Delação premiada: doleiros denunciam venda de proteção no Paraná

A descoberta foi da Operação Lava Jato do Rio de Janeiro, não a de Curitiba. O repórter, Ricardo Galhardo, que não faz parte dos grupos de policiais-repórteres que cobrem a Lava Jato.

Segundo matéria do Estadão, Advogado de delatores é acusado de cobrar propina. O advogado em questão é Antônio Figueiredo Bastos, o campeão das delações premiadas.

Os doleiros Vinícius Claret, o “Juca Bala”, e Cláudio de Souza, acusados de integrar o esquema comandado pelo “doleiro dos doleiros” Dario Messer, disseram ao MPF do Rio de Janeiro que Bastos cobrava US$ 50 mil mensais a título de taxa de proteção, para garanti-los perante “o Ministério Público Federal e a Polícia Federal” de Curitiba.

Diz a matéria: “Enrico passou a dizer que o escritório deveria pagar US$ 50 mil por mês para fornecer uma proteção a Dario e às pessoas ligadas ao câmbio. Que essa proteção seria dada pelo advogado Figueiredo Basto e outro advogado que trabalhava com ele”, diz trecho da delação feita por Souza aos procuradores Eduardo Ribeiro Gomes El Hage e Rodrigo Timoteo da Costa e Silva, da Procuradoria da República no Rio”.

Outros doleiros também pagavam a referida taxa.

 “Segundo as delações, Enrico não dava detalhes da “proteção” e integrantes do esquema chegaram a se desligar da operação por desconfiar da cobrança. “Os pagamentos foram feitos de 2005/2006 até 2013. O colaborador não recebia qualquer tipo de informação verossímil de Enrico. A exigência de tais pagamentos fez com que Najun Turner (doleiro) se desentendesse com Dario e Enrico, pois o mesmo se recusava a pagar”, diz outro trecho da delação de Claret.

A nova delação poderá explicar muitos desdobramentos da Operação Banestado, inclusive o fato de doleiros apanhados continuarem a delinquir sem serem incomodados até a Lava Jato.

Voltaremos com mais informações.

Leia aqui a série A Indústria da Delação Premiada.

22 comentários

  1. Este tipo de extorsão já

    Este tipo de extorsão já havia sido denunciada pelo advogado da Odebrecht Rodrigo Tacla Duran.

    A defesa de Lula tenta arrolar o Tacla Duran como testemunha a mais de um ano mas república de curitiba se recusa a ouvi-lo.

    Cada vez que ouço coisas desse tipo, nomes como dario messer, mais me convenço que os caras do Duplo Expresso é que têm razão.

    E o documento que eles apresentaram como prova cabal de que o moro mente para cercear a defesa do Lula? O que os paralamentares do PT fizeram com ele? Enfiaram no R _ _ _?

    Eles já falam desse Messer, o homem que pode destruir sergio moro, há mais de 4 meses e só agora sue nome começa a aparecer aqui.

    Mas, investigações podem servir tanto para condenar quanto para blindar. Vemos isto todos os dias.

    Condenam o PT e blindam os tucanos do psdbosta.

    Deve estar rolando muito dinheiro por trás.

    Lá no duplo expresso eles falam de uma mega propina paga para abafar o caso banestado no judiciário.

    Será que daqui a pouco isto também vai aparecer por aqui?

     

     

  2. O elo perdido

    Cobras criadas. Prepararam o bote durante mais de uma decada.

    Banestado -> ?????? -> Lava-jato.

    O jornalismo investigativo encontra uma lacuna historica a ser preenchida.

    Pistas? Fio da meada?

    Porque sera que o governo FHC investiu tanto no TRF-4 no seu apagar das luzes?

  3. O doleiro Lucio Funaro já

    O doleiro Lucio Funaro já ameaçou denunciar o advogado Figueiredo Bastos à PGR. A notícia foi vazada por Lauro Jardim em coluna dO Globo, mas ninguem da imprensa ou da Lava-Jato se interessou pelo caso. Tampouco Lauro Jardim voltou ao assunto. A reunião na qual Funaro diz ter recebido a proposta de proteção ocorreu realmente e nos termos expostos por Jardim, como pude confirmar com uma fonte. E quando a nota afirmando que Funaro pretendia denunciar a oferta de proteçao em troca de não ser denunciado pela PGR, os advogados acusados pelo doleiro reagiram encagaçados. Pouco depois, o próprio Funaro voltou atras e contratou o próprio escritorio de Bastos para fazer a delação à força tarefa. A nota de Lauro Jardim pode ser lida aqui: https://blogs.oglobo.globo.com/lauro-jardim/post/funaro-pode-entregar-advogado-que-usa-delacoes-para-achacar.html

    Quanto a essa matéria antiga de capa da Veja ridicularizando Bretas, a fonte é ninguém menos que o próprio Figueiredo Bastos. Ele sentiu-se traído por Bretas, que cuidava do caso Palocci em substabelecimento e acabou passando a perna no “chefe”: de olho nos honorários milionários, tomou o cliente de Figueiredo Bastos para si. Desde então – e da descompustura presenciada inclusive por familiares de Palocci que Figueiredo passou em Bretas – ambos se odeiam.

     

+ comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome