da cruedade e morte proposta pela direita,
    esse governo certamente cairá de maduro…
    espero que haja novas eleições,
    lula livre para que retome
    a politica de inclusão social. etc e tal…….

  12. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome