Milei ataca esposa de Sánchez e abre crise diplomática da Argentina com Espanha

Patricia Faermann
Jornalista, pós-graduada em Estudos Internacionais pela Universidade do Chile, repórter de Política, Justiça e América Latina do GGN há 10 anos.
[email protected]

Governo espanhol pediu o retorno da embaixadora na Argentina e pediu desculpas de Milei, que respondeu que não se desculpará

Foto: Divulgação

Javier Milei, presidente da Argentina, iniciou uma crise diplomática com a Espanha, após chamar a esposa do presidente Pedro Sánchez de “corrupta”. Sánchez pediu o retorno da embaixadora espanhola na Argentina para dar explicações ao governo espanhol.

O que Milei falou

Durante uma agenda partidária e não de governo, o presidente argentino participou de um evento do partido da extrema-direita Vox, em Madrid, criticou o socialismo e chamou a esposa de Sánchez, Bergoña Gomez, de corrupta.

Reação da Espanha

Ainda pela manhã, o governo espanhol pediu retorno da representante diplomática europeia em Buenos Aires, a embaixadora María Jesús Alonso Jiménez. O ato ocorre quando as relações internacionais entre dois países são duramente afetadas.

Em nota emitida mais cedo, o chanceler espanhol José Manuel Alberes disse que as falas de Milei ultrapassaram qualquer crítica política ou ideológica.

“O respeito mútuo e a não ingerência em assuntos internos é um princípio inquebrantável das relações internacionais e é inaceitável que um presidente em exercício, em visita à Espanha, insulte a Espanha e o presidente do governo da Espanha”, afirmou.

Segundo o ministro, com os ataques, Milei fez com que as relações entre a Espanha e a Argentina chegassem ao “momento mais grave da nossa história recente”, e pediu que o governo argentino fizesse um pedido de desculpas formal.

“No caso de não se produzir essas desculpas, tomaremos todas as medidas que acreditamos oportunas para defender nossa soberania e nossa dignidade”, afirmou.

União Europeia se soma à Sánchez

Imediatamente após o episódio, diversas autoridades da Europa, como o Alto Representante da União Europeia (UE) para Assuntos Exteriores, Josep Borrel, condenaram os ataques de Milei contra o líder espanhol e sua família.

“Os ataques contra familiares de líderes políticos não têm lugar na nossa cultura: nós os condenamos e rejeitamos, especialmente quando partem de parceiros”, disse Borrell, em mensagem publicada na rede social.

O próprio presidente espanhol, Sánchez se manifestou afirmando que Javier Milei era a “demonstração do risco que representa a ultra-direita mundial para as sociedades”, que as falas do argentino não “estiveram à altura” de um chefe de Estado e que espera uma retificação.

Governo argentino diz que não vai pedir desculpas

Em resposta, o porta-voz da Presidência argentina disse que não vai pedir desculpas à Argentina e que a Espanha é que deveria se desculpar.

“Não haverá desculpas porque não há nada pelo que pedir desculpa. Apelamos ao governo de Espanha para que nos peça desculpas”, retrucou o porta-voz presidencial Manuel Adorni. Segundo ele, as falas de Milei no evento foram genéricas, sem ter se direcionado à Sánchez, e que autoridades espanholas já criticaram, diversas vezes, o presidente argentino Javier Milei.

“Que os funcionários do reino de Espanha peçam desculpas pelas críticas levantadas contra Javier Milei”, afirmou.

Com Página12 e agências internacionais.

Leia mais:

Patricia Faermann

Jornalista, pós-graduada em Estudos Internacionais pela Universidade do Chile, repórter de Política, Justiça e América Latina do GGN há 10 anos.

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. A Espanha deveria ter prendido o idiota no mesmo momento.

    E a imunidade diplomática ?

    Essa foi pro saco quando invadiram a Embaixada Mexicana no Equador e raptaram o ex-presidente

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador