Defesa de Dilma pede acesso a documentos e novas testemunhas

 
Jornal GGN – A defesa da ex-presidente Dilma Rousseff protocolou junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) um novo pedido ao ministro relator da ação de cassação, Herman Benjamin, de acesso à delação premiada de ex-executivos da Odebrecht.
 
Os advogados apontaram contradições entre relatos dos ex-executivos Hilberto Silva e Fernando Migliaccio, em relação a pagamentos supostamente feitos ao marqueteiro das campanhas de Dilma, João Santana, e sua esposa, Monica Moura.
 
Entre as informações, Fernando Migliaccio afirmou que documentos apreendidos pela Operação Lava Jato trazem provas de tais pagamentos. Os advogados pedem que o TSE determine ao Ministério Público Federal (MPF) o compartilhamento desses documentos.
 
Além disso, pedem o acesso a todos os arquivos que sustentam as acusações de repasses da Odebrecht para campanhas realizadas por Santana em países como El Salvador, Panamá, Angola, Venezuela, República Dominicana e Argentina, dos quais a Lava Jato enxerga conexão de benefícios aos governos petistas.
 
No pedido, a defesa lembrou que até agora, o TSE vem adotando o procedimento de permitir o acesso a todos os arquivos, inclusive a acordos de colaboração premiada e anexos, às defesas, relacionados às denúncias da Odebrecht junto à Justiça Eleitoral.
 
Lembraram, ainda, que o acesso não interfere no sigilo dos dados e que tais documentos podem auxiliar na defesa. “É recomendável a máxima cautela com afirmações de delatores e a necessária checagem de todos os depoimentos e documentos, como medida indispensável para o exercício do contraditório e da ampla defesa, conforme reiteradamente decidido pelo Supremo Tribunal Federal”, completaram os advogados de Dilma.
 
Pediram, novamente, que o ex-ministro Guido Mantega, além dos presidentes dos partidos aliados na eleição de 2014, PRB, PROS, PDT e PCdo B, sejam ouvidos em audiência pelo TSE. 
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Sob suspeita de superfaturamento, laboratório do Exército pagou insumo da cloroquina 167% mais caro

2 comentários

  1. Eu absolvo Dilma–mesmo ela

    Eu absolvo Dilma–mesmo ela sendo avisada por seu marqueteiro que o dinheiro de sua campanha era sujo

    Tão sujo que foi pago em caixa 4 no exterior.

    Então por que absolvo Dilma ?

    Por excesso de burrice.

    Exemplo : Se ninguém a entendia em português, imagine ela falando em francês.—senti vergonha por ela;

    Dilma é ex PRESIDENTA INOCENTA..

    e que foi GERENTA de uma loja de 1,99  e FALIU.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome