Trump paralisa administração pública para exigir dinheiro para muro com México

 
 
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, está ameaçando uma longa paralisia da administração do governo se os democratas do Senado não aprovarem um orçamento que inclui 5.000 milhões de dólares para a construção de um muro com o México – um jogo que já foi aprovado pela Câmara dos Representantes.
 
“Os democratas, cujos votos precisamos no Senado, provavelmente votarão contra a segurança da fronteira e o muro, embora saibam que precisamos desesperadamente disso. Se os democratas votarem não, haverá um fechamento que durará por um longo período de tempo. As pessoas não querem fronteiras abertas e crime”, disse o presidente no Twitter.
 
A iniciativa, que superou alguns problemas para a Casa, contempla o financiamento da administração até 8 de fevereiro e inclui os fundos necessários para começar a construção do muro controverso na fronteira sul, uma das principais promessas eleitorais de Trump.
 
Por enquanto, parece improvável que esse projeto de lei seja aprovado porque os democratas categoricamente se recusam a considerar a idéia e o debate. E, de fato, eles têm votos suficientes para bloqueá-lo, apesar de serem uma minoria.
 
Se assim for, o desacordo empurrará os Estados Unidos para um novo fechamento parcial administrativo quando os fundos atuais se esgotarem. O prazo final é este sábado ao amanhecer. Algumas agências seriam forçadas a conceder a seus funcionários uma licença sem vencimento.
 
Entre as divisões potencialmente afetadas estão o Departamento de Segurança Interna (DHS), o Departamento de Estado, mas também há funcionários dos departamentos de Justiça, Agricultura e Transporte, entre outras importantes agências governamentais.
 
Diante dessa situação, Trump dirigiu seus tweets matinais para os democratas, que ele culpou por um eventual contingenciamento e criticou por não aceitar o muro. “Os democratas estão tentando minimizar o conceito do muro, dizem que está ultrapassado, mas o fato é que nada mais funcionará, e isso tem sido há milhares de anos. É como a roda, não há nada melhor”, tuitou o presidente.
 
Ele também aproveitou a oportunidade para pressionar o líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell. “O senador Mitch McConnell deve lutar pelo muro e pela segurança das fronteiras tão duro quanto ele faria por qualquer outra coisa. Você precisará de votos democratas, mas, como mostra a Câmara dos Representantes, coisas boas podem acontecer”, salientou Trump.
 
Por iniciativa de McConnell, republicanos e democratas chegaram a um acordo nesta semana para financiar a administração até fevereiro. Mas o presidente explodiu esse consenso na quinta-feira ao anunciar que ele só assinaria um orçamento que inclui fundos para a barreira fronteiriça.
 
Esta manobra do governo Trump veio depois que legisladores republicanos e comentaristas conservadores acusaram o presidente de capitular diante dos democratas e advertiram-no que renegar uma de suas principais promessas de campanha prejudicaria o apoio das bases para sua tentativa de reeleição em 2020.
 
Os democratas vão assumir o controle da Câmara dos Deputados em janeiro e podem bloquear o financiamento do muro em ambas as casas, razão pela qual Trump acredita que esta é uma de suas últimas oportunidades para financiar o muro.
 
Trump transformou a luta contra a imigração ilegal em um dos principais temas de sua presidência. Em outubro, uma caravana de migrantes hondurenhos que deixou São Pedro Sula para os Estados Unidos teve muita cobertura da mídia e chamou a atenção do presidente, que estimulou a campanha para as eleições de meio de mandato, denunciando uma “invasão”.
 
Para o presidente, o muro impediria os migrantes que querem entrar nos Estados Unidos. Mas sua construção tem um custo de cerca de 5.000 milhões de dólares. A oposição democrata se opõe fortemente.
 
Se um fechamento administrativo fosse alcançado, seria o terceiro que Trump enfrentou desde que chegou ao poder, no início de 2017. O primeiro fechamento ocorreu em janeiro e durou três dias; enquanto o segundo, em fevereiro, durou apenas algumas horas. Neste caso, de acordo com Trump, seria “muito longo”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  EUA: Democratas introduzirão legislação para reforçar a supervisão da inteligência do DHS

3 comentários

  1. Trump é um defunto politico,
    Trump é um defunto politico, um morto-vivo assombrando a capital americana.
    O que resta saber é quanto tempo ainda falta até cravarem uma estaca no coração desse Nosferatu.

  2. Trumpolsonaro
    Completamente um idiota. Como se grande parte do que os EUA são não fosse em função dos que os cérebros imigrantes contribuiram.
    Isso representa: racismo, soberba, estrelismo e falta de senso humanitário.
    O nosso coiso tem ainda um agravante: total falta de visão sobre qualquer assunto, que não seja o exercício ďa injúria e difamação.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome