Governo anuncia substitutos dos ministros que renunciaram para serem candidatos

Ao todo, foram 11 novas nomeações, que preencheram cargos deixados por nomes fortes do bolsonarismo, como Damares Alves, Ônix Lorenzoni, Gilson Machado, Tarcísio Gomes de Freitas e Tereza Cristina

Tarcísio de Freitas e Damares Alves (foto: Fábio Rodrigues-Pozzebom / Agência Brasil)

O Diário Oficial da União publicou nesta quinta-feira (31/3), os decretos que oficializaram a exoneração de dez altos funcionários do governo de Jair Bolsonaro que deixaram seus cargos para concorrerem a cargos públicos nas próximas eleições. Também foram conhecidos os nomes que substituirão essas pessoas em seus respectivos ministérios e secretarias.

Entre os exonerados estão algumas figuras das mais destacadas do bolsonarismo, como a agora ex-ministra Damares Alves (Republicanos), que deverá ser candidata a deputada federal no Amapá, razão pela qual deixou a pasta da Mulher, Família e Direitos Humanos, que passará a ser comandada por Cristiane Rodrigues Britto.

Outro nome forte do governo nas próximas eleições será o de Tarcísio Gomes de Freitas (Republicanos), provável candidato a governador do Estado de São Paulo, que entrega o comando do Ministério da Infraestrutura a Marcelo Sampaio.

Tereza Cristina (PP), que chegou a ser cotada para ser vice de Bolsonaro, será candidata ao Senado em Mato Grosso do Sul, e por isso deixa o Ministério da Agricultura nas mãos de Marcos Montes Cordeiro.

Outro que chegou a ser cogitado como vice é o sanfoneiro Gilson Machado (PSC), agora ex-ministro do Turismo e candidato ao Senado em Pernambuco. Seu substituto no cargo é Carlos Alberto Gomes de Brito.

Já Ônyx Lorenzoni (DEM) foi substituído por José Carlos Oliveira no Ministério do Trabalho, mas ainda não está claro se ele será candidato a governador ou a senador no Rio Grande do Sul.

Candidatos do PL

O dilema de Lorenzoni é o mesmo de Flávia Arruda (PL), que deixa a Secretaria de Governo nas mãos de Célio Faria Júnior, mas não definiu ainda se será candidata a senadora ou governadora no Distrito Federal.

Outros bolsonaristas de primeira linha são Marcos Pontes e Mario Frias, ambos recém filiados ao PL. O astronauta era ministro de Ciência e Tecnologia, pasta que passará a ser ocupada por Paulo César Rezende Alvim. Já o ator deixou a Secretaria Especial da Cultura nas mãos de Hélio Ferraz de Oliveira. Ambos serão candidatos a deputado federal por São Paulo.

Outro nome do PL é o de Rogério Marinho, que abandona o Ministério do Desenvolvimento Regional, substituído por Daniel de Oliveira Duarte Ferreira, para ser candidato ao Senado no Rio Grande do Norte. Pela mesma legenda, João Roma será candidato a governador da Bahia, por isso entregou o comando do Ministério da Cidadania a Ronaldo Vieira Bento.

O único nome que não teve seu substituto definido é o de Alexandre Ramagem (PL), que não é mais o diretor da Abin (Agência Brasileira de Inteligência), já que deverá se candidatar a deputado federal no Rio de Janeiro.

Leia também:

Xadrez sobre Bolsonaro, eleições e crime, por Luis Nassif

Agenda oculta: viagem de Bolsonaro à Rússia pode envolver fraude às eleições de 2022?

Piso de Lula nas pesquisas é ‘bem diferente’ do de Bolsonaro, diz Coimbra

Xadrez do golpe que será dado nas eleições, por Luis Nassif

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador