E-mails vazados expõem a conexão da secretária do Interior britânico, Priti Patel, em uma operação cognitiva e de desestabilização no estilo do MI6

A aparente influência de uma cabala profundamente antidemocrática ligada ao MI6 sobre Priti Patel levanta sérias questões sobre sua aptidão para decidir sobre a extradição de Julian Assange aos EUA.

E-mails vazados expõem a conexão da secretária do Interior britânico, Priti Patel, em uma operação cognitiva e de desestabilização no estilo do MI6

por Marcus Atalla

Esse é o segundo artigo de uma série publicada pelo site investigativo independente, The Grayzone. Assinada pelo jornalista Kit Klarenberg, cuja especialidade é explorar o papel dos serviços de inteligência na formação das políticas e percepções públicas.

A primeira parte foi publicada pelo GGN: E-mails vazados expõem golpe secreto da inteligência britânica para derrubar Theresa May e instalar Boris Johnson.

A aparente influência de uma cabala profundamente antidemocrática ligada ao MI6 sobre Priti Patel levanta sérias questões sobre sua aptidão para decidir sobre a extradição de Julian Assange aos EUA.

  • A cabala agora gerenciando “operação de pesquisa e influência” inspirada no MI6
  • Esforço pode ser financiado por atores de agências de inteligência
  • Ministro do Interior britânico envolvido em complô
  • Ativistas ambientais e agentes chineses percebidos como alvos
  • Ministério do Interior infiltrado por espião do serviço civil da cabala
  • A cabala busca controlar a política energética e derrubar o ministro do governo

A secretária do Interior britânica, Priti Patel, deve decidir em breve se o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, será extraditado para os EUA, onde enfrenta prisão perpétua por atividades jornalísticas.

A Grayzone revela que Patel parece estar envolvido em uma “operação de pesquisa e influência” encoberta, diretamente inspirada pelos “princípios e métodos” do MI6 e guiada em parte por Richard Dearlove, ex-chefe da agência de espionagem estrangeira.

Embora a Ministra do Interior possa não estar totalmente informada sobre as forças obscuras que a cercam e os propósitos para os quais ela está sendo explorada, há evidências incontestáveis de que sua agenda ministerial e as políticas do Ministério do Interior estão sendo diretamente influenciadas como resultado de suas ligações com o grupo sombrio.

“Dark Ullen” será “conduzida nos mesmos moldes e métodos que uma operação de pesquisa e influência do [MI6]”

Em 15 de maio, o Grayzone expôs o plano sombrio de uma cabala da inteligência para sabotar o acordo do Brexit da primeira-ministra Theresa May, removê-la do cargo e substituí-la por Boris Johnson para garantir uma retirada ‘dura’ da UE. A cabala buscou uma variedade de métodos criminosos antidemocráticos para alcançar seus objetivos.

Uma fonte forneceu uma vasta parcela de e-mails contendo mensagens trocadas entre os membros da cabala. Outras comunicações revisadas e verificadas pelo The Grayzone apontam para esquemas recentes e chocantes.

Isso inclui tramas para difamar ativistas ambientais como agentes comunistas sob influência chinesa, pintar refugiados ucranianos como potenciais agentes duplos russos que buscam realizar ataques terroristas em solo britânico e derrubar o Ministro do Estado para Negócios, Energia e Estratégia Industrial, Kwasi Kwarteng.

O aparente líder e mestre de marionetes do grupo espectral é Gwythian Prins, membro do Painel Consultivo de Estratégia do Chefe do Estado-Maior de Defesa, ex-conselheiro da OTAN e do Ministério da Defesa. Em 21 de janeiro, Prins escreveu ao ex-diretor do MI6 Richard Dearlove – um membro-chave da cabala – descrevendo os termos do ‘Dark Ullen’, palavra-código do “nosso projeto China”.

“Dark Ullen” não terá estrutura e, portanto, nenhum cargo de titular e será conduzido com os mesmos princípios e métodos de uma operação de pesquisa e influência do SIS [MI6], escreveu Prins, acrescentando que buscaria remuneração anual de £ 60.000 pelo esforço. O “rei sol” da operação receberia como empresário individual, não como funcionário, de modo que as autoridades fiscais britânicas não considerariam a “Dark Ullen” como uma entidade comercial.

Não foi possível confirmar quem ou o que chancelou a Dark Ullen. Como a investigação anterior do Grayzone detalhou, a cabala pode depender de financiamento considerável de vários Brexiteers ricos e reclusos.

Em um e-mail enviado em outubro de 2020, Prins propôs a Dearlove o estabelecimento de uma “unidade Vauxhall Cross”, uma referência à sede do Serviço de Inteligência Secreta do MI6 no Reino Unido. Deixando claro que ele estava “totalmente preparado” para entrar no “mundo” de Dearlove. Prins sugeriu que se o agente “sucessor” visse o “nosso valor”, eles poderiam “financiar a operação”. Isso poderia ter sido uma referência a John Scarlett ou outro diretor subsequente do MI6?

Em seguida, em 21 de fevereiro de 2022, Prins disse a Patrick Robertson, diretor da think tank pró-Brexit Bruges Group, que estava “honrado” por conhecer Patel pessoalmente naquela noite. Ele se referiu à ministra do Interior como “uma mudança refrescante nesse mingau dentre os políticos atuais”.

A Cabala propõe ataques a ativistas anti-verde como “o tipo de trabalho que o MI5… faz”

Durante a reunião de Prins com Patel, ele forneceu-lhe um diagrama extenso e praticamente impenetrável de defensores do meio ambiente e da energia verde, descrevendo sua proximidade com Downing Street. O gráfico oferece a aparência de uma “operação de pesquisa e influência” inspirada no MI6, como proposto por Prins.

Considerando os vários atores no diagrama como agentes chineses em potenciais ou reais. Prins procurou minar, difamar “pessoas de interesse”. Uma citada foi Ben Caldecott, diretor fundador do Grupo de Finanças Sustentáveis da Universidade de Oxford.

Prins argumentou que Caldecott não era apenas preocupantemente “onipresente”, mas “potencialmente aberto” à “chantagem/conversão voluntária” por Pequim, por razões não declaradas. Ele, no entanto, prometeu que Dark Ullen, uma vez iniciada, se envolveria no “tipo de trabalho que o MI5 executaria corretamente” para atingir Caldecott, juntamente com outras cobras chinesas: espionando, desacreditando e disrupção, presumivelmente com o apoio e o aval do Ministério do Interior.

Vários legisladores conservadores compartilharam cópias de um panfleto publicado por Prins sobre mudanças climáticas, nem que o autor afirma “o racismo da Teoria Racial Crítica, o apoio aos propósitos marxistas do Black Lives Matter e o anarquismo do ativismo verde profundo são todos grãos para o moinho do UFWD [Departamento de Trabalho da Frente Unida do Ministério da Segurança do Estado da China].”

O Grantham Research Institute on Climate Change da London School of Economics, onde Prins lecionou, criticou o agente conservador em setembro de 2021, classificando as opiniões expressas em seu panfleto sobre mudanças climáticas como propaganda ideológica disruptiva.

Encontrando “uma maneira” de influenciar Priti Patel

Em seu e-mail para Robertson do Bruges Group, Prins solicitou que um endereço no protonmail dedicado ao Dark Ullen fosse criado para Patel com o propósito de permanecerem em contato. Ele aconselhou ainda que a Ministra do Interior usasse o aplicativo de mensagens criptografadas, Signal, “para ela lhe enviar mensagens rápidas, se assim o desejasse”.

Ele acrescentou que Evelyn Farr, uma infiltrada no serviço civil, também “gostou muito” de Patel e estava “totalmente pronta” para se juntar ao Ministério do Interior “se fosse possível encontrar uma maneira”.

Como The Grayzone revelou anteriormente, Farr passou informações confidenciais para a cabala, que credita a ela um papel “vital” no torpedeamento do acordo do Brexit de Theresa May e, de fato, em seu governo.

Três dias após propor uma linha secreta a Patel, Prins enviou por e-mail uma cópia do currículo de Farr para Robertson, juntamente com uma lista de artigos que ela escreveu sob o pseudônimo de Caroline Bell, onde defendia um Brexit sem acordo. O documento foi especificamente destinado à leitura privada da Ministra do Interior. Um caminho para Patel foi evidentemente encontrado.

Dearlove, adicionado no envio do e-mail, classificou o currículo como “ideal”, mas descreveu a lista de artigos como “mortal” e apenas para os olhos de Patel, pois “diz a um PUS Remainer [subsecretário permanente] cuja nossa fonte estava entre eles e o motivo do Acordo de Saída falir [grifo nosso].” 

Prins posteriormente advertiu Robertson de que ele e Patel deveriam proteger “com firmeza” esses documentos incriminatórios, “que nas mãos erradas estragariam o disfarce [de Farr] porque mostram o quão central ela era como um ativo para todos nós durante os terríveis dias de May e quão vital para nosso eventual sucesso [grifo nosso].”

Em um e-mail subsequente naquele mesmo dia para Robertson e Dearlove, Prins afirmou que, como Farr logo estaria ao lado de Patel, era necessário “elaborar prontamente uma estratégia e construir alianças políticas para colocar” o Ministério do Interior, Ministério da Defesa e “até certo ponto” o Ministério das Relações Exteriores no controle da política energética britânica, a fim de “deslocar” o ministro de Negócios, Energia e Estratégia Industrial, Kwasi Kwarteng.

Prins enfatizou seu desejo de “abater” o departamento de Kwarteng, chamando-o de “resto” do “intervencionismo” do governo de David Cameron. Ele também pediu “levantar a proibição do fracking” (petróleo por fraturamento hidráulico), aumentar a produção de petróleo e gás do Mar do Norte, aumentar as importações de energia dos EUA, Israel e Catar e precipitar um “confronto” com  “idiotas úteis da melancia” – melancia, pois os ambientalistas seriam verdes por fora e vermelhos por dentro. Dado que seu infiltrado do serviço civil estivesse seguramente abrigado com Patel, a planejada guerra de Dark Ullen contra o ambientalismo – e a China – começaria a sério.

Patel repete pontos de discussão paranoicos da cabala sobre refugiados ucranianos

Enquanto isso, uma guerra real estava acontecendo na Europa Oriental. Em 9 de março, em um momento de crescente e generalizada condenação de Londres por não receber um número substancial de refugiados ucranianos, Prins enviou um e-mail a Robertson, Farr e Dearlove, um conjunto de ‘mensagens-chave’ para o Ministério do Interior. Esse conteúdo poderia ser “transformado em um artigo de opinião” e publicado por Patel, ou servir como um discurso, o que lhe permitiria” recuperar o controle sobre a narrativa da situação dos vistos”.

Uma dessas ‘mensagens-chave’ era que, ao oferecer refúgio para aqueles que fugiam da operação militar da Rússia, o Reino Unido poderia se expor a hordas de “agentes assassinos de ‘bandeira falsa’ de Putin”. O enquadramento paranoico foi uma referência clara ao suposto ataque de Novichok ao agente duplo do GRU, Sergei Skripal, e sua filha Yulia, em março de 2018.

Apenas dez dias depois de Prins fornecer seus pontos de discussão, que podem ser vistos na íntegra aqui, Patel usou seu discurso na conferência do Partido Conservador para fazer precisamente essa acusação, invocando o incidente de Salisbury.

“A verdade é que um número muito pequeno de pessoas pode causar estragos absolutos, e a Rússia tem um histórico de atividades secretas hostis”, declarou Patel em 19 de março. “Receio que seja ingênuo e equivocado pensar que apenas homens podem ser agentes secretos, ou que os fluxos de refugiados não estariam sujeitos a alguma forma de exploração. Há aqueles que viriam ao nosso país, a este país, que nos fariam mal e planejam atacar nosso próprio modo de vida.”

Patel entrelaçada ao estado de segurança determinado a destruir Assange e dissidentes antiguerra

Mesmo antes da conexão de Patel com uma operação de influência doméstica ligada ao MI6 ser exposta, ela estava sobrecarregada em conflitos de interesse que comprometem sua aptidão para decidir sobre assuntos sensíveis e sísmicos como a extradição de Julian Assange.

Como o jornalista britânico Matt Kennard documentou, Patel participou do conselho consultivo da think tank neoconservadora Henry Jackson Society ao lado de Lord James Arbuthnot – um ex-ministro da Defesa conservador cuja esposa, Lady Emma Arbuthnot, deu duas decisões importantes contra Assange em 2018, forçada a se afastar devido a um “viés preconceituoso”.

A Henry Jackson Society tem o diretor da CIA James Woolsey como patrono desde 2006 e recebeu outros três ex-chefes desde 2014, incluindo o então secretário de Estado dos EUA Mike Pompeo em 2020. Enquanto liderava a CIA em 2017, Pompeo designou o WikiLeaks como um “serviço de inteligência hostil não estatal”. O que abriu as comportas para a vigilância desenfreada, assédio e perseguição de Assange e seus colaboradores, levando a Agência a tramar um plano escandaloso para sequestrar ou mesmo matar Assange.

Em uma grotesca reviravolta do destino, a pessoa encarregada de decidir se vítimas inocentes do conflito podem entrar na Grã-Bretanha também decidirá se o ativista e editor antiguerra mais famoso do mundo, Julian Assange, deve ser deportado para os EUA.

Embora não pareça haver nenhuma nota ou pontos de discussão sobre o fundador perseguido do WikiLeaks, nas parcelas de e-mails vazados e revisados pelo Grayzone, é seguro assumir que a cabala exerce sua influência sobre Patel para favorecer fortemente a extradição de Assange.

De fato, os membros da cabala parecem ver qualquer um que se afaste de sua visão de mundo imperialista, ou que fique no caminho de sua agenda extremista, como traidores absolutos. A aparente crença de Prins de que aqueles que defendem políticas energéticas ecologicamente corretas são agentes comunistas secretos, emana a mesma visão de mundo.

As tendências paranóicas da cabala são ressaltadas por um e-mail vazado cujo Dearlove compara o ex-líder trabalhista Jeremy Corbyn a um desertor do MI6 da Guerra Fria, insistindo que o político social-democrata simplesmente “não poderia ser primeiro-ministro”, já que Corbyn” pertencia ao outro lado em tantas questões cruciais.”   (Durante as eleições, houve uma grande campanha difamatória, a qual acusava Corbyn de antissemitismo).

A extradição de Assange para os EUA refletiria a injustiça do Tratado de Extradição Anglo-EUA de 2003, uma medida que aprofundou o papel da Grã-Bretanha como vassalo americano e determinará o destino de Assange.

A cabala procurou cimentar permanentemente esse relacionamento servil com Washington, conivente para garantir um Brexit radical que removerá o Reino Unido dos compromissos de segurança da UE e consagrará o domínio dos EUA.

Patel e o departamento governamental que ela chefia são componentes centrais no esforço contínuo de entrelaçar a Grã-Bretanha em todos os níveis com as estruturas, operações e objetivos militares e de inteligência dos EUA.

Como a pessoa que fez mais do que ninguém para expor o funcionamento interno e sinistro da aliança transatlântica, e popularizou a liberação em massa de documentos secretos sensíveis cuja parcela de e-mail detalhados aqui representa, a própria existência de Assange representa uma ameaça a esses projetos cínicos.

Marcus Atalla – Graduação em Imagem e Som – UFSCAR, graduação em Direito – USF. Especialização em Jornalismo – FDA, especialização em Jornalismo Investigativo – FMU

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]

Leia também:

As manipulações automáticas e imperceptíveis da ciência de dados, por Marcus Atalla

As digitais dos EUA no Brasil e na Ucrânia, por Marcus Atalla

Militares, urnas e disrupção, por Marcus Atalla

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador