As Novas Armas da Rússia (1): O discurso histórico de Putin

As Novas Armas da Rússia (1): O discurso histórico de Putin

Organizado por Ruben Bauer Naveira

Este é o primeiro artigo da série “As Novas Armas da Rússia”, que busca apresentar ao público brasileiro a nova realidade mundial inaugurada pelo discurso do presidente da Rússia Vladimir Putin no dia primeiro de março, o qual marca uma ruptura histórica de consequências imensuráveis para todo o mundo inclusive o Brasil: os Estados Unidos já não detêm mais a supremacia militar no planeta, e os seus dias de superpotência estão contados.

Esta série será composta também pelos seguintes artigos:

– As Novas Armas da Rússia (2): Resumo das armas(compilação pela equipe do site SouthFront.org)

– As Novas Armas da Rússia (3): Implicações militares (análise por Andrei Martyanov)

– As Novas Armas da Rússia (4): Implicações políticas (análise por The Saker)

As Novas Armas da Rússia (5): Implicações para o Brasil (análise por Ruben Bauer Naveira)

 

As Novas Armas da Rússia (1): O discurso histórico de Putin

do Blog do Alok

Transcrição da parte final (na qual foram apresentados os novos sistemas de armamentos) do discurso do presidente Vladimir Putin da Rússia perante a Assembleia Geral da Federação Russa e o Parlamento Russo

Tradução pelo Coletivo Vila Vudu

Clique aqui para ter acesso ao vídeo completo do discurso, dublado e legendado em inglês, ou aqui para o mesmo vídeo posicionado ao início da transcrição, em 1h14’44”.

 

[…]

Todos os projetos e prioridades de que falei hoje, como o desenvolvimento urbano, investimentos em infraestrutura, educação, saúde, meio ambiente, tecnologias e pesquisa de inovação para apoiar a economia, promover os talentos, a juventude, tudo isso está sendo concebido para uma tarefa estratégica – o desenvolvimento realmente renovador da Rússia.

Ao mesmo tempo, não podemos esquecer de cobrir, de modo confiável, as questões de segurança da Rússia.

Colegas,

A operação na Síria mostrou as novas grandes capacidades das Forças Armadas Russas. Em anos recentes muito foi feito para melhorar o Exército e a Marinha. As Forças Armadas têm hoje 3,7 vezes mais armas modernas. Mais de 300 novas unidades de equipamentos foram postas em serviço. As forças estratégicas de mísseis receberam 80 novos mísseis balísticos intercontinentais, 102 mísseis balísticos lançáveis de submarinos e três submarinos Borei movidos a energia nuclear e armados com mísseis balísticos. 12 regimentos de mísseis receberam novos mísseis balísticos intercontinentais Yars. O número de transportadores de mísseis de longo alcance e alta precisão aumentou 12 vezes, e o número de mísseis cruzadores guiados foi multiplicado por 30. O Exército, as Forças Aeroespaciais e a Marinha também são hoje significativamente mais fortes.

Todos, a Rússia e o mundo inteiro, já sabem os nomes de nossos mais novos aviões, submarinos, armas antiaéreas e sistemas de mísseis teleguiados em terra e embarcados no ar e no mar. Todos são armas de alta tecnologia, novas em folha. Temos um sólido campo de radar para alertar no caso de ser concebido algum ataque de míssil em todo o perímetro do território russo (recurso importantíssimo). Depois que a URSS foi desmantelada, apareceram vários buracos. Hoje já não há buracos. Foram todos consertados.

Demos um salto adiante no desenvolvimento de aviação tripulada à distância; criamos o Centro de Controle da Defesa Nacional; e formou-se o comando operacional de zonas marítimas distantes. O número de profissionais militares foi multiplicado por 2,4, e a disponibilidade de equipamento nas Forças Armadas cresceu, de 70% para entre 95 e 100%. As longas filas de espera por moradia permanente foram eliminadas; e o período de espera foi reduzido em 83%.

E agora, afinal, sobre a questão da defesa, importantíssima.

Falarei sobre os mais novos sistemas de armas estratégicas da Rússia que estamos criando como reação à retirada unilateral dos EUA do Tratado de Mísseis Antimísseis, e ao posicionamento que eles dão aos seus sistemas de defesa, tanto em território dos EUA como fora das suas fronteiras nacionais.

Gostaria de rememorar rapidamente uma parte de nosso passado recente.

Em 2000, os EUA anunciaram que se retiravam do Tratado de Mísseis Antimísseis. A Rússia opôs-se categoricamente a esse gesto. Víamos o Tratado EUA-URSSs sobre Mísseis Antimísseis, assinado em 1972, como o principal alicerce do sistema de segurança internacional. Nos termos desse tratado, as partes tinham o direito de instalar sistemas de defesa com mísseis antimísseis exclusivamente nos limites do próprio território. A Rússia instalou seus sistemas desse tipo em torno de Moscou; os EUA, em torno de sua base de mísseis antimísseis em terra, em Grand Forks.

Junto com o Tratado de Redução de Armas Estratégicas, o Tratado ABM não só criou uma atmosfera de confiança, mas, além disso, também impedia que qualquer dos lados usasse armas atômicas de modo completamente temerário e irresponsável, porque essas armas põem em risco a própria vida humana sobre o planeta, e, também, porque o número limitado de mísseis antimísseis de defesa tornava o agressor potencial vulnerável a um contra-ataque.

Fizemos o máximo possível para dissuadir os EUA da decisão de sair do Tratado. Em vão. Em 2002, os EUA se desligaram do Tratado de Mísseis Antimísseis. Mesmo depois disso, ainda insistimos no esforço de construir um diálogo construtivo com os EUA. Propusemos trabalhar juntos nessa área para aparar arestas e manter a atmosfera de confiança. A um certo ponto, cheguei a pensar que seria possível algum acordo, mas não. Rejeitaram todas, todas as nossas propostas, absolutamente tudo. Então, dissemos que teríamos de melhorar nossos modernos sistemas de ataque, para proteger nossa segurança. Como resposta, os EUA disseram que não criariam um sistema global de mísseis antimísseis de defesa contra a Rússia, que podíamos fazer o que quiséssemos, e que os EUA presumiriam que nossas ações não seriam de agressão aos EUA.

As razões por trás dessa posição são óbvias. Depois do colapso da URSS, a Rússia, ainda chamada no exterior de União das Repúblicas Soviéticas Socialistas, perdeu 23,8% do próprio território nacional; 48,5% da própria população; 41% do PIB; 39,4% do potencial industrial (quase metade de nosso potencial, vejam bem), além de 44,6% de sua capacidade militar, por causa da dispersão das Forças Armadas Soviéticas entre as várias repúblicas ex-soviéticas. O equipamento militar do exército russo estava ficando obsoleto, e as Forças Armadas estavam em estado lastimável. Havia terrível guerra civil em curso no Cáucaso, e inspetores dos EUA vigiavam a operação de nossas principais usinas de enriquecimento de urânio.

Por algum tempo, a questão nem era se conseguiríamos desenvolver algum sistema de armas estratégicas – havia quem duvidasse de que nosso país fosse capaz de armazenar em segurança e manter as armas nucleares que herdamos depois do colapso da URSS. A Rússia tinha dívidas gigantescas, a economia não funcionava sem empréstimos do FMI e do Banco Mundial; era impossível manter a esfera social.

Aparentemente, nossos parceiros concluíram que seria completamente impossível, na perspectiva histórica previsível, que nosso país ressuscitasse sua economia, sua indústria, sua indústria da defesa e suas Forças Armadas, até níveis suficientes para garantir apoio ao indispensável potencial estratégico. E sendo assim, ninguém precisaria ouvir o que a Rússia tivesse a dizer; e, para o futuro, bastaria manter aquela grande vantagem militar unilateral, para ditar as ordens em todas as esferas.

Basicamente, essa posição, essa lógica, se se consideram as realidades daquele momento, é compreensível, e grande parte da culpa é nossa. Todos esses anos, os 15 anos desde que os EUA se retiraram do Tratado de Mísseis Antimísseis, nós tentamos insistentemente nos reengajar ao lado dos norte-americanos, para discussões sérias, tentando acordos na esfera da estabilidade estratégica.

Conseguimos alcançar alguns daqueles objetivos. Em 2010, Rússia e EUA assinaram o Tratado de Redução de Armas Estratégicas START, com medidas para prosseguir na redução e limitação de armas estratégicas de ataque. Mas, à luz do plano para construir um sistema global de mísseis antimísseis, que ainda prossegue até hoje, todos os acordos assinados no contexto do Novo Tratado START estão agora sendo gradualmente esvaziados, porque, enquanto o número de transportadores e de armas é reduzido, uma das partes, a saber, os EUA, permite o crescimento constante não controlado do número de mísseis antimísseis, melhora a qualidade desses mísseis e constrói novas áreas para lançamento de mísseis. Se não fizéssemos coisa alguma, isso levaria à completa degradação do arsenal e nossos mísseis poderiam ser simplesmente interceptados.

Apesar de nossos numerosos protestos, a máquina norte-americana foi posta em movimento, a correia de transmissão foi ligada e posta a andar adiante. Há hoje novos sistemas de mísseis de defesa instalados no Alasca e na Califórnia; como resultado da expansão da OTAN para o leste, duas novas áreas para mísseis de defesa foram criadas na Europa Ocidental: uma já está implantada na Romênia, e o deslocamento do sistema também para a Polônia já está agora praticamente concluído. O alcance dele será sempre crescente; devem ainda ser criadas novas áreas de lançamento no Japão e na Coreia do Sul. O sistema global de mísseis de defesa dos EUA também inclui cinco cruzadores e 30 destroieres, os quais, pelo que sabemos, foram instalados em regiões muito próximas das fronteiras da Rússia. Não exagero, absolutamente, no que lhes digo; e o processo avança rapidamente.

Nesse quadro, o que fizemos, além de protestar e alertar? Como a Rússia respondeu a esse desafio? Pois lhes digo como.

Durante todos esses anos, desde a saída unilateral dos EUA do Tratado de Mísseis Antimísseis, trabalhamos sem descanso em armas e equipamentos avançados, que nos levaram a descobertas indispensáveis para desenvolver novos modelos de armas estratégicas.

Permitam-me lembrar que os EUA estão criando um sistema global de mísseis de defesa que visa, principalmente, a enfrentar armas estratégicas que cumprem trajetórias balísticas. Armas desse tipo são a espinha dorsal de nossas forças de contenção, como são também a espinha dorsal do armamento de outros membros do clube nuclear.

Assim sendo, a Rússia desenvolveu e trabalha continuamente para aperfeiçoar sistemas altamente efetivos, mas de preço razoável, capazes de superar a defesa de mísseis. Estão instalados em todos os nossos complexos de mísseis balísticos intercontinentais.

Além disso, cuidamos também de desenvolver a próxima geração de mísseis. Por exemplo, o Ministério da Defesa e empresas da indústria aeroespacial e de mísseis estão em ativa fase de teste de um novo sistema de mísseis com um pesado míssil intercontinental. Demos a ele o nome de “Sarmat”.

O sistema Sarmat substituirá o sistema Voevoda criado pela URSS. Seu imenso poder foi reconhecido universalmente. Nossos colegas estrangeiros deram-lhe até um nome muito ameaçador [N. do T.: os americanos deram os nomes de “Satan” (Satã) ao Voevoda, e “Satan-2” ao Sarmat].

Isso posto, as capacidades do míssil Sarmat são muito superiores. Pesando mais de 200 toneladas, tem fase de arranque curta, o que torna mais difícil interceptá-lo para os sistemas de mísseis de defesa. O alcance desse novo míssil pesado, o número e a potência de seus blocos de combate, é maior que o do Voevoda. O Sarmat será equipado com várias ogivas nucleares de grande alcance, inclusive hipersônicas, e os mais modernos recursos para escapar dos mísseis de defesa. O alto grau de proteção dos lançadores desses mísseis e as significativas capacidades de energia que o sistema oferece permitirá que ele seja usado em quaisquer condições.

Por favor, assistam ao vídeo [clique aqui para assistir ao vídeo completo do discurso, contudo posicionado no início da apresentação do míssil Sarmat, a qual tem duração de 47 segundos].

O Voevoda tem alcance de 11 mil quilômetros. O alcance do Sarmat é praticamente ilimitado.

Como o vídeo mostra, o Sarmat pode alcançar alvos via os dois polos, Norte e Sul.

O Sarmat é um míssil formidável e, dadas as suas características, não pode ser detido nem pelos mais avançados sistemas de mísseis de defesa.

Mas não paramos nisso. Começamos a desenvolver novos tipos de armas estratégicas que absolutamente não seguem trajetórias balísticas no caminho até o alvo e, portanto, os sistemas existentes de mísseis de defesa são inúteis contra ele. Não fazem sentido algum.

Permitam comentar essas novas armas.

As armas avançadas da Rússia são baseadas em tecnologia de ponta, realizações únicas e exclusivas, descobertas de nossos cientistas, projetistas e engenheiros. Uma dessas descobertas é uma unidade de energia nuclear pequena e de alto desempenho que pode ser instalada num míssil semelhante ao nosso míssil X-101, que pode ser disparado de avião, ou num míssil Tomahawk dos EUA – parecido com isso, mas com alcance dúzias de vezes mais longo, dúzias de vezes, basicamente tem alcance ilimitado. É um míssil de tipo ‘invisível aos radares’, que voa a baixa altitude e transporta uma ogiva nuclear. Tem alcance quase ilimitado, trajetória não previsível e capacidade para contornar os limites conhecidos de interceptação. É invencível contra todos os sistemas existentes e em estudo de mísseis de defesa e de defesa antiaérea. Hoje repetirei várias vezes essa informação.

No final de 2017, a Rússia lançou com sucesso seu mais novo míssil movido a energia nuclear, no campo central de testes. Durante o voo, o motor movido a energia nuclear alcançou a capacidade prevista no projeto e garantiu a propulsão necessária.

Agora que os testes de lançamento e operação em campo foram bem-sucedidos, podemos começar a desenvolver um tipo completamente novo de arma, um sistema estratégico de armas nucleares com um míssil movido a energia nuclear.

Assistam ao vídeo [clique aqui para assistir ao vídeo completo do discurso, contudo posicionado no início da apresentação do míssil de cruzeiro com propulsão a energia nuclear, a qual tem duração de 52 segundos].

Podem ver o modo como o míssil evita os interceptadores. Dado que o alcance é ilimitado, o míssil pode manobrar pelo tempo que for necessário.

Como os senhores com certeza compreenderam, nenhum outro país desenvolveu qualquer coisa semelhante a isso. Algum dia aparecerá, mas até lá já teremos inventado algo ainda melhor.

Noutro campo, todos nós sabemos que projetos e desenvolvimento de sistemas de armas remotamente tripulados é tendência comum no mundo. No que concerne à Rússia, desenvolvemos veículos submersíveis remotamente tripulados que podem navegar em grandes profundidades (pode-se dizer, profundidades extremas), intercontinentais, em velocidades várias vezes superiores à de submarinos, torpedos de última geração e todos os tipos de navios de superfície, mesmo alguns dos mais rápidos. É realmente fantástico. São objetos silenciosos, altamente manobráveis com mínimas vulnerabilidades que o inimigo possa tentar explorar. Absolutamente nada há no mundo capaz de superá-los.

Veículos subaquáticos remotamente tripulados podem transportar ogivas convencionais e ogivas nucleares, o que os capacita a buscar vários tipos de alvos, incluindo esquadrões de aeronaves, fortificações litorâneas e infraestrutura.

Em dezembro de 2017, uma unidade de motor nuclear para esse drone subaquático [mas silencioso] remotamente tripulado completou um ciclo de testes que durou vários anos. Essa unidade de motor nuclear é excepcional, porque é muito pequena, ao mesmo tempo em que tem impressionante relação potência-peso. É uma centena de vezes menor que as unidades nucleares que operam como motores dos modernos submarinos atômicos, mas ainda muito mais potente, e pode rapidamente ser posta em modo de combate, quero dizer, atingir capacidade máxima, 200 vezes mais rápido.

Os testes já completados nos permitem começar a desenvolver um novo tipo de arma estratégica que pode transportar massiva carga nuclear.

Assistam ao vídeo [clique aqui para assistir ao vídeo completo do discurso, contudo posicionado no início da apresentação do veículo submarino remotamente tripulado com propulsão a energia nuclear, a qual tem duração de 1 minuto e 15 segundos].

Devo dizer que essas duas novas armas estratégicas ainda não têm nome, o míssil cruzador de alcance global, e o veículo subaquático tripulado à distância. Sugestões, por favor, para o website do Ministério da Defesa.

Sabe-se que países que têm alto potencial de pesquisa e tecnologia avançada estão desenvolvendo ativamente as chamadas armas hipersônicas. A velocidade do som é em geral medida em números Mach, homenagem ao cientista austríaco Ernst Mach, conhecido por sua pesquisa nesse campo. Mach 1 equivale a 1.062 km/h, em altitude de 11 quilômetros. A velocidade do som é igual a Mach 1. Velocidades entre Mach 1 e Mach 5 são chamadas supersônicas; e acima de Mach 5, hipersônicas. Claro que esse tipo de arma oferece vantagens substanciais num conflito armado. Especialistas militares creem que seja arma extremamente poderosa, e que as velocidades hipersônicas a tornam invulnerável pelos sistemas de defesa aérea existentes, porque, dito de forma simplificada, os mísseis interceptores não a alcançam. Assim sendo, é compreensível que todos os principais exércitos do mundo trabalhem para obter essa arma ideal.

Amigos, a Rússia já tem essa arma.

O estágio mais importante no desenvolvimento de modernos sistemas de armas foi a construção de um sistema de mísseis hipersônicos de alta precisão. Como os senhores podem ter certeza, é o único sistema desse tipo no mundo. Os testes foram completados com sucesso e, o mais importante: dia 01 de dezembro do ano passado, esses sistemas entraram em operação experimental nas bases aéreas do Distrito Militar Sul.

As características exclusivas da aeronave transportadora de alta velocidade permitem levar o míssil ao local-alvo em minutos. O míssil que voa a velocidade hipersônica, 10 vezes mais rápido que a velocidade do som, pode também manobrar em todas as fases da trajetória de voo, o que também lhe permite superar todos os demais mísseis existentes e, creio, também todos os sistemas de defesa antiaérea e antimísseis em estudo hoje, transportando ogivas nucleares e convencionais, com um alcance superior a 2.000 quilômetros. Esse sistema recebeu o nome de Kinzhal (Adaga).

Vídeo, por favor. [clique aqui para assistir ao vídeo completo do discurso, contudo posicionado no início da apresentação do míssil hipersônico Mach 10 Kinzhal, a qual tem duração de 1 minuto].

Tenho ainda de falar sobre mais um avanço tecnológico realmente revolucionário – o sistema de míssil estratégico instalada num novo equipamento de combate, uma asa planadora, que também já foi testada com sucesso.

Repetirei mais uma vez o que dissemos incontáveis vezes aos nossos parceiros norte-americanos e europeus que são membros da OTAN: nós os russos faremos todos os esforços necessários para neutralizar todas as ameaças que se apresentem contra nós, que hoje se concretizam no deslocamento do sistema global de mísseis de defesa dos EUA. Dissemos isso nas conversações, e também dissemos publicamente.

Em 2004, depois dos exercícios de forças nucleares estratégicas, quando esse sistema foi testado pela primeira vez, eu mesmo disse o seguinte numa conferência de imprensa (é incômodo para mim citar palavras minhas, mas ainda é o que há de mais adequado para dizer aqui). Disse eu em 2004:

   “Dado que outros países aumentam o número e a qualidade das próprias armas e do próprio potencial militar, a Rússia também terá de assegurar que tenha à sua disposição nova geração de armas e de tecnologia.

   Sobre isso, tenho o prazer de informar aos senhores que testes já concluídos com sucesso durante as recentes manobras nos permitem confirmar que, em futuro próximo, as Forças Armadas Russas, as Forças de Mísseis Estratégicos, receberão novos sistemas de armas de velocidade hipersônicas e de alta precisão que podem atingir alvos em distância intercontinental e podem auto-ajustar a própria altitude e o próprio curso durante o voo. É declaração muito importante, porque nenhum país do mundo até agora conta com esse tipo de armamento no respectivo arsenal militar.” [fim da citação].

Claro, cada palavra tem significado relevante, porque falamos da possibilidade de ultrapassar os limites da percepção. Por que fizemos tudo isso? Por que falamos sobre isso?

Como os senhores podem ver, não fizemos segredo de nossos planos e falamos abertamente sobre eles, em primeiro lugar, para atrair nossos parceiros à mesa de conversações. Vejam bem, aquela conferência de imprensa aconteceu em 2004.

É realmente surpreendente que, apesar de todos os problemas com a economia, finanças e nossa indústria da defesa, a Rússia tenha-se mantido, como ainda é, uma grande potência nuclear. Mas também é fato que ninguém quis conversar conosco sobre o xis da questão da nossa segurança nacional. Ninguém quis nos ouvir. Agora, nos ouvirão.

Diferente de todos os tipos hoje existentes de equipamento de combate, esse sistema é capaz de voar, em distâncias intercontinentais, em velocidades supersônicas de mais de Mach 20.

Como eu mesmo disse em 2004, na rota até o alvo, o bloco míssil planador é capaz das manobras mais radicais – tanto lateralmente (a distâncias de vários milhares de quilômetros) como na vertical. É isso que o torna absolutamente invulnerável por quaisquer sistemas de defesa aérea ou de defesa por míssil. O emprego de novos tipos de materiais possibilita que a asa-bloco planadora voe longas distâncias praticamente em condições de formar plasma. Voa para seu alvo como um meteoro, como uma bola de fogo. A temperatura na superfície da asa-bloco alcança de 1.600 a 2.000 graus Celsius, mas a asa-bloco mesmo assim permanece sob controle confiável.

Assistam ao vídeo, por favor [clique aqui para assistir ao vídeo completo do discurso, contudo posicionado no início da apresentação da asa planadora intercontinental Mach 20 Avangard, a qual tem duração de 58 segundos]

Por razões óbvias, não podemos mostrar aqui a aparência externa desse sistema. É importante demais. Espero que os senhores compreendam. Mas posso garantir que, sim, temos todas essas máquinas e todas funcionam perfeitamente. Além disso, nossas indústrias de defesa já começaram a produção em massa dessa nova arma estratégica. Chamamos ela de Avangard.

Sabemos perfeitamente que vários outros países estão desenvolvendo armas avançadas com novas propriedades físicas. Temos todos os motivos para crer que estamos pelo menos um passo à frente – sob todos os critérios – nas áreas mais essenciais.

Alcançamos progresso notável em armas com laser. Não é simples conceito ou simples plano. Esse projeto já ultrapassou, mesmo, os estágios iniciais de produção. Desde o ano passado, nossos soldados já estão equipados com armas com laser.

Não quero revelar mais detalhes, porque ainda não é a hora. Mas os especialistas compreenderão que, com esse tipo de armas, a capacidade de defesa da Rússia foi multiplicada.

Temos aqui mais um pequeno vídeo [clique aqui para assistir ao vídeo completo do discurso, contudo posicionado no início da apresentação das armas a laser, a qual tem duração de 21 segundos].

Os que se interessem por equipamento militar, estão convidados a sugerir um nome para essa nova arma, para esse sistema de ponta.

Claro que o processo avança e refinaremos também essa tecnologia que hoje é o estado-da-arte. Obviamente, há muito mais desenvolvimentos do que lhes apresentei hoje. Mas fiquemos por aqui, por hora.

Quero enfatizar muito especialmente que as novas armas estratégicas que foram desenvolvidas mais recentemente – são de fato novos tipos de armas estratégicas – não são de modo algum resultado de algo que tenhamos recebido da União Soviética. Evidentemente, trabalhamos sobre algumas ideias de nossos engenhosos antecessores. Mas tudo que os senhores viram hoje é resultado do trabalho dos vários últimos anos, produto de dúzias de organizações de pesquisa, gabinetes e institutos de projetos.

Milhares, literalmente milhares de nossos especialistas, cientistas renomados, projetistas, engenheiros, operários apaixonados e talentosos trabalham literalmente há anos, discretos, calados, sem egoísmos, doando o melhor de cada um, em total dedicação. Muitos desses profissionais são muito jovens. São nossos heróis, ombro a ombro com nossos soldados, que manifestam todos as melhores qualidades do Exército Russo quando convocado ao combate.

Quero dirigir-me pessoalmente a cada um deles, e dizer-lhe que não haverá prêmios ou recompensas. Muitas vezes estive pessoalmente com essas pessoas, e sei que não trabalham à espera de recompensas. O maior prêmio para eles é a certeza de que assim se garante a segurança de nosso país e de nosso povo. Como presidente e em nome do povo russo, agradeço muito a todos vocês, pelo trabalho dedicado e seus resultados. Nosso país precisa muito desse trabalho e desses resultados.

Como eu já disse, todos os futuros produtos para finalidades militares estão baseados em avanços notáveis que podem, devem e serão usados nos setores civis de alta tecnologia. Não me canso de repetir que só um país que tenha alto nível de educação e de pesquisa fundamental, pesquisa aplicada, tecnologia, infraestrutura industrial e recursos humanos pode desenvolver com sucesso armas complexas, sem igual no planeta, do tipo que vimos aqui. Pelos resultados, os senhores podem ver que a Rússia tem todos esses recursos.

Expandiremos nosso potencial e nos focaremos em alcançar as metas ambiciosas que nosso país se propôs a alcançar em termos de desenvolvimento econômico, social e de infraestrutura. Nossa defesa efetiva servirá como garantia do desenvolvimento russo de longo prazo.

Permitam-me insistir que cada um dos sistemas de armamentos aos quais me referi aqui tem sua própria extraordinária importância. Ainda mais importante, todos esses avanços tomados em conjunto capacitam o Ministério da Defesa e o Alto Comando do Estado-maior para que desenvolvam um sistema de defesa muito amplo, no qual cada peça do novo equipamento militar terá sua específica insubstituível função. Acima de armas estratégicas que estão hoje em prontidão para combate, e se beneficiam de atualizações regulares, a Rússia terá capacidade de defesa que garantirá a segurança da nação no longo prazo.

Claro que há muitas coisas que teremos de fazer em termos de construção militar, mas uma coisa já está bem clara: a Rússia possui exército moderno, altamente tecnológico, muito compacto, dadas as dimensões do território, centrado em seu corpo de oficiais, dedicados ao país e prontos a sacrificar qualquer coisa pelo povo russo. Mais cedo ou mais tarde, outros exércitos também terão a tecnologia, as armas, inclusive as mais avançadas. Mas nada disso me preocupa, porque já temos hoje os melhores armamentos, e melhores ainda teremos no futuro. Nós temos, e eles jamais terão, gente como Roman Filipov, Major-Aviador russo [N. do T.: Filipov pilotava a aeronave SU-25 da Força Aérea Russa em missão na Síria que em 03fev2018 foi abatida por terroristas, ejetou-se de paraquedas e combateu até a morte os terroristas em solo].

Espero que tudo que aqui ficou dito leve agressores potenciais a pensar duas vezes, porque passos inamistosos contra a Rússia, como instalar mísseis de defesa e trazer a infraestrutura da OTAN para junto da fronteira russa, tornaram-se inefetivos em termos militares e implicam custos injustificáveis, tornando inúteis aqueles passos agressivos para os que promovem as agressões.

É nosso dever informar nossos parceiros de tudo que aqui foi dito hoje, nos termos dos tratados e compromissos internacionais que a Rússia assinou. No momento adequado, especialistas dos ministérios da Defesa e de Relações Exteriores terão muitas ocasiões para discutir todos esses assuntos com nossos parceiros. Isso, evidentemente, se nossos parceiros se interessarem e quiserem trocar ideias.

De minha parte, devo dizer que conduzi todo o trabalho para reforçar a capacidade de defesa da Rússia dentro do que determinam os acordos vigentes para controle de armas; não estamos violando coisa alguma. Devo dizer especificamente que a força militar crescente da Rússia não é ameaça contra ninguém; jamais tivemos planos para usar esse nosso novo potencial para finalidades ofensivas, muito menos para finalidades agressivas.

Não estamos ameaçando nada nem ninguém. Não atacaremos ninguém nem tomaremos coisa alguma, de quem quer que seja, pela força das armas, novas ou antigas. A Rússia não precisa de absolutamente nada. Antes o contrário. Considero indispensável destacar – porque é muito importante – que o crescente poder militar dos russos é sólida garantia para a paz global. O poder militar dos russos preserva e sempre preservará a paridade estratégica e o equilíbrio de forças no mundo, o qual, como se sabe, foi e continua a ser fato chave da segurança internacional desde o final da 2ª Guerra Mundial, até hoje.

E, àqueles que nos últimos 15 anos se dedicaram a acelerar a corrida armamentista e buscaram arrancar vantagens unilaterais contra a Rússia, impondo restrições e sanções – que são ilegais do ponto de vista da Lei Internacional – com vistas a conter o nosso desenvolvimento nacional, inclusive na área militar, direi o seguinte: ‘Tudo o que tanto vocês tentaram impedir que acontecesse, com sua política ilegal, já aconteceu. Ninguém conseguiu conter a Rússia’.

Agora temos de estar atentos a essa realidade. Ninguém alimente qualquer dúvida sobre o que eu disse aqui: não é blefe. Dediquem um momento de reflexão ao que aqui foi dito e feito. Descartem os que insistem em viver no passado. Parem de sacudir a canoa na qual viajamos todos, essa nossa Terra comum.

Quanto ao futuro de nossa Terra comum, quero dizer ainda que estamos muito preocupados com algumas disposições da revisão do posicionamento nuclear recentemente publicadas pelos EUA, que reduzem as limitações ao uso de armamento nuclear. Por trás das portas fechadas dos gabinetes, há quem fale de calma. Mas nós estamos lendo o que está escrito. E o que está escrito é que essa nova estratégia nuclear poderá ser acionada mesmo em resposta a ataques com armas convencionais, e até mesmo contra algum ciberataque.

Chamo atenção para a evidência de que a doutrina militar da Rússia diz que a Rússia se reserva o direito de usar armas nucleares exclusivamente em resposta a ataque nuclear, ou a ataque com outras armas de destruição em massa contra nosso país ou nossos aliados, ou em resposta a ato de agressão contra nós, com armas convencionais, que ameacem a própria sobrevivência do Estado russo. Tudo aqui está claramente especificado.

Assim sendo, entendo que é meu dever anunciar o seguinte:

Qualquer uso de armas nucleares contra a Rússia ou contra seus aliados, seja por armas de pequeno porte, médio porte ou qualquer outro porte será, em todos os casos, considerado equivalente a ataque nuclear contra nosso país. A retaliação será imediata, com todas as consequências que se devem esperar de ataque desse tipo contra a Rússia e aliados.

Não deve pairar quanto a isso nenhuma dúvida. O mundo não precisa de mais ameaças. Em vez disso, vamos sentar à mesa de negociações, para juntos concebermos um novo e relevante sistema de segurança internacional e desenvolvimento sustentável para a civilização humana. Todo o tempo, nós repetimos isso. Todas as nossas propostas continuam válidas. A Rússia está pronta para esses novos tempos.

Nossas políticas jamais serão erigidas sobre declarações de excepcionalismo. Protegemos nossos interesses e respeitamos os interesses de outros países. Observamos a lei internacional e acreditamos no papel inviolável da ONU. Esses são os princípios e os modos de abordar a realidade que nos permitem construir relações fortes, amistosas e iguais com a absoluta maioria dos países.

Exemplo disso é nossa ampla e abrangente parceria estratégica com a República Popular da China. Rússia e Índia também se beneficiam mutuamente de relação estratégica especial, privilegiada. Nossas relações com muitos outros países no mundo estão chegando a um estágio de novo dinamismo.

A Rússia está amplamente envolvida em organizações internacionais. Com nossos parceiros, estamos promovendo e fazendo avançar associações e grupos como a Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO), a Organização para a Cooperação de Xangai e os BRICS. Estamos promovendo agenda positiva na ONU, no G20 e na Cooperação Econômica do Pacífico Asiático (APEC). Estamos interessados em cooperação normal e construtiva com os EUA e a União Europeia. Esperamos que o bom senso prevaleça, e que nossos parceiros optem pela via do trabalho honesto, igual e coletivo.

Ainda que nossos pontos de vista colidam vez ou outra em algumas questões, nem por isso deixamos de ser parceiros, porque temos de trabalhar juntos para conseguir responder aos desafios mais complexos, garantir a segurança global e construir o mundo do futuro, mais interconectado a cada dia, com mais e mais processos de integração dinâmica.

A Rússia e seus parceiros na União Econômica Eurasiana querem fazer dela um grupo de integração econômica globalmente competitivo. A agenda da UEE inclui construir um mercado comum para eletricidade, petróleo, derivados de petróleo e gás, harmonizando mercados financeiros e conectando nossas autoridades alfandegárias. E também continuamos a trabalhar numa maior parceria eurasiana.

Colegas,

Esse é momento de virada para todo o mundo, e os que querem e conseguem mudar, os que agem e andam adiante fatalmente tomarão a dianteira. A Rússia e os russos expressamos esse desejo de andar adiante em todos os momentos de definição de nossa história. Em apenas 30 anos, fizemos mudanças que custaram séculos a outros países.

Continuaremos confiantemente a traçar nossa própria rota, como sempre fizemos. Nos manteremos unidos, como sempre estivemos. Nossa unidade é o mais firme alicerce para o progresso futuro. Nos próximos anos, nossa meta é fortalecer sempre mais essa unidade, de modo a sermos uma só equipe coesa, que compreende que é indispensável mudar sempre e que devota toda sua energia, seu conhecimento, sua experiência e seu talento a alcançar os objetivos de todos.

Desafios e altos objetivos dão significado especial a nossa vida. Temos de ser claros e firmes em nossos planos e ações, temos de tomar iniciativas e assumir responsabilidades, temos de nos fortalecer, o que significa que temos de ser úteis à nossa família, aos nossos filhos e a todo o país; temos de mudar o mundo e mudar nosso país, sempre para melhor; e temos de construir a Rússia com a qual todos sonhamos.

Só então a próxima década e todo o século 21 serão com certeza tempos de grandes vitórias para todos os russos e de sucessos partilhados. Acredito firmemente que assim será.

Obrigado. [Fim da transcrição]

8 comentários

  1. EUA é passado, a algum tempo.

    Vocês prestaram um desserviço aos midiótas . A- uma enormidade de coxinhas podem entrar em depressão . B- terão que rever as suas rotas de turismo; Moscou será Miami . C- passarão pela Venezuela,dando um pulinho até Cuba . D-  Deltan ,Moro ,Ministros entrarão em parafuso , pois verão se configurar o crime que cometeram.

  2. Se eu fosse o Putin…

    Eu estabeleceria um prazo de 23 horas para que Washington fosse evacuada de suas pessoas inocentes. Vencido esse prazo…

    One thing I can tell You is You got to be free

    • Pura maldade

      Estávamos a um passinho.

      Pré-Sal + quinta economia do planeta + Indústria Naval + Copa + Olimpíadas…

      O povo, como nunca se viu, orgulhoso do seu País.

      Era nóis na fita.

       

       

       

  3. Imagine só a Rússia torrar
    Imagine só a Rússia torrar uma grana e tempo com estas pesquisas, daí vierem uns molequões tipo o Moro, Bretas, Dallagnon e entregarem tudo de mão beijada.
    São uns ridículos esses concurseiros!

  4. Já que a Russia sediará a Copa do Mundo em 2018…

    Será que surgirão grupelhos do “NÃO VAI TER COPA” ?

    Será que na abertura do evento, simpatizantes da oposição (russos coxinhas do psdb, pstu, arkxyz, PinhoSol etc..) mandarão o Putin tomar no c.. ?

  5. NO BRASIL O DISCURSO É O MODELO DA GLOBO, DESCONSTRUIR A NAÇÃO.

    A forma como a mídia desconstruiu o Brasil é criminosa, absurda e plenamente desnacionalizante, as forças armadas e a justiça pecaram ao receberem prêmios da Globo e deixaram o Brasil à deriva, na verdade se as forças armadas fossem mesmo nacionalistas, a GLOBO, Juízes e promotores que nos entregaram de quatro aos EUA deveria estarem todos presos, a Globo por fomentar a divisão de um país num conspícuo  do ódio nas barbas das forças armadas, e assim facilitaram a vitória da guerra hibrida americana contra os interesses do Brasil. Assistindo a Rússia evoluir dá sim um tanto de inveja, mesmo que inveja boa, a que constrói, enquanto isso nossos militares pensando em comunismo e comissão da verdade e se virando contra nossa população pobre e desassistida das favelas. O sentido estratégico de país fora entregue a predadores e bajuladores da mídia que mamam nesta nação a décadas e o Brasil afundou e eles se tornaram a famiglia mais rica da América Latina e povo do Brasil o mais pobre em equivalência de riqueza, Acorda Forças Armadas ainda há tempo.

  6. A volta do equilíbrio de

    A volta do equilíbrio de destruição mútua (guerra fria) trará a paz à humanidade e não a pax do Império de um mundo escravizado. Perderam “tios banqueiros” e terão que se conformar com isso, hahahaha! Nós brasileiros estamos levando chumbo, mas podemos rir que nem aquela antiga piada do Bocage do caminhão de abacaxi…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome