O impacto dos cortes de Bolsonaro no ensino superior

Metade das instituições sofrerão corte maior do que 30%, um total de 1,3 milhão de estudantes serão prejudicados e quase 400 mil vagas são ameaçadas

Mesmo com chuva, estudantes em Viçosa, Minas Gerais, foram ás ruas em defesa da educação - Foto: Noah Oshiro / Estudantes NINJA

Jornal GGN – O corte do governo de Jair Bolsonaro no ensino superior é maior do que 30%. Foi o que revelou o Painel de Cortes da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais (Andifes), mostrando um levantamento que das 68 instituições e universidades federais, 34 delas sofrerão reduções acima desse contingenciamento. Os dados mostram ainda que um total de 1,3 milhão de estudantes serão prejudicados e quase 400 mil vagas serão ameaçadas.

No topo da lista das universidades mais prejudicadas está a do Sul da Bahia (UFSB), que terá um congelamento de 54% de seu orçamento discricionário. Em seguida, a Universidade Federal do Mato Grosso do Sul não poderá usar 52% dos recursos destinados anualmente; a Universidade Federal da Grande Dourados, no Mato Grosso do Sul, sofrerá uma retenção de 48%; a Universidade Federal do Cariri no Ceará, de 47%; e a Universidade Federal de Lavras, em Minas Gerais, terá um corte de 44%.

Outros dados foram disponibilizados pela Andifes por meio de uma plataforma interativa. Compartilhamos acima o Painel dos Cortes para que você tenha acesso a essas informações.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Future-se e o aporte de recursos de empresas, por Renato Dagnino, Wagner Romão e Rogerio Bezerra

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome