Compra com Microsoft pode representar fim da política do Software Livre

Jornal GGN – Os órgãos que fazem parte do Sistema de Administração dos Recursos de Tecnologia da Informação (SISP) deverão apresentar, até o dia 11 de novembro, uma manifestação de interesse na compra de soluções da Microsoft, incluem o pacote Office, o Windows Professional, Windows Server, entre outros.

De acordo com reportagem do site Convergência Digital, esta é a primeira vez, após as gestões do PT, que o governo federal compra sistemas proprietários da Microsoft e de maneira tão abrangente.

Essa compra pode representar o fim na política de Software Livre, que poderia incentivar o desenvolvimento de produtos locais e também ser financeiramente benéfica para os cofres públicos.

Em evento realizado na semana passada, John ‘Maddog’ Hall, diretor-executivo da Linux Internacional Foundation, afirmou que o país gasta mais de R$ 3,7 bilhões para pagar licenças de softwares desenvolvidos em outras nações.
 
Uma auditoria da Controladoria Geral da União aponta que o Portal do Software Público (PSP) poderia economizar R$ 600 milhões em programas de computador para o país. Porém, isso não ocorre devido a falhas de implementação, de atualização e até mesmo do pouco conhecimento sobre a ferramenta.

Ainda de acordo com o Convergência Digital, a intenção de compra ainda não era de conhecimento público e ocorre pouco depois de um evento da Microsoft com membros do governo, como o ministro da Ciência e Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM).

Na ocasião, a Microsoft anunciou a criação, em Brasília, de seu Centro de Transparência, com o objetivo de segurança cibernética e a troca de informações com governos da América Latina sobre a ataques virtuais.

10 comentários

  1. É o Officelão!

    onde estão os moralistas de plantão com suas panelas e camisas de time de corruptos?

    É evidende que a MS paga uma propina imensa para vender porcarias de software velhos e depreciados, que pode ser substituido por software sem lincença, como LibreOffice.

    É uma vergonha que ainda tenha gente que se entregue de quatro para monopólios privados. E o pior é que imensas corporações empresariais, que sofrem muito com concorrência real em seus mercados, aceitem comprar de um único vendedor de produtos padronizados.

  2. é isso aí!!!!

    Independência pra quê ???

    os EUA já vigiam o SIVAM, já grampeiam a internet, já botaram escuta no palácio do planalto.

    Os golpistas e o Moro acabaram com o projeto de submarinos nucleares.

     

    Por que não comprar software cheio de backdoors?

    já tá tudo controlado, mesmo.

    e ainda rola uma boa propina.

  3. Se quisessem combater a corrupção.

    Se as ma$$onaria$$$ do judiciário tivessem realmente determinadas a combater a corrupi$$$ão, aí está uma forte evidência de que rolou solta o JABÁ, também conhecido como PROPINA, e até chamado pelo eufemismo de comissão sobre aquisições. Num negóxio desses não se pode, sem fazer uma investigação expedita, afirmar que houve a cooptação de agentes públicos para direcionar a compra, mas há indícios suficientes para formação de CONVICÇÃO de que houve obtenção de “VANTAGENS INDEVIDAS” e, em decorrência, emerge outra convicção de que as ma$$onaria$$ como outras irmandades afins estão preocupadas mesmo é com seus próprios rabos e que corrupi$$ão é a fumaça que eles lançam para ocultar o desvio de função e a criminalidade que praticam.

  4. Bill gates golpista?

    Se a política é de corte de gastos, por que então estão abandonando o softwere livre para comprar o do Bill Gates?

    Será que ele ajudou no golpe como a midia brasileira, que está sendo agraciada com aumentos de verbas publicitária?

  5. Destruição de conhecimento

    Uso sistema Ubuntu (distribuição Linux) em meus computadores. Tenho tudo o que preciso. E olhe que eu trabalho não só com programas “de escritório”, mas também com desenho vetorial, edição de imagens, diagramação, ambiente 3d.

    A suíte Microsoft Office não é necessária, pois existe a suíte LibreOffice, a WPS e outras. Detalhe: esses pacotes gratuitos abrem documentos criados no Microsoft Office e salvam neste mesmo formato, nos casos em que precisamos mandar para um cliente que ainda usa Windows.

    Linux hoje em dia é plug and play. Aliás, para quem ainda não sabe, Android usa kernel Linux. Se você usa aparelhos com Android, está, de certa forma, usando Linux modificado.

    Essa atitude dos golpistas era esperada, pois eles são o braço dos EUA no Brasil. Vamos gastar bilhões com softwares, enquanto o governo alardeia uma “contenção de despesas”. Provavelmente algum grupo está levando “um por fora” nessa compra desastrosa.

  6. Chamar

    uma empresa americana para debater segurança cibernética e transparência é piada. Tão ruim ou pior que chamar uma empresa israelense, russa, chinesa, japonesa, francesa, inglesa….

    Enfim… o bonde passou, agora nem correndo atrás.

  7. Gratidão bem paga

    O governo está agradecendo ao produtor do POWERPOINT e do EXCEL, usados pelo MPF e DPF para demonizar o Lula e salvar o GOLPE.

    Será que comprarão também PACIÊNCIA? 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome