Javier Milei empossado presidente da Argentina

Zelensky e Bolsonaro aparecem entre os convidados do ultraliberal; primeiras medidas da nova gestão devem ser anunciadas nesta segunda-feira

Javier Milei, novo presidente da Argentina. Foto: Reprodução/YouTube La Nacion

O ultraliberal Javier Milei toma posse neste domingo (10/12) como novo presidente da Argentina, em cerimônia que deve transcorrer por todo o dia.

Ao assinar o livro de honra do Congresso Nacional, no Salão dos Passos Perdidos, Milei usou a frase que marcou sua campanha: “Viva la Libertad, carajo”. A vice-presidente Victoria Villaruel, escreveu no outro livro: “Tudo pela Argentina, Victoria”.

Milei e sua vice-presidente, Victoria Villaruel, prestaram juramento perante a Assembleia Legislativa do Congresso Nacional e receberam os cargos de seus antecessores, Alberto Fernández e Cristina Kirchner. Fernández também realizou a passagem da faixa e do bastão presidencial a Milei.

Sem falar à assembleia legislativa, Milei recebeu os atributos de Fernández e foi à esplanada falar para sua militância que se reuniu em frente ao Congresso.

​Entre as autoridades que acompanham a cerimônia, estão os ex-presidentes argentinos Eduardo Duhalde e Adolfo Rodríguez Saá, além do presidente ucraniano Volodimyr Zelensky e do ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro, cuja família se declarou apoiadora de Milei.

Da Assembleia, o novo presidente segue em translado em carro conversível para a Casa Rosada, onde cumprimentará autoridades e líderes internacionais.

Está programada para a parte da tarde uma cerimônia no Tedeum da Catedral de Buenos Aires, enquanto o evento formal terá continuidade com a posse do novo gabinete ministerial na Sala Branca da Casa Rosada.

Primeiras medidas

Segundo o porta-voz da presidência, Manuel Adorni, o governo Milei irá realizar uma entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira, quando serão anunciadas as primeiras medidas da nova gestão.

Acredita-se que a entrevista coletiva será conduzida por Luis Caputo, o ministro da Economia que será responsável pela execução do plano de ajustes e desregulamentação econômica proposto por Milei.

Contudo, o presidente da extrema-direita já sinalizou que irá conduzir uma política de choque com grandes cortes, admitiu que haverá estagflação e que o novo mantra será “não há dinheiro”

“Hoje começa uma nova era na Argentina, hoje termina uma longa era de declínio e começamos a reconstrução do país. Os argentinos expressaram com força uma vontade de mudança que não tem retorno. Não há como voltar atrás”, afirmou Milei em seu discurso inicial.

De acordo com o novo presidente, “nenhum governo recebeu uma herança pior do que a que estamos recebendo”, ressaltando que o kirchnerismo deixou o país com déficits gêmeos de 17% do PIB (Produto Interno Bruto) e que “não existe alternativa ao ajuste”.

Com La Nacion, Página12 e Clarin

Tatiane Correia

Repórter do GGN desde 2019. Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com passagens pela revista Executivos Financeiros e Agência Dinheiro Vivo.

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. “Sigam-me os bons” . Milei, Bolsonaro e Zelensky, a nata de nulidades triunfantes cuidadosamente escolhidas pelo capital para arruinar países, fizeram, fazem e farão governos temáticos, com ações da cintura pra baixo e entre ” Viva la liberdad, carajo” e “Acabou, porra!”, ambos os países poderão sonhar com a arte de tocar piano com o pênis, tal qual Zelensky o fazia em seus espetáculos humorísticos. São os 3 Patetas da hora. Sob Caputo, a Casa Rosada continuará rosada, de vergonha, sob Lula, Bolsonaro será preso e ficará ainda mais puto, e Zelensky, após a ruína total de seu país terá o destino de todo mortal (que é a morte). O poder nunca muda. Mudam as pessoas sob sua influência.

  2. Dia 11/12/23 acabam os programas de tv e começa a realidade.

    Quero ver o anarco-capitalismo (uma contradição de termos) funcionar.

    Resta saber se o cachorro morto terá boas ideias.

    Mas Milei já avisou que vai demorar.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador