Bolsonaro não estava completamente errado sobre a questão da mortalidade infantil, mas…

Mas a forma como o candidato à Presidência respondeu à questão, durante o programa Roda Viva, expôs seu calcanhar de Aquiles: o despreparo técnico e a latente falta de uma visão macro dos problemas do País

Jornal GGN – Por volta dos 55 minutos de programa Roda Viva, na TV Cultura, a jornalista do Valor Econômico Maria Cristina Fernandez quis saber qual a proposta de Jair Bolsonaro, o presidenciável do PSL, para reduzir o índice de mortalidade infantil e impedir que o Brasil volte a conviver com a febre amarela. “O que o senhor propõe para a saúde básica?”
 
A pergunta tem pano de fundo. No dia 16 de julho, Folha de S. Paulo divulgou dados alarmantes sobre a volta do crescimento da taxa de mortalidade infantil após 26 anos. Desde o começo do ano a imprensa também vem discutindo o surto de febre amarela em várias regiões do País.
 
Bolsonaro ignorou a febre amarela e, ao responder sobre mortalidade infantil relacionando o problema quase que exclusivamente à prematuridade – e, esta última, ao pré-natal de mães supostamente relapsas que “não dão bola para sua saúde buscal” – acabou virando meme por ter deixado a jornalista um pouco perplexa.
 
Disse o candidato:
 
– Quando fala em mortalidade infantil, tem muito a ver com os prematuros. É muito mais fácil um prematuro morrer do que um que cumpriu sua gestação normalmente. Medidas preventivas de saúde.
 
Maria Cristina replicou:
 
– Candidato, tem muito mais a ver com saneamento básico do que com prematuridade!
 
E Bolsonaro devolveu:
 
– Olha só, tem um mar de problemas, né? Tem que ver a questão da… da… do passado daquela pessoa, [passado] sanitário dela, a alimentação da mãe. Tem um montão de coisa. Tô citando aqui um exemplo apenas. Que eu tive com um parlamentar que é da área da saúde, o Mandetta [Luiz Henrique Mandetta, do DEM], de Mato Grosso do Sul, que falou que aplicou lá em Mato Grosso do Sul e deu certo na questão dos prematuros. Você acaba economizando. Muita gestante não dá bola para sua saúde bucal ou não faz os exames do seu sistema urinário com frequência. Então certos problemas advêm disso e a possibilidade de prematuros aumenta assustadoramente. E cada prematuro por dia gasta em UTI 4 mil reais. Sobra dinheiro para outras coisas. Tem que jogar na prevenção. Eu vou dar a missão. Quem for para o Ministério da Saúde tem que cuidar da Saúde, e não da doença prioritariamente.
 
https://www.youtube.com/watch?v=lDL59dkeTi0
 
Bolsonaro não estava de todo errado. O dado de que a prematuridade é uma das principais causas da mortalidade infantil é real, como se vê nesta matéria aqui da Agência Brasil, de 2016, feita a partir de um relatório de uma ONG afirmando que “o nascimento prematuro figura como a principal causa de mortalidade infantil até 5 anos de idade em todo o mundo”.
 
Mas a forma como tratou a questão, estacionando a resposta em 2016, mostra o despreparo técnico e a latente falta de uma visão mais ampla dos problemas do País.
 
Em 2016, o índice divulgado ainda era de queda na mortalidade infantil. O IBGE, inclusive, produziu relatório argumentando que o aumento de domicílios com saneamenento básico e da escolaridade das mulheres estavam associados àquele resultado. Veja aqui
 
O debate, hoje, é permeado de novos elementos. A própria reportagem da Folha deste mês sobre a mortalidade infantil indica que o Ministério da Saúde viu no Zika vírus e na crise econômica (leia-se: corte em programas sociais e congelamento de gastos aplicados pelo governo Temer, com efeitos pelas próximas duas décadas!) os principais fatores para interromper a trajetória de combate mais eficiente à mortalidade infantil.
 
Bolsonaro passou longe de contextualizar o cenário atual e de comentar as avaliações de especialistas que afirmam que não há como reverter essa alta na mortalidade infantil desconsiderando os investimentos não só na rede de saúde em si, mas nas políticas sociais como Bolsa Família, Farmárcia Popular, Rede Cegonha, etc. Veja a entrevista que a ex-ministra Tereza Campello concedeu à RBA aqui.
 
A alta na mortalidade infantil, segundo os dados atuais, cresceu 2% entre bebês de 0 a 1 ano, e outros 11% em crianças de 1 a 4 anos. Os motivos, neste segundo nicho, estão mais ligados a diarréia, desnutrição, ou seja, às políticas de proteção social que não deveria sofrer cortes “nem ajuste orçamentário para o equilíbrio das contas públicas. Isso impacta muito na sobrevivência das famílias pobres e extremamente pobres”, disse Denise Cesario, gerente executiva da Fundação Abrinq, à Folha.
 
PS: Depois que Bolsonaro disse que entregaria a missão de cuidar da saúde ao ministro de sua escolha, a jornalista ainda quis saber como é que ele pretende reduzir impostos e ter dinheiro para aplicar na prevenção. O candidato só aumentou a perplexidade: disse que, como fizeram na Inglaterra, o caminho é “conjungar isso aí” com “desburocratização e a desregulamentação” da economia para não prejudicar ainda mais a vida de “quem quer empreender no Brasil”. 
 
“Mas eu estou falando de saúde!”, exclamou a jornalista. “Você falou em economia, como reduzir impostos e atender a economia”, se defendeu o deputado. Pressionado, concluiu que “se você, por exemplo, aumentar o número de empregos no Brasil, a tendência de alguém procurar o hospital diminui.”

 

27 comentários

  1. Não é porque 99% que fala Bolsonaro é besteira que se ……

    Não é porque 99% que fala Bolsonaro é besteira que se deve desqualificar o 1% restante.

    Há uma tendência em todos os lados da política, quando um adversário ferrenho que fala muitas bobagens, assim como o deputado Jair Bolsonaro, que quando as poucas coisas corretas que o mesmo fala (que são raríssimas) que se deva desprezar e ignorar.

    Bolsonaro em muitas declarações fala das possibilidades das fraudes nas urnas eletrônicas. Talvez uma fraude monstro no sistema peneira das urnas eletrônicas brasileiras, um dos únicos sistemas do mundo que não permite recontagem salvo que as eleições sejam realizadas de novo, não seja exatamente para tirar Bolsonaro da disputa, porém o sistema eletrônico, que tem toda uma parte criptografada pela ABIN e o controle desta urna é somente do TSE.

    Durante toda a história das urnas eletrônicas brasileiras todos os estudos levantados por grupos fora do pessoal de informática do judiciário mostram a vulnerabilidade do sistema de voto principalmente se o problema nascer dentro do próprio judiciário eleitoral.

    Em todas as eleições aparecem denúncias sobre fraudes nas urnas eletrônicas, porém como elas são feitas de tal forma que é impossível auditá-las, há uma verdadeira profissão de fé de todos que acreditam que não é possível de dentro do TSE possa haver algum grupo que fraude as eleições. Não esqueçam que os tribunais eleitorais foram fundados para que partidos ou governos não cometessem fraudes nas eleições, porém jamais se pensou que a fraude poderia ter origem dentro destes próprios tribunais.

    O voto impresso num pequeno número de urnas que fosse distribuída aleatoriamente, permitiria que toda a eleição fosse colocada sob suspeição. Assim como as pesquisas em que se tem um número extremamente reduzido de pesquisados para se ter a noção do universo dos votantes, com o mesmo número reduzidíssimo de urnas com voto impresso se teria uma forma de verificar se houve ou não fraude.

    Porém mais uma vez a esquerda brasileira ultrapassa a sua burrice usual, ela sabe que as urnas são fraudáveis, principalmente se esta fraude partir de um pequeno grupo ativo interno ao TSE, elas sabem que o judiciário, incluindo neste o TSE, tem se manifestado francamente contra Lula, elas sabem que no desespero de perder as eleições é mais fácil fazer uma imensa fraude eleitoral, ou no voto majoritário ou no proporcional, que garanta o executivo ou o legislativo, do que golpear o país mais uma vez e quebrar por completo a normalidade eleitoral.

    Ou seja, o Brasil não foi feito para amadores e parece que a esquerda é de uma imensa maioria de não profissionais.

     

    • Enfatizar a impressão do voto

      Enfatizar a impressão do voto como recurso ”anti-fraude” em um sistema onde a contagem queiram ou não é feita com softwares tira toda a seriedade do processo ou ser ingênuo demais. Brizola quase não foi eleito com as eleições de 1982, mesmo com eleições em papel graças à contagem final computadorizada

      • Claudionor, o que não tiveram exito no Rio conseguiram no RS.

        Na apuração das eleições onde Pedro Simon concorria contra Jair Soares foi feita uma fraude mista, fizeram uma pesquisa boca de urna bem elaborada e identificaram onde Jair Soares estaria na frente. Começaram a contar os votos, Jair Soares começou pontuando, como Pedro Simon, como sempre não era muito rápido no raciocínio político simplesmente se forma não oficial se declarou vencido, e desmortivou os fiscais. Feito isto a quantidade de votos do MDB da época contra a Arena começou a diminuir, assim como diminuiu o número de votos em branco que passaram a ser do Jair, a diferença pró Jair foi diminuindo, aí começou a correria dos fiscais do MDB para a central de apuração, mas já era tarde demais, Pedro Simon num colégio eleitoral de 3.799.013 (14% de nulos e brancos) de eleitores perdeu por 22 mil votos. Em 1982 houveram 540 mil votos brancos e nulos e em 1986 houveram 635 mil de votos brancos e nulos, para um colégio eleitoral de 4.820.506 (13% de nulos e brancos).

        O que se pode ver que fraudes podem ser feitas em qualquer sistema, só que em sistemas com papel qualquer um entende como funciona e dá para recontar.

        • Num sistema misto a fraude é muito mais difícil

          Tanto o sistema eletrônico como o do voto em cédula de papel é sujeito a fraude. Mas no papel as urnas e os votos podem ser auditados, feita a recontagem e constataçãd fraude. Nas urnas eletrônicas usadas no Brasil (obsoletas por serem de uma 1ª geração, desenvolvidas há quase 30 anos)  a fraude pode ser feita no programa ou na totalização dos votos. Como as urnas eletrônicas são inauditáveis, as fraudes não podem ser detectadas e provadas. Legislaçao recente, aprovada em 2015, prevê  a impressão do voto. Mas os golpistas do TSE e do STF decidiram que tal lei é “inconstitucional”, uma aberração comparável a essa que ignora o princípio da presunção de inocência (ou não culpabilidade, para usar um eufemismo/tucanismo do meio jurídico), inscrita no inciso LVII do Art. 5º do texto constitucional e no Art. 283 do CPP; essas aberrações têm um fim ´político claro: impedir que o Ex-Presidente Lula dispute e vença a eleição presidencial ou que qualquer candidato da Esquerda Democrática o faça. Os golpistas/ditadores da toga querem tutelar uma democracia fraudulenta.

          Em sistemas mistos, com uso de urna eletrônica e impressão do voto (que é visto pelo eleitor, conferido se de acordo com o que é mostrado na tela da urna, mas que não pode ser manuseado por ele, sendo depositado noutra urna assim que materializado) a aplicação de fraude se torna MUITO MAIS DIFÍCIL, pois alé do eleitor ter a certeza de que o voto computado corresponde ao impresso, é fácil fazer uma auditoria, confrontando o resultado mostrado no boletim da urna eletrônica com o obtido na contagem dos votos impressos. Na Venezuela é usado um sistema como esse. Apesar de toda a ação da mídia golpista contra os governos daquele país, centenas de observadores internacinais que acompanharam eleições por lá atestararm que o sistema é dos mais seguros do mundo e que é dificílimo fraudar o sistema e essa fraude não ser detectada. 

          Da forma como é hohe, o sistema de votação usado no Brasil, é muito sujeito a fraudes e esssas praticamente indetectáveis. Por essa razão NENHUM outro país ussa sistema semelhante. Sem a impressão do voto e sem auditorias, SEMPRE ocorrerão fraudes. O GGN já fez reportagens mostrando as vulnerabilidades do istema de urnas eletrônicas usado no Brasil. Nesta eleição, a única coisa certa é que os golpistas usarão, de forma descarada, as fraudes, para que o candidato  oficial do golpe – Geraldo Alckmin – seja o vencedor.

  2. Lamento muitíssimo pelos que

    Lamento muitíssimo pelos que acreditam em que pode haver um capital limpinho mas Bolsonaro é a prova viva de que o golpe do capital contra estados nacionais soberanos iniciado há pouco tempo, uns 50, 60 anos, está vivíssimo e em curso no nosso país.

    Mas como não há um ser vivo chamado capital e sim pessoas que lançam mão desse recurso para estabelecer poder político, os chamados plutocratas, talvez fosse interessante para a democracia e a soberania nacional começarmos o trabalho que deveríamos ter feito faz tempo: submeter o capital – ou melhor, as pessoas que o operam – às regras civilizatórias democráticas.

    (***)

    Em tempo: dinheiro e seus operadores nunca foram e nunca serão limpinhos. Perfumados, tomados de banho, formais, fleumático, cuidadosos com a aparência, talvez. Mas basta uma circulada pelos corredores escuros por onde transitam não os consumidores em potencial mas os funcionários dos shopping centers para perceber a diferença entre o que o capital aparenta e o que realmente é. Aparentemente não tenho fome, aparentemente tenho recurso para desenvolver meu potencial humano inato…

    (***)

    Pergunta ao candidato: Se os militares não cometeram crimes durante seus governos, porque pediriam anistia?

  3. Nada aprofundado…Cheio de

    Nada aprofundado…

    Cheio de opiniões, achismos e endosso de preconceitos das causas que pouco entende…

    Pode-se viver assim, assim como ele há milhões!

    Ao ser humano é facultado isso…

    Pensamentos e palavras podem conter erros, que não necessariamente causam o castigo ou morte imediata de quem estes erros fala ou pensa…

    A mentira por isso é um fato possível, mas com consequências a partir da realidade que ela oculta!

    Ela não moverá essa realidade, que por isso retardará o tempo comum de nossas vidas…

    Perdemos todos…

    Agora se o planeta alterar em centímetros sua trajetória em torno do sol, haverão cataclismas!

    A natureza, a vida na qual estamos imersos caminha dentro da verdade, e por isso nos cobrará…

    Se o motorista de ônibus quiser a cada dia fazer por sua conta um trajeto novo, acabará o transporte coletivo…

    Assim, se ele quer se tornar presidente, impõe a necessidade de pensar para a maioria, na forma da melhor abordagem sob pena de criar cataclismas sociais…

  4. Dpois da entrevista que esse

    Dpois da entrevista que esse bagaço deu no Canal Livre, quase fazendo Mitre arrancar os cabelos por ouvir tamanhas ignorâncias, eu disse a mim mesma que jamais voltaria a ver esse cascudo. Quando aparece a cara dele no meu celular, deleto na hora. Acho insuportável admitir um jumento no poder. Já chega Temer, que não é jumento, mas sem-caráter tal e qual.

    Cultura e demais são todos tucanos. Nenhum desses donos de imprensa vai agir em favor de Boslo ou de qualquer esquerdista. Tem que ser Alkmin. Vão remover montanhas pra isso, mas a política é como núvens a mudar de lugar, já dizia alguém que não lembro. 

    Sou das que não desistem. E hei de ver esse maluco no lugar dele.

    A minha preocupação é sobre quem vai assumir os votos de Lula, se ele não tem a menor chance de se candidatar. Dá medo ver tantos dizerem em comentários nas redes sociais que é Lula ou voto nulo. Isso seria uma coisa muito ruim. 

    • Pera aí, pera aí, pera aí

      Vamos corrigir as injustiças.

      Quando você diz:

      -“Acho insuportável admitir um jumento no poder. Já chega Temer, que não é jumento, mas sem-caráter tal e qual.”

      você está sendo injusta com os jumentos.

      Afinal, nunca na vida eu vi um jumento sem caráter, já um Temer….

       

        

  5. Trabalhador adoece menos?

    Qual a relação de causalidade existente entre alta taxa de desemprego e alta procura por hospitais?

    Por falta de condições de tratamento e compra de remédios, os desempregados é que procuram menos os estabelecimentos de saúde.

  6. Que o Pt não cometa mais uma

    Que o Pt não cometa mais uma vez o erro que cometeu com a marina em 2014. O Pt esvaziou a marina no primeiro turno, abrindo espaço pro aócio. Deu no que deu. A marina não tinha estrutura partida´ria-midiática-judiciário como do aócio, e este ao ir pro segundo turno quase ganha o executivo. Fez um monte de deputados que mais tarde viabilizou o seus planos golpistas. Agora o Pt está fazendo coro com todo mundo, inclusive com a mídia podre, contra o bolsonero. Não que ele não mereça , mas se o chuchu passar pro segundo turno, a coisa pode dar no mesmo. O negocio é deixar o cachorros latirem agora contra o fascista e atacá-lo só no segundo turno. Estrategistas do Pt, considerem isto, por favor.

  7. Direto no alvo, como de costume.

    Caro Rogério Maestri,

    Com exceção de um episódio – em que por entendimento enviesado de comentário postado por mim, julgaste-me preconceituoso com as mulheres, o que sempre procurei e procuro não ser – quase sempre concordo com teus bem fundamentados comentários. Neste tu foste ao âmago da questão: Bolsonaro é desqualificado, despreparado para qualquer cargo de gestão pública. Mas nas pouquíssimas vezes em que o candidato de extrema direita verbaliza alguma idéia com fundamento lógico devemos reconhecer isso. Na questão das urnas eletrônicas a desconfiança não é só de Bolsonaro, mas dos especialistas que já provaram ser possível fraudar a votação, sobretudo no momento da totalização dos votos. Mesmo antes disso, especialistas em TI e programação conseguiram direcionar votos de um candidato para outro.

    As suspeitas de fraudes, sobretudo em eleições proporcionais, são ENORMES e muito bem fundamentadas, pois alguns deputados e vereadores eleitos JAMAIS demonstraram capital político e imagem perante o eleitorado, de modo a conseguir tal façanha. O Duplo Expresso ouviu especialistas e mostrou isso. Portanto essa desconfiança de Jair Bolsonaro sobre fraudes na votação e apuração fazem muito sentido. É digno de nota que a família que controla a empresa responsável por desenvolver o software das urnas eletrênicas seja a mesma daquele que preside o TRF-4, cujo tetravô ajudou a dizimar o Arraial de Canudos, no final do século XIX. No ano passado, antes que a sentença condenatória do Ex-Presidente Lula, prolatada pelo juiz de piso, Sérgio Moro, chegasse à côrte que preside, Carlos Thompsom Flores Lenz, mesmo sem ter lido a peça, classificou-a como “irrepreensível”.

    Quanto ao candidato nazifascista, Jair Bolsonaro, entrevistado pelos tucanos da TV Cultura, controlada pos Geraldo Alckmin há quase uma década, e por jornalistas do PIG/PPV (todos eles integrantes e/ou defensores do tucanato paulista), os progressistas e democratas não devemos lhe dar toda essa importância e repercussão. Sem atacá-lo de forma virulenta, o que a direita golpista, oligárquica, plutocrata, escravocrata, cleptocrata, privatista e entreguista quer mesmo é municiar o candidato oficial do golpismo, o tucano Geraldo Alckmin, para trucidar o nazifascista num eventual 2º turno. Mas para essa estratégia funcionar é preciso combinar com os “russos”, ou seja, com os mais de 60 milhgões de brasileiros que hoje elegeriam o Ex-Presidente Lula já no 1º turno. Inviabilizando a candidatura de Lula, a direita  ardorosamente deseja disputar um 2º turno com Bolsonaro, contando com os votos da Esquerda apavorada. Não podemos cair nessa arapuca, pois a eleição do picolé de chuchu é ainda mais nefasta para a Esquerda Democrática e Progressista, sobretudio no médio e longo prazo.

  8. É impressionante a quantidade

    É impressionante a quantidade de juízes, promotores, advogados, engenheiros, médicos, empresários e militares que levam essa criatura a sério. Não tenho a menor dúvida de que o Bolsonaro estará no 2º turno!

    • Se serve de consolo, esse

      Se serve de consolo, esse fenômeno que prova que conhecimento não é sinônimo de bom senso não é restrito ao Brasil. Na Alemanha nazista, o maior percentual de apoio aos delírios de Hitler eram os médicos. 

      • Horror dos horrores!!!!

        Não é que eu duvide de sua afirmação, mas vc. poderia me passar a fonte?

        Talvez explique muita coisa que eu ando vendo por aqui…..

         

    • Será que levam Bolsonaro a

      Será que levam Bolsonaro a sério ou levam a sério a tarefa de usrupar o estado brasileiro para si mesmos, de forma privada? Acho que é a segunda, hein? E só torcem por Bolsonaro porque, como se sabe, dar um chega prá lá nele é facinho… É só dar uns tocos cala-boca acompanhados de uma risadinha e um “deixa que eu cuido disso para o senhor que afinal eu entendo do riscado e o senhor… bem, o senhor é o máximo, é apenas, rs… o presidente”.

      Ou seja, para quem torce para o quanto pior, melhor, Bolsonaro é o candidato ideal.

      O que essa moçada não está vendo é que, deixando a iniciativa privada arrasar com nosso país e, ainda por cima, armando o povo, a iniciativa privada apenas está encaminhando uma revolução sangrenta, a ditadura do proletariado.

      Uma coisa é certa: Bolsonaro na presidência é guerra civil. E quem ganha essa guerra civil? Façam suas apostas…

  9. Bolsonaro representa o que

    Bolsonaro representa o que existe de pior na sociedade brasileira. Escravocratas, estúpidos, arrogantes e violentos se identificam com ele, e se ele chegar mesmo a se tornar presidente será o fim do Brasil como país.

  10. Retrospectiva

    Desde quando o brasileiro elege candidato de acordo com seu “preparo técnico”? Desde os primórdios da república o que mais se vê é a ridicularização dos candidatos com bom preparo técnico.

    • Num mundo paralelo
       

      Vale a pena experimentar, num mundo paralelo, a “experiência bolsonaro sem preparo técnico “.

      Num mundo paralelo particular, isolado, abaixo deste mundo em que vivemos, onde você possa viver as delícias de seu experimento  em realidade virtual.

  11. Preparado é ser como Alckmin
    Fala de forma calma. Discurso decorado. Discurso de pura hipocrisia.
    O esquerdista é o sonho do Psdb. O PSDB arquitetou toda desgraça que estamos vivendo e agora o esquerdista quer dar o país a eles. Pq Alckmin é “preparado”.

    A falta de neurônios está na esquerda e na direita.

  12. Ao assistir ao programa Roda

    Ao assistir ao programa Roda Viva Ou Morta, com J. Bostonaro, entendi uma coisa: Bostonaro não é de extrema direita mas sim, de extrema burrice!!!

  13. Livro “Ernesto Geisel”

    série de entrevistas para a FGV, na pagina 112, Geisel fala.

    “Neste momento em que estamos conversando, há muitos dizendo: ‘Temos que dar um golpe! Temos que derrubar o presidente! Temos que voltar à ditadura militar!’ E não é só o Bolsonaro, não!” 

    Na página seguinte, respondendo a uma pergunta sobre a participação de militares na política, é que vem a pérola: 

    “Presentemente, o que há de militares no Congresso? Não contemos o Bolsonaro, porque o Bolsonaro é um caso completamente fora do normal, inclusive um mau militar.”

     

  14. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome