Para 2018, Janine articula bancada da Educação no Congresso

Foto: Fotos Públicas

Jornal GGN – O colunista Lauro Jardim informou nesta terça (19) que o ex-ministro Renato Janine Ribeiro articula “uma frente de candidatos a deputado federal pela Educação”. A ideia é eleger, em 2018, pelo menos 10 parlamentares especializados na área “para qualificar a condução de temas educacionais no Congresso.”

No Facebook, Janine disse que apenas conversa a respeito da eleição de uma bancada menos preocupada com números e mais interessada em discutir a “qualidade” do ensino. Ele ainda afirmou que não sabe se será candidato em 2018, e que, no momento, dedica-se à vida acadêmica, com previsão de lançar um livro dia 18 de agosto.

Leia abaixo a publicação do ex-ministro sobre a nota de Lauro Jardim:

“Não deixa de ser uma boa ideia.

Mas esclareço: falei sim disso a várias pessoas. Penso que deveríamos ter um grupo sólido, de vários Estados, de vários partidos,comprometido com a qualidade da educação. Não é (apenas) dinheiro para educação, é qualidade mesmo. Sei que existe uma frente parlamentar a respeito, e é ótimo que assim seja. Mas o ideal é um grupo muito focado na qualidade da educaçao como grande fator a promover a igualdade de oportunidades no País. Gente que discuta o conteúdo mesmo das medidas a propor.

Eu candidato: realmente não sei. Gostei de ser ministro, apesar das dificuldades de um ano terrível. Vi que as demandas eram quase todas concentradas em mais dinheiro. Senti a ausência de debates sobre a qualidade. Mas realmente não sei se gostaria de ser candidato. No momento, estou pondo em dia os livros que queria, há muito tempo, escrever. Dia 18 de agosto, sai o primeiro deles, A Boa Política, pela Companhia das Letras.

Lauro Jardim detalhou muito bem, mas o desenvolvimento da ideia é dele – com quem nunca conversei – não meu. Mas penso que seria muito bom termos um compromisso sério com a qualidade da educaçao, sobretudo básica.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  MEC ignora inscritos, e remarca Enem para janeiro e fevereiro de 2021

7 comentários

  1. Deus (e no Brasil atual só

    Deus (e no Brasil atual só Deus mesmo!) permita que a articulaçao de Janine dê certo. Nós não merecemos os canalhas safados que estão na Câmara atualmente

  2. Sem educação de qualidade,

    Sem educação de qualidade, aquela que desperta o cidadão, o país e a população permanecerão reféns da mídia oligárquica, da juristocracia e do deus-mercado. 

  3. Lá, onde a jurupoca pia

    21 de novembro – Dia da consciência negra – movimentos sociais, coletivos de periferia concentram no vão do Masp, depois saem em passeata até a República. Milhares. Representação/bancada nos parlamentos municipais, estaduais e federal? Pouquíssimaa, quase nada, sequer dá para chamar de bancada. Enquanto isso, a Direita elege Fernando Holiday, que rapidinho vai mudar de vereador para deputado, em 2018;

    8 de março – As mulheres ocuparam as redes sociais, nunca houve tantos movimentos de periferia, coletivos, tantas mulheres falando para mulheres, feminismo em alta como nunca se viu, marchas e passeatas pelos direitos, empoderamento e por aí vai, afinal, segundo o IBGE, são mais de 52% da população. As mulheres tomaram a Paulista neste ano e realizaram uma passeata histórica. No dia do ato e pelos dias seguintes, relatos emocionados da passeata nas redes sociais. Representação no congresso? Pífia, para chamar de bancada precisava eleger mais umas 80, pelo menos. 

    Junho – A comunidade LGTBS [ era GLTBS, pas as mulheres bateram o pé e a sigla passou a contemplar as lésbicas em primeiro lugar, o poder feminino] realiza a sua tradicional Parada do Orgulho LGTBS, a maior do mundo, segundo os organizadores. Representação no Congresso? Apenas 1 (UM) deputado, a bancada do eu sozinho. Há 2 semanas participei de uma roda de conversa após a exibição do documentário Lampião da Esquina, com a diretora e o João Silvério Trevisan, a quem questionei a respeito da representatividade parlamentar da comunidade LGTBS, como era possível botar 2 milhões de pessoas na Paulista e 1(UM) no congresso. Resposta: despolitização da classe, barreiras partidárias, entre outros motivos. 

    MTST – Movimento dos Trabalhadores Sem Teto – Um exército de 30 mil pessoas, que o Boulos põe no Largo da Batata ao estalar dos dedos [eles nunca se concentram na Paulista, ninguém corre na raia do Boulos a não ser o …Boulos], suficientes para eleger ao menos UM mísero vereador em SP, no entanto a representação/representatividade é ZERO. 

    Conclusão: Nunca se falou tanto em movimentos sociais disso e daquilo, coletivos de periferia, em organizações etc e tal. Muito bonito. No papel. Lá nos parlamentos municipais, estaduais e federal, onde a jurupoca pia, passamos vergonha. Não temos a manha. nem a tradição. Só agora, com a água no nariz, nos demos conta disso. Que não seja tarde. 

     

     

    • Somos um povo individualista ?

      Fernando

      Concordo com você. Não adiante eleger um Presidente democrático e um Congresso com 80% de deputados e senadores escravocratas, fascistas.

      Já questionei o Jean Wyllys sobre o paradoxo: (a) 2 MILHÕES participam da Parada do Orgulho LGBT; (b) uma manifestação contra homofobia e assassinato de LGBT reúne cerca de 1 MIL pessoas (se tanto!).

       

       

      • Marcos,

        Cara, não sei, deixo isso, de sermos individualistas, para quem é do ramo (sociólogos, psicólogs, antro´pólogos, politólogos, etc), minha bronca é a frustração de ver tanta efervescência não se traduzir em votos e representatividade. É de tirar pica pau do oco. 

  4. Soa cômico um uspiano (sempre

    Soa cômico um uspiano (sempre eles!), midiático, falar que as demandas que recebeu no MEC são sempre por dinheiro  e não por qualidade. Dá para separar? Para muitos deles, docência, para os outros, tem de ser sacerdócio missionário. Não as aulas dele, é claro. Conforme outros, aulas podem ser debaixo de árvores e os professores que não garantem a qualidade são uns incompetentes e preguiçosos. Turmas com mais de 50 alunos de ensino médio. Janine nunca entendeu o que seria ser ministro. Havia estado na Capes no período Lula, como diretor de avaliação, por pouco tempo e foi rapidamene defenestrado por Jorge Guimarães. Pela sua visão, mal teve contato com os muitos parlamentares que atuam na área de educação, que, no Congresso, fazem a quixotesca tarefa de defesa da educação pública, contra os desmandos, o desinteresse e as ações de destruição de seguidos governos. Está mais para Cristovão Buarque que para Ivan Valente, Alice Portugal, Fatima Bezerra, Chico Alencar.  

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome