Eis que retorna a razão, bem vinda de volta Conceição!

O artigo é de alguns meses atrás, mas nunca é tarde para voltar a usar a razão…

Com mais razão ainda, no dia em que a verdade começa a se restabelecer. 

De O Globo de 25/03/2014

Maria da Conceição Tavares: ‘Ninguém come PIB, come alimentos’

Mesmo com o atual crescimento baixo, desemprego e renda não pioraram, diz economista

Por Cássia Almeida

Quais foram os erros da política econômica do regime militar?

O erro foi um modelo que persegue o crescimento a qualquer custo, à custa da classe trabalhadora, do bem-estar social, coisa criminosa. Foi uma maravilha crescer, mas cresceu aleijado, não é ideia muito boa. É melhor não crescer muito e não aleijar. Não fazer da maneira desvairada, agressiva como fizeram. Com crédito ao consumo, ao consumo de luxo das classe altas, houve perda salarial fortíssima.

O que ficou de herança da política daquela época?

Sobrou uma industrialização mais branda. As décadas de 80 e 90 foram muito ruins. Em 90, com neoliberalismo, vivemos um período de desindustrialização. Só voltamos a crescer com Lula, mas não no mesmo patamar, mas com um programa de distribuição de renda, com salário mínimo subindo acima da média, previdência, Bolsa Família, uma porção de políticas sociais para combater a pobreza, para melhorar a distribuição. E melhorou. O Coeficiente de Gini (indicador de concentração de renda) voltou aos níveis dos anos 60. Nesse sentido não é um modelo só desenvolvimentista, é um modelo social. Uma tentativa de fazer tardiamente um modelo de estado de bem-estar social.

A concentração de renda aumentou durante o regime…

O grosso do aumento da concentração foi no regime militar. Mas é claro que a crise da dívida externa nos anos 80 e o baixíssimo crescimento e o neoliberalismo dos anos 90 não ajudaram nada. Continuou concentrando. O regime concentrava com crescimento, o emprego crescia. Nas décadas de 80 e 90, não. Teve aumento do desemprego, coisa que agora também não tem. Além de política de salário, tem uma política de emprego.

Há críticas que a política industrial atual seria semelhante à do regime?

Não se assemelha em nada. Era um período de industrialização pesada, forte. Não estamos num período de industrialização pesada. Estamos investindo em infraestrutura basicamente.

E a escolha de campeões nacionais? Está dando certo?

Não acho uma maravilha de ideia. Muito praticada na Coreia, no Sudeste da Ásia. Não tenho certeza se está dando certo. Uma coisa é falar, outra coisa é provar. Se ocorreu, não tenho dado nenhum para afirmar. A oposição tem que pesquisar e botar os números. Fica tudo no gogó. De qualquer maneira, é uma concentração de capital, sem dúvida.

Com a crise de 2008, o neoliberalismo sofreu um golpe, não?

O que aplicaram foi um modelo ultraliberal. Não acho que o neoliberalismo esteja morto. Estou sempre na defensiva nesse particular. Os porta-vozes estão aí, cada vez falam mais alto.

O Brasil cresce pouco…

A crise (global de 2008) bateu aqui em 2009. Em 2010 o crescimento já tinha retomado, mais instável e mais brando. O crescimento não está essa Brastemp, mas não piorou o emprego, nem a distribuição de renda, o que para mim é o essencial. Ninguém come PIB, come alimentos.

Há analistas que chegaram a defender mais desemprego para combater a inflação…

Imagina, é um absurdo! O governo está combatendo a inflação da melhor forma que pode. Aumentar o desemprego para combater a inflação… Vou te contar, é pior que o Fundo Monetário. Não leio mais economia para não me aborrecer. É um festival de besteira. Não acho que inflação passe da meta. Não vejo pressão inflacionária, a não ser que tenha uma grande desvalorização. Mas não creio. O difícil é saber o que vai acontecer com a economia mundial, que sempre dá reflexo aqui. Não dá para ser ultraotimista, nem ultrapessimista. Estou moderadamente otimista.

21 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

marcio gaúcho

- 2014-08-31 16:45:55

ANARQUISTA DE ARAQUE...

Esse anarquista, é na verdade um  bossal, provavelmente um funcionário público aposentado, que viveu enconstado em alguma estatal no tempo dos militares, com aposentadoria muito boa. Saudosista dos velhos tempos... Quem sabe na outra vida, né? Fala sério, meu!

José X.

- 2014-08-31 16:04:41

Aco que a Conceição está

Aco que a Conceição está certa...porque é exatamente o que penso. :)

Vejamos:

         No dia X não estávamos em recessão

         No dia X+1 foi declarado que estávamos em recessão

O que foi que mudou, concretamente, em vida diária esta "recessão" ?

Nada, absolutamente nada.

Gilberto .

- 2014-08-31 15:28:57

E formadora de toda uma

E formadora de toda uma geração de economistas, estúpido!!!

Gilberto .

- 2014-08-31 15:07:52

Não necessariamente passa por altas taxas de crescimento

Fábio,

Pode passar mais por uma melhora do perfil de produção e reequilíbrio da balança.

Precisamos retomar a produção de produtos de maior valor agregado, equilibrar o setor, ficar desta forma menos refém das oscilações das commodities e produtos primários. 

Isto acarretaria também uma pressão menor sobre a balança de pagamentos no médio prazo. 

Creio que o atual governo não colheu ainda os frutos de suas apostas na educação, que de certa forma estão ligadas ao que coloquei anteriormente. Se não chegamos ao melhor dos mundos na educação, tivemos avanços significativos no ensino técnico. A educação básica continua a ser o nosso principal problema. São Paulo e seu governo são um exemplo paradigmático da falta de empenho nesta questão, que é de responsabilidade dos estados.

Free Walker

- 2014-08-31 14:42:49

É uma Economista....estúpida!

É uma Economista....estúpida!  Teia de arranha em porão de casa antiga. Cheiro de naftalina em baú com roupas velhas..

robson_lopes

- 2014-08-31 14:37:28

Perfeito, bem-estar social

Perfeito, bem-estar social deve estar acima dos conceitos econômicos.

alfredo machado

- 2014-08-31 14:25:57

Comunicação

Gilberto,

Desconheço uma entrevista de MCTavares que não tenha dividido as opiniões, e isto ocorre há décadas.

Nível de desemprego lá no chão, melhor distribuição de renda, a inflação. basicamente, no mesmo patamar há anos, salário mínimo em crescimento constante, que recessão técnica é esta ?

Como disse a economista, o mais difícil é acertar sobre o que irá acontecer nos USA com a sua impressionante dívida interna ( roda a maquininha à vontade, caso único) e seus diversos, mas pouco divulgados problemas sociais, sobre o que irá acontecer em relação às trocas internacionais ( se entra o euro, ou não, colocando o o U$ dólar na berlinda - é algo que faz gigantesca diferença), assim como sobre os conflitos que não param de aumentar em intensidade, haja vista a novidade que é o EI.

Existem muitas variáveis cujos efeitos independem da vontade deste ou aquele governo, mas caberia ao governo do patropi fazer aquilo que não é sua especialidade, dar a sua opinião à sociedade sobre aquilo que ocorre na economia, na saúde, na educação ou seja lá o que for, pois o quantidade de notícias negativas na grande mídia é enorme.

De nada adianta ficar reclamando deste fato, cabe ao outro, o governo, fazer a parte dele. 

altamiro souza

- 2014-08-31 14:25:33

não muitobom defender

não muitobom defender mantras, mas essa ideias claríssimas da mestra conceição dewveria ser lida e relida diveras vezes para que não desviemos do essecial,

não comemos pib, somos  musicais até  precisamos de arte, e como precisamos,

mas o social é o que importa neste momento histrórico.

lembro do tempo da ditadura, tinha um planejamento exaustivo baseado em número e até ideias de país, mas na hora de implantar o delfim dizia que o bolo tinha de crescer antes de distribuir aos esfoemados de sempre.

quem pode nos afogar em números e propostas tb mirabolantes é essa turma neonliberal consorciada com a candidata mmarina silva..

temos de nos basear no que é feito e no que os que fizeram podem fazer e não em promessas  aventureiras.

grandfe conceição, que me repõe neste cinzento domingo na esteira  racional e lógica.

já estava começando a me embananar em teorias da santificação  da loucura e quetais, mas  foucault não abordou isso e o agambem que fala disso é europeu e desconfio dessas cópias porque quem teve antonio conselheiro e respeita axé e até macumba não pode desmerecer esse nosso cadinho cultural que nos diferencia do resto do mundo.

george bataille tb disse que a santificação tem o seu lado oposto, que não seria necessariamente o demomio.

a aprofundar,. 

 

joao

- 2014-08-31 13:52:33

kkk nao ha quem nao goste de vc.

eu amo os loucos e bebados. 

. Nos indivíduos, a loucura é algo raro - mas nos grupos, nos partidos, nos povos, nas épocas, é regra.Friedrich Nietzsche

. Veja se nao da uma grande peca de teatro.

As significações da loucura mudaram ao longo da história. Na visão de Homero, os homens não passariam de bonecos à mercê dos deuses e teriam, por isso, seu destino conduzido pelos "moiras", o que criava uma aparência de estarem possuídos, ao qual os gregos chamaram "mania".

Para Sócrates, este fato geraria quatro tipos de loucuras: a profética, em que os deuses se comunicariam com os homens possuindo o corpo de um deles, o oráculo. A ritual, em que o louco se via conduzido ao êxtase através de danças e rituais, ao fim dos quais seria possuído por uma força exterior. A loucuraamorosa, produzida por Afrodite, e a loucura poética, produzida pelas musas.

. esta loucura me marcou na epoca 

Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tetos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha Loucura !
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...
Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém!
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.

. um escritor que gosto, dei em marco um original para minha neta de 15 anos.

A ciência ainda não nos provou se a loucura é ou não o mais sublime da inteligência. ―Edgar Allan Poe

 

Paulo Vasconcellos

- 2014-08-31 13:52:09

anarquista ´sério não tem

anarquista ´sério não tem governo,não vota!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

você é um diretão,meu amigo,é só admitir ou ler sôbre o anarquismo.

mz

- 2014-08-31 13:44:36

Tem chamado a atenção o

Tem chamado a atenção o mantra recorrente na mídia dita pelos "especialistas" e mote dos canditados da oposição de que o Brasil precisa recuperar a confiança do mercado para crescer, sanar os problemas estruturais, realinhar-se no rumo certo ou seja sair do fundo poço em que se encontra.  Pergunto: quem são estes empresários e porque esse pessimismo que ressoa como araponga em todos os noticiários 24 horas por dia?

Todos olham para a China e babam seu crescimento de 15% e sonham como plano de negócio por o pé lá também. Todos sabem a dificuldade das indústrias de bens de consumo competirem com a China e a desintrustrialização mundial promovida por este movimento. Só que este fator não entra nas análises dos especialistas. Ou a indústria se reinventa ou vai para a China. Mas sabendo que indo pra lá deixa de cumprir o seu papel social aqui no Brasil na geração de emprego e riquezas. Sob este aspecto a China é um fator de desânimo real para os industriais.

Do ponto de vista doméstico o Governo tem derramado volumes de crédito nunca dantes visto para todos os tamanhos de empresas, com juros "subsidiados", o que possibilita a moderniazação e expansão das mesmas. Este ponto é um ponto combatido pela oposição dentro do pacote de "independência" do BC e diminuição do peso dos bancos públicos na economia.

O governo tem feito desonerações setoriais de IPI da linha branca e automotiva, da cesta  básica, desonerações na folha de pagamento, investindo em infreestrutura de logística e energia. Imposição de conteúdo nacional nos megaempreendimentos e o apoio ao pequeno empresário nas compras governamentais. Com relação à reforma tributária precisa combinar com os russos nos estados e municípios. 

Os programas sociais como o Minha Casa Minha Vida tem mudado a realidade de milhões de pessoas que estavam vivendo com inseguraça habitacional e também alimentado o setor construtivo. O Bolsa Família praticamente eliminou a insegurança alimentar que até pouco tempo atrás pesava em nossas consciências.

A ascenção dos milhões de brasileiros nas classes sociais gerou demanda interna que faz bater recordes de produção e venda de bens de consumo, um mercado que tende a aumentar com a política de valorização dos salários. Talves este ponto incomode a "confiança" dos empresáios, mas os tempos são outros, produção com grande demanda de mão-de-obra desqualificada, tipo Carlitos, estão sendo substituídos por mão-de-obra especializada. Se queremos trabalhadores mais qualificados, teremos que pagar mais por isso, é inevitável e bom para todos. A concorrência entre as empresas diminuiu a margem de lucro para níveis mais civilizados, não há como voltar aos modelos de 50 anos atrás.

Os investimentos em formação dessa mão-de-obra com o Pronatec vai alavancar o salto em qualidade dos serviços tão esperada. Dobrou o número de acesso às Universidades e a perspectiva é aumentar com os investimentos astronômicos feitos nas Universidades Federais nos últimos anos. Os jovens estão estudando por mais tempo e retardando sua entrada no mercado de trabalho.

A descoberta do pré-sal com a alavancagem de toda uma cadeia produtiva está mudando o cenário nas cidades bases destes empreendimentos. A perspectiva futura para seus benefícios abre muitas janelas de oportunidades para todos os setores da economia. Mas o pré-sal tembém foi relegado ao segundo plano pelas canditaturas de oposição. 

Quem são os empresários pessimistas com o futuro do Brasil? 

 

Adriano Martins

- 2014-08-31 13:24:58

Tire o anarquista do teu nome então!

Os anarquistas de verdade devem se revirar no túmulo quando dizes estas coisas! Valha-me!

alexis

- 2014-08-31 13:12:53

OK Anarquista

Respeito a sua opção.

Valeu a "esportiva" da sua resposta!

 

ermogens

- 2014-08-31 13:12:04

grosseria!

grosseria!

Pedro Penido dos Anjos

- 2014-08-31 13:08:36

País pode estar perto de

País pode estar perto de recessão moderada, diz Conceição Tavares


© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.

Leia mais em:

http://www.valor.com.br/brasil/3672722/pais-pode-estar-perto-de-recessao-moderada-diz-conceicao-tavares#ixzz3ByUm2qhF http://www.valor.com.br/brasil/3672722/pais-pode-estar-perto-de-recessao-moderada-diz-conceicao-tavares  

Fabio Passos

- 2014-08-31 13:02:43

Crescer apenas para enriquecer a burguesia é uma tolice...

... preservar emprego e renda é melhor.

Mas melhorar emprego e renda com altas taxas de crescimento é fundamental para o Brasil tornar - se desenvolvido.

É o que espero no segundo mandato da Dilma.

 

vera lucia venturini

- 2014-08-31 12:59:54

Que preconceito contra a

Que preconceito contra a velhice é essa? Você pode até não concordar mas baseado em argumentos não em ataques ao comportamento e a idade da economista.

anarquista sério

- 2014-08-31 12:52:03

KKKKKKKKKKKK Não é

KKKKKKKKKKKK

Não é verdade.

 Meu candidato sempre foi o mesmo:

Qualquer um /uma contra o PT.

     Abraços!

alexis

- 2014-08-31 12:44:30

A genialidade

A genialidade admite e convive com alguma dose de piração.

Ela não é a candidata, mas apenas uma boa economista e uma voz experiente.

A sua candidata é aquela outra fadinha, que está mostrando ser pirada ainda jovem....imagina com 84 anos!

anarquista sério

- 2014-08-31 12:36:05

  Ela já era pirada quando

 

Ela já era pirada quando moça.

Imagina com 84 anos....

alexis

- 2014-08-31 12:33:03

Agora sim!

Não leio mais economia para não me aborrecer. É um festival de besteira. 

Temos agora boas opiniões de economista da época quando a economia pertencia à faculdade de ciências sociais. A economia dentro do conjunto das forças sociais. A explicação simples e o pulo do gato.

Não aguento essa historinha do tripé e de tentar abraçar o mundo com apenas três equações de matemática financeira.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador