“Aha, uhu, o Fachin é nosso”, escreveu Dallagnol em grupo de procuradores da Lava Jato

Novas revelações mostram que Moro atuou como chefe da Lava Jato; ‘Palavra por palavra, às comunicações examinadas pela equipe são verdadeiras’, escreve reportagem da Veja

Ex-juiz Sérgio Moro e procurador que coordena Lava Jato, Deltan Dallagnol atuavam juntos, mostram mensagens reveladas pelo The Intercept Brasil. Foto: José Cruz/Agência Brasil

Jornal GGN – O atual ministro da Justiça, Sergio Moro, pediu para que a acusação, representada pelo Ministério Público Federal em Curitiba, incluísse provas nos processos da operação Lava Jato, antes de chegarem em suas mãos, quando juiz responsável por julgar os processos. A revelação é matéria de capa da revista Veja, em parceria com The Intercept Brasil.

O site de notícias recebeu de uma fonte anônima quase 1 milhão de mensagens, totalizando 30.000 páginas. A Veja diz que, para a reportagem, analisou 649.551 mensagens. “Palavra por palavra, às comunicações examinadas pela equipe são verdadeiras e a apuração mostra que o caso é ainda mais grave”, escrevem os jornalistas que assinam a matéria.

“Moro cometeu, sim, irregularidades. Fora dos autos (e dentro do Telegram), o atual ministro pediu à acusação que incluísse provas nos processos que chegariam depois às suas mãos, mandou acelerar ou retardar operações e fez pressão para que determinadas delações não andassem”, completam.

A reportagem também conseguiu comprovar a veracidade de um dos trechos dos diálogos que menciona o apresentador da TV Globo, Fausto Silva. Em uma conversar entre Moro e o coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, no dia 7 de maio de 2016, o então juiz comenta com o procurador que havia sido procurado pelo apresentador:

“Ele disse que vcs nas entrevistas ou nas coletivas precisam usar uma linguagem mais simples. para todo mundo entender. Para o povão. Disse que transmitiu o recado. conselho de quem está a (sic) 28/anos na TV. Pensem Nisso”, escreveu Moro pelo Telegram.

A Veja diz que procurou Fausto Silva e o apresentador confirmou o encontro e o teor da conversa entre ele e Moro.

A matéria aponta, principalmente, que Moro se comportou como chefe do Ministério Público Federal, ferindo o princípio de neutralidade exigido de um magistrado, postura que pode anular sentenças.

Leia também:  Caso Lulinha: Procurador ataca (de novo) com "não temos provas, mas temos convicção"

A reportagem destaca trechos de conversas onde Moro atuou com o papel duplo de juiz e assistente de acusação nos casos do pecuarista e amigo de Lula, José Carlos Bumlai, do ex-deputado Eduardo Cunha, do almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva (ex-diretor da Eletronuclear), do ex-governador do Rio, Sérgio Cabral, e do próprio ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em 17 de dezembro de 2015, em uma conversa onde Moro informava que era preciso uma manifestação do MPF no pedido de revogação de prisão preventiva de Bumlai, “até amanhã meio dia”, Dallagnol respondeu que a ação seria feita, acrescentando: “Seguem algumas decisões boas para mencionar quando precisar prender alguém…”. Em outras palavras, o procurador deu dicas de argumentos para garantir a prisão.

O pecuarista foi preso em 24 de novembro e denunciado em 14 de dezembro. Essa última data estava a uma semana do recesso da Justiça Federal do Paraná. A reportagem da Veja/Intercept mostra que Moro atuou também interferindo na agenda dos procuradores da força-tarefa.

Em uma conversa em 13 de outubro de 2015, o procurador Paulo Galvão alertou o colega Roberson Pozzobon sobre a atuação do juiz: “Estava lembrando aqui que uma operação tem que sair no máximo até por volta de 13/11, em razão do recesso e do pedido do russo (Moro) para que a denúncia não saia na última semana. Após isso, vai ficar muito apertado para denunciar.”

A resposta de Galvão foi: “uma grande operação por volta desta data seria o ideal. Ainda é próximo da proclamação da república. rsrs”.

Meses antes, em 7 de junho de 2015, um procurador da força-tarefa, identificado pela reportagem como sendo Carlos Fernando dos Santos Lima, escreveu: “Igor. O Russo (Moro) sugeriu a operação do professor para a semana do dia 20.”

Leia também:  'Quartel-general' da campanha de Bolsonaro em BH foi omitido à Justiça Eleitoral

Igor Romário de Paula é o delegado da Polícia Federal, também membro da força-tarefa da Lava Jato. Ele respondeu: “Opa… beleza… Vou começar a me organizar”

Na apuração da revista, o “professor” é o almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva, da Eletronuclear. O militar foi preso no dia 28 daquele mês. Ele foi acusado e condenado por receber pagamento de propinas da Andrade Gutierrez, durante a construção da usina Angra 3. O caso resultou no desdobramento de outra operação, chamada de Radioatividade e que levou à prisão Flávio David Barra, ex-presidente da AG Energia, do grupo Andrade Gutierrez.

A reportagem Veja/Intercept mostra que, em uma das ações de Moro para manter os casos da Lava Jato em seu poder em Curitiba, o magistrado omitiu para o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), que havia indícios do envolvimento de parlamentares para evitar que o caso fosse retirado de Curitiba e remetido para a Corte.

Mensagens trocadas entre os membros da força-tarefa, mostram que Moro sabia que o MPF tinha recebido uma planilha da defesa de Barra descrevendo o pagamento a diversos políticos, semanas antes de o juiz ter sido perguntado pelo ministro Zavascki se não sabia do possível envolvimento de parlamentares com foro privilegiado no caso, o que obrigaria o envio do processo para a análise do STF.

Zavascki soube do envolvimento de parlamentares pela própria defesa de Barra, que pediu ao ministro a suspensão do processo tocado pela 13ª Vara de Curitiba, alegando que Moro não tinha competência para julgar o caso.

“Diante da reclamação, Zavascki cobra explicações de Moro, que diz não saber nada sobre o envolvimento de parlamentares”. Entretanto, 18 dias depois, em uma conversa com o procurador Athayde Ribeiro Costa, a delegada Erika Marena, da Polícia Federal, contou que havia sido orientada por “russo” (Moro) para protocolar a planilha da defesa de Barra sobre o pagamento a políticos sem pressa.

Leia também:  MPF em Curitiba força elo entre sítio e Oi para justificar ação contra Lulinha

Já no dia 14 de dezembro de 2016, Dallagnol manda uma mensagem para Moro dizendo que em breve iria protocolar uma denúncia contra Lula e que a de Sérgio Cabral seria registrada no dia seguinte. “O que de fato ocorreu”, pontua a reportagem.

Sobre Eduardo Cunha, no dia 12 de junho de 2017, o procurador da Lava-Jato, Ronaldo Queiroz criou um grupo no Telegram com Dallagnol. A proposta era para avisar que foi procurado pelo advogado do ex-deputado, para uma negociação de delação premiada.

No dia 5 de julho, os procuradores finalmente concordaram em marcar uma reunião com o advogado do parlamentar, Délio Lins e Silva Júnior, para o dia 11 de julho. Nesse mesmo dia, 5 de julho, Moro mandou uma mensagem para Dallagnol, sobre os rumores de uma delação de Cunha. “Espero que não procedam”, disse.

Após algumas explicações de Dallagnol dizendo que o encontro estava programada só para os procuradores tomarem conhecimento dos anexos da defesa de Cunha, Moro completou, sem antes saber do conteúdo: “Agradeço se me manter (sic) informado. Sou contra, como sabe.”

Outra revelação feita por Veja/Intercept é o indício de parceria com o ministro do STF, Edson Fachin. Em de julho de 2015, a reportagem diz que Dallagnol mandou uma mensagem aos colegas da Lava jato “exultante” após um encontro com o magistrado: “Caros, conversei 45 m com o Fachin. Aha uhu o Fachin é nosso.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

12 comentários

  1. ….como não há limites para a falta de compostura e retidão, diante desse crime cometido por essa poderosa ORCRIM, dirão : normal….nada demais :

    …sim, era este o normal deles: imagina só o que proferiram e tramaram entre 4 paredes na ânsia de destruir a democracia para dar o golpe e eleger o Bozo e seu grupo, o pior da política nacional: noutro país estariam presos:

    ….aguardemos a próxima bomba.

  2. “Caros, conversei 45 m com o Fachin. Aha uhu o Fachin é nosso.” afirmou Dalagnol.
    Tudo leva a crer que não lidamos apenas com um conluio infame, mas também com um bando de deslumbrados hipócritas que afundaram o país neste esgoto a troco de apenas alguns minutos à frente dos holofotes e em busca de afagos dos eua.
    A história não irá perdoa-los.

  3. Tudo isto ocorreu sob Nossa Democracia? Sob Nossa Representação Social e Política? Sob Nossa Constituição Cidadã? Sob Nosso STF? Com as bençãos de OAB? E não sabemos por que estamos enfiados nesta Latrina por intermináveis 9 décadas, sendo 4 apenas de Redemocracia? País de muito fácil explicação.

  4. No texto da matéria esta revista golpista coloca Lula no mesmo patamar de Sérgio Cabral e Eduardo Cunha, dizendo que o ex-Presidente teria “se locupletado” como Cabral e Cunha. Espero que Lula, a direção nacional de seu partido e seus advogados dêem uma resposta à altura.

  5. O que se formou foi uma quadrilha, tudo para condenar sem provas, se o governo Bolsonaro mantiver Sérgio Moro no ministério da Justiça, seu governo começa a ruir, ele mesmo deveria pedir demissão do cargo, as provas apresentadas hoje pela revista Veja, é mais uma prova do que foi armado pelo MPF e justiça de Curitiba, está claro o conluiu, inclusive o CNJ, deve questionar o ministro chorão Edson Fachin, se não houver uma posição de Jair Bolsonaro, o Brasil ficará mais desacreditado internacionalmente, eles passam mais o país continua sua caminhada.

  6. A longa lista de juízes suspeitos de parcialidade não para de crescer: marreco de Maringá, desembagrinhos do stf4, ministrecos do stj e este ministreco do “çupremo” sob suspeita já há muito tempo. A máfia paranaense não falha!

  7. A MORTE DE TEORI TERÁ SIDO DIVINA PROVIDÊNCIA?

    Lula Livre da Silva foi retirado da eleição em 24 de janeiro de 2018, no tempo limite exato. Para isto, até a unanimidade dos 3 juízes foi necessária.

    Teori foi ‘morrido’ em 19 de janeiro de 2017. E já tinha um histórico de, mesmo concordando e/ou passando pano para a orcrim lavajateira do mpf e seu chefe Criminoso Moro na maioria das decisões, levar em conta e ouvir as defesas dos acusados, inclusive Lula, o que indica que, se vivo fosse em 2018, atrasaria o objetivo dos bandidos de Curitiba em eliminar Lula das eleições, pelo menos em alguns meses, o que poderia ser fatal para os gangsters lavajateiros.

    A morte de Teori e sua substituição por Edson Aha Uhu Nosso Fachin foi, portanto, condição essencial para a eliminação de Lula das eleições. Deduza-se daí o que se quiser, isto é um fato hoje comprovado, não teoria da conspiração.

  8. Esse intercept parece um boxeador que quer minar o adversário com golpes na linha da cintura ao invés de um certo e decisivo direto no queixo….
    Aparece a notícia que o dejeto ao qual se juntaram possui milhares de áudios, mas nenhum misero mugido vem a público, e nenhum vídeo…. permitindo ao marreco se agarrar ao cargo dizendo serem inverídicas as conversas…
    Onde estão as conversas dos dias mais quentes, que realmente importam……do dia do HC, do dia da condução coercitiva, do dia do vazamento do telefonema de Dilma que elucidaria quem entregou a gravação e como foi repassada para a imprensa. ….como o almirante entrou no radar e rapidamente preso? A absolvição da madame cunha? cadê a pf, os tribunais superiores, políticos? Tantas indagações que qualquer jornalista preparado iria direto procurar essas respostas no tal arquivo….
    Pra mim querem derrubar o marreco sem melindrar outros poderes, um novo Panamá papers…….
    Ou abrem para todos e convidam o pessoal do GGN, o Azenha, o pha, jornalistas investigativos, não apenas a mídia abjeta que dá uma no cravo e outra na ferradura…….

  9. e preciso paciencia…
    é claro que vem mais, mas só com isso aí já comprova o
    que todo mundo já sabia dessa infame coleção de conluios
    – a canalha e criminosa colusão de interesses para impedir
    a continuidade do projeto progressista que durou até as
    manifestações espúrias de 2013 e o golpe etc e etc e o escambau,,,

  10. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome