Morre Mario Schmidt, autor massacrado pela Globo em sua cruzada ideológica

Schmidt, autor dos livros didáticos mais lidos no Brasil, foi acusado de fazer propaganda comunista. Vítima de fake news, partiu sem reparação

Morreu neste domingo (9) o autor de livros didáticos Mario Schmidt, responsável por uma das obras mais compradas pelo Ministério da Educação – “Nova História Crítica” – e vítima de um massacre midiático encabeçado por Ali Kamel, da Globo, em sua cruzada ideológica contra a esquerda. O óbito foi comunicado neste domingo por Arnaldo Saraiva, editor de livros didáticos e fundador das editoras Saraiva e Nova Geração.

Em meados de 2007, durante o governo Lula, Kamel divulgou no jornal O Globo um artigo chamado “O que ensinam às nossas crianças”, com trechos do livro de Schmidt sobre a revolução Russa, Cubana, a antiga União Soviética, capitalismo, a revolução cultura chinesa, entre outros tópicos. Reproduzido em vários outros jornais, o texto acusava Schmidt de fazer propaganda ideológica do comunismo.

“Nossas crianças estão sendo enganadas, a cabeça delas vem sendo trabalhada, e o efeito disso será sentido em poucos anos. É isso o que deseja o MEC? Senão for, algo precisa ser feito, pelo ministério, pelo congresso, por alguém”, apelou Kamel.

O Estadão chegou a fazer um levantamento indicando que ao menos 20 milhões de alunos tiveram contato com o “livro polêmico” ao longo de uma década. Em nota, a editora Nova Geração explicou que os livros didáticos eram adquiridos pelo MEC, mas escolhidos apenas pelos professores das escolas públicas, “sem interferência alguma de funcionários do Ministério”. Kamel também omitiu em seu artigo a informação de que o livro fazia críticas ao marxismo e fora adquirido pela primeira vez durante o governo FHC.

Editorial no jornal O Tempo chamou a obra de “lavagem cerebral”. Na revista Veja, o blogueiro Reinaldo Azevedo embarcou na onda e acusou o autor de “delinquência intelectual, picaretagem teórica, vulgaridade, mistificação, propaganda ideológica de quinta categoria. Tudo pago com o nosso dinheiro”.

Além de atacar o conteúdo do livros, a grande mídia passou a questionar a formação de Schmit. Época escreveu que ele não conseguia comprovar ao MEC que tinha “curso superior em História ou em qualquer outra área” e, por isso, seus livros deixariam de ser comprados pelo governo, a partir de 2008, com uma mudança na lei.

REPARAÇÃO HISTÓRICA

“Mario Schmidt foi o autor mais amado e idolatrado, a palavra é esta mesmo i-do-la-tra-do”, escreveu Arnaldo Saraiva em comunicado obtido pelo GGN.

“Foi também o mais odiado, perseguido e injustiçado pela extrema-direita, capitaneada pela Rede Globo e seus ‘jornalistas’ liderados pelo Ali Kamel, também conhecido por seus colegas como Pangaré que não sabe escrever”, disparou.

Segundo Saraiva, “o Pangaré publicou no moderado jornal O Globo e repercutida à exaustão por um grupo de jornalistas puxa-saco (Miriam Leitão, Sardemberg, Arnaldo Jabor e outros), que não leram uma linha sequer da obra e saíram falando pelos cotovelos e repercutindo a matéria asquerosa e destruindo a reputação do autor ‘comunista’ Mario Schmidt, da Nova História Critica. Um verdadeiro massacre, desumano, falso e criminoso.”

“Criaram um verdadeiro escândalo com uma matéria falsa. Naquela época a Rede Globo ainda tinha uma certa credibilidade. Só não foi pior porque um jornalista sério, Luis Nassif, e a revista Carta Capital, saíram em defesa da verdade”, lembrou Saraiva.

CONTRA A MARÉ

“Luis Nassif foi o único que leu o livro e, diante de tantos absurdos, advertiu a mídia tradicional (Folha, Estadão, etc) a não embarcar e repercutir aquela estupidez, como tinham embarcado e repercutido, na mesma época, no falso escândalo da Escola de Base, de tão triste memória.”

Saraiva lembrou que a fake news da grande mídia fez com que pais e mães pressionassem escolas para retirar o livro de circulação; professores que defendiam a obra foram ameaçados de demissão. “(…) com toda aquela falsa e mentirosa campanha da rede Globo, o resultado foi que, no ano seguinte a obra virou pó, literalmente pó.”

O FIM DE SCHMIDT

O que fez Mario Schmidt diante de tantas injustiças? “(…) com toda a sua grandeza, enclausurou-se em sua casa, onde ele tem, com certeza, a maior biblioteca particular do Brasil, com cerca de 50.000 volumes, e passou a estudar, em média, 18 horas por dia.”

“Mario Schmidt foi, sem dúvida nenhuma, o maior sucesso editorial didático de todos os tempos. Foi o autor que revolucionou a linguagem, o visual e o discurso crítico do livro didático”, pontuou Saraiva.

“Sou neto e filho de livreiros e editores, estou nesta atividade desde a década de 50. Publiquei incontáveis livros didáticos e incontáveis sucessos. Mas, nenhum, repito, nenhum deles fez tanto sucesso como o do Mario Schmidt”, finalizou.

Seleção da TVGGN para você:

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

14 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Jorge Guimaraes

- 2022-01-21 01:20:35

Eu gostaria de ouvir a contradição à crítica feita. Dizer que ele é nocivo, ou santo sem apresentar os textos que colocaram ele nessa arapuca não diz nada.

Carlos Sposito

- 2022-01-17 13:29:06

Fui amigo de Mario desde 1977, quando ingressamos na Engenharia da UFRJ. Não nos falávamos há uns sete anos. A notícia de sua morte caiu como uma bomba. Mario ficará para a história, diferente do traste do Ali Kamel. Este será esquecido no dia seguinte de sua morte.

Ricardo Ferreira de Oliveira

- 2022-01-15 10:47:51

Conforme o cemitério Parque da Colina Furley faleceu dia 7/1 e não 9/1

Wagner

- 2022-01-13 15:29:46

Para de defecar pela boca Almeida, se prepara que o bonde agora vem sem freio em 2022 e ratos voltarão para o esgoto. PEDAGOGIA CRÍTICA É DIFERENTE DE DOUTRINAÇÃO. Ficou bem escrito? A aula é de graça para idiotas.

Christian Fernandes

- 2022-01-11 13:20:50

Fui procurar o original do pangaré é ×PLAU!× mandou um "senão" em vez de um "se não". Isso depois de apontar erros fictícios no texto do Schmidt - os famigerados "sic". Impressionante como esse pangaré COVARDE nunca recebeu um Nobel.

Monica bertolotti

- 2022-01-10 06:53:44

IMPRESSIONANTE A FORÇA QUE O MAL E O MAU TEM...ESTAMOS CHEGANDO AO ÁPICE DAS MÁS CONDUTAS GOVERNAMENTAIS MUNDIAIS E SEUS EFEITOS NEFASTOS E MORTAIS, E AINDA ASSIM A MAIORIA NÃO ENXERGA SEUS ALGOZES, EM VẼZ DISSO AINDA SINTONIZAM E SE DELICIAM COM SEUS VENENOS SOCIAIS DE LONGO PRAZO. POR ISSO QUE GRANDES JORNALISTAS, PENSADORES E ESCRITORES COMPROMETIDOS COM A VERDADE DOS FATOS SÃO TÃO ESSENCIAIS. OBRIGADA, GGN, OBRIGADA, LUIS NASSIF!

Danilo Duval

- 2022-01-10 01:00:58

A coleção "Nova História Crítica" foi adotada pelos docentes da área de História na Unidade Escolar em que trabalhei anos atrás. Uma das boas lembranças que tenho do trabalho com esse material didático foi perceber como a iconografia aliada aos textos - sim, os textos criticados e acusados de promover propaganda comunista - proporcionavam um ótimo suporte para muitos dos momentos de estudo em classe. Siga tranquilo Mario Schmidt...

ULISSES BORBA DOS SANTOS

- 2022-01-10 00:33:07

Eu usava os livros do Schimidt. Muito bons, textos excelentes que permitiam o debate.

Marcia

- 2022-01-10 00:28:28

Fui aluna de Mário Schmidt em uma escola em Niterói no R.J. e posso dizer que sem dúvida foi o melhor professor que já tive na minha vida. Sua aulas eram sempre irreverentes, não tinha como um aluno não gostar das aulas de Mário Schiafine. O Brasil perdeu um dos melhores professores e escritores que já existiram.

+almeida

- 2022-01-09 22:15:44

O pangaré já é tão conhecido do público, que ele e o suposto jornal que comanda perderam a confiança, a credibilidade e nunca mais serão formadores de opinião. É, o mundo dá voltas e eles ainda não pagaram um décimo do estão devendo por conta das perseguições, da parcialidade, do partidarismo, do abuso de poder. Eles nunca noticiaram e\ou falaram sobre a sonegação criminosa, vulgar e gananciosa, que foi o escândalo da transmissão da Copa do Mundo e mais outros escândalos que rasgaram a fantasia deles e da nave mãe que representam, e que estão disponíveis na internet para quem quiser pesquisar e consultar. Tentaram encarar Lula com jogo sujo e ficaram mais sujos do que já estavam. Agora vemos Lula livre, leve e solto, com a sua inocência reconhecida, com a sua popularidade ainda maior enquanto muitos, com o rabinho entre as pernas, armaram uma armadilha suicida contra eles mesmos. Estão desesperados porque não sabem se morrerão pelo governo genocida que ajudaram a subir a rampa, ou pelo governo progressista, popular e competente de Lula. Tchau queridos!

fernando

- 2022-01-09 21:25:26

Obrigado por relembrar este fato e homenagear o autor.

Geracina Freire

- 2022-01-09 20:54:52

Grande perda.Desde que conheci a obra de Mário Schmidt, adotei como base de meus planejamentos de aula.Seus livros alargaram meus horizontes e me tornaram uma profissional melhor. Feliz de quem o conheceu!

- 2022-01-09 18:53:52

Talvez o artigo mencionado, publicado pelo O Globo, seja o momento 0 do Bolsonarismo, criado, sustentado e agora abandonado pela rede Globo.

JOSE ARTEIRO CORDEIRO MUNIZ

- 2022-01-09 17:06:32

Sou livreiro @sebodoarteiro no Maranhão desde os anos 2000 e é verdade o cara vendeu como água e ainda hoje é procurado e quase não se encontra. Achei boa a reportagem, mas deixou a desejar quando não mostra onde esse fenômeno estudou, só para desmascarar a fake News do #Kamel e companhia. #marioschmidtvive

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador