Enem: entenda por que profissionais do Inep pediram demissão na véspera do exame

Equipes relatam clima de insegurança e medo no cotidiano do órgão; Assinep responsabiliza "postura da alta gestão"

Trabalhadores e trabalhadoras do Inep denunciam “falta de comando técnico” e alertam para riscos à realização do Enem – Foto: Marcello Casal / Agência Brasil

do Brasil de Fato

Enem: entenda por que profissionais do Inep pediram demissão na véspera do exame

por Nara Lacerda

Quase trinta profissionais que atuavam na organização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) pediram demissão nos últimos dias, a menos de duas semanas da realização das provas. Os desligamentos ocorreram em protesto contra a gestão do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), que organiza o processo seletivo.

Somente nesta segunda-feira (8), foram 29 pedidos de demissão. Os servidores e servidoras denunciam “fragilidade técnica e administrativa” no comando do Inep. Atualmente, o órgão é presidido por Danilo Dupas Ribeiro, colocado no cargo pelo ministro da Educação, pastor Milton Ribeiro, em fevereiro deste ano. Dupas lecionou na mesma universidade privada em que Ribeiro foi vice-reitor. 

Segundo a Associação dos Servidores do Inep (Assinep), a gestão atual negligencia problemas estruturais, pratica assédio moral, promove desmonte nas diretorias, sobrecarga de trabalho e de funções e desconsidera aspectos técnicos para tomar decisões. As equipes relatam clima de insegurança e medo no cotidiano do órgão.

A entidade alerta que o cenário coloca em risco não só o Enem, mas também o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) e os Censos da Educação Básica e da Educação Superior.

Em nota, divulgada nesta segunda-feira (8), a Assinep responsabiliza “a postura da alta gestão do Inep” na situação, que é classificada como dramática, “Todas as ações institucionais da autarquia precisam de direcionamento técnico de gestores devidamente capacitados nas temáticas. Diante disso, reafirmamos a necessidade de atuação urgente do MEC e do governo federal no sentido de equacionar a situação e reduzir os riscos para a sociedade.”

Quem pediu demissão?

A debandada do Inep teve início na semana passada, quando dois coordenadores pediram demissão: o coordenador-geral de Logística da Aplicação, Hélio Júnio Rocha Morais, e o coordenador-geral de Exames para Certificação, Eduardo Carvalho Sousa. Ambos coordenavam áreas ligadas ao Enem.

Nesta segunda-feira (8), outras 29 pessoas também pediram desligamento do órgão. Pelo menos 27 atuavam diretamente com o Exame Nacional do Ensino Médio e mais de 20 coordenavam setores do Inep.

A Diretoria de Gestão e Planejamento, área que mais sofreu baixas, é responsável justamente pela organização logística da prova. Entre os servidores e servidoras que se desligaram do Inep, estão alguns dos profissionais mais experientes de setores estratégicos para o bom andamento do Enem. 

Com a permanência de Danilo Dupas no cargo de presidente do Inep, novos pedidos de demissão não estão descartados. A Assinep alerta para os riscos de uma “gestão caracterizada por afugentar e oprimir pessoas, o que gera vulnerabilidades aos exames, avaliações, censos e estudos, comprometendo a trajetória exitosa de 85 anos do Inep”.

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) está marcado para os dias 21 e 28 de novembro.

Outro lado

A reportagem do Brasil de Fato tentou contato com o Inep e o MEC, mas não teve resposta até a publicação desta reportagem

Edição: Leandro Melito

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador