Você não Enxerga a Guerra no Horizonte?, por Paul Craig Roberts

 

Você não Enxerga a Guerra no Horizonte?, por Paul Craig Roberts

Traduzido por Ruben Bauer Naveira

De acordo com o noticiário na imprensa britânica, o presidente da Rússia Vladimir Putin instruiu as indústrias da Rússia a se aprontarem de modo a estar aptas a fazer uma rápida transição para a produção de guerra. 

Obviamente, o governo russo não faria tal anúncio a menos que estivesse convencido que o prognóstico de guerra contra o Ocidente fosse real. Já faz algum tempo eu venho enfatizando em meus artigos que a consequência de anos a fio de ações hostis adotadas por Washington e seus vassalos europeus contra a Rússia estava levando à guerra.

É fácil entender que o colossal complexo militar e de segurança dos Estados Unidos necessita de um inimigo convincente para justificar o seu enorme orçamento. É fácil entender que os neoconservadores loucos coloquem a sua ideologia fantasiosa acima da vida no planeta. E é fácil entender que Hillary e o Comitê Nacional Democrata farão qualquer coisa para reverter a vitória presidencial de Trump. No entanto, é difícil entender porque os líderes políticos europeus estão dispostos a colocar seus países em risco em benefício de Washington.

Ainda assim, é o que eles fazem. Por exemplo, em 13 de novembro a primeira-ministra britânica Theresa May disse que a Rússia era uma ameaça à segurança internacional, que estava interferindo em eleições europeias e que estava grampeando governos europeus. Não há evidência para estas alegações mais do que as há para o “Russiagate” [N. do T.: o alarido na imprensa nos Estados Unidos quanto a que a Rússia haveria interferido nas eleições americanas para favorecer Trump]. Ainda assim, tais alegações prosseguem e se multiplicam. Agora, a União Europeia está organizando antigas províncias da União Soviética – Bielorrússia, Moldova, Ucrânia, Geórgia, Armênia e Azerbaijão – numa “Parceria Oriental” com a União Europeia. 

Em outras palavras, o Ocidente está abertamente organizando antigas províncias de Moscou contra a Rússia, designada pela primeira-ministra May como sendo um “estado hostil”. A Rússia sabe que não há base para essas alegações anti-Rússia, e as considera idênticas às falsas alegações contra Saddam Hussein, Kadhafi e Assad, feitas para justificar os ataques militares ao Iraque, à Líbia e à Síria. Uma vez tendo convencido a Rússia que ela está sendo tocaiada para um ataque, a Rússia está se preparando para a guerra.

Pense por um momento a respeito disso. O mundo está sendo levado ao Armagedom apenas porque um corrupto e ganancioso complexo militar e de segurança dos Estados Unidos precisa de um inimigo para justificar o seu gigantesco orçamento, porque Hillary e o Comitê Nacional Democrata não conseguem aceitar uma derrota política, e porque os neoconservadores têm uma ideologia de supremacia americana. Qual é a diferença entre a detestada supremacia branca [N. do T.: no original White Supremacy, uma suposta supremacia racial dos brancos] e a supremacia americana que o presidente Obama ele próprio alardeou? Por que a supremacia branca é terrível, enquanto que a supremacia americana é uma dádiva de Deus ao país “excepcional” e “indispensável”?

O governo russo partilhou abertamente a sua preocupação quanto a que a Rússia está sendo tocaiada para um ataque militar. Como eu reportei – já que a CNN, o The New York Times e o Washington Post não o fizeram – o vice-comandante do Comando de Operações Militares da Rússia externou publicamente a preocupação quanto a que Washington está preparando um ataque nuclear de surpresa contra a Rússia.  O presidente Putin chamou recentemente a atenção para a coleta por Washington de amostras de DNA de cidadãos russos para um laboratório de armamentos da Força Aérea dos Estados Unidos, o que significa o desenvolvimento de uma bio-arma específica contra a população russa. Por diversas vezes a Rússia chamou a atenção para bases dos Estados Unidos e da OTAN nas suas fronteiras, apesar das garantias manifestadas por sucessivos governos americanos que tal coisa jamais ocorreria.

Nós deveríamos perguntar a nós mesmos o porquê do fato de Washington ter convencido a Rússia, uma potência nuclear e militar de primeira linha, de que a Rússia será atacada não ser o principal tópico das discussões públicas e políticas. Em vez disso, nós ouvimos a respeito de jogadores de futebol americano que ajoelham durante o hino nacional, ouvimos fake news sobre o Russiagate, ouvimos sobre um tiroteio em Las Vegas, e por aí vai.

Nós também deveríamos perguntar a nós mesmos por quanto tempo mais Washington irá permitir que qualquer um de nós reporte pela internet notícias reais, em vez das fake news de que Washington se utiliza para controlar as explicações. O esforço do chefe da Comissão Federal de Comunicações para acabar com a neutralidade da rede, além de outros esforços em curso para descreditar notícias factuais como se propaganda russa fossem, indicam que Washington concluiu que, para fazer guerra à Rússia, Washington tem também que fazer guerra à verdade. 

Washington não sobreviverá à sua guerra, nem tampouco sobreviverão as populações americana e europeia.

Paul Craig Roberts, acadêmico e especialista em geopolítica, foi o Subsecretário de Política Econômica do governo americano durante a presidência de Ronald Reagan

15 comentários

  1. Só não enxerga quem não quer:

    Só não enxerga quem não quer: ingleses armando as malvinas argentinas, americanos em exercício conjunto na amazonia, russos, venezuelanos se aliando aos russos, e nós como sempre, criancinhas no meio de lobos, para se armar o país ouve a opinião de imbecis para a compra de caças e quando resovem qual o modelo se adequa aos interesses nacionais um juizeco lá da pqp criminaliza o negócio…………

    • Fique tranquilo…

      Este juizinho FDP que vc fala, estará vivendo bem no alvo dos mísseis  russos, quando este  armagedon chegar !!

      Tá escrito !!  É  a  fábula  do “pato-pateta “”  !!

  2. Ao contrário do que diz o

    Ao contrário do que diz o autor eu enxergo perfeitamente a guerra que aponta no horizonte.

    Imagino que os mortos serão os privilegiados. Aqueles que sobreviverem ao cataclisma lamentarão não ter morrido imediatamente. Eles serão condenados a definhar e a morrer lentamente num mundo economicamente devastado e assolado pela poluição atômica.

    Mas não vou lamentar. Muito pelo contrário.

    O tempo medido em décadas, centenas e milhares de anos é humano. O tempo geológico é medido em milhões de anos.

    Em 3 ou 4 milhões de anos tudo que nós mais amamos e tudo aquilo que a hecatombe nuclear produzir terá sido enterrado sob diversas camadas geológicas. 

    A natureza irá se recuperar. Ela sempre se recupera. 

     

    PS: Reservei algumas garrafas de vinho para comemorar o fim do arrogante império dos olhos azuis. Fodam-se os norte-americanos e europeus. Será um prazer ver os passageiros de primeira classe, muitos deles racistas e insuportavelmente orgulhosos, afundar primeiro. Vou brindar a isso e morrer bêbado depois.  

    • Perguntinha básica…

      Já combinastes  com os  russos, chineses  e  americanos  prá não  apontar alguns  dos  seus  milhares  de ogivas nucleares  para nós também ??

      Ou  você pensa que eles nos deixarão assistindo de camarote ??

      • Para destruir o Vaticano, não é preciso bombardeá-lo

        Basta apontar uma ogiva nuclear para Roma. Caso haja uma guerra atômica, mesmo que um país não seja atingido diretamente por ogivas nucleares, ele não tem como escapar da nuvem radioativa e seremos todos radio passivos.

  3. 100% verdade Carpina …

    A merda vai cheirar no mundo todo! E numa guerra tem aquela coisa de “quem é amigo de quem” … Advinha por quem vamos optar, dependendo de quem estiver no poder?

  4. que se cumpra a profecia pois

    que se cumpra a profecia pois seria maravilhoso recomeçarmos tudo à moda de Auroville, junto às baratas. 

    (bioarma específica para pop russa através do ADN? chamem o macaco Simão.)

  5. Vai ter guerra, oba!

    Cada conversa, viu! Tem gente torcendo alegremente por uma guerra. Mas, eu até entendo. A realpolitik instalada mundialmente de forma horizontal (da direita pra esquerda, sem direito a fuga), faz a gente imaginar que seria um alívio, ao menos pro caso de ouvirmos por mais tempo que tal coisa, por mais amarga que seja, tem de ser aceita, que não tem saída, que a vida é assim mesmo, coisa e tal. Eu não aguento mais tanto cinismo ser chamado de pragmatismo. O pior é que tudo que dizem ser necessário pra se evitar uma catástrofe é justamente o que nos faz caminhar direto pra ela. Isto sim, é coisa de maluco. Cai-se de joelhos pra direita pra evitar um golpe e… acontece um golpe. Implementam austeridade pra evitar o colapso e econômico e, adivinha: lá vem crise. Fazem política de coalisão pra se aprovar medidas sociais e, TCHARAMMMM! Tiram todas as conquistas e mais um pouco na primeira oportunidade. Às vezes pensamos mesmo, que só uma hecatombe pra romper o ciclo.

    Eu preferia um meteoro. É bem mais majestoso. Apostei no Yellowstone, mas deu chabu. O jeito é aceitar a Realpolitik. O mundo vai acabar pela mão do homem, mesmo. Não há alternativa. Ou é isto ou não tem mudança. Só a guerra pode mudar o mundo. 

    Cinismo, contra cinismo. É o jeito.

  6. Eu quero paz

    Ao ler o comentario do Fabio sobre como poderemos ser exterminados, pensei logo nas crianças… Elas não merecem que lunaticos destruam o mundo com bombas atômicas por meras vaidades. O Trump não seria um governo mais proximo da Russia? O que aconteceu desde as eleições até aqui? 

  7. O efeito radioativo do

    O efeito radioativo do capitalismo vem colapsando a mente de bilhões de pessoas ao redor do mundo. Está cada vez mais nítido que a civilização não tem forças para superar o sistema que causa a doença. Sendo assim, é lógico prever o fim da humanidade, pela doença do capital ou pela guerra nuclear que ela provocará. 

     

     

     

     

     

     

     

     

  8. Guerra
    A Rússia é os EUA sempre foram assim,um querendo ser mais que o outro,mais esta guerra não resolverá nada.só irá causar mortes e a total aniquilação do planeta,isso mesmo que querem?É se sobreviverem onde vão morar?No bunker?por quanto tempo?aguentarao muito tempo,ou vão morar no universo

  9. Interessante esse artigo…..
    Interessante esse artigo….. Me lembra a esquizofrenia farsesca, hipócrita e fanática dos antipetistas brasileiros e seu mantra “tenho medo do PT…..” – quando a REALIDADE era justamente o oposto: o PT e os petistas é que tinham todo o direito a esse medo, foram e são eles os massacrados, odiados e perseguidos pelas instituições no Brasil com o apoio de uma sociedade tosca, obscurantista…….
    .
    Igualmente, a ministra britânica e as cínicas autoridades americanas alardeiam “o perigo russo….” – e em nome disso, não cessam as ameaças, as hostilidades…….
    .
    A loucura disso é que os russos não são mansos e tolos como foram os petistas no poder e mesmo fora dele….. É óbvio que se prepararão para a guerra e contra-atacarão……
    .
    Até nisso, os toscos da direita internacional são iguais aos nossos: aqui, dizem “a culpa é do PT” (sic….). Lá fora, “a culpa é dos russos…..”. – É o mundo-matrix criado por uma gente doente, insana, se impondo ao real, tornando-se real pela publicidade massacrante e bloqueadora da razão…… Aos lúcidos resta o desespero…….

  10. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome