A importância do café na origem da economia brasileira, por Márcio Ferreira

Do Obvious Mag

O café na construção econômica do Brasil

Por Márcio Ferreira

Ainda que não foquemos num livro específico, este texto tenta mostrar, do ponto de vista econômico, algumas das possíveis origens da fama do café no nosso convívio. Companheiro de muitas pessoas nas escolas, nas ruas, nos campos, nas construções, no trabalho e nas manhãs e tardes, o café é indispensável.

Encontrei recentemente um livro de Mario de Andrade chamado “O Café” (ou simplesmente “Café”, não me recordo), cujo título indica a conexão mais direta entre a literatura e o nosso companheiro. Alguém saberia de algum outro?

Mundial e historicamente conhecido pelo seu café, o Brasil ainda é um produtor relevante e de referência no mercado cafeeiro. Contudo, qual a origem dessa repercução e qual sua importância para a nação? Para essas duas perguntas procuramos indicar alguns caminhos de respostas.

Se tomarmos o processo histórico a que passou a economia brasileira, observaremos que a entrada do café data do começo do século XVIII. A despeito disso, ganha notoriedade econômica para o governo e o mundo apenas na segunda metade do XIX, por volta de 1860.

Assim como em todas as economias nacionais, a brasileira fora submetida a ciclos econômicos: encerrados os ciclos do açúcar e do ouro, iniciou-se o ciclo do café, que puxou a economia brasileira da metade do século XIX até, ao menos, 1929, ano da Grande Depressão. Esse ciclo se não impulsionou a nossa industrialização certamente centralizou ao seu redor as pré-condições (como acumulação de capital, atividades comerciais internas mais conectadas etc.) que esse processo de modernização econômica demanda. Afinal, é preciso que se acumule capital para que se dê o salto rumo à industrialização. Ao que parece portanto, a relevância do café não se restringe a um aspecto cultural, como o nosso cafézinho de todo o dia: ela vai além, fazendo-se presente inclusive na transformação de nossa economia agrária em uma economia capitalista à medida que a expansão cafeeira está relacionada de alguma forma à incipiente industrialização. Por exemplo, conforme se intensifica a expansão cafeeira a renda interna da economia se eleva, potencializando, ainda que de maneira tímida no início, um mercado interno de consumo a ser abastecido tanto por importações quanto pela indústria interna de bens de consumo não-duráveis (indústria têxtil, alimentos etc.).

A ideia de que a expansão cafeeira relaciona-se à industrialização está em Sérgio Silva, economista brasileiro e estudioso do processo de industrialização em nosso país. Segundo o autor, as profundas transformações no setor cafeeiro observadas a partir da segunda metade do século XIX sinalizam de alguma maneira que a economia e a sociedade do país iniciaram seu processo rumo ao capitalismo. Desse modo, tanto a expansão cafeeira quanto a industrialização seriam “estágios da transição capitalista no Brasil”. É nesse sentido que afirmamos ser o café um marco no processo histórico brasileiro de formação da economia nacional: ele está na origem e arraigado em nossa formação capitalista, o que explica tanto sua importância econômica quanto sua popularidade nos bares e cafés que cortam o país de norte a sul. Além de Silva, outro economista percebeu a relevância da expansão cafeeira no desenvolvimento capitalista brasileiro. Para Celso Furtado, um dos maiores economistas brasileiros do século XX, “Dificilmente um observador que estudasse a economia brasileira pela metade do século XIX chegaria a perceber a amplitude das transformações que nela se operariam no correr do meio século que se iniciava.” É com essa frase que se inicia um dos capítulos de seu célebre livro, Formação Econômica do Brasil, marco da História Econômica brasileira e referência até hoje nas universidades e faculdades dos melhores cursos de economia do país. Para o nosso propósito, o encerto do vigésimo capítulo demonstra a preponderância do café na formação da economia brasileira à medida que as transformações às quais o autor faz referência recaem sobre o setor cafeeiro. Segundo Furtado, o Brasil até o momento não havia incorporado as técnicas de produção originadas na Revolução Industrial, o que impedia dinamizar a economia pelo mercado interno e, mais grave, empurrava naquele momento histórico específicoa atividade econômica para o comércio internacional de mercadorias, aprofundando os laços comerciais entre as antigas colônias e as velhas metrópoles.

Mas, com qual produto contaria o Brasil para ingressar naquele comério internacional? Para Furtado, o açúcar não apresentava boas expectativas visto que a produção cubana saltara de 20 mil toneladas no final do século XVIII para 300 mil na metade do XIX (cerca de 3 vezes mais que a economia brasileira). O algodão, por sua vez, encontrou na economia dos Estados Unidos excelentes condições de produção, o que intensificou a concorrência neste mercado a ponto da economia americana dominar as exportações mundiais desse produto. O país precisaria portanto encontrar um novo produto, que combinasse os fatores de produção em abundância em nossa economia de maneira estratégica. Não dispondo de capital como fator de produção, apenas terra e mão-de-obra, a economia encontra no café o seu salvador da pátria. Além disso, com a Revolução Industrial a todo vapor, as jornadas de trabalho sofreram alterações significativas, o que motivou a busca por estimulantes para todos os envolvidos nas produções industriais. O café, naquele momento histórico, cairia como uma luva. E o Brasil soube aproveitar o momento.

Os números apresentados por Furtado são surpreendentes: “No primeiro decênio da independência o café já contribuía com dezoito por cento do valor das exportações do Brasil, colocando-se em terceiro lugar depois do açúcar e do algodão. E nos dois decênios seguintes já passa para primeiro lugar, representando mais de quarenta por cento do valor das exportações.” Evidentemente, um aumento de participação só se explica com aumento de produção e, neste ponto, voltamos às referidas mudanças às quais o setor cafeeiro foi submetido e, como resposta, expandiu-se, dinamizando outras atividades na economia, em especial a incipiente indústria produtora de bens de consumo não-duráveis. Ademais, a expansão cafeeira viabiliza a acumulação de capital na economia brasileira, satisfazendo em parte os pré-requisitos necessários para o desenvolvimento propriamente industrial do país, observado mais adiante, a partir de 1930.

Assim, podemos afirmar que o café ganhou notoriedade comercial por uma imposição histórica durante o século XIX e, a partir de então, não deixou de ser relevante em nossa pauta exportadora. Além disso, por compôr a base de acumulação de capital da economia brasileira, pode-se dizer que o Grande Capital Cafeeiro é o precurssor do Capital Industrial nacional, o que explica sua importância à nação e à formação econômica do Brasil. A popularidade, por sua vez, advém de alguns traços da base sobre a qual apoiou-se esse capitalismo. Traços estes que transcenderam o tempo e aparecem hoje, todos os dias, em nossas xícaras pelas manhãs.

Bibliografia:

– Furtado, Celso. Formação Econômica do Brasil. 34a Edição. São Paulo: Cia das Letras, 2013. – Prado Jr., Caio. História Econômica do Brasil. 43a Edição. São Paulo: Brasiliense, 2012. – Silva, Sérgio. Expansão Cafeeira e Origens da Indústria no Brasil. 5a Edição. São Paulo: Editora Alfa-Omega, 1981.

*artigo originalmente publicado na revista “Café e Outras Delícias” (Março/2016).

6 comentários

  1. Interessante

    Acredito que surge daqui o extraordinário crescimento de São Paulo. Ainda, devemos lembrar o trem de ferro impulsionado na época (Barão de Mauá?), que deram inicio a uma incipiente industrialização. A história tem um final triste, superados em vários aspectos pela Colômbia e com a distribuição mundial nas mãos da Suíça, onde não há uma única plantação. É um história que se repete com o cacau, o caucho e neste século com o minério de ferro, sem verticalizar industrialmente o país, mesmo depois de todas as oportunidades que tem surgido na nossa frente. Temos hoje o Nióbio (98% das reservas mundiais) Seguem a grafita (flakes) e outras benesses que Deus deixou aqui para sermos uma potencia….., mas a gente num quer, como diria Adorinan Barbosa.

    • A historia das ferrovias

      A historia das ferrovias paulistas se dá pela formação de companhias de capital aberto capitalizadas pelos fazendeiros de café (Paulista, Mogiana, Araraquarense, Sorocabana) e depois pela entrada de capital britanico (São Paulo Railway).

      Foi o capital cafeeiro que financiou as primeiras grandes industrias texteis a vapor, a maior delas ainda no seculo XIX, a São José, dos Alvares Penteado, chegou a ter 3.000 operarios.

      Todavia, a grande industrialização de São Paulo se deve primordialmente à são Paulo Light and Power, que através do

      projeto mundialmente pioneiro de jogar agua serra abaixo 900 metros produziu energia eletrica abundante e barata.

    • Desculpa aí, Mansur.
      Os

      Desculpa aí, Mansur.

      Os interessados poderão também acessar:

      vitrinecapixaba.blogspot.com.br do sempre

      antenado e competente jornalista Ronald

      Mansur que escreveu e detém a melhor

      literatura sobre cafeicultura capixaba.

      Os Municipios de Jaguaré  e São Gabriel da

      Palha, no ES, são os maiores produtores de

      conillon no Brasil.

       

  2. O ex ministro Delfim Neto

    O ex ministro Delfim Neto publicou um livro chamado: “O Problema do Café no Brasil”, quando ainda era professor de economia na USP. Francisco Marins recentemente falecido foi um romancista que publicou vários livros retratando o café na região de Botucatu-SP, no século XIX, destacam-se: “Clarão na Serra”, “Grotão do Café Amarelo” e “E a porteira bateu”.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome