Observatorio de Geopolitica
O Observatório de Geopolítica do GGN tem como propósito analisar, de uma perspectiva crítica, a conjuntura internacional e os principais movimentos do Sistemas Mundial Moderno. Partimos do entendimento que o Sistema Internacional passa por profundas transformações estruturais, de caráter secular. E à partir desta compreensão se direcionam nossas contribuições no campo das Relações Internacionais, da Economia Política Internacional e da Geopolítica.
[email protected]

Bomba de desdolarização: a chegada do ecossistema monetário descentralizado BRICS+, por Pepe Escobar

A remoção do capital especulativo ocidental libertará o comércio local e permitirá o capital investível para o desenvolvimento sustentável

do Sputnik Internacional

Bomba de desdolarização: a chegada do ecossistema monetário descentralizado BRICS+

por Pepe Escobar

Exclusivo – Prepare-se para o que poderá muito bem ser a bomba geoeconômica de 2024: a chegada de um ecossistema monetário descentralizado.

Bem-vindo à Unidade – um conceito que já foi discutido pelo grupo de trabalho de serviços financeiros e investimentos criado pelo Conselho Empresarial do BRICS+ e que tem grandes chances de se tornar a política oficial do BRICS+ já em 2025.

De acordo com Alexey Subbotin, fundador da Arkhangelsk Capital Management e um dos idealizadores da Unidade, este é um novo sistema de resolução de problemas que aborda a principal questão geoeconômica destes tempos difíceis: uma crise global de confiança.

Ele sabe tudo em primeira mão: um profissional financeiro experiente com experiência em bancos de investimento, gestão de ativos e assuntos corporativos, Subbotin lidera o projeto da Unidade sob os auspícios do IRIAS, uma organização intergovernamental internacional criada em 1976 de acordo com o estatuto da ONU.

A maioria global está farta do quadro monetário controlado centralmente implementado há 80 anos em Bretton Woods e das suas falhas endêmicas: déficits crônicos que alimentam despesas militares irresponsáveis; bolhas especulativas ; sanções com motivação política e sanções secundárias; abuso da infraestrutura de liquidação e pagamento; protecionismo; e a falta de arbitragem justa.

Em contrapartida, a Unidade propõe uma solução fiável, rápida e economicamente eficiente para pagamentos transfronteiriços. A Unidade – transacional – é um divisor de águas como uma nova forma de moeda internacional que pode ser emitida de forma descentralizada e depois reconhecida e regulamentada a nível nacional.

A Unidade oferece uma solução única para gargalos na infraestrutura financeira global: é elegível para operações bancárias tradicionais, bem como para as mais novas formas de banco digital.

A Unidade também pode ajudar a acabar com os preços injustos no comércio de mercadorias, através da criação de uma nova Bolsa Mercantil Eurasiática – justa e eficiente – onde a negociação e a liquidação podem ser feitas numa nova moeda que faça a ponte entre os fluxos comerciais e o capital, abrindo assim o caminho para o desenvolvimento de novos produtos financeiros para investimento direto estrangeiro (IDE).

A força da Unidade, conceitualmente, é eliminar a dependência direta da moeda de outras nações e oferecer especialmente à Maioria Global uma nova forma de dinheiro apolítico – com enorme potencial para ancorar o comércio justo e os investimentos.

Na verdade, é um novo conceito em termos de moeda internacional – ancorada no ouro (40%) e nas moedas dos BRICS+ (60%). Não é criptomoeda nem stablecoin – como é mostrado aqui .

A beleza de se tornar fractal

A Maioria Global compreenderá instantaneamente o objetivo principal da Unidade: harmonizar os fluxos comerciais e financeiros, mantendo-os fora da pressão política ou de “regras” que podem ser distorcidas à vontade. A consequência inevitável traduz-se em soberania financeira. O que importa em todo o processo são políticas monetárias independentes centradas no crescimento econômico.

Esse é o principal apelo da Maioria Global: um ecossistema completo que ofereça infraestrutura monetária independente e complementar. E isso certamente pode ser estendido aos parceiros de Unidade dispostos no Ocidente coletivo.

Agora, ao nível prático: como explica Subbotin, o ecossistema Unit pode ser facilmente escalável porque vem de uma arquitetura fractal apoiada por regras simples. Os novos nós de Unidade podem ser criados por agentes soberanos ou privados, seguindo um livro de regras detalhado sob custódia do IRIAS licenciado pela ONU.

Os organizadores da Unidade empregam um livro-razão distribuído: uma tecnologia que garante transparência, evitando controles de capital ou qualquer manipulação cambial.

Isso significa que a conexão está disponível para todas as DEX abertas e plataformas digitais operadas por bancos comerciais e centrais em todo o mundo.

O resultado final é que todos, essencialmente, possam usar a Unidade para contabilidade, escrituração contábil, precificação, liquidação, pagamento, poupança e investimento.

Não é de admirar que as possibilidades institucionais sejam bastante atrativas – uma vez que a Unidade pode ser utilizada para contabilização e liquidação para BRICS+; pagamento e preços para a União Econômica Eurasiática (EAEU); ou como moeda de reserva para a África Subsaariana.

E agora vem o argumento decisivo: a Unidade já recebeu apoio do Conselho Empresarial dos BRICS e está na agenda da crucial reunião ministerial na Rússia, no próximo mês, que irá elaborar o roteiro para a cúpula de Outubro próximo, em Kazan.

Isso significa que a Unidade tem tudo para estar na mesa como um assunto sério discutido pelo BRICS+ e eventualmente ser adotada já em 2025.

Musk e o NDB estarão a bordo?

Tal como está, a prioridade para os conceitualizadores da Unidade – que acompanhei durante mais de um ano durante várias reuniões detalhadas em Moscou – é informar o público em geral sobre o novo sistema.

A equipe da Unidade não está minimamente interessada em entrar diretamente em águas quentes políticas ou em ser encurralada por argumentos carregados de ideologia. Referências diretas a conceitos ou autores inspiradores, mas por vezes controversos, como Zoltan Pozsar, podem enterrar o conceito de Unidade em buracos de escaninho, limitando assim o seu impacto potencial.

O que pode vir pela frente poderá ser extraordinariamente entusiasmante, uma vez que o apelo da Unidade poderá estender-se desde Elon Musk até ao Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) dos BRICS, envolvendo esperançosamente uma série de intervenientes cruciais. Depois de uma avaliação positiva do ministro das Finanças, Anton Siluanov – que permanece no cargo no novo governo russo – não é exagero imaginar Putin e Xi a discutirem o assunto cara a cara esta semana em Pequim.

Tal como está, a principal conclusão é que a Unidade deve ser vista como uma solução técnica viável para o que é teoricamente insolúvel: um sistema de pagamento/comércio reconhecido globalmente, imune à pressão política. É o único jogo da cidade – não há outros.

Enquanto isso, os conceitualizadores da Unidade estão abertos a críticas construtivas e a todas as formas de colaboração. No entanto, mais cedo ou mais tarde, as fileiras de batalha serão alinhadas – e então será uma questão de melhorar seriamente o jogo.

“Academicamente sólido, tecnologicamente inovador”

Vasily Zhabykin, coautor do white paper da Unidade e fundador do CFA Center, parceiro tecnológico da Unidade no Skolkovo Innovation Hub em Moscou, sublinha de forma crucial: a Unidade “representa dinheiro apolítico e pode ser o conector entre o Sul Global e o Ocidente”. Ele faz questão de salientar que “a Unidade pode manter todas as rodas girando, ao contrário da maioria dos outros conceitos que apresentam ‘assassinos de dólares’, etc. Não queremos prejudicar ninguém. Nosso objetivo é melhorar a eficiência dos fluxos de capital e dinheiro atualmente quebrados. A Unidade é antes a ‘cura para o câncer centralizado”.

Subbotin e a equipe da Unidade “estão ansiosos para conhecer novos parceiros que compartilhem nossa abordagem e estejam prontos para agregar valor adicional ao nosso projeto”. Se for esse o caso, eles deveriam “enviar-nos três tópicos sobre como podem ajudar e melhorar a Unidade”.

Um passo de seguimento ousado deveria ser, por exemplo, uma conferência virtual sobre a Unidade, com a participação dos importantes economistas russos Sergey Glazyev, Yannis Varoufakis, Jeffrey Sachs e Michael Hudson, entre outros.

Por email, Glazyev, membro da Academia Russa de Ciências e Ministro da Integração e Macroeconomia da União Económica da Eurásia (EAEU) , resumiu o potencial da Unidade:

“Acompanho o desenvolvimento da Unit há mais de um ano e posso confirmar que a Unit oferece uma solução muito oportuna e viável. É academicamente sólido, tecnologicamente inovador e, ao mesmo tempo, complementar à infraestrutura bancária existente.

Lançá-lo sob os auspícios de uma instituição da ONU confere legitimidade à Unidade, que falta claramente ao atual quadro de Bretton Woods. As recentes ações da administração dos EUA e o silêncio ruidoso do FMI indicam claramente a necessidade de mudança.

Uma abordagem descentralizada à emissão de potencial moeda comercial global, cujo valor intrínseco está ancorado no ouro físico e nas moedas BRICS+, torna a Unit a mais promissora de várias abordagens que estão a ser consideradas. Equilibra as prioridades políticas de todos os participantes, ao mesmo tempo que ajuda cada economia soberana a desenvolver-se ao longo do seu caminho ideal.

O Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) e o BRICS+ devem abraçar o conceito de Unidade e ajudá-la a tornar-se o auge da nova infraestrutura financeira global emergente, livre de interferências políticas malignas, ao mesmo tempo que se concentra no comércio justo e no crescimento econômico sustentável.”

Um exemplo claro e prático de uma possível resolução de problemas da Unidade diz respeito às relações comerciais entre a Rússia e o Irã. Estes são dois dos principais membros do BRICS. O comércio russo com o Irã não é lucrativo devido às sanções – e ambos não podem fazer pagamentos em dólares americanos ou euros.

As empresas russas sofrem perdas significativas após mudarem para pagamentos em moedas nacionais. Com cada transferência, as empresas russas perdem, em média, até 25% devido à discrepância entre a taxa de mercado no Irã e a taxa estatal.

E aqui está a principal conclusão: os BRICS+, bem como a Maioria Global, só podem ser fortalecidos através do desenvolvimento de laços geoeconômicos mais estreitos. A remoção do capital especulativo ocidental libertará o comércio local de mercadorias e permitirá a reunião de capital investível para o desenvolvimento sustentável. Para desbloquear um potencial tão vasto, a Unidade pode muito bem ser a chave.

Pepe Escobar – Analista geopolítico independente, escritor e jornalista

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]. O artigo será publicado se atender aos critérios do Jornal GGN.

“Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn

Observatorio de Geopolitica

O Observatório de Geopolítica do GGN tem como propósito analisar, de uma perspectiva crítica, a conjuntura internacional e os principais movimentos do Sistemas Mundial Moderno. Partimos do entendimento que o Sistema Internacional passa por profundas transformações estruturais, de caráter secular. E à partir desta compreensão se direcionam nossas contribuições no campo das Relações Internacionais, da Economia Política Internacional e da Geopolítica.

4 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    1. Janio, o certo é “há muito tempo”. Não sabe nem português, mas jura que entende de geopolítica e economia internacional… E se apontasse o que achou bobagem, e por quê, não ficava parecendo um robô da extrema-direita.

  1. Janio, o certo é “há muito tempo”. Não sabe nem português, mas jura que entende de geopolítica e economia internacional… E se apontasse o que achou bobagem, e por quê, não ficava parecendo bot da extrema direita.

  2. Tudo tem que se renovar, atualizar se desprender de teses antiquadas e absoletas. É um despropósito ficar dando marteladas em sistemas enferrujados. O mundo se modificou,pois o sistema físico financeiro e econômico mundial está fraco,enferrujado e absoleto. Não condiz mais com a nova realidade. Realmente tem que se inovar e se reinventar para a nova realidade dos tempos atuais! CERTO???

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador